segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Praxes

O meu amigo José Mariano Gago disse aquilo que eu gostaria de ter dito sobre as praxes: "O que estamos é perante o comportamento de jovens adultos que estão a educar-se entre si e a educar os outros para uma sociedade fascista em que é considerado normal abusar dos outros e os outros agradecerem".

Em tempo: a quem tiver uns minutos, aconselho a leitura disto.

55 comentários:

Isabel Seixas disse...

Subscrevo.

Anónimo disse...

fazendo uns cruzamentos via net etc

http://www.regiaocentro.net/lugares/coimbra/praxe/

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3851285074872&set=pb.1060595862.-2207520000.1390801741.&type=3&permPage=1

(fotozinha muito jeitosa...)

https://www.facebook.com/praxenaotortura
http://www.youtube.com/watch?v=_EeritdhQPE#t=36

maravilhas do nosso pais... que anda muito pobre de espirito

cumprimentos

Catinga disse...

A eterna obsessão com o fascismo. Irra, que um dia, até roubar galinhas há de ser um comportamento fascista. Esta gente precisa de mudar de palavras: já cheiram a mofo!

Anónimo disse...

Não subscrevo...
antonio pa

patricio branco disse...

muitas destas praxes actuais equivalem pura e simplesmente a formas de tortura, sadismo, acosso sexual, opressão do que tem o mando sobre o que deve obedecer, etc.
o secretismo, os juramentos, tornam isso como praticas de seitas, etc
tem de haver um código e uma etica abertos das praxes e liberdade para não as aceitar.


Janus disse...

A culpa também é de nós todos. Quantas vezes vemos essas cenas estúpidas, calamos... não dizemos nada...e outros ainda acham piada!

Anónimo disse...

Os putos precisam de pão mas também de educação. Ainda que não sejam só as faculdades que educam para a vida e para a felicidade, estes centros de educação devem assumir as suas responsabilidades e, onde as praxes têm expressão, eles devem carregar com a parte da vergonha e da responsabilidade que lhes pertence.
E também os putos que levam a estupidez aos pontos mais degradantes da pessoa humana devem ser chamados à responsabilidade.
É a inteligência que merece ser promovida e não a estupidez. Os meninos, os ditos meninos de bem que cultivam a estupidez e que a levam ao extremo, nas práticas da praxe, devem responder humana e penalmente por este tipo de práticas que só encontram paralelo nas práticas fascistas condenáveis.
E que não venham agora dizer que só adere aquelas práticas degradantes quem quer!
A estupidez não é nata, é uma matéria que se cultiva! Por isso as sociedades civilizadas devem proibir a cultura da estupidez.
José Barros

opjj disse...

V.Exª. fala de alguém que conheci.Para mim o melhor ministro de Sócrates. Muito inteligente.Poucas palavras, mas certas.No seu tempo a melhor média de curso. Um pouco menos, mas bom, o seu colega Carlos Pimenta.A última vez que os vi, estávamos no café da Av. Forças Armadas. Vou recordando-os quando aparecem nas TVs.
Achei muita graça quando num Prós e Contras, ele se dirigiu a Sampaio da Nóvoa que o interrompia incessantemente, e lhe lhe disse," mas eu estou aqui só para o servir a si?"
Cumprimentos

margarida disse...

Estamos é perante a falência de uma sociedade de valores, perante o falhanço educacional das famílias, que se demitem dessa função com as mais pífias das desculpas, perante o descalabro da colectividade que antes era o pilar social, estamos perante o resultado de décadas de equívocos e debilidades, agitadas como bandeiras apetecíveis.
E isto a que se vem assistindo no ensino ‘superior’ é o corolário do que já sucede na educação básica, onde o instinto não se domina, ante se negligencia ou incentiva, disfarçando os meios e defraudando os objectivos.
Os fedelhos deixaram de ser educados e a parafernália de objectos e matérias, de mimos e atenções, não passa de um folclore enganador quanto aos resultados, que estão à vista - miseráveis, como aquilo que apreenderam, como o que almejam: uma confraria de pocilga.
O traje académico, que mereceu já respeito, de risível passou agora a objecto do mais profundo asco.

E a propósito, uma perplexidade adicional: onde estão os pais? As vítimas do Meco só têm mães? São elas que, trucidadas pela dor, movem montanhas para que se faça luz sobre a noite fatídica, são elas que reúnem, que procuram, que falam. Onde estão os pais daqueles desgraçados que se iludiram com fantasias ocas?
Como o sobrevivente, a testemunha chave, que se resguarda atrás de um putativo luto que nem as famílias atingidas ousam evocar, que se escuda na própria família que ‘fala’ por ele, esse exemplo de hombridade e coragem, esse cidadão que se denominava ‘Dux’, fica na sombra. É de homem.

Anónimo disse...

Concordo.
Lourenço

Anónimo disse...

Pena é que mon ami Mariano Gago quando esteve no Governo, como ministro do Ensino Superior, nada tenha feito para proibir as praxes. É que de Bagões Félix, que não aceitaram integrar o Governo e depois vêm dar palpites sobre como se deve governar está Portugal cheio...

Anónimo disse...

"Margarida", o seu feminismo neste caso é putrefacto. É mesmo "de gaja" ir buscar coisas tão parvas num assunto destes. Tenha vergonha!

Anónimo disse...

É bem visível o que motiva estes "comandantes", organizarem-se para abusar dos mais fracos, sob o manto de praxes. A sua personalidade fica à vista! Ai de alguns se, um dia, estes "drs", na sua vida profissional, se é que alguma vez a terão, o que esperarão os seus "súbditos"...Haja alguém, nos dias de hoje, que trave estes abusos.

Anónimo disse...

Comportamentos, este e outros tipicos duma certa "classe" de portugueses, que, quando se sentem com poder, exercem-no!

E, não tenhamos ilusões é desde a mulher a dias ao patrão .

È genético e, como se não bastasse, também é contagioso.

Os homens assemelham-se às crianças, que adquirem maus costumes quando mimadas; por isso, não se deve ser excessivamente condescendente e amável com ninguém.

Alguém disse, que, dar uns estalos
nas criancinhas era crime, e agora?

Anónimo disse...

Fascista?! Really... eu pensava que era comunista ao melhor estilo bolchevique!

Como se diz lá em casa... presunção e água gente cada um toma a que quer...

Helena Oneto disse...

Ha comentarios obscenos!
Porque os publica, Senhor Embaixador?
Para nos mostrar a "pire racaille" que polui este espaço e o pais?
Nunca pensei haver gente tão reles! Ainda por cima anonimos! Escoria da pior especie!

Anónimo disse...

Sobre o assunto, a 'velha senhora', minha velha amiga, tem opiniões fortes:

quem fala assim não é gago,
que aos cornos cornos lhes chama!
fascismo e praxe, carago,
são porra da mesma trama,
chafurdam na mesma lama.

subscreve a boa isabel,
subscrevo co'a margarida:
a praxe é asco - e cruel.
catinga à praxe convida
tirando os fachos da lida?

abaixo o facho e a praxe!
ninguém a nada se agache!

abaixo a praxe e o facho!
ninguém é de outrem capacho!

Anónimo disse...

Estive em Coimbra existia praxe, sem as "variantes" não-humanas de hoje.

O fascismo, serve sempre de desculpa, (a desculpa dá vontade de rir!)mas não a falta de valores morais "destruídos" pela sucessiva educação dos meninos/adultos no laicismo total sem um mínimo de valores de Família e Pátria.

SIM, Pátria Portuguesa!

Existem na sociedade outros tipos de "praxes" sobre as pessoas, mais "soft", do tipo humilhação/submissão mental de que já se sofria antes do 25 de Novembro e que tem proliferado por aí, com deve calcular e saber.

Alexandre


Mutante S.21 disse...

Não é um antigo esquerdista e preconceituoso contra as ciências humanas e sociais como Mariano Gago que vai dizer o que quer que seja sobre este tema. Logo ele, que destruiu a vida a milhares de pessoas, obrigando-as a pagar, a peso de ouro, parte da sua formação académica.
E sim, a culpa é mesmo do Gago y sus muchachos, porque o que estava planeado em matéria de adaptação do Ensino Superior nacional a Bolonha não era nada do que foi feito, mas sim a apreciação, caso a caso, de cada área.
Chegou esse furacão patético do Técnico e tudo varreu, favorecendo apenas os compadres lá da sua área e mais dois ou três; tudo o resto foi despromovido e humilhado, como Direito, Economia, Filosofia ou Ciência Política.

Logo ele, que destruiu o que de bom havia nas antigas licenciaturas através da "reforma" (sim, com aspas) de Bolonha; também essa asneira monumental contribuiu para dar poder de praxe a miudagem cada vez mais nova e sedenta de continuar os erros dos que a praxaram, já nem falo da perversão de enviar gente cada vez mais nova e imatura para o mercado de trabalho.
Poupem-me aos elogios a essa personagem, que só mancham este blogue.

Pior do que estas praxes só mesmo os Gagos e Cratos desta vida, mais o seu nivelamento por baixo das faculdades e dos graus dos cursos.

Deixe-me que lhe diga, Sr. Embaixador: com tanta opinião aceitável sobre estas "praxes", tinha logo de vir com a do Diabo em pessoa. Vasco Correia Guedes (perdão, Pulido Valente) ou Pacheco Pereira estiveram muito melhor do que o seu amigo.
Quanto a quem lhe chamou o melhor ministro de Sócrates: só quem não leva com as asneiras e erros dos outros é que lhes chama santos. Não falem do que não sabem, se fizerem favor, se o conseguirem.


Ass.: alguém que conheceu as "reformas" do Gaguinho ao ser vítima delas.

Anónimo disse...

Há ainda muito a saber sobre estas "sociedades secretas" nas universidades e mesmo na sociedade portuguesa. É o país que foi construído por alguns.

Anónimo disse...

Sim, tem toda a razão. Comportamentos fascistas (incluo os bolcheviques e as mega sociedades financeiras no rol, é tudo o mesmo).
Há uns anos atrás, a propósito de algo que não vem ao caso, uma médica do Hospital Dona Estefânia disse-me que temia a nova geração de dirigentes hospitalares, muito viajados, mas com pouco mundo, muito qualificados, mas humanamente deficitários, muito gabarolas, mas sempre cheios de medo.
O medo é a palavra chave.

Anónimo disse...

Sr. "catinga,
27 de Janeiro de 1945 – este dia, esta data para si também deve ser "eterna obsessão"

Quanto ao "mofo" o sr.1ª já anda a tratar disso ao querer acabar com os grisalhos...

Peço desculpa ao dono do blog.
Helena/Cascais

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Helena Oneto: como terá verificado, deixo frequentemente publicar textos que pretendem afetar-me. Salvo algumas coisas que ultrapassam uma "red line" que estabeleci, devo dizer que acho muito pedagógico mostrar o que por aí vai...

Catinga disse...

Helena/Cascais, não percebi patavina do seu comentário mas, suspeito de que, caso tivesse percebido, estaria a rir-me com qualquer coisa...

Catinga disse...

Aproveito para dizer que também concordo com o comentário feito à Margarida. Sacar de feminismo primário num assunto destes é mesmo andar muito por baixo...

Anónimo disse...

Um comentário mais da 'velha senhora':

se alinho co'a bela helena
também entendo o autor
que obscena gente pequena
nos mostra no seu pior

margarida disse...

Helena, comungamos no repúdio aos anónimos. Agradeço as palavras, mas já conhecemos a elasticidade (algo pedagógica, admito) do nosso anfitrião.
À pessoa que pretendeu dirigir-se-me, faço notar que o meu nome é o próprio, pelo que dispenso as aspas (os supra citados conhecem-me pessoalmente, podendo aferir o que afirmo); é absurda a alegação de feminismo, dou nota de um facto, ainda hoje repetido pelas televisões: os pais sumiram. Nem avento teses explicativas, devido ao delicado da situação.
O adjectivo também está mal encontrado, mas com certeza que no nervosismo escapou-se-lhe um mais adequado. Acontece aos melhores, não se amofine, assim como assim, ninguém por aqui sabe quem é, por isso fica salvaguardado(a).
A expressão brejeira é fraquita e apouca a sua escassa tese. Uma pena. Mas, dada a benevolência do senhor embaixador, terá outras oportunidades para dar conta do equívoco das suas análises e exprimir no mais requintado português o seu fel.
Passar bem.

EGR disse...

Senhor Embaixador: esses meninos e mmeninas que se divertem com as praxes, nas suas mais repugnantes manifestações, não vão a caminho do fascismo pela simples razão de que eles já o são.
E pelo teor de alguns comentários a este post verifica-se que não estão totalmente isolados.
Na verdade,desde os que se dedicam ao insulto até aos que aproveitam para tentarem ajustar umas delirantes contas com o ex-ministro Mariano Gago há de tudo um pouco.
Por vezes dou comigo a pensar que o homem de Santa Comba não está definitivamente sepultado.

Portugalredecouvertes disse...

Eu penso que será um fenómeno de violência que se deixa expandir por ninguém lhe ligar, ou seja os adultos deixam jovens pôr em prática certos instintos maus do comportamento humano sem que a censura se sobreponha a eles
Recordo instintos violentos por em diversos problemas históricos ligados por exemplo ao futebol com claques inglesas, as autoridades souberam atuar para impedir que esses atos se repetissem e agora tudo parece mais civilizado e seguro nos campos de futebol

Anónimo disse...

Já é da praxe, aqui, vociferarem os anónimos. O Sr. Embaixador devia praxar os anónimos...
Estou convencido que o "praxeco" e outros tão "sérios" não se rebelariam...
antonio pa

Anónimo disse...

Como é possível que nada aconteça (não há pais, não há escola, não há autoridade?) quando se vê na televisão uma menina de capa e batina, facilmente identificável, cabelos loiros escorridos, e apesar do ar frágil e virginal, gritar de forma imperativa para um grupo de jovens caloiras:
"Exijo que se deitem ao chão, já!"?
E as pobres meninas lá se deitam, já, sob pena de algumas sevícias, a chafurdar na lama.
Já estão a ver o que vai ser aquela jovem na família, no trabalho, nos meios em que lhe for dado viver? Uma insuportável tirana.
Que país é este que estamos a deixar criar?

Isabel Seixas disse...

Querida Margarida como fico descansada com a sua serena e eficaz capacidade de resposta.
Claro que subscrevo a Helena Oneto na integra.

Anonimato aprendi a respeitar
na minha querida,brava velha amiga
na exceção à regra vou acreditar
pedagogia democrática...Prossiga?!...

Helena Oneto disse...

Ao Catinga que não percebe "patavina", aviva-se-lhe a memoria:
"Em 27 de janeiro de 1945, o Exército Vermelho libertou Auschwitz, o maior e mais terrível campo de extermínio dos nazistas. Em suas câmaras de gás e crematórios foram mortas pelo menos um milhão de pessoas."
Agora ria-se do(s) triste(s) comentario(s) que faz!

Anónimo disse...

Abaixo a praxe, abaixo sim

Ate as criancinhas no jardim escola ja usam cartola, pasta e fitas...

Uma Avo indignada e nao conformada...

Rever Bertoluci "The Conformist"! Eu ca nao me conformo.

Saudades de Londres

F. Crabtree

Catinga disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

"Margarida" peca por defeito: atendendo a que as vítimas foram, sobretudo mulheres e que o sobrevivente foi um homem, podemos encarar o silêncio dos pais como cúmplice de uma trama machista para impedir que as mulheres ganhem poder no seio das praxes.

Anónimo disse...

Grande povo, o Alemão, que até inventou o Mal!

Até ao advento do fascismo (inventado pelos Italianos, parece...) a Humanidade era bela e inocente e apenas por grandes princípios se fazia mal ao semelhante: torturava-se em nome de Deus; matava-se em nome de Deus; mutilava-se em nome de Deus. E da justiça, e do Rei, também.

E a populaça, aplaudia. Em nome de Deus, do Rei e da sua própria diversão. E assim se passaram alegremente séculos e séculos.

Depois, vieram os fascistas e mostraram que tudo aquilo que antes se fazia, em nome de Deus (ou da Justiça, ou do Rei), podia ser feito em nome do Führer. E inventaram a maldade, portanto.

Desde então, o mundo tem visto a maldade espalhar-se:
- os comun... fascistas da União Soviética
- os comun... fascistas da RDA
- os comun... fascistas em África
- os comun... fascistas na Coreia do Norte
- os comun... fascistas da China

Agora, já não é em nome de Deus mas sim do "querido líder";
Agora já não é em nome da Justiça mas sim da "igualdade";

Malditos Alemães!

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Catinga: não publico. Vamos baixar o tom.

Anónimo disse...

Ó Seixas. Quando esta malta das praxes percebeu que tu os consideravas uns reaccionários do piorio cairam-te em cima. Esta direita caceteira de cá gosta de praxar para se vingar, frustrada como é, do que lhe fizeram a ela (devíamos ter sido mais rigorosos nos dias "da brasa"). São os mesmos que estão contra o aborto, que ficam fulos quando escreves mal do Botas de Santa Comba, são os que gostam de touradas e que andam com o pateta do d. Duarte ao colo. Só concordo com eles no caso do aborto ortográfico onde não te percebo. Ou melhor, percebo que tu queres picar o boi. Tu leva-la direita. Invejo a tua reforma. A minha, quando lá chegar (não falta muito), já não deve existir. Um abraço alentejano do Luis TC

Anónimo disse...

O pessoal gosta é de generalizações. Sente-se seguro.
Sabe bem um tipo sentar-se, colocar as mãos na barriga e pensar "que grandes bestas todos aqueles". Depois, puxa de um charuto e pensa nos pobrezinhos...

Anónimo disse...

"(...) é sintomática a reacção instintiva daquela esquerda a todas as tentativas de leitura do Estado Novo que não se enquadrem nos seus modelos interpretativos e estereótipos, tais como a necessária caracterização do salazarismo como «fascismo» (...)"

Quem é que recentemente aconselhou o texto onde isto está escrito?

Francisco Seixas da Costa disse...

Ao Anónimo das 13.48: eu aconselhei a leitura do texto, não disse que concordava com ele. Em rigor, o salazarismo não foi um fascismo e nunca, neste blogue, se chamou "fascista" ao regime ditatorial português. Mostre-me um texto onde isso esteja escrito? Leia melhor, está bem?

Anónimo disse...

caro luis tc

por favor, nao confunda gostar de touradas com ser de direita. nao sei donde é que tera sacado essa. nem algumas das outras...

cumprimentos

Anónimo disse...

O Salazarismo foi um regime de inspiração fascista. E de simpatias fascistas (Nazi-Fascistas). E uma boa parte da legislação à época foi inspirada no Fascismo italiano. A saudação “fascista” era praticada, no cinto dos jovens da Mocidade Portuguesa lá estava o “S” de Salazar, a própria Mocidade Portuguesa foi de influência Fascista. A polícia política que foi criada para suporte do regime salazarista recebeu preparação fascista externa e Salazar era um indiscutível simpatizante do Fascismo (sobretudo italiano). Nesse sentido, é com dificuldade que leio o que escreve, de que o “salazarismo não foi um fascismo” (mas, tão só, um regime ditatorial). Não faço essa leitura. O Salazarismo foi, sem margem para dúvidas, um modelo de Fascismo e um sistema Fascista. Não terá sido, possivelmente, pelo menos para alguns dos reprimidos, tão feroz como aqueles regimes sobre quem se inspirou. Talvez. Mas, que foi um sistema na sua substância Fascista, foi. Isto não é uma crítica ao autor do Blogue, cujas posições políticas falam por si no que respeita quer à Democracia, quer à sua postura anti-Ditaruda. Apenas uma pequena reflexão.
Lourenço

Anónimo disse...

Leio melhor? Leia o senhor, melhor! Onde é que eu escrevi que a coisa se dirigia a si? Dirige-se à cambada caceteira que passa a vida com a boca cheia de "fascismo" a propósito de tudo e de nada e que quando alguém se desvia um pouco da linha oficial imediatamente lhe cai em cima com todos os tiques de grosseria!

Ainda bem que reconhece que não tivemos fascismo (ditadura, sim).

Anónimo disse...

As pessoas de esquerda não podem gostar de touradas? Não está no manualzinho do "bom esquerdista"?

margarida disse...

Talvez o espaço mereça o respeito de comentarmos os assuntos dos posts e não uns aos outros.
Porque, tirando os remoques carinhosos p.ex. a quem escreve looooooooongamente (onde anda o nosso caro Defreitas?), cada um tem direito às suas ideias, fruto de tantas coisas que aqui não cabem.
É profundamente desagradável tropeçarmos em, digamos, críticas tão virulentas e deselegantes como às vezes nos é permitido ler. Bem sei que as caixas de comentários por aí fora são um esgoto, mas aqui, convenhamos, esperar-se-ia um nadinha mais de elegância, para fazer jus ao anfitrião.
Não é que não saiba utilizar o vernáculo, não é que não me apeteça, mas até esse nível, curiosamente, é bom demais para certos comentadores.

Defreitas disse...

Cara Margarida : Bem quis participar , mas abandonei. O meu texto saiu raivoso, e, como de costume, "trop long" . Perante tanta falta de elegância de alguns, défice de educação de outros e, sobretudo, de cegueira daqueles que não vêm o drama da demissão dos pais que caracteriza a sociedade actual, o discurso seria longo. O governo, deficiente, certo, não pode substituir os Pais. Os ensinamentos destes são essenciais. O governo só pode trazer o saber e preparar para o futuro. Mas como nem isso ele sabe fazer, o drama é total.

Anónimo disse...

Um sujeito chateia-se com o abuso do termo fascista e é conotado como sendo nazi (ironicamente, por alguém que abriga na sua terra corpos de soldados nazis).

(e os miúdos, mortos)

Uma comentadora de um só nome (mas que detesta anónimos) aproveita a morte de seis miúdos para nos dar a sua versão facciosa da sociedade, em que as mulheres são colunas de virtude e os homens uns cobardolas que se escondem atrás delas. É elogiada e carpe mágoas pelos ataques que acha não merecer.

(e os miúdos, mortos)

Uma amiga do bloguista metralha a canalha com muitos erres à francesa, dá com a coronha em quem ainda se mexa e, de caminho, apela ao amigo para não deixar que outros respondam. É o toca e foge para o coito social. Aparentemente, este é-lhe permitido. Noblesse oblige.

(e os miúdos, mortos)

Um poeta de rimas rascas bate asas e aterra num barril de mau tinto. Chapinha e faz fontinhas com a boca. A populaça socialite, alarve, gosta e aplaude.

(e os miúdos, mortos)

Um tipo aproveita a onda, saca da sua basófia esquerdista e dá-nos uma lição de como deve ser o homem ideal (de esquerda). Desvios, não se aceitam que a raça deve ser pura.

(e os miúdos, mortos)

O bloguista, acalma os admiradores garantindo que se permite textos heréticos é só pelo prazer de contemplar o "bas-fond" e de assim se poderem destacar todos pela perfeição das suas qualidades. Todos: a sexista, a "mitrailleuse", o homem-modelo...

(e os miúdos, mortos)

Pode dizer "miúdOs" ou é machismo?

E eu, fujo daqui, os pés agarrando-se ao peganhento chão...

Helena Oneto disse...

E pena que o anonimo das 21:04 não tenha fugido daqui há mais tempo! Outros podiam seguir-lhe o exemplo.

margarida disse...

“Remember not only to say the right thing in the right place, but far more difficult still, to leave unsaid the wrong thing at the tempting moment.”

– Benjamin Franklin -

Anónimo disse...

A 'velha senhora' acha que o anónimo das 21:04 é o seu velho 'amigo':

eis catinga que se espalha
numa lauda de impropérios
pra punir esta gentalha
que ousa ter outros critérios
quando os dele é que são sérios

desde 'alarve' a 'coito' e 'rasca'
grã catinga em tudo investe
de ignomínia lá se atasca
a julgar que nos subverte
só enoja e/ou nos diverte

Catinga disse...

Bela frase, margarida. Que pena não se ter inspirado nela na devida altura.

E, para que não fique sozinha nas citações, aqui vai uma, também em "estrangeiro" (o que lhe dá, desde logo, mais força e beleza - presume-se):

"I disapprove of what you say, but I will defend to the death your right to say it" - Evelyn Beatrice

Consegue topar as personagens que têm problemas com semelhante princípio?

Anónimo disse...

A 'velha senhora' acha que o anónimo das 21:04 é o seu velho 'amigo' e diz-se ofendida no seu orgulho de mulher e na sua honra de rimalhadeira, pelo que invoca o direito de resposta:

não sou poeta nem macho
prefiro ao tinto o alvarinho:
se um catinga está borracho
que chapinhe - eu não chapinho -
e não se arme em bom anginho

ei-lo, o pobre, que se espalha
numa lauda de impropérios
pra punir esta gentalha
que ousa usar outros critérios
por os ter por bem mais sérios

'mofo' 'alarve' 'coito' 'rasca'
contra nós catinga verte:
de ignomínia ele se atasca!
a julgar que nos subverte
só nos enoja e/ou diverte

Anónimo disse...

errata

A última palavra da 5ª linha da rimalhice escreve-se
'anJinho' - evidentemente
A 'velha senhora' minha amiga que me perdoe o lapso de dactilografia.