segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

História retocada

A fuga da sinistra prisão de Peniche, protagonizada em 1960 por Álvaro Cunhal e nove outros dirigentes do PCP, foi há dias recordada por esse partido.
 
Há poucas semanas, o PCP publicou também uma interessante fotobiografia de Álvaro Cunhal, comemorativa do centenário do seu nascimento.

Não posso deixar de sentir pena que, no primeiro dos casos, durante décadas, o PCP tenha escamoteado, em todos os seus textos, que Francisco Martins Rodrigues fazia parte do grupo que integrou a audaciosa fuga. Porquê? Porque, meses após esse importante momento, Martins Rodrigues viria a abandonar o PCP e protagonizou uma dissidência de esquerda.

E lamento muito que agora, numa clara manifestação de sectarismo, os autores da oficiosa fotobiografia tenham manipulado a imagem em que Cunhal aparece sobre um tanque, na sua chegada ao aeroporto de Lisboa, em 29 de abril de 1974, dela retirando a imagem de Mário Soares, que estava igualmente ao lado do líder do PCP, e que, com esse gesto, dera um magnífico exemplo de solidariedade democrática. Nem Mário Soares merece este ato censório, nem a memória de Álvaro Cunhal fica com ele melhor servida.

O PCP foi um partido que, como nenhum outro, lutou pelo fim do regime que os militares derrubaram em 1974. Muitos homens e mulheres comunistas sacrificaram anos das suas vidas ao seu ideal, sofreram prisões, torturas e perseguições. Por isso, os comunistas não têm necessidade de esconder a realidade para retocar a sua história.  

17 comentários:

Anónimo disse...

Cada um tem os seus heróis! Quando não coincidem é uma chatice!...
antonio pa

Anónimo disse...

A politica partidária, contrariamente à politica democrática, é sempre assim: quem não está connosco, está contra nós. E quanto mais um partido apregoar a verdade absoluta, mais pretensões vai sentir para refazer a história à sua imagem. O Francisco Martins Rodrigues que passou a dissidente era um renegado. Ainda por cima continuava a remexer com os esquerdalhos...
Será por causa da prática da politica partidária que muita gente, com medo a represálias, não tem forças para assumir o seu próprio passado e presente.
José Barros


Anónimo disse...

Por essas e por outras, vários militantes (alguns de longa data) ou ex-militantes do PCP me disseram que, para saberem a história do PCP, tiveram de ler os 3 volumes da biografia de Álvaro Cunhal feita por Pacheco Pereira.

opjj disse...

Democracia- é uma palavra bonita,mas não é levada à letra por tantos de que dela a sua boca se enche.
Há muitos medos tementes a represálias e alinham no que não concordam.
Apenas um exemplo;Conheço alguns professores, já no quadro, que alinharam a contra-gosto na dita greve. Senão, a sua vida tornar-se-ia insegura.A concordância evita sujeição a pressões e por consequência a estabilidade do lugar.
Diz o ditado; "O Mundo dá muita volta".
Cumprimentos
opjj

Anónimo disse...

Com a sua idade e experiência de Embaixador e leitura dos factos sobejamente divulgados por esse mundo fora, devia ter aprendido que comunistas e nazis são "material do mesmo saco", quanto aos objectivos finais.ditaduras!


Alexandre

margarida disse...

Comunistas, socialistas, bah...

http://corta-fitas.blogs.sapo.pt/5593182.html

Pode demorar mas a verdade vem à tona.

Bmonteiro disse...

INCONCEBÍVEL!
Como será assim possível, olhar para certa esquerda e ver ali uma um dia, alternativa política ao Bando Central da Corrupção instalada?
Vale, a propósito do local e pouco depois de "25Abr74, como foi ali recebido o comandante da força militar que de Coimbra, ali levou uma dezena de agentes da PIDE/DGS encarcerados: um forte abraço de um incógnito popular local.

Anónimo disse...

Lido por aí:

"(emenda à Constituição)
Lei de Reforma da Assembleia (proposta de emenda à Constituição)-PEC "

1. O deputado será assalariado somente durante o mandato. Não haverá 'reforma pelo tempo de deputado', mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente ao seu trabalho como cidadão normal.

2 A Assembleia (deputados e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo actual de reforma da Assembleia passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores deputados participarão dos benefícios dentro do regime do INSS, exactamente como todos outros portugueses. O fundo de reforma não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

3. Os senhores deputados e assessores devem pagar os seus planos de reforma, assim como todos os outros portugueses.

4 Aos deputados fica vedado aumentar os seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.

5. Os deputados e seus agregados perdem os seus actuais seguros de saúde, pagos pelos contribuintes, e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo português.

6. A Assembleia deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo português, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna da Assembleia.

7. Exercer um mandato na Assembleia é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não uma carreira. Os deputados não devem "servir" mais de duas legislaturas consecutivas.

8. É vedada a actividade de lobista ou de 'consultor' quando o objecto tiver qualquer laço com a causa pública. "

Ale3xandre

Defreitas disse...

Ao Senhor Alexandre

Comunismo e Capitalismo são sistemas económicos, democracia e ditadura são regimes políticos. As duas noções são independentes e podem conjugar-se, a ditadura capitalista como a democracia comunista e vice versa.
Os mesmos que confundem comunismo e ditadura querem frequentemente ignorar que numerosas ditaduras se reclamaram do capitalismo.
Franco derrubou a República Espanhola em nome da luta contra o socialismo.
Pinochet e quantos outros ditadores da América Latina fizeram a mesma coisa na América do Sul.
E Portugal de Salazar? Não sendo nazi nem comunista, o que era?

Para lá, na sociedade globalizada, como podemos qualificar doutra maneira que de "ditadura capitalista", os numerosos regimes ditatoriais da África que se inscrevem plenamente na globalização e o liberalismo e são membros da OMC ?

Todos os regimes comunistas não foram ditatoriais. Antes dos anos 2000, posso citar três experiências de comunismo autenticamente democrático:
- A comuna de Paris, derrubada pela III° Repùblica;
- O curto período da 'primavera de Praga" , derrubada pela URSS e os blindados do Exército Vermelho.
- O Chile de Salvador Allende, derrubado pelos USA, via o general Pinochet e a CIA.

Vê- se bem que nenhuma destas experiências pôde chegar ao seu termo, as três tendo sido derrubadas por forças exteriores. E estas forças, Senhor Alexandre, eram "democráticas e capitalistas" como a III. Republica francesa ou os USA, ou ditatoriais como as da URSS.

O capitalismo nascente do XIX° século necessitava de matérias primas a baixo custo para construir a sociedade industrial. Como fizeram? Pela colonizaçao e a pilhagem, e, mesmo hoje alguns continuam.
Concretamente todos esses povos sofreram uma opressão, uma privação de liberdade, uma forma de ditadura. Imputável a quem? Aos países capitalistas como a França ou o Reino Unido e mesmo Portugal.

O Comunismo real é intrinsecamente democrático. Em essência, nenhuma ditadura pode reivindicar-se do comunismo. A ex-URSS assim como a China e os seus satélites não eram regimes comunistas, mesmo se tinham o nome.
O Comunismo tem por ideal de chegar a uma sociedade sem classe social; e porque a relação do trabalho está no centro da definição de toda sociedade, uma sociedade sem classe necessita o controlo do utensílio de trabalho, pelos trabalhadores eles mesmos. Nenhum destes objectivos, essenciais do comunismo, existiam na URSS, na China e algures.

Estas classes dominantes da Rússia imperialista que eram a nobreza e a burguesia, o regime estalinista substituiu-as por uma nova classe dominante, a nomenklatura, os quadros do partido único "comunista".( Quando escrevo "partido único" não posso deixar de pensar num certo "partido único" do pais da minha infância, que não era um regime comunista nem nazi!), Senhor Alexandre.

Se bem que nacionalizadas, ninguém pode dizer que as empresas pertenciam aos trabalhadores, a terra aos agricultores. Que o patrão se chame "accionista do CAC40" ou "comissário político, para o trabalhador, o resultado era o mesmo: era vítima no seu trabalho da relação de exploração e de dominação da mesma natureza.


PS) Mais uma vez, peço desculpa, Senhor Embaixador pela extensão do texto. Não sei fazer curto!

Defreitas disse...

Ainda ao Sr. Alrxandre - Comentàrio das 16:55



http://www.youtube.com/watch?v=SVaxY9oJEz4&feature=youtube_gdata

Anónimo disse...

Sr. DFreitas:

Tem toda a razão !
Enquanto a Terra for Mundo, existirão SEMPRE classes sociais, uns mais, outros menos previlegiados e não privelegiados, conforme os condições da evolução do padrão de referência tecnológica da humanidade e que pode sempre (infelizmente) "descambar" para totalitarismos, em sociedades que têm mais "barriga que cabeça" de acordo com as condições do momento.
Os privilégios é que variam !

O partido único da sua infância e da minha, por "excesso de zelo paternalista",foi um dos culpados da situação, mas não o principal, do estado a que chegou a Nação Portuguesa.

Alexandre




patricio branco disse...

mas sem duvida que têm necessidade de esconder, apagar, formatar a historia segundo a sua conveniencia ideologica, partidaria, riscar pessoas que deixaram de ser do partido ou o renegaram, excomungar dissidentes, etc etc, ou então não fariam isso.
cada ideologia com suas regras e métodos, aceitemos que as coisas são assim, seria o mesmo que querer que a igreja catolica defendesse ou aceitasse o ateismo, o aborto, o matrimonio não celebrado na igreja, etc.
possivelmente mario soares retiraria parte do protagonismo a cunhal se aparecesse na fotografia, cada ideologia tem a sua moral, etc

josedemelo disse...

De vez em quando sou surpreendido com atitudes deste tipo por parte do PCP.
Cmeço a pensar que é patológico.

Antonio Cristovao disse...

Real esta pratica de pintar a realidade torna por vezes as conversas com comunistas um exercicio identico ao discutir religião comum muçulmano. Uma tarefa surrealista e exasperante. Nem a instrução intelectual os acalma.

Anónimo disse...

Sem duvidar nadinha, fico com pena de não nos mostrar aqui as fotos...

Defreitas disse...

Ao Senhor Alexandre:

Classes sociais ? Certamente que sempre existiram, e continuarão a existir numa dinâmica de economia do mercado e de propriedade privada, deixada sem controlo, potencialmente ameaçadora para as nossas sociedades democráticas e os valores de justiça social sobre os quais elas se fundam. E não quero que pense com isto que estou a fazer a apologia do comunismo!

As classes sociais existiram sempre. Tem razão. E porquê? A desigualdade criada pelo facto que os patrimónios do passado se recapitalizam mais rapidamente que o ritmo da progressão da produção e dos salários. Esta desigualdade exprime uma contradição lógica fundamental. O empresário tende inevitavelmente a transformar-se num rendeiro, e a dominar cada vez mais fortemente aqueles que só possuem...o seu trabalho. O passado devora o futuro.

A partir do momento em que está constituído, o capital reproduz-se sozinho, mais rapidamente que a produção. O rendimento do trabalho, ele, não acompanha esta evolução. Estagna antes. E com a globalização, o imenso reservatório de mão de obra do terço mundo posto à disposição do capital, comprime ainda mais o rendimento do trabalho ocidental.

Não sei se acompanha a classificação FORBES das fortunas mundiais. Um dos ensinamentos mais explosivos deste palmarés dos ricos, é que a partir dum certo patamar todas as fortunas -herdadas ou empresariais - progridem a ritmos extremamente elevados, que o dono da fortuna em questão exerça uma actividade profissional ou não. Estão como que condenados a enriquecer a dormir, quer queiram ou não !

Que a fortuna de Bill Gates tenha passado em dez anos de 4 mil milhões a 50 mil milhões de $ e a de Liliane Bettencourt (Oreal) de 2 mil milhões a 25 mil milhões, isto é, uma progressão média anual de 13%, prova que o inventor mesmo depois de partir para a reforma e a herdeira d' Oreal, que nunca trabalhou, continuaram a enriquecer-se a um ritmo extraordinário, certamente em razão da dimensão das empresas.

A fortuna, a partir do momento em que está lançada, segue a sua lógica própria de auto progressão. O rendimento do trabalho não tem dinâmica nenhuma. A progressão da renda do trabalho deve tudo à reivindicação sindical.

Os partidos da esquerda conservam na sua cartilha o utensílio que deveria permitir de suavizar esta desigualdade : O da redistribuição pura , isto é , a redistribuição fiscal , que permite de corrigir através de "punções" e de transferências a desigualdade das rendas produzida pelo arranque desigual na linha na vida , entre aqueles que herdam e aqueles que devem tudo construir, e que por vezes ficam pelo caminho.

Não creio que os políticos terão a coragem de aplicar a cartilha da justiça social. Porque isso supõe de pôr na balança o seu próprio futuro politico. As classes sociais cada vez mais desiguais têm ainda um grande futuro!

Defreitas disse...

Ao Senhor Patricio Branco, que escreve: " seria o mesmo que querer que a igreja catolica defendesse ou aceitasse o ateismo, o aborto, o matrimonio não celebrado na igreja, etc."

Não são só os partidos políticos que fazem "zapping" sobre certas individualidades quando estas saem da linha do "partido". Ao ponto de proibirem documentação onde alguns nomes são mencionados e ainda pior se se trata de fotografias.
O mais conhecido destes últimos tempos foi o caso de Monsenhor Lefebvre, em França, que chegou a exercer o cargo de arcebispo de Dakar, no Senegal. Que fez ele?
Condenou o Concílio Vaticano II por ser o causador da crise interna da igreja católica e
propôs reter a totalidade íntegra da identidade tridentina. (O Concílio de Trento de 1545-1563).

Acabou por provocar um cisma na igreja católica e fundou em 1971 a Fraternidade
Sacerdotal São Pio X‟, com sede na Suíça. Teve adeptos no Brasil .Dois movimentos que também irão reagir contra as
inovações desse concílio, embora sem sair da igreja, são a "Opus Dei‟, de origem
espanhola, e a "Comunione e Liberazione‟, de origem italiana. “Em termos de política
eclesiástica, essas correntes seguem uma orientação papista e extremamente tradicionalista
e devem a sua forma atual em grande parte à luta contra as inovações promovidas pelo
Segundo Concílio Vaticano.”

O que é curioso é o que se passou nos Estados Unidos, onde o
"Catholic Traditionalist Movement‟ (Movimento Católico Tradicionalista), fundado pelo
padre De Pauw, e o "Orthodox Roman Catholic Movement‟ (Movimento
Ortodoxo Católico Romano), fundado pelo padre Francis Fenton. Ambos críticos às
inovações do Concílio, mas o segundo mais radical. Francis Fenton acusou os
bispos favoráveis ao Concílio Vaticano II de serem comunistas e maçónicos.

Por isso queria restaurar a integridade perdida da igreja.
.
Fundamentalistas doutrinários ou fundamentalistas ético-morais , não sei, mas desapareceram das fotos oficiais.

Como estes movimentos ético-morais são contrários ao uso de
contraceptivos, de preservativos, da fecundação artificial, da interrupção da gravidez,
julgam como pecaminosa a masturbação e o homossexualismo, proíbem as segundas
núpcias após um divórcio, o diagnóstico pré-natal e a eutanásia, é possível que a foto de Mário Soares na mesma foto onde aparece Álvaro Cunhal provoque uma crise de urticária no PCP.