segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A minha opinião...

... que vale o que vale!

1. O PS ganhou as eleições. Talvez não por tantos votos de diferença como o estado do país justificaria, mas ganhou. E António José Seguro, que corria neste sufrágio o seu maior risco - as eleições europeias vão ser uma "passeata" -, ficou consolidado como candidato socialista a primeiro-ministro, quaisquer que sejam as reticências que possa merecer. Desde logo, da parte de muitos que nunca votarão no PS, mas que se arrogam a mandar bitaites sobre a vida política interna dos socialistas. E, depois, também de outros que, votando regularmente socialista, não se revêem no seu estilo de liderança. Mas quem manda no PS são os militantes do PS e, a seu tempo, o PS elegeu e depois confirmou Seguro. Que agora ganhou. Talvez valesse a pena ter claro: Seguro será líder do partido até às próximas eleições legislativas.

2. António Costa confirmou-se como uma figura política de grande dimensão. Apoiado por uma espécie de neosampaísmo e com forte penetração em algumas áreas não socialistas, é, felizmente para o país, uma figura incontornável no nosso futuro político. Mas não vale a pena alguém ter ilusões: está decididamente "fora de jogo" para a liderança socialista até 2015. Por azar dos calendários, arrisca-se a ser para os seus, como Dennis Healey foi um dia no Reino Unido para certo "labour", "the best prime minister we never had". Mas Belém fica já ali adiante. E mais vale um pássaro na mão...

3. Passos Coelho foi muito realista na assunção da derrota e muito irrealista nas razões que a motivaram. Sem sofismas, admitiu o seu fracasso e o êxito do PS, insistindo, contudo, na tecla da linha política que levou muitos dos seus candidatos ao tapete. Posso admitir que, com a "troika" no Terreiro do Paço, não lhe restasse outra opção. Mas, salvo um milagre, acaba de escrever mais um capítulo da crónica de uma morte política anunciada. O PSD continuará a ser, apesar da "abada" de ontem, um grande partido autárquico e, sem fundos comunitários para alimentar as rotundas, os repuxos e a relva, os edis socialistas vitoriosos vão passar por tempos bem difíceis. Daqui a quatro anos, a "máquina PPD" vai recuperar. Até lá, o sebastianismo "fluvial" irá corroendo o partido, sendo muito curioso ver o que o Porto poderá fazer por isso. Não faço prognósticos, salvo que, para os social-democratas, tudo será pior amanhã do que hoje. Estas eleições colocaram um ponto final no otimismo que a remodelação de agosto provocara. Em política o que é, tarde ou cedo, aparece.

4. Sem surpresas, o PCP volta a federar algum descontentamento que a prudência do PS não conseguirá nunca agarrar, sob pena de se descredibilizar como força de alternância. Tendo habilmente feito esquecer ao eleitorado que foi com o seu voto (e o do Bloco) que os socialistas foram derrubados em 2011, e que é graças ao PCP que Passos Coelho é hoje primeiro ministro e aplica as políticas que os comunistas diabolizam, a Soeiro Pereira Gomes regressa momentaneamente aos "ontens" que sempre canta lá pelo Alentejo e arredores lisboetas "enragés". Daqui a dias, voltará para a rua, pela mão da sua heterónima CGTP. Enquanto o sacrifício essencial recair no setor público, o efeito político será uma coisa. Quando forem os assalariados e reformados privados a ter de pagar a fatura - como se viu no caso da TSU - o caso mudará de figura e as ruas passarão a avenidas. O PCP terá sempre e apenas a força que o leque das medidas do governo lhe concederem. Nem mais, nem menos.

5. O CDS confirma-se como indiscutível líder da "liga dos últimos". Com cinco bravas Câmaras cinco, recolhe as canas do incêndio no PSD e ganha a noite, formalmente compungido com o desaire do parceiro. Não dá para abrir uma garrafa de "Ruinart", mas dá para beber um espartano "Magos", brindando aos 500% de crescimento! Os centristas passam assim por entre as pingas do dilúvio que se abateu sobre a maioria, mas talvez a irritação desta obrigue a publicar, de uma vez por todas, o famigerado "guião da reforma do Estado" e o saldo efetivo do batimento de pé à Europa nas últimas semanas. A montanha parirá um Caldas?

6. Uma "ultima corrida em Salvaterra" terá sido lidada pelo Bloco, dela saindo aos ombros de si próprio, como é próprio da modéstia política caseira, que vive das derrotas dos outros, não podendo apresentar vitórias próprias. O esquerdismo pós-modernaço e pós-Frágil terá chegado ao fim? Não acredito, mas a sedução bloquista está a esvair-se rapidamente, com o PCP a rir-se a bom rir. Daqui para diante, como é que vai ser? A esquerda da esquerda bloqueada? Não faço ideia, confesso. Mas, francamente, tenho a sensação de que será só uma curiosidade estatística.

7. No meio de tudo isto, como terá sido o domingo da "troika", fechada pela morrinha no seu hotel, entre o "zapping" e os amendoins do mini-bar? Deve estar intrigada ao saber que já houve um Rio no Porto que ninguém atravessou e que agora nasce outro em Braga. Pedirá às suas secretas para descodificar a salgalhada de apoios que colocou Moreira no alto dos Aliados. Cuidará em saber quem é esse tal de Isaltino que não aparece mas afinal está bem presente. Ouvirá sereias a vender-lhe a troca de Costa pelo Seguro e opostos oráculos a defender o senhor do Rato contra o edil mais popular no país. Procurará com lupa as foices e os martelos escondidos no logo inocente da CDU. Sorrirá a bom sorrir quando lhe derem os números daquilo que é a força política por detrás do seu interlocutor nas conversas do "pacote" de avaliações que lhes alimenta as ajudas de custo. E, quem, na "troika" souber um pouco de bola, terá concluído que o Porto ganhou com um penálti falso, no dia de um seu aniversário que também o é. Mas isso nem a "troika" sabe.

8. Mudou alguma coisa no dia de ontem? Mudou. Mas vai demorar algum tempo até que saibamos exatamente o quê e para quê. Resta-me a dúvida no saber se teremos esse tempo.

Vila Real

Nasci em Vila Real. Em 1996, na qualidade de independente, aceitei o convite para chefiar a lista do Partido Socialista à Assembleia Municipal de Vila Real. Fui então derrotado por Passos Coelho. Não, não era esse! Era o pai, que titulava a lista social-democrata, uma pessoa muito estimável por quem mantenho um grande respeito.

Essa não foi a primeira vez que me interessei pela política local. Em 1969, no tempo em que andava na universidade, colaborei com gosto na Comissão Democrática Eleitoral (CDE) de Vila Real que, contra ventos e marés, sob a orientação dessa grande figura da democracia que se chamou Otílio de Figueiredo, levou a cabo uma difícil aventura cívica de combate à ditadura, que guardo nas minhas melhores memórias. (Ainda ontem encontrei o meu velho amigo António Leite, que me apalavrou para a primeira reunião clandestina, na sala onde a sua avó Dona Dirceia dava explicações, cuja chave surrupiou para o efeito).

Desde a instauração da democracia, e passadas as "comissões administrativas", o PPD (e depois o PSD) dominou sempre o município vilarealense, primeiro com Armando Moreira, mais recentemente com Manuel Martins. O PSD perdeu ontem essa liderança, com erros partidários locais a serem potenciados por uma das mais profundas derrotas autárquicas da sua história, à escala nacional.

O PS, que nunca conquistara a Câmara, apesar de vários combates corajosos no passado, conseguiu-o agora pela mão de Rui Santos, um candidato jovem que tem uma excelente oportunidade para titular um novo tempo para a cidade. Não será uma tarefa fácil, num concelho complexo, desigual e sem uma estratégia de desenvolvimento regional minimamente consensualizada. Por muitas razões, mas essencialmente para bem de Vila Real, só lhe posso desejar que venha a ter o maior sucesso.

Em tempo: à hora que este post é publicado, ainda há dezenas de autarquias por apurar. Não seria possível fazer melhor? 

domingo, 29 de setembro de 2013

Por um voto

"Por um voto se ganha, por um voto se perde", costuma dizer-se na vida democrática. Às vezes, é assim mesmo.

O meu pai costumava lembrar que, numas das primeiras eleições autárquicas, lá por Vila Real, a minha mãe, por uma qualquer razão momentânea, decidira não ir votar, não obstante ambos terem uma declarada preferência por um candidato à presidência da Junta de Freguesia da sua residência. Esse candidato perdeu... por um voto!

Vote!

Em tempo: o PS ganhou por um voto em Mogadouro! Eu não dizia?!

Com o devido respeito

O senhor presidente da República considera - e muito bem! - que a legislação que enquadra o modelo de cobertura mediática das eleições autárquicas está desadequado da realidade e deve ser revisto. Com o devido respeito, e como se diz na minha terra, "até aí chegou o Neves!". Já toda a gente tinha constatado isso e é com imensa pena que vejo o chefe de Estado português a proferir, na solenidade da noite que antecede o ato eleitoral, uma banalidade que as últimas semanas transformaram numa verdade de La Palice.

Se o senhor presidente, que tem um batalhão de conselheiros a assessorá-lo para as suas tomadas públicas de posição, e que está no cargo há bem mais de seis anos, tivesse, a tempo e horas, dito aos partidos o que ontem disse, talvez as eleições autárquicas que hoje se disputam tivessem decorrido num melhor ambiente de informação democrática. Do mesmo modo que, também há muito tempo, com a sua autoridade institucional, poderia ter espoletado uma clarificação da lei dos mandatos, que acabou por transformar estas eleições num triste espetáculo de ambiguidade e cobardia legislativa.

Só podemos esperar que o senhor Presidente da República, na comunicação que fará ao país na véspera das próximas eleições legislativas, não venha a surgir nos écrans televisivos a lamentar, dessa vez, que os partidos políticos não tenham entretanto empreendido uma revisão da lei eleitoral para a Assembleia da República, encurtando os ridículos longos prazos, a montante e a juzante do ato eleitoral, que, pelo menos de quatro em quatro anos, contribuem para atrasar a normalidade da vida política, económica e social do país. Nessa que irá ser a sua derradeira intervenção num contexto similar, seria desejável que o chefe do Estado pudesse colocar a crédito de uma sua atempada intervenção a fixação de um quadro legislativo com calendários mais céleres e menos burocráticos.

sábado, 28 de setembro de 2013

Vitórias

Hoje, dia "de reflexão", não se deve falar de eleições na comunicação social. Nem nas redes sociais, presumo que blogues incluídos, segundo a Comissão Nacional de Eleições. Um país que acreditasse na maturidade dos seus eleitores já teria posto termo a esta ridícula política de "faz-de-conta".

Não é apenas pela permanência no tempo desta iníqua disposição que se constata que a inteligência dos portugueses é tida em limitada consideração pelos partidos políticos, que teimam em manter na lei esta absurda limitação. Na noite de domingo, teremos uma outra prova disso: com a maior "lata", e fazendo dos eleitores parvos, todos os partidos cantarão vitória.

O CDS e o Bloco de Esquerda acenarão com os seus microscópicos números, comparando-os com o "benchmark" temporal que lhes der mais jeito. Confessar a sua insignificância autárquica é que nunca! O PSD, que já pôs em campo a sua máquina de comentadores com vista a almofadar o que vai ser a "vitoriosa" abada que vai levar, recorrerá ao estafado truque de afirmar que os resultados, afinal, não foram tão maus como as previsões apontavam, que as coligações não autorizam leituras "precipitadas" da expressão partidária à escala nacional e que, no fundo, "eleições locais são locais", magnificando um ou outro êxito pontual menos aguardado. Internamente incomodado com o facto da sua natural vitória ficar bem longe da expressão de "landslide" que o profundo mal-estar do país deveria justificar em seu favor, o PS cavalgará as mais estrondosas derrotas do PSD e fará a sua festa, esquecendo Évora, Braga e Matosinhos, e contando votos, mandatos, grandes cidades ou câmaras, como melhor convier ao discurso do seu êxito anunciado. O PCP, através do heterónimo grupinho que renasce nos tempos eleitorais, proclamará a "grande derrota" que a política da "troika" sofreu, dando relevo "ao forte voto de confiança que o nosso povo uma vez mais concedeu aos candidatos da CDU". E, não desiludindo expetativas, conclamará as massas para a exigência de eleições legislativas antecipadas.

Os portugueses, esses, irão deitar-se amanhã com uma sensação de "déjà-vu".

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Zelig

Seria importante para a imagem internacional de Portugal que Woody Allen fizesse um filme em que Lisboa fosse o cenário de fundo? Claro que sim.

Se Allen "agarrasse" bem a capital portuguesa, numa trama inteligente e sem clichés, fugindo ao modelo, a meu ver demasiado simplista, que usou para Paris e Roma, ficaria orgulhoso em poder contar com a capital portuguesa no seio daquela que (já) foi uma das filmografias mais geniais da minha geração.

Mas suspeito não é isso que se pretende. O que por aí se anseia é o afadistar da película, é a reiteração do óbvio - um diálogo romântico no alto do parque Eduardo VII com o Tejo a diluir a outra banda, a Baixa ensolada do miradouro do castelo, o elétrico a chiar na já estafada esquina de Alfama, o bilhar do Pavilhão Chinês, a bica na mesa de Pessoa no Martinho da Arcada ou com o Pessoa da Brasileira, um "tête-à-tête" num dos poisos do Avillez ou com um prego no prato e um fino na Trindade, um "contre-plongée" no elevador da Bica ou cenas de rua no Bairro Alto grafittado, o olhar nostálgico do jardim de S. Pedro de Alcântara ou da saramáguica Casa dos Bicos. Duvido que tenham coragem para incluir o "suspense" de uma viagem mistério com um taxista do aeroporto ou a emoção da carteira fanada no 28, agora que o Intendente passou de moda.

Claro que isso traria a Lisboa gente, euros, dólares e balzaquianas, que passariam os dias a fazer "takes" caseiros, a imitar a película no seu iPhone, a comer os pastéis de Belém do Álvaro, a inundar os Jerónimos de "uáus!" e o terraço das Portas do Sol de turistas. Seria o "Allgarve" de Manuel Pinho em versão alfacinha, desta vez a cheirar a sardinhas no verão e a castanhas no inverno.

Era bom para o turismo? Era capaz de ser. Mas, desculpem lá, tudo isso soa-me demasiado, no pior, a um "remake" do SNI e Moreira Baptista, e, no melhor, a Verde Gaio e António Ferro. Deixemos o Woody Allen em paz, nas boas recordações que nos fixou! Não alimentemos esta espécie de Zelig urbanos que agora lhe enchem os bolsos.

Bom, a menos que ele traga para a fita a Scarlett Johansson! Uma cena com ela no Procópio far-me-ia rever tudo quanto atrás escrevi, devo confessar...

Timor e o fim da descolonização

Há dias, numa conversa durante uma cerimónia na visita a Portugal do presidente timorense, Taur Matan Ruak, lembrei-me de uma história passada em Nova Iorque, ao tempo em que por lá passei como representante permanente de Portugal junto das Nações Unidas.

Um dia (creio que) de maio 2002, um colaborador perguntou-me se estava interessado em ir "à última reunião em que o 'Comité dos 24' iria abordar a questão de Timor". Como a minha agenda era então um "inferno", lembro-me de ter hesitado por um instante. Mas a atenção prioritária que sempre dávamos a Timor-Leste fez-me logo dizer que sim. Porém, só um pouco depois tive a consciência do que essa reunião na realidade significaria.

O "Comité dos 24" (até 1962 conhecido por "comité dos 17", em função do número dos países que o compunham) é uma fórmula redutora para um nome bem mais longo: "Comité especial encarregado de examinar a situação relativa à aplicação da Declaração sobre a concessão da independência aos países e povos coloniais". É também chamado "Comité especial para a Descolonização". O Comité foi criado em 1961, após a aprovação da referida Declaração pela Assembleia geral da ONU, em 1960.

Ainda em 1962, Portugal foi convidado a estar presente numa reunião do "Comité dos 17". (Recordo que, em fevereiro e março de 1961 tiveram lugar graves incidentes em Angola e que Goa caiu em mãos indianas em dezembro desse mesmo ano). Considerando que, na perspetiva do governo de Lisboa, não havia, sob a sua tutela, colónias ou territórios passíveis de se enquadrarem nos objetivos do Comité, o governo português veio a recusar-se, a partir de então e até 1974, a colaborar com aquela estrutura, que se iria transformar num dos mais ativos instrumentos internacionais de denúncia do colonialismo português. Com a aceitação da autodeterminação e independência das suas colónias, a partir da Revolução de 25 de abril, tudo mudou. E, desde 1975, apenas o caso de Timor-Leste, dentre os antigos territórios coloniais portugueses, permaneceu como um processo em aberto nessa instância, neste caso sob a denúncia da ocupação indonésia.

Por essa altura de 2002, aproximava-se a independência de Timor-Leste, que iria ter lugar no dia 20 de maio. A reunião do Comité para a qual eu era convocado era a última na qual uma questão relativa à história colonial portuguesa era evocada. Já não me recordo do que disse na sessão, o que deve constar da respetiva ata oficial e do relato desta que terei feito para o MNE. Mas lembro-me bem de que, nesse momento, tive a consciência de que a presença de Portugal naquele ato culminava, de certa maneira, um tempo histórico.

Com a independência de Timor-Leste, no dia 20 de maio de 2002, fechar-se-ia um ciclo de uma aventura imperial iniciada em 22 de agosto de 1415, com o assalto militar português à fortaleza mourisca de Ceuta. Na reunião do "Comité dos 24", em que eu participei em nome de Portugal, escassos dias antes daquela independência, encerrava-se formalmente último capítulo do longo processo que conduziu ao fim do tratamento internacional da questão colonial portuguesa, iniciado meio século antes.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Memória

O comentário que o cavalheiro inglês fez para a sua mulher, ontem, numa loja do aeroporto de Málaga, fez-me sorrir: "este cheiro lembra-me qualquer coisa!" O curioso é que eu estava a pensar precisamente o mesmo, embora, no meu caso, não tivesse a menor dúvida: era o da uma loja, em Greenwich Village, no fundo da 7a avenida, em Nova Iorque, em dezembro de 1972. Era um odor perfumado, com algo de oriental, que ia bem com algum ambiente da época. Não faço ideia do que é, mas tenho a certeza absoluta de me não enganar.

Uma vez, trocando impressões com António Pinto da França, um grande amigo que há pouco se foi, dei-me conta de que comungávamos o facto de mantermos uma memória olfativa muito aguda, ligada a certos momentos da vida que tinham ficado registados para sempre. E comentámos o facto de conhecermos outras pessoas com idêntica experiência.

Sucede-me de vez em quando, embora de forma não muito frequente: entro num local, tenho uma certa perceção olfativa e, às vezes, quase sem esforço de memória, regresso por um instante a um certo local e a um tempo, sempre longínquo, onde essa perceção já se produziu. O curioso é que isso não corresponde, necessariamente, a ocasiões ou locais marcantes do passado, mas a tempos banais. Ou, então, a minha memória não os considera tão banais como isso.

Algumas vezes me tenho encontrado com o cheiro típico da cera das escadas do Clube de Vila Real, nos anos 60. Há tempos, numa esquina não sei bem onde, surgiu-me o odor que emanava de uma mercearia da rua Alexandre Braga, no Porto, um misto de café e especiarias, no meu tempo de universidade. Lembro-me bem do aroma, acolhedor, da copa da cozinha das minhas tias, nas Pedras Salgadas, com um fundo inconfundível de marmelada. E, há uns meses, ao entrar num escritório, dei "de narinas" com o cheiro que emanava das madeiras da nova Biblioteca Nacional de Lisboa, no início dos anos 70. Guardo quase uma vintena, bem identificada e razoavelmente datada, desses locais e dessas impressões olfativas. 

Este verão, em Viana do Castelo, decidi "ir à procura" do cheiro eterno do corredor que levava ao sótão (à "torre") da casa da minha avó. Pedi para visitar a casa, hoje uma bela escola de música. Sem grande surpresa, do cheiro dessa casa antiga, onde já não ia há quatro décadas, "nem o cheiro". Perguntei então se podia ir à cave, à "loja", como lhe chamávamos. E lá estava ele, entre arquivos, um outro confortante odor, feito de humidade, poeira e memória. Pronto, tinha ganho o meu dia!

Ficarei grato a quem me possa indicar um livro sobre cheiros e memórias. Havendo coisas escritas sobre tudo, estou certo que existirá algo sobre isso.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Juventude e cidadania

É interessante perceber que existe hoje uma verdadeira globalização das preocupações dos jovens, independentemente das respetivas origens. Isso esta bem evidente na "universidade para a juventude e o desenvolvimento" que o Centro Norte-Sul está a realizar em Mollina, em Espanha. 

Desde há 14 anos que o Centro toma a iniciativa, com vários parceiros institucionais, de organizar, durante uma semana, um evento em que envolve centenas de participantes, na maioria entre os 20 e 30 anos, oriundos de estruturas de juventude de uma multiplicidade de países, reunidos em torno de uma temática cívica. O objetivo é preparar quadros que levam para as organizações onde operam modelos de abordagem de questões ligadas às grandes temáticas internacionais de natureza cívica. Este ano, o tema da "cidadania democrática" foi escolhido como motivo central.

Com uma equipa de formadores bastante testada, procura-se confrontar experiências, dificuldades e modelos de exercício da cidadania, nos vários contextos nacionais e regionais. Contamos com jovens de dezenas de países, que vao da Bielorrúsia às Honduras, da Somália a Cabo Verde, do Quénia ao Egipo, do Canadá à Tailândia e por aí adiante, passando naturalmente pela maioria dos Estados europeus. A diversidade dos contextos nacionais e culturais de origem não impede um aprofundamento sobre questoes cuja universalidade cria um laço que permite a troca de perceções, sempre num quadro de respeito pelo outro e pelas respetivas convicções.

Como diretor executivo do Centro - que não é uma organização portuguesa mas europeia, dependente do Conselho da Europa - coube-me estar presente na abertura da "universidade" e assistir aos primeiros dias dos seus trabalhos. Devo confessar que foi uma experiência única poder testemunhar um conjunto muito rigoroso de atividades, desenvolvidas num ambiente em que a informalidade não afeta. E entendi melhor o conceito africano do "mais velho"...

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

António Ramos Rosa (1924-2013)

Morreu hoje António Ramos Rosa, um dos maiores poetas portugueses contemporâneos..

Apetece-me deixar aqui o link para o seu clássico "Poema de um funcionário cansado".

domingo, 22 de setembro de 2013

Nós e a Alemanha

O porta-voz do PS acaba de considerar que a vitória esmagadora da CDU/CSU é "um mau resultado para a Europa". 

Não sei se é ou não, só sei que Angela Merkel, se os socialistas forem poder em Portugal durante os próximos quatro anos, será a chefe do governo alemão com a qual o primeiro-ministro socialista vai ter de lidar, com a qual vai trocar, na sua primeira deslocação a Berlim, naturalmente ido de Paris, os beijos sorridentes da coreografia diplomática tradicional, com a qual subscreverá, em conferência de imprensa à saída do "diálogo frutuoso e construtivo" que constituiu esse encontro conjunto (que uma fonte anónima de S. Bento deixará cair à comunicação social que durou muito para além da meia-hora programada), a "vontade comum para trabalhar num quadro europeu cada vez mais liberto de tensões, através da construção de uma agenda de governação económica sustentada por respostas credíveis para pôr termo à persistência dos efeitos da crise em vários Estados da União Europeia, cada vez mais necessárias para a preservação da estabilidade do euro e para o desejável aprofundamento do projeto europeu, que Portugal e Alemanha partilham". Ambos vão indicar que, com essa finalidade, manterão "um estreito contacto e um constante diálogo, com vista a garantir um trabalho frutífero comum nas instâncias da União, para enfrentar os grandes desafios com que hoje a Europa se confronta, num clima de confiança e abertura, à altura da excelência das relações de há muito existentes entre os dois países". A chanceler alemã, que o primeiro-ministro convidará a visitar Portugal "numa data futura, a definir através dos canais diplomáticos", expressará "a confiança que tem em que o novo executivo português prossiga as necessárias medidas de consolidação orçamental", deixando "uma palavra de sincera admiração pelos esforços levados a cabo pelo povo português nos últimos anos, que deverão conduzir a uma saída da crise num prazo razoável e à retoma de um processo de desenvolvimento no qual os investimentos alemães em Portugal continuarão a ter uma relevância muito importante". Pegando na palavra da chanceler, o primeiro-ministro português aproveitará o ensejo "para saudar as empresas alemãs que estão presentes na economia portuguesa, estimulando outros investidores alemães a apostarem no mercado português, no qual poderão encontrar excelentes oportunidades e um grande abertura". 

Alguma imprensa notará, contudo, que, após a conferência de imprensa, a chanceler não acompanhará o primeiro-ministro português até ao carro, no termo da longa passadeira vermelha onde o havia recebido no início do encontro, ocasião em que ambos, entre sorrisos, haviam apontado para o céu, referindo-se seguramente ao tempo que fazia em Berlim. 

Politicamente incorreto

Quem se ofende ou acha discriminatórias graças que podem tocar os limites da "correção" política deve abster-se de ler o que se segue.

Um dia, na segunda metade de 1996, um banco português decidiu convidar o cantor lírico Andrea Bocelli para um espetáculo em Portugal. Bocelli, um fantástico intérprete, cego (ou invisual, como parece ser hoje de regra dizer-se), exigiu condições financeiras substanciais. Porém, o banco, interessado como estava na presença do cantor, aceitou os números exigidos.

Não se contava, porém, com uma "competição" como a que viria a surgir: o recém reeleito presidente americano, Bill Clinton, queria ter Bocelli nas comemorações da sua segunda entronização. E as datas coincidiam. O cineasta Steven Spilberg, apoiante do presidente, estava mesmo disposto a deslocar-se a Itália, no seu avião particular, para garantir a presença de Bocelli em Washington.

O "combate" entre os dois concorrentes prolongou-se por algum tempo. A certo ponto, o caso pareceu perdido para o banco português, com Bocelli a dar sinais de ir optar pela sua prestigiante alternativa transatlântica. Foi então que um diplomata português, envolvido pontualmentr na questão, um homem que costuma cultivar o humor como um valor mais elevado do que as regras do politicamento correto, se saiu com esta frase que ficou na memória de quem esteve envolvido no assunto:

- Isto é incrível! Portugal raramente tem dinheiro para "mandar cantar um cego". Logo agora, que foi possível arranjar o dinheiro, o cego não quer cantar...

Para a história: Bocelli acabou por conseguir vir a Portugal e o avião, com o próprio Spielberg, ficou à espera do cantor no aeroporto do Porto, aguardando o fim da sua prestação. E foi possível compatibilizar os dois espetáculos.

Espero que ninguém tenha ficado ofendido com esta inocente e verdadeira história, que alguém, há poucas horas, recordou num grupo de amigos, que a achou bem divertida.

sábado, 21 de setembro de 2013

"Pela Europa"

Tenho pena de não poder colocar aqui um link, mas o "Público online" não o permite. Porém, o excelente artigo que o meu colega embaixador Fernando d'Oliveira Neves hoje publica no jornal é de leitura obrigatória para quem, entre nós, se interessa pela questão europeia.

Fazendo um bosquejo histórico sobre o modo como o projeto integrador deu um sopro de paz ao continente europeu e se constituiu numa inédita esperança para o mundo, o texto, significativamente intitulado "Pela Europa", é um sinal mobilizador para abanar algum injustificado euroceticismo que por aí anda, propagado por quantos confundem a conjuntura com a História.

Não me custa admitir que alguns possam alimentar dúvidas sobre se certas políticas europeias, por ação ou omissão, não poderão ter estado na origem de alguns dos nossos atuais problemas. Mas não tenho a menor dúvida que é fundamentalmente na Europa, e com ela, que serão encontradas as soluções para os resolver.

A Europa de Rui Tavares

Não conhecia pessoalmente Rui Tavares. Ontem, ao final da tarde, tive o gosto de com ele discutir a temática da União Política europeia, durante mais de hora e meia, numa participada sessão na Culturgest.

Com uma formação intelectual que lhe permite situar, com profundidade e brilho, o atual debate europeu no percurso histórico do continente, Rui Tavares desenvolveu uma leitura, simultaneamente realista e generosa, das opções possíveis para a superação da crise, muito assente na busca de uma maior democratização do processo europeu, com vista a uma crescente legitimação do projeto integrador. Um discurso onde a exigência ética esteve sempre presente, na linha do que tem sido a sua ativa participação no processo parlamentar europeu.

Gostei de o ouvir sobre a possibilidade de a eleição do próximo presidente da Comissão Europeia poder vir a converter-se num debate entre diferentes perspetivas sobre as linhas que a política económica e financeira da Europa deve assumir perante a crise. Embora eu alimente sérias dúvidas de que o "centrão" europeu (PSE e PPE) venha a confrontar-se publicamente, de forma radical, em torno das saídas para a crise, pareceu-me interessante a ideia que desenvolveu sobre a importância de ver um futuro presidente da Comissão investido de uma legitimidade europeia própria, que poderia vir a dar origem a um potencial "choque" competitivo com os poderes do Conselho, com consequências interinstitucionais bastante curiosas. Quem sabe se isto, a ser possível, não poderia significar o início de um "big bang" institucional, que ajudasse a romper com o impasse em que nos encontramos.

No plano português, Rui Tavares defendeu a discussão de um "memorando de desenvolvimento" (em irónica oposição ao 'memorando de entendimento' com a "troika"), que possa ajudar a sociedade portuguesa a dotar-se de uma estratégia nacional clara, para um período de, pelo menos, uma década. Na sua visão, seria importante que Portugal pudesse refletir sobre a ineficácia do modelo que parece estar a servir de referência à organização sócio-económica do país, tributário do que pode entender-se como um acordo social implícito, gerado nos anos 70. E, saindo dele, procurasse discutir e consensualizar um novo paradigma, assente no conhecimento e na inovação, seguindo de perto as prioridades que a Europa está a adotar para as suas políticas comuns.

Julgo que, para todos quantos estiveram na Culturgest, foi muito estimulante ouvir, sobre a Europa, um olhar inteligente e culto, despido da ganga das velhas soluções. Algum idealismo e ousadia nunca fizeram mal ao debate europeu, antes pelo contrário.

Este e outros debates pode ser visualizado aqui.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Uma Ajuda, precisa-se

Passei, há minutos, ao lado do Palácio da Ajuda. Por lá trabalhei, nos meus tempos militares, tendo-me interrogado, na altura, sobre qual a misteriosa razão que levava a que, desde há séculos, a sua fachada oeste se mantivesse com aquele ar de ruína inacabada. Um dia, nos anos 90, tive o ensejo de assistir a uma reunião política em que o assunto foi discutido e uma solução possível foi abordada. Desconheço a sua sequência, que presumo que terá sido nenhuma.

A "malapata" de Santa Engrácia acabou nos anos 70. Fizeram-se o CCB e imensos quilómetros de autoestradas, pavilhões gimno-desportivos, rotundas, milhares de obras, muitas delas inúteis, para encher o olho e o bolso patobravista autárquico. Terá também havido dinheiro para construir, de raíz, um novo e muito discutível Museu dos Coches. Neste mar de fundos, por que será que o Palácio da Ajuda permanece como o parente pobre do nosso mais valioso património histórico-arquitetónico?

Já se percebeu que não há a menor hipótese de vir a construir-se o resto do palácio, sob o desenho conhecido. Mas então por que razão não se opta por uma solução arquitetónica inteligente e criativa (mesmo "modernaça"), não excessivamente dispendiosa, que dê um "fecho" decente ao que já está construído e acabe, de uma vez por todas, com aquele triste mono que se vê do lado da calçada da Ajuda e que, do interior, apresenta o que a fotografia mostra?

Há um amigo meu que tem uma teoria: dado que é precisamente nesse palácio que funciona o IGESPAR (Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico), ninguém "olha" para o Palácio da Ajuda do lado de fora.

Mais a sério: eu sei que os tempos não são os melhores para a realização de "obra pública", mas alguém me saberá explicar a razão pela qual o Palácio da Ajuda não encontrou nunca uma solução arquitetónica final?

União política

Hoje, pelas 18.30 horas, na Culturgest, acompanharei o deputado europeu Rui Tavares numa conversa sobre a União Política europeia.
 
Este será o último de uma série de encontros que a Culturgest decidiu promover sob a temática comum "Portugal e a reformatação da Europa: incertezas, riscos, opções", que até agora já contou com a participação dos deputados ao Parlamento europeu Elisa Ferreira, Paulo Rangel e Diogo Feio.
 
É talvez altura de revelar que esta iniciatica resultou de uma "conspiração euro-preocupada" para a qual fui convidado pelo diretor da Culturgest, Miguel Lobo Antunes, e que envolveu os nomes de Fernando Bello, João Costa Pinto, João Ferreira do Amaral, João Salgueiro e José Manuel Felix-Ribeiro.  

Arquiteturas

Abri ontem o "Le Monde" e dei de caras com um título: "Lisboa, sim! Mas não para a Trienal de Arquitetura". O jornal francês lançava um forte ataque ao evento em curso na capital portuguesa, cujos organizadores são acusados de "preguiça maximalista e lúdica", da qual terá resultado uma mostra "pretensiosa e naïf". Tomei nota, mas não tenho a menor opinião sobre se o "Le Monde" tem ou não razão.

O artigo não deixa de notar que Portugal continua a ser um dos raros países do mundo que tem dois arquitetos a quem foi atribuído o equivalente ao prémio Nobel da Arquitetura, o prémio Pritzker: Siza Vieira e Souto Moura. (Por curiosa coincidência, vou participar hoje num almoço de trabalho destinado a lançar uma iniciativa que tem como objetivo reforçar o reconhecimento internacional da nossa arquitetura).

Voltando ao texto do "Le Monde", registe-se o retrato cruel, mas infelizmente verdadeiro, que o jornalista produz sobre a Lisboa de hoje: "uma multidão de sem-abrigo, uma miríade de estabelecimentos comerciais fechados, obras suspensas ou quase um pouco por todo o lado e uma impressionante série de imóveis com janelas fechados ou quebradas, deixadas ao abandono, arruinadas". Não obstante, o jornalista estimula a que se visite Lisboa, dando sinais de clara solidariedade com um país em crise. Só faltou falar deste sol magnífico, que nem a crise nos tira!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Políticos e diplomatas (2)

O X Curso de Verão do IPRI, que ontem se concluiu em Óbidos, coincidiu com um interessante levantamento sobre a carreira diplomática portuguesa, bem como sobre as figuras políticas que, ao longo dos tempos, titularam lugares governativos no MNE.

Na intervenção que fiz, e que encerrou os trabalhos do curso, dei conta da minha perspetiva sobre as mudanças que o 25 de abril trouxe à nossa carreira diplomática, quer em termos de recursos humanos e da extensão da rede diplomática, quer quanto aos novos desafios suscitados pelo processo de democratização e por uma decorrente maior aceitação política internacional do país. Dei também destaque às mutações induzidas pela integração europeia e à nova cultura de trabalho multilateral. Mas, muito em especial, notei as virtualidades da expressiva continuidade das grandes linhas da política externa portuguesa e da importância de um país como Portugal dever projetar uma imagem "previsível" perante os seus interlocutores internacionais. E falei, com algum detalhe, da relação entre os políticos e diplomatas.

Crónica do défice

Por uns dias, volta a descer à cidade o circo da "troika". Tudo começa com as entradas e saídas apressadas dos automóveis, com os estagiários de imprensa, de "corneto" em punho, a gaguejarem umas perguntas em inglês a uns cavalheiros graves (já era tempo de escolherem uma senhora!) que eles estão desertos de saber que lhes não lhes dirão um simples "bom dia". Depois, segue-se aquele patético "perp walk" pelos corredores de S. Bento, até chegarem à cena com a presidente do parlamento (cá por coisas, adorava ser mosca nesta cena) e, minutos mais tarde, a reunião com a "balcanizada" comissão parlamentar de acompanhamento, de onde presumo que os homens devam sair mais confusos do que entraram. Há também a clássica ida ao Rato, onde o PS, seguramente, lhes repetirá aquilo que o seu secretário-geral já disse publicamente. Fecha esta primeira parte o encontro com a "concertação social", num ritual à volta de uma imensa mesa, que tudo indica ser um mero pretexto para uns minutos de antena de patrões e sindicatos à saída. 
 
Como toda a gente sabe, nas reuniões que acima referi não se passa realmente nada de importante, tanto mais que as posições de todas essas partes são já sobejamente conhecidas. Por isso, obviamente que o que interessa à "troika" são os encontros técnicos no ministério das Finanças (ou agora serão nas Laranjeiras?), onde o governo lhes dirá o que pôde ou não implementar, daquilo a que se comprometeu, desde a última avaliação.
 
Só que, desta vez, há, de facto, alguma coisa de verdadeiramente novo. O vice-primeiro ministro, que tem oficialmente a seu cargo o controlo político das negociações, deixou claro no parlamento, em coerência com o que sempre disse, que pretende explorar a possibilidade de vir a ser aceite um défice de 4,5% do PIB, provavelmente com vista a poder aligeirar o peso de algumas medidas de austeridade que se avizinham. Nessa posição de flexibilização, viria a ser acompanhado por um novo e importante ministro do seu partido. Logo de seguida, porém, a ministra das Finanças, num comentário em cenário báltico, não se desviando um milímetro das (antigas) orientações do seu antecessor e numa irrecusável coerência com o que ela própria sempre afirmou, veio dizer, de imediato respaldada pelo chefe do governo, que não passa de "ruído" a ideia de flexibilizar a meta de 4%, que está acordada para este ano, esclarecendo, mais tarde, que, se isso viesse a acontecer, apenas conduziria o país a ter mais défice para pagar. Porém, logo de seguida, o principal responsável, fora do governo, do partido que dirige o executivo, surgiu a acusar o FMI de "hipocrisia institucional", ao não aceitar alterar as metas do défice, embora reconheça em estudos a ineficácia do modelo de ajustamento. Mas, afinal, em que ficamos? Qual é a posição oficial portuguesa? Queremos ou não uma meta para o défice menos constrangente do que a que está prevista?  
 
Se há uma coisa consensual na vida diplomática, por um mero raciocínio de bom senso, é o facto da imagem de um país se fragilizar, de imediato, quando, perante um qualquer interesse nacional a defender na ordem externa, se deteta uma não coincidência entre as posições oficiais que surgem publicamente expressas. Neste caso, os mercados, nos juros e na atitude de uma agência de "rating", já deram sinais de lerem esta cacofonia como produto da reemergência de divisões internas no seio da maioria. Será mesmo assim? Estaremos a caminho de um "remake"? 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Políticos e diplomatas

Hoje à tarde, em Óbidos, falarei sobre a minha experiência como diplomata que, por mais de cinco anos, desempenhou funções políticas. O Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI), pela mão do seu diretor, professor Nuno Severiano Teixeira, realiza ali o seu curso de verão, desta vez intitulado "Políticos e diplomatas: quem são as elites portuguesas que fazem a Política externa".

Tenho imensa pena de não ter podido aceitar o convite para estar presente nos três dias deste interessante curso. Porém, esta é uma semana bastante complicada, em termos de agenda.

Na segunda-feira, num contexto empresarial, fui falar sobre os grandes desafios geopolíticos da atualidade. Na terça feira, estive presente numa mesa redonda, no domínio da Segurança e Defesa, sobre gestão de crises e missões da União europeia. Nesta quarta-feira, estarei em Óbidos, no já referido curso de verão do IPRI. Na quinta-feira, num enquadramento bem diferente, intervirei sobre a crise do euro e as perspetivas da economia europeia. Na sexta-feira, na Culturgest, discutirei, com o deputado europeu Rui Tavares, as perspetivas da União Política na Europa. E, no fim de semana, rumarei a Málaga, para abordar questões de cidadania europeia, a convite de uma iniciativa universitária internacional.

Quem corre por gosto não deve cansar-se. Como diria um velho amigo vilarealense: digo eu, não sei!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Nunca!

A resposta daquele contínuo, frente ao responso que o acusava de ter sido ele o responsável por uma qualquer ação menos adequada, ficou histórica:

- Ó senhor embaixador, não é verdade! Nunca fiz isso, nem volto a fazer...

Diligência útil


Foi no final dos anos 70 do século passado. Portugal não tinha uma embaixada naquele país. Aquele ministro português, de uma área técnica, quis ter um encontro com o seu homólogo local, de cujo departamento dependia um importante contrato de uma empresa nacional do seu setor. O encontro foi marcado, à margem do nosso Ministério dos Negócios estrangeiros, através de uma representação diplomática desse país num terceiro Estado, numa espécie de "diplomacia paralela", estimulada pela empresa e decidida pelo estilo "operacional" do governante.

Um forte contencioso tinha-se instalado entre a empresa e aquele Estado, por virtude de um atraso de pagamentos. O país era distante, a viagem fora longa, mas a importância do assunto justificava, no entender do ministro, o esforço e a diligência política. Porém, porque não havia a menor garantia de sucesso, optou-se por não noticiar a deslocação. O ministro chegara nessa madrugada e partiria ao final do dia.

O nosso governante tinha a "lição" bem estudada. Preparara a sua argumentação com cuidado. Na conversa com o seu colega, fez uma longa explicitação das nossas razões e, para atenuar o peso das reivindicações feitas, deixou algumas pistas, articuladas com a empresa, no sentido de promover um faseamento dos valores atrasados.

O ministro estrangeiro ouviu-o, em silêncio. No fim, comentou:

- Agradeço muito a sua visita. Este é, de facto, um assunto complexo, um de entre muitos que, não obstante os esforços que fiz, não consegui resolver. Tenho pena de não ter podido ir mais longe. Mas não posso fazer mais nada. Aliás, seria incorreto da minha parte ter agora qualquer intervenção na matéria, como compreenderá.

O nosso ministro, algo estupefacto, disse que não, que não compreendia. Por que diabo não podia ele intervir?

- Como é do conhecimento público e veio inclusivamente publicado na imprensa, pedi a demissão do cargo há cerca de 15 dias. Estou à espera,  todo o momento, de ser substituído. Espero que possa passar por cá num outro dia e falar com a pessoa que me vier a suceder no cargo.

Às vezes, vale a pena ter embaixadas pelo mundo. Evitam coisas destas.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Bombeiros

Portugal vive, por estes dias, um tempo de rara solidariedade com os seus bombeiros. A chocante morte de muitos bombeiros, ocorrida neste verão, trouxe à ribalta conjuntural uma atividade que damos sempre por adquirida, em caso de necessidade, mas que, quase sempre, não valorizamos suficientemente.

Sendo uma atividade muito antiga, vale a pena lembrar que, a partir do século XIX, a participação nas corporações de bombeiros voluntários correspondia a uma espécie de prestação de contribuição à sociedade, assumida por filhos da pequena burguesia urbana, em especial por comerciantes e empregados de escritório. Ser bombeiro voluntário era algo que se afirmava com orgulho e que até qualificava socialmente as famílias. Recordo-me bem de ver, em muitas lojas, em vilas e cidades do norte do país, pendurados nas paredes, capacetes de bombeiros, testemunhando a qualidade de membro de uma corporação do proprietário da casa. Com os anos e a necessidade de mais quadros, bem como de uma crescente especialização, a atividade tornou-se mais popular, profissionalizou-se em parte e passou até a abranger outras funções, para além do tradicional combate a fogos. Mas, em muitas localidades, ser bombeiro continua a ser uma tarefa rodeada de uma aura de dignidade funcional.

Ontem, ao observar na televisão a campanha de recolha de fundos para os bombeiros portugueses, não pude deixar de recordar a ligação emocional que a cidade de Nova Iorque criou com os seus bombeiros, na sequência da tragédia em 11 de setembro de 2001. Muitos bombeiros morreram então nas "twin towers" quando, com uma imensa coragem, subiram pelas torres, para tentar travar o fogo, antes de serem apanhados pelo colapso dos edifícios. Nos tempos seguintes, os bombeiros novaiorquinos viriam a ser admirados como nunca, sendo frequente ver, pelas ruas, os cidadãos baterem palmas à sua passagem. Ainda hoje, eles continuam a ser "heróis" na memória da cidade.

A maior homenagem que os portugueses poderiam fazer aos seus bombeiros seria não se lembrarem deles apenas no verão. Seria levarem a cabo, no primeiro semestre de cada ano, as necessárias ações de prevenção nas zonas de maior risco, evitando que, alguns meses mais tarde, novas vítimas venham a lamentar-se. Mas, como sempre aconteceu, assim que chegadas as primeiras chuvas, esta memória emocionada vai, de imediato, esvair-se. E, tal como nos anos anteriores, e sob a complacência culposa dos municípios, que deveriam forçar à responsabilização dos proprietários das habitações e terrenos, tudo acabará por voltar ao mesmo. Enfim, é apenas o nosso fado.

domingo, 15 de setembro de 2013

Ainda a Europa

A reflexão que a fundação Francisco Manuel dos Santos promoveu, durante dois dias, sobre o papel de Portugal na Europa, ouvindo algumas vozes estrangeiras autorizadas e auscultando o parecer de personalidades portuguesas ligadas ao tema, constituiu um exercício muito interessante e, acima de tudo, extremamente construtivo. Salvo casos desgarrados, os intervenientes dentre os cerca de 1300 participantes colocaram questões muito pertinentes e deram voz concreta a muitas das preocupações que, sobre o projeto europeu, hoje atravessam a sociedade portuguesa.

A questão do euro - dos seus efeitos, do seu futuro e do papel de Portugal no seu seio - esteve sempre presente, de uma forma muitas vezes angustiada, ao longo do debate. Como o estiveram as indecisões em torno da situação europeia, as dúvidas sobre a "vontade" alemã para lhes fazer face e, em todo esse contexto, a atitude que Portugal pode ou deve assumir no plano externo.

Gostei, francamente, de me sentir algo "isolado" na conferência. Descontando alguns nomes mais conhecidos, notou-se que o debate europeu em Portugal mudou já de mãos, para uma nova geração, sem tabus, disposta a confontar ideias feitas, talvez já menos idealista mas bastante mais pragmática e objetiva nas suas escolhas e opções de futuro. Foram poucas as pessoas conhecidas que cruzei no auditório, o que é uma realidade magnífica, porque dá conta de que um outro país começa a apropriar-se desta discussão ou a interessar-se por ela. E foi muito bom testemunhar a qualidade por detrás de muitos comentários e questões colocadas, por vezes num excelente inglês, com observações francas e uma fundamentação sólida.

Não posso deixar de registar, por fim, uma nota de admiração e apreço ao trabalho excelente de Marina Costa Lobo, que orientou o "desenho" de todo o exercício, bem como à equipa logística que fez o "milagre" de conseguir respeitar a pontualidade e a observância estrita da agenda. Também por aqui se prova a "integração" europeia de Portugal.

Em tempo: logo que possível, farei por aqui um link para o teor da minha (pelos vistos, tida como polémica) intervenção neste debate.

sábado, 14 de setembro de 2013

Wolfgang Münchau

O influente colunista do "Financial Times", Wolfgang Münchau, foi uma das personalidades estrangeiras que, nestes dois dias, interveio no congresso "Presente no Futuro". Sendo alemão, um analista perspicaz e havendo a convicção de que "bebe do fino", sobre ele recaíram várias perguntas sobre o que  pode acontecer às orientações da política económico-financeira europeia em função dos resultados das próximas eleições legislativas alemãs.

Münchau foi muito prudente, defendendo basicamente a ideia de que, qualquer que seja o resultado desse sufrágio, um futuro governo alemão dificilmente se afastará de uma opinião pública nacional, aliás partilhada pela de outros "like-minded countries", que se mostra muito relutante em flexibilizar a sua visão de que não pode vir a pagar os erros dos outros, por muito simplista e caricatural que esta perspetiva possa ser.

A uma pergunta que lhe coloquei, sobre se, pelo menos, a realização das eleições alemãs não poria fim a este "atentismo" em que temos vivido, dando-nos uma maior previsibilidade para os tempos futuros imediatos, Münchau comentou que esse sentimento de "dependência" face à decisão alemã era de tal ordem que tinha surgido na net a anedota de um miúdo alemão que, ai dizer ao pai que ia à casa de banho, teve a seguinte reação do progenitor: "só depois das eleições alemãs!"

Discutir a Europa


Hoje, segundo dia do Congresso "Presente no futuro", continuamos a discutir a Europa, no liceu Pedro Nunes, numa organização da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Entro em campo, daqui a horas, numa mesa redonda moderada pelo diretor da SIC-Notícias, António José Teixeira, com a professora Catherine Moury e o meu colega e diretor-geral dos Assuntos europeus, Francisco Duarte Lopes.

Cabe-nos debater o modo como somos representados na União Europeia, o que implica falar do poder que hoje temos (ou não) e daquilo que o pode determinar ou condicionar.

Uma advertência: as entradas para o Congresso estão esgotadas.

Em tempo: e por lá, entre outras coisas, disse isto.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Regresso aos mercados

Não se esqueçam! Este é o mês do regresso aos mercados!

Natália Correia

Artur Bual
Hoje, se fosse viva, Natália Correia faria 90 anos. Às vezes, ouço dizer de alguém que é uma pessoa "intensa". Não conheci muito bem Natália Correia (sobre quem ontem vi que foi publicado um livro de Fernando Dacosta), mas, pelo que acompanhei da sua vida e perfil humano, acho que o epíteto se lhe aplica muito bem.

Conheci-a pessoalmente, uma noite, no final dos anos sessenta, num bar, situado numa cave, perto do mercado de Campo de Ourique, julgo que frente à igreja, um local que nunca mais consegui localizar. Nele tocava então Denis Cintra, filho de Lindley Cintra, no tempo em que as baladas "de protesto" estavam na moda. Natália entrou, com Ary dos Santos e um pequeno séquito, juntando-se à nossa mesa, onde havia amigos comuns, por pouco mais de uma hora, partindo depois para outras noites.

Anos mais tarde, já pós-abril, voltei a falar com ela algumas (muito poucas) vezes no Botequim, o bar na Graça de que era proprietária e que se tornou num dos locais icónicos para a classe política da época. Basta dizer que foi Natália Correia quem apresentou Snu Abecasis a Sá Carneiro, de quem se tornaria feroz apaniguada, o que a levou a uma passagem pelo parlamento, que abalou com a sua verbe e a sua graça.

Não sou um fã da sua escrita, como o não fui das suas opções políticas, mas reconheço-lhe uma "intensidade" única e uma presença ímpar na sociedade portuguesa, onde sempre dizia em voz bem alta o que pensava. É um lugar comum, mas apetece-me dizer que fazem-nos hoje falta figuras como Natália Correia. Quase que imagino o que ela por aí hoje diria...

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Nós e a França

Ontem à noite, na embaixada de França em Lisboa, na despedida do embaixador Pascal Teixeira da Silva e da sua mulher, no termo de três anos da sua bem sucedida missão em Portugal, lembrei-me, de súbito, do meu pai.
 
O embaixador Teixeira da Silva, na sua orgulhosa ascendência portuguesa, representa bem o êxito da integração da diáspora nacional em França. Tal como o meu amigo Ruben Alves, que também encontrei por lá e a quem ficamos a dever esse magnífico filme testemunho que dá pelo nome de "Gaiola Dourada". Ambos, e muitos e muitos mais, contribuem hoje para o laço que eternamente nos une à França.
 
Por que razão me lembrei do meu pai, para além das óbvias razões pessoais que me levam a nunca o esquecer? Não que ele alguma vez tenha entrado no belo palácio de Santos, mas porque, à sua modesta medida, fez o que pôde para promover entre nós a língua francesa. Durante mais de vinte anos, a filhos de familiares e amigos, sem nunca cobrar um cêntimo, o meu pai deu aulas de francês, apenas e só porque era um devoto da língua de Voltaire e entendia, tal como eu acho e Thomas Jefferson disse um dia: "Tout homme a deux patries: la sienne et la France".

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Santiago

 
Foi há 40 anos. Dia por dia. Ao final da tarde de 11 de setembro de 1973, um pequeno grupo de soldados-cadete, de "Ação Psicológica" e "Licenciados em Direito", da Escola Prática de Administração Militar, ao Lumiar, fazia formatura para sair da unidade.
 
Um dos cadetes, hoje figura pública, disse: "Já sabem as novidades do Chile? O Allende está prestes a ser derrubado por um golpe de estado militar. Convido todos a virem beber uma taça de champanhe a minha casa. Temos de comemorar!"
 
A maioria do grupo era extremamente conservadora e, se bem me lembro, exultou com a notícia. O António Franco, o Miguel Lobo Antunes e eu (e creio que mais ninguém) rugimos algumas imprecações, reagindo para provocar os colegas "fachos".
 
Até que o António se saiu com esta: "Vocês estão é com sorte. Já entreguei no armeiro a minha G3..."

Eleições na Noruega

Há dois dias, a direita regressou ao poder na Noruega. Neste caso, o qualificativo "direita", não sofre contestação: o partido que indicará o novo chefe do governo chama-se "Høyre", o que, em norueguês, significa... "direita". Nos últimos 77 anos, só em 16 deles o Partido Trabalhista esteve afastado do governo.

Em setembro de 1981, quando eu vivia em Oslo, a direita também chegou ao governo, depois de dezenas de anos de domínio trabalhista. Um semanário português, "O Jornal", havia enviado à Noruega o jornalista Fernando Dacosta, para cobrir o acontecimento. Embora, de acordo com todas as sondagens, a mudança fosse já previsível, ela não deixava de ser, aos olhos internacionais, uma alteração com uma dimensão algo histórica. Para Portugal, colocava-se a questão da sustentabilidade das ajudas que os governos socialistas noruegueses nos vinham a dar, desde o 25 de abril, tema que preocupava a embaixada.

Dei todo o apoio que pude a Fernando Dacosta. Apresentei-lhe jornalistas e outras personalidades locais e obtive-lhe uma entrevista com o futuro primeiro-ministro, Kåre Willoch. Passámos a noite eleitoral nas instalações da NRK, a televisão local, até ao apuramento dos resultados definitivos.

No final do escrutínio, Fernando Dacosta pediu-me se eu podia levá-lo até ao centro da cidade, junto da sede do partido vencedor. Fiz-lhe a vontade, sorrindo para mim mesmo. Lá chegados, não se via vivalma. Não havia a menor manifestação, nem uma bandeira era agitada, nenhum automóvel buzinava. A derrocada de um governo no poder, desde há décadas, não era objeto da menor comemoração pública. À meia-noite, a sede do vitorioso "Høyre" já estava mesmo fechada. No dia seguinte, bem cedo, a Noruega regressaria ao trabalho.

Júlio Dantas, na "Ceia dos Cardeais", escrevia: "como é diferente o amor em Portugal". A política também.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Discutir

Aqui há uns anos, num almoço em casa de um colega, a conversa, com outro convidado, resvalou para o terreno político. Eu tinha responsabilidades de governo por esses tempos e senti-me provocado com algo que ele disse - e não faço já a mais leve ideia do que foi. Irritei-me e julgo que fui longe demais, não apenas na argumentação utilizada, mas, especialmente, no tom que assumi. No dia seguinte, telefonei ao dono da casa a desculpar-me, tendo este, com simpática benevolência, desvalorizado o assunto.

Ontem, li num jornal que o meu interlocutor dessa conversa polémica morreu. Ele não estava totalmente inocente no tocante ao rumo que a nossa discussão teve. Mas, ao ler a notícia da sua morte, senti pena por nunca lhe ter dado uma palavra sobre o assunto.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Amistoso


Faltava menos de um mês para eu encerrar a minha missão no Brasil. A seleção portuguesa de futebol fora convidada para a inauguração do "Bezerrão", um novo estádio de futebol construído no Gama, nos arredores de Brasília. Ia cheia de vedetas, o que, por antecipação, fazia vibrar de entusiasmo a comunidade portuguesa local. Alguns diziam-me: "que sorte, embaixador, poder ter por aqui a nossa seleção, logo no fecho da sua estada no Brasil!". Eu, sempre nada fã das soluções de Carlos Queirós, tinha um mau pressentimento. Mas, pronto!, lá fui para o estádio, cachecol ao pescoço, com a embaixada em peso de verde-e-vermelho e as bancadas cheias de compatriotas ansiosos de bandeira em punho.

Os alunos de uma escola primária, para crianças desfavorecidas, que a embaixada apoiava, entraram em campo pela mão dos nossos jogadores, radiantes! Depois, foi o que se viu. Uma equipa displicente e mal dirigida, que parecia estar a fazer um frete, que não corria, que não se empenhava e, muito em especial, que não percebia que um jogo "amigável" (ou "amistoso", como se diz no Brasil) tem uma importância muito grande para a comunidade portuguesa expatriada ou descendente. Para os jogadores aquilo era um jogo-treino, para os portugueses era o orgulho nacional que estava também em jogo. Para o senhor Queirós, que se entretinha em substituições para "fazer" internacionais, aquilo era, aparentemente, pouco mais que um jogo-entre-solteiros-e-casados.

Perdemos por uns imensos 6-2. Uns dias depois, em Nova Iorque, o colega que me ia substituir em Brasília, o embaixador João Salgueiro, deu de caras com Pelé, num restaurante. E apresentou-se, como futuro representante diplomático português no Brasil. Pelé retorquiu: "vai substituir aquele embaixador de cabelos brancos, que eu conheci, muito triste!, em Brasília, na noite em que Portugal perdeu por 6-2 conosco?". O meu colega confirmou. Eu estava, de facto, bastante triste e isso não deve ter escapado a Pelé. O que ele não sabia é que tê-lo conhecido terá sido a minha única alegria daquela noite.

Boa sorte para esta madrugada!

Em tempo: afinal, foi o que se viu. Com toda a tranquilidade...

Síria

Governar é escolher, dizia Mendès-France. A escolha, no caso sírio, é de uma extrema complexidade. Deixar impunemente Bashir Al-Assad continuar a repressão de parte do seu povo parece obsceno, agora que as acusações de uso de armas químicas fizeram a guerra civil mudar de patamar. Mas decapitar o poder em Damasco, provocando uma espécie de "balcanização" armada, com a entrega do poder a grupos islamistas radicais, muito fragmentados entre si, sem a menor garantia da criação de um processo democrático alternativo, é também um risco estratégico fortíssimo.
 
Que fazer? A escolha dos EUA e alguns aliados, mas ainda não plenamente assumida e fragilizada na reunião do G20, seria no sentido de provocar um forte abalo do regime sírio, por ataques cirúrgicos a estruturas e entidades que suportam o essencial da sua ação militar, com vista a provocar o seu enfraquecimento e a forçá-lo à negociação de um qualquer compromisso. Curiosamente, no discurso ocidental, poucos falam na substituição de Assad e mesmo no seu possível julgamento pelo TPI (Tribunal Penal Internacional), talvez porque alguns considerem que um cenário "menos mau" ainda pode ter de vir a passar por ele. Longe vão os tempos do "regime change" que era voz corrente no caso do Iraque.
 
Em todo este contexto, valerá a pena não perder de vista algumas coisas:
 
  • que o regime de Assad, não obstante a violência dos seus métodos (aliás, na velha tradição bárbara do pai do ditador), tem um considerável apoio popular no país, por razões de equilíbrios étnicos que têm muito a ver com a própria existência do país. O sunitas moderados, bem como as minorias cristãs, druzas, chiitas e curdas parece continuarem a preferir Assad à instauração de um modelo islâmico radical.
  • que a oposição está extremamente fragmentada entre grupos no exterior, sem grande influência interna e apenas relevantes nos refugiados e na diáspora, e os grupos internos que conduzem as operações militares, fortemente extremistas, que fazem parte de uma espécie de "brigadas internacionais" salafistas, que o ocidente se resignou a apoiar, sob pressão dos seus aliados sunitas (Turquia, Arábia Saudita e Qatar).
  • que a agenda anti-Assad, na realidade, tem como importante objetivo tentar enfraquecer a aliança entre a Síria e o Irão - porque a questão iraniana permanece como o elemento vital de toda esta questão. Por forma a evitar que o Irão se assuma potência central da região, em especial se vier a obter poder nuclear, o ocidente decidiu tomar partido pelas forças sunitas, na tentativa de quebrar a ligação entre as forças chiitas que ligam Síria, Irão e Iraque, bem como o Hezbollah libanês.
 
No caso sírio, como às vezes acontece, parte do mundo encontra-se perante a "alternativa do diabo": qualquer escolha será má, restando saber qual será a pior.
 
ps - porque é bem ilustrativa do que a Europa política é, note-se o esforço declaratório da União Europeia sobre este assunto, recheado de ambiguidades para poder acomodar o mar de divergências no seu seio.

O cano

"Estes tipos estão muito atrasados. Parece impossível! Não sabem colocar canalizações!"

Estávamos na Líbia, em 1976, numa artéria de Tripoli. Com o condutor local, viajávamos três portugueses, membros de uma missão técnica exploratória das possibilidades de negócio em matéria de construção civil e obras públicas.

(Para a história, diga-se que essa missão, decidida pelo então ministro nos Negócios estrangeiros, Medeiros Ferreira, iria abrir caminho a uma imensidão de rentáveis contratos nesse setor, para empresas portuguesas, nas décadas seguintes).

O autor da frase, um engenheiro civil português, que seguia ao lado do motorista, queixava-se de uma elevação, que atravessava toda a faixa viária, obrigando a viatura em que seguíamos a "subir" essa protuberância rodoviária, com algum incómodo para os passageiros e, naturalmente, obrigando a uma sensível redução da velocidade. Ele achava que era um cano...

Ao meu lado, no banco de trás, um homem da banca portuguesa, Mascarenhas de Almeida, deu-me uma cotovelada cúmplice e ambos contivemos, a custo, o riso. Mas nada dissémos.

Por essa altura, por esse mundo fora, apenas num número escasso de países fora já introduzido o método de colocar, nas ruas e estradas, em locais mais sensíveis, amortecedores de velocidade. A Líbia era um deles, mas o nosso engenheiro, embora "civil", aparentemente não conhecia ainda a novidade.

Passaram-se alguns minutos. O engenheiro deve entretanto ter constatado que mais "canalizações" iam aparecendo, ao longo dessas avenidas. E a certa altura, saiu-se com esta:

"Pensando bem, esta ideia de usar tubagens para reduzir a velocidade dos automóveis não é má de todo! Às tantas, era capaz de ser útil fazer isto em Portugal..."

Terá sido ele?

domingo, 8 de setembro de 2013

Vale tudo?

Um político português abriu, em Portugal, uma conta num banco e nele fez um depósito. O banco era uma sucursal de uma intituição alemã: como o Santander é espanhol, o Barclays é britânico ou o BNP-Paribas é francês. O banco oferecia, a quem quer que fosse ao seu balcão, boas condições e, com toda a naturalidade, o político escolheu-o. Que sentido teria optar por um banco que lhe desse piores condições?

Foi ilegal a abertura da conta? Não. Houve alguma ilegalidade ou ilegitimidade na operação? Nenhuma.

Um jornal, porém, coloca em título que o político "põe poupanças em banco alemão". "Banco alemão"? Ó diabo! O leitor incauto logo conclui, pela fórmula habilidosa utilizada, que, com um malote atulhado de euros, o político, quem sabe se numa "aberta" de uma deslocação oficial à Alemanha, terá colocado o dinheiro, à sucapa, na segurança das terras da senhora Merkel.

Vale tudo? Não vale. Mas quem é que abriu a caixa de Pandora?

sábado, 7 de setembro de 2013

Os ódios e as ideias

A pretexto de algumas lamentáveis reações à morte de António Borges, a historiadora Maria de Fátima Bonifácio deu à estampa no "Público" um texto inqualificável, no qual, misturando deliberadamente os seus ódios com bugalhos alheios, deu uma expressiva nota da intolerância que afeta as mentes de certos setores políticos em Portugal. Ao lê-la, devo dizer que me percorreu um frio na espinha, sentindo o sopro de um vento ideológico que eu pensava amainado e enterrado no passado. Com a sofisticação de quem sabe o que escreve, a professora Fátima Bonifácio fez-me recuar aos tempos em que, noutros contextos, alguns intelectuais de mérito serviram de adubo pensante e justificador de certas barbáries. 

Devo dizer, com sinceridade, que mantenho respeito intelectual pela professora Maria de Fátima Bonifácio, com quem integrei, no ano passado, um grupo de trabalho, nomeado pelo governo, que produziu as bases para um novo Conceito Estratégico de Defesa Nacional. Reconheço-lhe a autoria de uma obra relevante, que, desde há uns anos, tem vindo a ser produzida sob o prisma de uma linha ideológica cada vez mais radical. Contudo, leio-a sempre com bastante proveito e continuarei a fazê-lo, a ela bem como aos restantes cultores de uma historiografia conservadora, alguma mais liberal que outra, que agora está um pouco na moda, que reconheço que é muitas vezes (embora nem sempre) servida por boa escrita e interessante investigação, que se apoia em setores universitários e em editoras que alimentam a mesma agenda ideológica, sendo também promovida com empenhamento por certa imprensa e blogues. 

Situando-me, com cristalina clareza e sem ambiguidades, no espetro das "sinistras" ideias diabolizadas no texto da professora Fátima Bonifácio, fica-me a dúvida sobre se o que aqui escrevi sobre António Borges, na ocasião da sua morte, também se enquadrará nos comentários por ela policiados.

Aga Khan

Num mundo onde a solidariedade anda pelas horas da morte, é um gosto ver Portugal acolher as meritórias iniciativas de uma instituição "do bem" como é a Fundação Aga Khan, a qual, sem grandes alardes, promove uma notável obra internacional de cooperação e de difusão cultural, com forte sentido universalista. Esta semana, Lisboa é o palco escolhido para a entrega do prémio internacional Aga Khan para Arquitetura, com a presença do próprio príncipe Aga Khan.

A comunidade ismaelita portuguesa, uma orientação muçulmana com raízes em Moçambique, constituiu-se em Portugal, em especial após 1974, como um setor dinâmico, respeitável e com um profundo sentido de responsabilidade social. A figura tutelar de Nazim Ahmad, que no nosso país dirige a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento, é uma personalidade que honra, simultaneamente, a Fundação e o nome de Portugal, representando, de forma exemplar, o trabalho dessa comunidade de prestígio, cujo percurso tenho acompanhado, desde há décadas, com sincera admiração. 

Num tempo de tropismo para a crítica, vale a pena destacar - e lembrar, porque normalmente não são "notícia" - as coisas positivas que por aí existem.

Bombeiros

É um lugar comum mencionar, por estes dias, o trabalho magnífico e esforçado dos bombeiros portugueses. Já por aqui disse, um dia, que cresci numa cidade onde, não só admirávamos as duas corporações de bombeiros, como tomávamos partido por uma dentre elas, numa rivalidade feita de fascínio saudável. Sou, assim, insuspeito de indiferença face a essa atividade com forte dimensão cívica.

Porque digo isto? Para enquadrar melhor a ideia, que venho a alimentar nestas últimas semanas, de que muitos dos infortúnios que têm afetado os nossos bombeiros, com a ocorrência de várias vítimas mortais, pode também ser a consequência de algum amadorismo e, em especial, de falta de uma adequada preparação técnica. O modo como vários desses tristes acidentes ocorreram, pelos relatos ouvidos, pode apontar nesse sentido. Admito estar errado, mas, se assim for, gostava que alguém me explicasse, por exemplo, que tipo de formação orientada para operações em zonas de montanha, com declives e variações eólicas muito específicas, têm os bombeiros que foram deslocados de cidades do sul, como foi o caso dos integrantes das corporações das zonas urbanas na periferia de Lisboa.

Fico com a sensação que, por detrás da justificada emoção com que glorificam os bombeiros que faleceram, pode estar uma história mal contada. Acho que a memória dessas mortes merece a verdade.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Para alemão ver*


Angela Merkel é a atual "patroa" político-económica da Europa. Na existência da UE, nunca um só país foi tão relevante no seu equilíbrio interno de poderes. Esta singularidade conjuntural, devida à fragilidade da França, cria uma realidade nova que, sendo má para a União, acaba por não ser cómoda para Berlim. Essa solidão de poder acaba por ter um efeito nefasto sobre a imagem do país, embora não devamos exagerar na ideia de que se caminha necessariamente para o acordar de alguns demónios históricos.
 
Nestas condições, Angela Merkel é, de facto, a mais importante personalidade, no que toca à economia portuguesa. Atenta a nossa dependência da orientação que a politica económico-financeira europeia venha a assumir, e tendo em conta que nada do que aí se passar deixará de ter a posição alemã no seu centro, é obvio que o chanceler federal, seja ele quem for, tem nas suas mãos parte importante do nosso destino. O resto, que ainda é algum, dependerá da competitividade do nosso tecido económico (o que hoje tem essencialmente a ver com a capacidade dos nossos empresários, no vazio do investimento público), da determinação política que Portugal vier a mostrar na obtenção de melhores condições no plano externo (que é o contrário do seguidismo e do atentismo sobre o que a Europa "nos dê") e, claro, da evolução da situação económica global.
 
O governo português, nos últimos dois anos, colocou todas as suas cartas em Berlim, na convicção de que a Alemanha premiaria os casos de sucesso nos países sob resgate e, se algo corresse mal, acorreria a ajudá-los, desde que tivessem sido alunos aplicados no ajustamento. Lisboa procurou evitar todo o gesto, por menor que fosse, que pudesse contrariar Berlim. Prova disso foi o modo como Portugal (não) negociou as ultimas "perspectivas financeiras" comunitárias, no fatalismo de que tudo acabaria sempre por se passar como a Alemanha determinasse. Custa-me ter de concluir que esta não foi a melhor forma de defender os interesses portugueses.
 
* texto que hoje publico no "Jornal de Negócios" como comentário à decisão do jornal de considerar Angela Merkel a mais importante personalidade da economia portuguesa.

"A Internacional"

Na noite de quarta-feira, na comemoração das ainda escassas décadas de existência de um bom amigo, acabámos a cantar-lhe os "parabéns a você", com a música de "A Internacional". É uma prática pouco comum nas festas de aniversários, salvo quando a densidade daqueles que seguem pela faixa esquerda dos caminhos da vida é forte e maioritária. Como era, obviamente, o caso. De qualquer forma, a letra cantada era bem mais inóqua do que a da original "A Internacional" (e, à atenção de quem não saiba, há uma variedade de letras de "A Internacional" muito apreciável), tanto mais que não se registava a presença de quaisquer "vítimas da fome", o que também era assegurado pela participação no repasto do "papa" da crítica gastronómica portuguesa, José Quitério.

Lembrei-me então que um dia, num intervalo de um Conselho de Ministros de um dos dois governos de António Guterres, foi decidido comemorar o aniversário do primeiro-ministro, com bolo e as inevitáveis velas. Alguns (assumo que fui um deles) decidimos pôr os ministros e secretários de Estado a cantar-lhe as palavras do "parabéns a você" com a música inesquecível de Pierre de Geyter. Foi curioso ver as reações: alguns de nós arrancámos a cantoria com a energia de uma geração que um dia soube ao que ia, outros, mais ou menos embaraçados ou com um sentido das conveniências apurado, trauteavam baixinho, e, finalmente, alguém vindo do tempo "da outra senhora", cooptado pela democracia com generosa abertura, parecia não saber onde se meter, como o sorriso amarelo bem denunciava.

Mais a sério: "A Internacional" é uma canção que ficou ligada à memória comunista, mas cujo espírito progressista sempre foi muito para além desse terreno específico de acantonamento ideológico. Para muitas pessoas da minha geração (política), "A Internacional" foi uma bela arma contra a ditadura, um terreno comum onde muita gente que lutava pela democracia e pelas ideias da solidariedade e do progresso se encontrava, com alegria e entusiasmo. Para mim, "A Internacional" faz assim parte da minha melhor memória afetiva. E não tenho o menor receio de o afirmar.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O intérprete acidental

Ontem fiz uma viagem aérea ao lado de uma jovem intérprete de conferências. Falámos da sua profissão e explicou-me que viaja por todo o mundo para colaborar em vários eventos, sendo que um dos seus grandes clientes é, imagine-se, a Fifa!

O meu respeito pela profissão de intérprete é imenso. Trata-se de uma atividade de grande responsabilidade, que exige uma elevada qualificação técnica e que é extremamente exigente em termos físicos e mentais. Fazer interpretação simultânea (o que é uma coisa totalmente diferente de fazer tradução escrita de textos) é uma tarefa muito cansativa, razão por que muitas vezes vemos reuniões terem de terminar mais cedo por exaustão dos intérpretes.

A meu primeiro contacto com esta realidade foi na Noruega, em 1980, durante uma visita de Estado do presidente Ramalho Eanes. No termo da visita, estava prevista uma conferência de imprensa do presidente, no hotel SAS, em Oslo. Embora me recorde que outros temas conjunturais acabaram por se sobrepor, a ideia original era dar conta à comunicação social norueguesa da avaliação do chefe de Estado português sobre os importantes programas de cooperação que a Noruega desenvolvia, à época, em Portugal.

(Depois da Revolução de 1974, os governos trabalhistas noruegueses levaram a cabo um vasto conjunto de programas de solidariedade para com a nova democracia portuguesa, desde o apoio aos "retornados" das antigas colónias a diversas contribuições em setores técnicos, de que foram exemplos os setores da saúde, da investigação marítima, etc. Fico com a sensação de que o nosso país nunca prestou um suficiente testemunho da gratidão devida à Noruega por estes gestos materiais de grande solidariedade, num tempo difícil para nós.)

Porque a conferência de imprensa do presidente Eanes se situava fora do programa oficial da visita, coube à nossa embaixada organizar a logística do encontro com os jornalistas. Havia assim que prever um intérprete para fazer "chuchotage" (interpretação em voz baixa, ao ouvido) do presidente, fazendo-o entender as perguntas da imprensa, e outro para, numa cabine, traduzir para os jornalistas, em norueguês, as respostas de Ramalho Eanes. Para a primeira função escolheu-se Joelle Bastviken, uma luso-norueguesa que já acompanhava em permanência o casal presidencial, infelizmente já desaparecida. Para a segunda, e no "deserto" que então era o mundo dos noruegueses com conhecimentos de português, decidimos encarregar da tarefa o tradutor da embaixada, Johan Jarnaes.

Jarnaes era professor de português na universidade de Oslo e pensámos que, se o seu conhecimento da nossa língua era suficiente para nos fazer pequenos resumos da imprensa local ou traduzir cartas, talvez fosse capaz de passar para norurguês as respostas do presidente. Com grande boa vontade, Jarnaes voluntariou-se para a tarefa, não sem que antes, com toda a honestidade, me tivesse avisado das dúvidas que tinha sobre se estaria à altura da função. Animei-o, com a inconsciência de quem não tinha outra solução.

Fui com ele para a cabine de interpretação, para atenuar o nervosismo de que dava mostras e, talvez, também por um pressentimento de que as coisas poderiam não correr bem. Como não iriam correr, de facto.

Logo às primeiras respostas de Eanes, cujo discurso, como é sabido, tende a ser rebuscado e pouco direto, para além de assente numa verbalização alcainense menos fácil para um ouvido estrangeiro, o nosso Jarnaes começou a gaguejar, a suar em bica e, num certo momento, bloqueou por completo. O facto de Eanes debitar longas frases e encadear o discurso, sem pausas, justificava o "pânico" em que Jarnaes entrara que me fazia sinais desesperados de que não conseguia prosseguir. Do alto da cabine, eu olhava para a sala e constatava a perplexidade na cara dos jornalistas noruegueses, que olhavam uns para os outros, dando voltas ao aparelho da interpretação, acreditando que o silêncio que lhes passara a ser oferecido se devia a alguma avaria técnica.

Foi então que decidi correr um imenso risco, com vista a ultrapassar o embaraço em que estávamos. Arranquei o microfone a Jarnaes e passei a fazer eu a "interpretação" , mas, desta vez, para inglês, língua que todos os jornalistas noruegueses compreendiam. Aqui para nós, tenho hoje a sensação que improvisei imenso, que coloquei na boca do presidente muitas coisas que ele, na realidade, não disse (como, no dia seguinte, vi nas citações de imprensa que lhe foram atribuídas). A verdade é que também eu era incapaz de seguir o ritmo das palavra de Eanes, pelo que fui avançando com frases que pressenti se colavam, mais ou menos, àquilo que eu sabia ser o pensamento do presidente, pelo que dele conhecia através da imprensa. Foi uma grande irresponsabilidade? Talvez, mas era necessário salvar, ainda que modestamente, a situação criada. Até porque dela eu era o principal responsável...

No fim daquele esforçado e penoso exercício, recebi um abraço de agradecimento do assessor diplomático do presidente, embaixador Luis Martins, que se apercebera da súbita complicação surgida e do meu ato de "desenrascanso". Mas, devo confessar, aqueles quinze minutos foram dos mais longos da minha vida e, para sempre, fiquei a ter um imenso respeito pela dificílima tarefa dos intérpretes profissionais.