sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Estatística

O governo informou que 95% dos pensionistas estarão isentos do pagamento do "complemento extraordinário de solidariedade", que abrangerá as pensões superiores a 1000 euros.

Fica-se assim a saber que, em Portugal, 95% dos pensionistas vivem com menos de 34 euros por dia.

39 comentários:

Um Jeito Manso disse...

Uma miséria isto. Miséria de todos os tipos, principalmente a miséria moral de quem assim pensa, de quem assim trata os seus concidadãos.

Embaixador, com a sua experiência política, diga-me: como poderemos inverter este ciclo de infâmia que atravessamos?

Anónimo disse...

Vivem com 34 euros por dia por enquanto, porque o objetivo é que 99,9% vivam com 20 euros por dia ( brutos ) e 0,1% com pelo menos 20 euros por minuto ( líquidos ). Por este andar, o Governo e Cavaco irão bem depressa atingir os ditos objetivos. Nào vem da Troika. É mera ideologia governativa.

Anónimo disse...

Também não se percebe como só são atingidos 5%dos desempregados e isso corresponde a 401.858 pessoas
Abraço Maria

patricio branco disse...

com as estatisticas me querem enganar, portanto...

Anónimo disse...

Ficamos a saber?
acho que por aqui toda a gente sabia

Então e os trabalhadores que recebem salários, com casa por pagar e filhos por criar, receberão todos 1000€ por mês?
e os desempregados....

Anónimo disse...

Tem piada que eu tenho um curso superior, trabalho numa área técnica e os €955 líquidos que recebo (incluindo duodécimos) dão-me, divididos por 30, menos de €32/dia.

Tenho uma vida perfeitamente confortável onde não me falta absolutamente nada e vim aqui para saber que sou um desgraçado...

Nem toda a gente tem conta no alfaiate ou no "pub"!

Janus disse...

Isso é que era bom!...

Anónimo disse...

Em Portugal muitos dos que trabalham e contribuem com os seus impostos para sustentar o insustentável também ganham menos que 34 euros por dia.
Mais interessante que alimentarmos esta visão miserabilista - muito portuguesa aliás - seria olhar com isenção e sentido de País (e não partidário), para a sustentabilidade do sistema social e para o que é necessário implementar de reformas para o seu sucesso.
Há demasiados anos que o nosso País aguarda por discussões sérias, sem populismos e demagogia barata, sobre qual a estratégia a tomar para iniciar de uma vez por todas as sempre anunciadas reformas estruturais.

ARD disse...

Há pessoas, no governo, que são pessoal e directamente responsáveis por tragédias individuais e familiares, por indignidades, misérias, mortes e suicídios.

Anónimo disse...

E se conhecessem bem as "qualidades" humanas de PM&Cia, entao ficavam aterrados...

São disse...

Face a esta desvergonha total em todos os sentidos e porque já esgotei todos os adjectivos publicáveis relativamente à escória do Poder e arredores , não posso comentar porque teria que aplicar a teoria da dignidade do palavrão defendida pelo marquês de Fronteira!!

Bom final de semana

Defreitas disse...

34 euros por dia? Olha, é exactamente 10 vezes menos que o primeiro dos portugueses : o Presidente da Republica! Pergunto a mim mesmo como é que ele pode viver!
Alguém que trabalhou e cotizou durante 40 anos, recebe 6 cêntimos de reforma por dia! Triste R.O. I (Retorno de Investimento) !

Solução ? Se a obediência civil permite de justificar o roubo imperdoável e imprescritível, não seria judicioso de celebrar um dia as virtudes da desobediência civil?

Os fundadores da nação americana são os heróicos "insurgentes", contra a velha ordem estabelecida; os Suíços celebram Guilherme Tell; os Franceses celebram De Gaulle que desobedeceu ao governo legal para continuar o combate.
Talvez seja tempo de os Portugueses pensarem em Viriato.

domingos disse...

Bem; uma guerra civil não é cenário que se possa considerar inteiramente eliminado.

Anónimo disse...

Caro anónimo das 8.39,
Pois eu recebo, até agora, não sei ainda quanto deverá ser após os famigerados cortes, 1.800 euros líquidos. Minha mulher não trabalha e aos 50 já não consegue emprego. Mas, 875 são para pagar o empréstimo da casa que comprei há 15 anos, depois tenho ainda de pagar a electricidade, água, telefone, transportes, saúde, um azar qualquer, como reparar a velha viatura, etc. Sobram-me cerca de 450 euros para comer. E para um outro azar qualquer com a saúde. Como não sou o António Borges, já falecido, se tiver um cancro e tiver de o tratar, ou minha mulher, então terei de esperar pela triagem que os hospitais farão, visto não ter dinheiro para pagar a saúde privada. Naturalmente, morrerei antes de ser atendido. Você, com os tais 955 líquidos paga casa? E tudo o resto? E fica-lhe quanto para comer e saúde? Sabe, quando comprei a casa aquela prestação reperesentava pouco mais de ¼ do meu vencimento, hoje é cerca de metade. Fui tendo como muitos outros reduções salariais, mais impostos, directos e indirectos e hoje, vejo-me aflito para cumprir os compromissos que assumi de boa fé, há 15 anos. Este governo então desiquilibrou-nos a vida. Pois eu sinto-me uma das vítimas deste infame governo, embora tenha consciência de que há gente a viver muito pior do que eu.

Anónimo disse...

34 "aéreos" por dia é mau???!!!

Anónimo disse...

"10 de Janeiro de 2014 às 13:10"

Pago casa, pago gasolina e, repito, não me falta nada! E não me poupo a férias no estrangeiro todos os anos!

É vergonhoso tentarem passar a ideia de que quem tem 1000 euros por mês é algum desgraçado.

Vocês vivem num mundo qualquer muito estranho...

Anónimo disse...

"O bolso é o algeroz por onde escorrem as ideias, as opções políticas e a consciência social

«A consciência do homem comum mora no bolso»

Monteiro Lobato

Os padrinhos & Compadres, com o apoio dos média do séc XIX e XX, estão a dar cabo da Nação Portuguesa.

A sociedade acima mencionada, liberosocialismo-políticamente-correcto, "ideias emperucadas", aumentou exponencialmente os instalados, no Estado e suas "Empresas" (?) o que obrigou ao esmifranço dos contribuintes com as consequências que agora se sentem.

Os farsantes, Padrinhos & Compadres hão de continuar por muitos e bons anos com este sistema democrático.

Cabe aos que estão fora do actual "lamaçal" e fazerem esforços inteligentes, para uma participação democrática na vida da Nação Portugesa,através da intervenção em rede, criar "jornais" digitais em substituição das teias dos telejornais--jornalistas-que-sabemos-apoderados.

Enquanto a Nação Portuguesa não se livrar da rede "eu sei que tu sabes que eu sei" que interliga "Padrinhos & Compadres", não auguro nenhum futuro visível, nem para Novos nem para Velhos.

Alexandre


Anónimo disse...

Vistas as contas, confirma-se que o dinheiro das pensoes està concentrado em muito pouca gente.
Eu confirmo que a minha reforma da caixa de pensoes portuguesa é inferior a 0,70€/dia...
e se nao alimentasse por outros meios a minha conta no banco, o montante daquela pensao na chegava para as despesas de gestao do banco. Isto pode parecer comico mas nao é nenhuma piada, confirmo.
A gestao da conta para quem tenha muito pouco dinheiro tem custos elevados. A dos milionarios, nao.
José Barros

São disse...

ANÓNIMO, se consegue viver assim tão bem, seria justo dar a cara por este projecto de empobrecimento do país levado a efeito por Passos em vez de se esconder .

Acho que toda a gente ficaria muitíssimo grata se tivesse a caridade e a gentileza de explicar como consegue ir de férias ao estrangeiro todos os anos e cumprir com todas as obrigações.

Eu, não vivo num mundo muito estranho, mas vivo de certeza mais perto de sofrimentos e dificuldades reais do que o/a senhor/a.

Os meus cumprimentos.

Anónimo disse...

"São", não seja demagoga! Se você ganhar 1.000 e pagar uma casa de 400 sobram-lhe 600 euros por mês para as despesas. E isto vivendo sozinha porque, se tiver com quem dividir as despesas da casa, ainda sobra mais dinheiro.

Mas... se quiser passar a vida a mudar de roupa, pagar 350 canais no cabo, mudar de telemóvel a cada dois meses, comer fora todos os dias, comprar casas de 150 ou 200 mil euros, etc. Aí, talvez o dinheiro não lhe baste mas... eu não tenho nada a ver com os vícios e manias dos outros.

Defreitas disse...

Até agora, a CES era aplicada à reformas acima dos 1350 euros brutos mensais. As taxas começavam nos 3,5% e iam até aos 10% nas pensões de 3750 euros. Agora, no Conselho de Ministros desta quinta-feira, o executivo decidiu aplicar as mesmas taxas mas iniciando a aplicação da CES nos 1000 euros. O Governo calcula que mais 79.862 pensionistas serão atingidos face à CES actualmente em vigor.
Estas alterações aprovadas no âmbito do orçamento rectificativo, que será discutido na generalidade no dia 22 de Janeiro, vão afectar sobretudo quem recebe pensões entre os 1000 e os 1350 euros, que actualmente estavam a salvo da CES, e as pensões mais elevadas, uma vez que a taxa marginal vai aplicar-se a uma parcela maior.
Para completar o conjunto de medidas com que o Governo pretende compensar o chumbo constitucional do corte de pensões no sector público, o executivo irá ainda operar uma subida da taxa de desconto dos beneficiários da ADSE, ADM (militares) e SAD (forças de segurança) de 2,5% para 3,5%.
O alargamento da incidência da CES e o aumento da ADSE, ADM e SAD permitem um encaixe de 388 milhões de euros, o equivalente ao buraco aberto pelo chumbo constitucional ao diploma da convergência de pensões. A ADSE vai representar um encaixe de 160 milhões de euros e a CES de 228 milhões de euros.
-----------------------------------------------------------------------
A partir das próximas eleições europeias, que em Portugal se realizam a 7 de Junho, os eurodeputados vão passar a ganhar um vencimento único. No caso dos portugueses, o aumento vai para o dobro do que ganhavam até aqui. De 3815 euros passam para os 7665 brutos. Seja em valor líquido, 5963 euros, quando, até aqui recebiam 2525 euros líquidos por mês.
Isto sem esquecer outros subsídios (o chamado "subsídio de estadia" aos deputados. Esta ajuda de custo, no valor actual de 287 euros ,à qual se acrescerá ainda uma outra, de 143 euros, caso a comparência tenha de ser feita fora da UE.

São disse...

Zangou-se?!

Meu Deus, as coisas estão piores do que eu pensava aí para os seus lados.

Escusava de entrar em juízos de valor , coisa que não fiz, assim como não o apelidei fosse do que fosse.

Mas, enfim...não se pode esperar muito de quem se esconde sob o anonimato, não é?

Tenha, então, sempre a continuação desse seu paraíso na terra.

São disse...

Regressei só para o informar de que concordo consigo quanto a coisas supérfluas que, mas existem medicamentos, apoios a familiares desempregados, talvez o gosto de ver uma peça de teatro de quando em vez...

Portanto, a vida , para muita gente, não é assim tão fácil com (lhe) parece.

Pronto , para mim o assunto encerrou.

Boa noite.

Anónimo disse...

Ora "São", o seu estilo vê-se ao longe... A provocadora armada em "indignada" que não responde a coisas concretas (ponha lá em causa os meus números) e que, depois, saca de tiques quiduchos como esse do "zangou-se".

Quanto à história do anonimato, é de tão baixo nível que nem merece resposta. Já agora, você tem problemas de crescimento? E "São" é nome e apelido, alcunha ou nº de cartão de cidadão? Ridículo...

Francisco Seixas da Costa disse...

Está encerrado o debate entre a São e o poupadinho Anónimo, quiçá próximo titular das Finanças Quem decidiu? Eu.

Anónimo disse...

1000/30=66.6...

cumprimentos

Defreitas disse...

Gostaria de dizer à São, a minha solidariedade com aquilo que quis exprimir nos seus comentários, que compreendo perfeitamente . Os espíritos mais falsos são aqueles que aplicam as matemáticas na região dos sentimentos e fazem abstracção do sofrimento humano infligido por uma casta de indivíduos insensíveis, que detêm o poder, e são secundados na vil tarefa por inconscientes que os louvam.
Melhores cumprimentos.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 19.36: reveja melhor essa matemática. Razão tem o PISA...

Anónimo disse...

Compadri anónimo,
Támbêm ê vou ó estrangêro, todos os mêsis. Como moro ali ná raia, perto de Badajoz, a um pulo da frontêra, ê e minha mulheri lá vamos, imagini, a pé, porqui, cômo digo, é um pulo (não do Lobo, más outro). Ali, do ôtro lado, está o primo Serafim, que já fala, o filho da mãe, mais espanhol do qui português, depois de se ter ali radicado, há mais de dôs anos! E cômo ficâmos ali, na casa dêli, ná pago nêm comida, nêm dôrmida.
Ah, ê e a minha Teodósia adorâmos ir âté ao estrangêro. E sem gastar um tuste!
Bô nôte compadri!
Assina-se Compadri Zé das Botas (de salto de prateleira)

EGR disse...

Senhor Embaixador: para além da substanciada medida é que só pode suscitar indignação e repulsa é irritante o desplante hipócrita ministro do Trabalho e da Solidaridade(?)ao afirmar a sua preocupação em proteger "os mais vulneraveis".
Decididamente esta gente anda a fazer de nós parvos.

Catinga disse...

A forma como trata o "poupadinho Anónimo", diminuindo-o, é em tudo equivalente à daquela criatura que ia para a Comporta "brincar aos pobres". É o mesmo snobismo, a mesma tendência classista para olhar para baixo e dizer "coitadinhos" (se bem que, agora, disfarçada de preocupação social).

Enquanto a líder da nação mais rica da Europa tem um acidente por usar esquis com vinte anos, um diplomata de um país falido prefere gozar com alguém que se orgulha de saber gerir o "pouco" que tem e sair-se bem.

Já devem de estar a preparar a próxima bancarrota lá para os lados do Rato...

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Catinga: acreditou então mesmo no "poupadinho Anónimo"! Parabéns. Eu não. Quanto ao resto, o problema é só seu: o voto é livre.

Rui Franco disse...

Talvez chegue tarde a esta discussão mas, não posso deixar de concordar in-tei-ra-mente com o tal "poupadinho" porque eu, como "mileurista", tenho uma experiência de vida quase igual. E também não vejo os que conheço e cujos rendimentos se parecem andarem à nora. As pessoas são, realmente, responsáveis pelas escolhas que fazem no dia a dia, quer isso agrade ou não à necessidade de uns viverem em estado de revolta permamente ou de outros surgirem como salvadores dos fracos.

Quanto aos reformados, quando muitos recebem valores de cem euros, parece-me quase obsceno andar-se por aqui com preocupações à volta de valores de mil euros.

Um pormenor avulso: uma grande parte dos reformados já é dona da casa em que vive e isso faz bastante diferença, não?

Anónimo disse...

A postagem é pertinente. A demonstra-lo estão os muitos comentários "DEUS DÁ A ROUPA CONFORME O FRIO". 1000.00 Eu. líquidos mensais, é bom, oh se é!
para quem tem o ordenado mínimo, ou ainda menos. 1.800.00 Eu. líquidos mensais é pouco, sim para quem programou a sua vida para mais... mas 3.600.00 Eu. líquidos mensais, não chega para quem gostaria de ter uma mala de senhora que custa 5 mil euros. Eu compreendo muito bem os comentaristas, oh se compreendo!...

Catinga disse...

Se acreditei?! É a classe média, senhor!!!

Passa tanto tempo nas nuvens que já tem dificuldade em ver as coisas cá na terra :)

Mas, fica já aqui combinado: se o seu partido prometer o rendimento mínimo a quem ganhe mil eurecos, eu voto já em si.

Anónimo disse...

Num café em Carrazeda de Ansiães, duas reformadas encontram-se:

- Aaaaiiiii
- Então, D. Josefa, o que se passa? São as cruzes?
- Pior! É a cultura...
- Quer um Becket? Faz-me maravilhas.
- Nunca me dei bem com isso. Mas se tiver um Ionescu...
- Ui, que isso só há em farmácias de Lisboa.
- É o país que temos...
- A culpa é do ministro da Saúde.
- Se ao menos tivesse uma reforma decente - de uns dois mil euros -, ainda podia ir a Londres.
- Aí, há de tudo, garanto-lhe. Olhe, quer um bombom?
- Venha de lá isso.

Defreitas disse...

Ao ler os comentários do Senhor Rui Franco e outros anónimos, fiquei convencido que finalmente a "Troïka" tem razão: Ainda há pano para mangas em Portugal! Ainda é possível apertar um pouco mais o cinto, porque há alguns "nababos" que vivem bem com 1 000 euros pior mês! E que vão de férias ao estrangeiro. Também é verdade que de Chaves ou de Marvão o "estrangeiro" não está longe! Mas o que é preocupante, é que estes "nababos" não compreendem que à medida que o "cerco" fiscalista aperta em cima, isto é nos 1 000 euros, a pressão descerá automaticamente para os patamares inferiores. E que uma economia à qual se retira pouco a pouco a sua subsistência, vulgo poder de compra, é todo o edifício que se desmorona. Um pouco de solidariedade, Senhores! Porque, enfim, quantos recebem menos de 1 000 euros?

Do tempo do Salazar, também haviam pessoas que sem ser ricos viviam pobremente mas quase dignamente. O problema é qual era a percentagem daqueles que viviam e os que vegetavam. A resposta veio nas décadas de 60 e 70 : o êxodo, mesmo a pé, com a "valise en carton" para o estrangeiro. E o Portugal rural e profundo esvaziou-se.

Rui Franco disse...

"Defreitas", o seu comentário é, numa palavra, rude. Escuso-me a tentar fazer-lhe perceber que, a menos que se enquadre na citada categoria ou que me conheça, não sabe do que fala. Não vale a pena.

Anónimo disse...

Que grande chorões

1.800 euros líquidos, corresponde ao iliquido aproximado de 3200€. Com este ordenado que diz ter, não sobrevive mas pode viver melhor do que aqueles que tem familia e levam para casa, 1000€ o casal. É quanto levam para casa os funcionários do Pingo Doce e 500 000 funcionários públicos