sábado, 31 de agosto de 2013

Maria José Constâncio

Foi aqui, no aeroporto de Lisboa, onde estou agora a embarcar para Roma, que encontrei pela última vez, há já bastantes anos, a Maria José Constâncio, de cuja morte acabo de ter conhecimento. Nesse dia, íamos ambos para Bruxelas, um destino que à época nos mobilizava muito.

A Maria José estava há largos anos afastada da vida pública, vítima de uma doença incapacitante muito grave. Fizémos parte do mesmo governo, nos idos de 1995 e hoje recordo para sempre a sua grande competência profissional e o seu sorriso suave.

Deixo ao Vitor e a toda a família um abraço de sentido pesar.

Graça Andresen Guimarães

O recém-designado diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, o diplomata brasileiro Roberto de Azevedo, acaba de nomear a embaixadora Graça Andresen Guimarães para integrar o seu gabinete.

Aquela embaixadora portuguesa tinha terminado funções como representante permanente de Portugal junto das organizações internacionais, em Genebra, após ter chefiado, durante vários anos, a missão diplomática portuguesa em Cabo Verde.

Sou naturalmente suspeito ao falar de Graça Andresen Guimarães, de quem sou amigo pessoal e com quem tive o gosto de trabalhar quando, nos anos 90, coincidimos na embaixada portuguesa em Londres. Esta sua prestigiante nomeação apenas confirma o que há muito se sabia: que estamos perante uma das mais qualificadas profissionais da diplomacia portuguesa. 

Pergunto-me se o facto de uma organização internacional como a OMC ter decido recorrer aos conhecimentos de uma diplomata a quem as atuais regras etárias do MNE impediram de continuar ao serviço do seu país no estrangeiro não deveria ser razão para suscitar, entre nós, um debate sobre a racionalidade de obrigar os funcionários que atingem os 65 anos a abandonarem o serviço externo, quando hoje se caminha, cada vez mais, para um alargamento da idade de aposentação. Faço-o com a independência de quem nunca antes, em nenhuma ocasião, opinou sobre a questão, enquanto ela lhe podia dizer respeito. Agora que o assunto me é, em definitivo, pessoalmente indiferente, considero poder dizer, alto-e-bom-som, que é absurdo manter essa regra, em lugar de caminhar para uma natural dilatação do limite etário para a permanência em cargos no exterior. Mas imagino que isto seja "chover no molhado", atentas  as "capelinhas" que, com toda a certeza, se mobilizarão para defender o "statu quo".  

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Desapontamentos

O governo britânico ficou desapontado com o facto do parlamento se ter oposto à participação do país numa ação militar contra a Síria, mesmo se os peritos das Nações Unidas vierem a confirmar que o respetivo regime utilizou armas químicas na guerra civil.
 
O governo português manifestou o seu desagrado pelo facto do Tribunal constitucional, respondendo a dúvidas suscitadas pelo presidente da República, ter rejeitado a constitucionalidade da lei que flexibilizava regras laborais na função pública.
 
É humano que os executivos reajam à derrota das suas propostas. Porém, um democrata mede-se pelo modo como respeita, em qualquer circunstância, as decisões das instituições que lhe não são favoráveis. Ponto.

Diplomacia e disciplina

O caso do diplomata brasileiro Eduardo Saboia, o qual, desrespeitando instruções do seu governo, decidiu auxiliar à retirada da embaixada brasileira em La Paz de um refugiado político, é um interessante "cas de figure". Simples mas instrutivo.
 
Perante uma situação como a que se vivia naquela embaixada, um profissional da diplomacia - e Eduardo Saboia era "encarregado de negócios", na ausência de um embaixador, logo, o principal responsável - tinha a estrita obrigação de (1) transmitir às suas autoridades a sua avaliação sobre o caso em apreço, bem como as soluções que, a seu ver, se impunham e, após isso feito, (2) deveria ter obedecido às legítimas instruções dessas autoridades, que eram emanadas do governo de um país democrático e que é internacionalmente reconhecido como atento aos Direitos humanos.
 
Admitamos, porém, que o diplomata, por razões que considerou mais relevantes, entendeu que essas instruções ofendiam os seus princípios e a sua consciência. Nesse caso, duas alternativas se lhe ofereciam: (1) demitir-se ou (2) contrariar as ordens, eventualmente denunciando-as, mas, neste caso, tendo a consciência de que iria arrostar com todas as consequências disciplinares daí decorrentes. O ato de Eduardo Saboia configura esta última opção.

O que não é admissível é que um profissional da diplomacia, abusando da confiança do Estado que o mantinha no lugar, no pressuposto de que cumpriria escrupulosamente as suas instruções, se possa arrogar o direito de proceder a seu bel-prazer, fazendo a sua interpretação pessoal sobre a melhor forma de agir, abusando assim do estatuto de que usufruía. Se acaso este procedimento fosse aceite como regra, isso significaria uma absurda transigência com uma cultura de descricionariedade, com a qual nenhuma ordem político-jurídica pode conviver.
 
Podemos ter toda a simpatia para com as motivações humanitárias que estiveram subjacentes ao ato de Eduardo Saboia. Não me parece, contudo, que deva haver uma complacência disciplinar com o seu comportamento, salvo alguma atenuante que possa decorrer de uma perturbação no seu estado de espírito, fruto do peso psicológico que a situação nele estava a provocar.

Coincidências

A propósito de uma confusão sobre a nacionalidade de uma senhora, durante um jantar no Brasil, que há dois dias aqui referi, vou contar uma história que acho curiosa, que também me ocorreu, nesses nossos primeiros dias de Brasília.
 
O conselheiro social da embaixada e a sua mulher haviam decidido convidar-nos para conhecer, em sua casa, vários portugueses que ocupavam lugares destacados na vida política, económica e social da capital brasileira. Foram dois simpáticos jantares, que permitiram ficar a conhecer um conjunto muito interessante de personalidades, que viram a revelar-se essenciais para o meu trabalho futuro.
 
Uma dessas figuras era um engenheiro português, altamente colocado na administração brasileira. Na conversa ao jantar, que tinha de ser dividida com os restantes convidados, dei-me conta, a certa altura, que ele nascera no Porto e que era engenheiro eletrotécnico. Ora eu fora, em 1966/68, um efémero estudante de engenharia eletrotécnica, precisamente na universidade do Porto. Em que ano tinha ele entrado para a faculdade? Em 1966...
 
Tinham passado quase 40 anos, mas a curiosidade fez-nos remexer memórias, que viémos a constatatar que, em vários casos, eram comuns. Ambos tínhamos tido aulas de Química Geral com o Vasco Teixeira, de Matemáticas Gerais com o Arala Chaves, e aí por diante! Depois, vieram à baila alguns episódios, passados na Unicepe, no "Piolho" ou no bar do "Centro" (Universitário do Porto). Ambos havíamos estado nos mesmos locais, nos mesmos dias, lembrando as mesmas coisas, com pormenores. Os nomes de amigos comuns vieram à conversa. Por outro cruzamento de referências, também a probabilidade de termos feito algumas tardes de estudo juntos se tornou plausível (no meu caso, sem um grande sucesso académico, o que me conduziu à sensata decisão de mudar de curso). Mas nem eu me lembrava concretamente dele, nem ele de mim. Mas esse foi o começo de uma bela amizade.
 
O Manuel Lousada, que às vezes lê este blogue, lembrar-se-á desse momento em que nos (re)encontrámos, e que, depois disso, muitas vezes repetimos, nomeadamente no Porto (onde é que havia de ser!). Tudo graças à simpática e acolhedora iniciativa, também muito profissional, da Anabela e do Joaquim do Rosário. Aqui fica um abraço para todos eles, lembrando esses magníficos tempos de Brasília.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

A França, a Rússia e a Síria

Fui procurar à net e encontrei um artigo que, há pouco mais de um ano, o antigo primeiro-ministro conservador francês, François Fillon, havia escrito no "Le Figaro", denunciando a política externa do presidente Hollande. Na altura, tomei nota do que ele dissera sobre uma conversa havida com Vladimir Putin (em França, escrevem "Poutine", porque, sem o "e", a palavra, lida "à francesa", teria uma sonoridade estranha), a propósito da crise síria.

De acordo com o relato de Fillon, Putin "teme um contágio fundamentalista ao conjunto da região, da qual a Rússia está mais próxima e mais dependente do que a Europa e a América. Ele sabe que os americanos abandonarão em breve o Afeganistão, que se pode voltar a converter num santuário terrorista às portas da Rússia. Ele constata que a intervenção americana no Iraque redundou num caos por muito tempo. Teme o recuo do Egito nas mãos dos fundamentalistas. Não quer juntar a Síria à lista dos lugares dos santuários de desestabilização das suas fronteiras a sul".

Nesse artigo, Fillon dizia que "recusava" os argumentos avançados pelo líder russo para justificar a sua oposição a uma mudança do regime em Damasco, embora os considerasse "não desprezáveis". Ao ler o que Fillon ontem afirmou sobre uma possível intervenção militar na Síria, fico com a ideia de que as palavras de Putin ainda lhe estarão na memória.

António Patriota

António Patriota deixa o cargo de ministro das Relações Exteriores do Brasil para ir chefiar a missão brasileira junto das Nações Unidas. Patriota é um excelente profissional, com uma imensa experiência e, devo dizer, sinto pena ao vê-lo deixar a chefia do Itamaraty. Ainda há pouco tempo tive o gosto de conversar com ele em Lisboa e confirmar o seu empenhamento no aprofundamento das relações luso-brasileiras.
 
Fizemos uma boa amizade no tempo em que coincidimos no Brasil e, creio, ambos contribuímos, cada um à sua maneira, para um período interessante da nossa relação bilateral. Por essa altura, o António desempenhava o importante lugar de diretor-geral político do Itaramary e eu era embaixador de Portugal.
 
Um episódio curioso envolveu-nos aos dois, por esse tempo. O ministro brasileiro das Relações exterioras, Celso Amorim, havia decidido pôr termo à missão em Lisboa do embaixador António Paes de Andrade, um "embaixador político" que ocupava esse cargo, desde há alguns anos. Nas vésperas da decisão ser tomada, o governo brasileiro, num gesto elegante, havia decidido informar-nos, através de uma conversa que o então secretário-geral do ministério das Relações exteriores (que é o substituto do ministro), embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, quis ter comigo, do nome do sucessor de Paes de Andrade. Pela regras normais da diplomacia, deveria ser este a pedir, em Lisboa e junto das Necessidades, o "agrément" para o seu sucessor. Ora António Paes de Andrade - e só conto isto porque tudo veio publicado na imprensa brasileira da época - terá eventualmente reagido mal à decisão da sua substituição, recusando-se a solicitar às nossas autoridades a acreditação para o novo embaixador.
 
(Para quem não saiba, a regra dos pedidos de "agrément" é que o embaixador cessante faça a entrega, junto do chefe do Protocolo do país onde está acreditado, de um currículo da pessoa que o seu governo pretende nomear para seu sucessor, numa folha de papel branco, não timbrada. Pela tradição, se o nome for recusado (o que acontece raramente, sendo um longo "silêncio" do Estado recetor a demonstração implícita de que o nome não vai ser aceite), não restará qualquer prova material do pedido. Isto era assim no passado. Nos dias que correm, muitos Estados já não procedem da mesma forma e os currículos até já seguem, em muitos casos, em anexo a uma simples nota rubricada...)
 
As autoridades brasileiras terão ficado numa situação algo embaraçosa. Como podiam formular o pedido de acreditação para o sucessor de Paes de Andrade, face à recusa deste em executar a instrição? Só havia uma maneira: utilizar a embaixada portuguesa em Brasília. Assim, dois dias mais tarde, António Patriota, como diretor-geral político, pediu para eu ir vê-lo. Durante vários minutos, a nossa conversa tocou vários assuntos, sem aparente objetivo concreto. A certo passo, porém, disse-me:
 
- Francisco, você sabe que vamos mudar o embaixador em Lisboa?
 
Respondi-lhe que sim, que, simpaticamente, já fora informado pelo secretário-geral, e que até conhecia bem o futuro embaixador, de quem era amigo, desde o meu anterior tempo de Viena.
 
- E você tem o currículo dele?, inquiriu António Patriota, estendendo-me uma folha sem timbre, com o percurso profissional do diplomata.
 
Agradeci a "informação" e, minutos depois, regressei à embaixada. Transmiti então a Lisboa o pedido de "agrément" formulado pelas autoridades brasileiras. Mas a conversa com Patriota configurava algum pedido? Na realidade, nada me tinha sido solicitado, a palavra acreditação não fora sequer pronunciada, formalmente a nossa conversa não podia mesmo ser qualificada de uma "démarche" ou diligência. Mas, para bom entendedor, o gesto "florentino" de diplomacia de António Patriota era muito claro. E, três dias depois, o sucessor de Paes de Andrade recebia o beneplácito das autoridades portuguesas - uma rara rapidez, no nosso caso consonante com a excelência das relações que sempre pretendemos manter com Brasília.
 
Um forte abraço, António. Boa sorte para Nova Iorque! Quando passar por Portugal, os seus amigos aqui estarão à sua espera. 

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Síria

Vai para aí uma "salgalhada" no que respeita à posição portuguesa, em face de uma possível intervenção militar no conflito na Síria, sem um mandato expresso do Conselho de Segurança. A cacofonia, em ambos os lados do nosso espetro político, não augura nada de bom. E de prestigiante. E é nestes momentos que um forte sentido de Estado se imporia.
 
Uma atitude portuguesa sobre esta matéria tem, antes de tudo, de deixar bem claro se Portugal - em todos os casos, não "à la carte" - defende a preeminência absoluta das instituições multilaterais, a que se comprometeu ao assinar a Carta das Nações Unidas.
 
Se assim não for, Portugal terá então de conceder que considera admissível, agora e no futuro, que algumas potências possam formar "coalitions of the willing", com vista à execução de certos tipos de ações militares fora das suas fronteiras, interpretando, à sua maneira, um direito internacional de ingerência, perante situações tidas como ultrapassando determinados limites. Note-se que a seleção de tais casos competirá livremente a essas mesmas potências, com maior ou menor respaldo do resto da comunidade internacional.
 
Se a resposta se inclinar para a segunda hipótese - o que, à partida, não excluo (fiz parte de um governo que apoiou uma ação militar no Kosovo) -, Portugal tem de estar preparado para ter de aceitar, um dia, uma eventual intervenção militar promovida pela Rússia ou pela China, eventualmente aliadas a outros Estados, num qualquer cenário geopolítico, que aquelas potências considerem que deve merecer idêntico tratamento, mesmo que para tal não haja um mandato do CSNU. É que uma coisa é por demais evidente: o ocidente não pode pretender ter o monopólio da justa indignação, por muito que lhe desagrade a leitura que Moscovo ou Pequim façam das coisas.
 
Conviria pensar bem nisto.   

A praia

 
Conhecem alguma praia portuguesa (pública, bem entendido) onde, mesmo perante a inexistência de qualquer serviço de segurança, se possam deixar toda a noite, sem risco de os ver desaparecer, os nossos guarda-sóis? Onde as cadeiras de todo o tipo fiquem igualmente no areal, de um dia para o outro, bem como os brinquedos das crianças?
 
    Eu conheço, estarei por lá até ao final desta semana, mas não digo qual é, desculpem lá!

terça-feira, 27 de agosto de 2013

A senhora loira

Era um jantar com umas dezenas de convidados, na residência do embaixador egípcio, na "asa norte" de Brasília. Tínhamos chegado ao Brasil há poucos dias, nesse ano de 2005. O meu colega do Egito quis ter a amabilidade de nos convidar, quase de imediato, dando-nos assim as primeiras boas-vindas.

(Para quem não saiba, a diplomacia egípcia tem uma tradição de grande qualidade, servida por profissionais de alto gabarito, muito bem preparados, quase sempre com uma atividade social intensa, à altura da importância que o seu país foi criando à escala regional e global. Agora, só podemos desejar que esta boa tradição se não perca).

O jantar era um esplêndido "buffet". À entrada, soubemos a mesa que nos competiria mas, mais tarde, quando lá chegados, verificámos que não havia cartões, que era "free seeting", o que não nos permitia conhecer com facilidade o nome dos comparsas da refeição. Uma das exceções era eu. A embaixatriz, delicada, convidou-me para ficar à sua direita. No meu outro lado, sentou-se uma senhora, cujo nome e nacionalidade não entendi bem, na rápida e algo atabalhoada apresentação que fizémos, com outros convidados à mistura. Ouvi que se expressava em inglês. Era uma mulher loira, de uma beleza serena, madura, com pele muito clara e um bonito sorriso.

Durante alguns minutos, conversei com a nossa agradável anfitriã. Depois, na protocolar alternância, voltei-me para a vizinha do outro lado e troquei algumas palavras de circunstância, de elogio sobre a comida, sobre a casa ou qualquer outro tema para "entreter". As conversas seguiam em inglês. Não tinha percebido a sua nacionalidade, mas não lha perguntei, porque não queria dar a ideia de que estivera desatento, quando ela se apresentara. Disse cá para mim: com o tempo, lá "chegarei". E fui-me divertindo com o processo de adivinhação, como por vezes faço. Desde o início, fiquei com a sensação de que devia ser nórdica. Talvez mulher de diplomata (pela idade dela, imaginei que o "partner" já podia ser embaixador), porque tinha um discurso cosmopolita. Não entrou no "talking shop" típico das "chères collègues", pelo não era, ela própria, embaixadora (eu ainda não conhecia a maioria dos meus colegas). Estava muito bem vestida, num estilo clássico, o que excluía que fosse de uma qualquer ONG. Não tinha também a linguagem viciada de algum pessoal de organizações internacionais. Não lhe notei aquelas "inspirações" quase asmáticas, tipicas das interjeições que as norueguesas costumam fazer. E não tinha o toque "viseense" do falar islandês. O seu inglês (que não era o típico americano ou outro "nativo", o que excluía que fosse britânica ou irlandesa) não tinha o "arranhado" dos dinamarqueses, nem a tonalidade algo rural que identifica, "por uma pinta", os finlandeses. Fez um comentário simpático sobre qualquer coisa da Rússia, pelo que, de imediato, deduzi que não podia ser originária de um país báltico. E, claro, também não seria polaca. Aliás, algumas ideias que perpassavam no seu discurso, com alguma "rightousness" um tanto puritana e pouco "free-marketeer", fizeram-me afastar, em definitivo, a hipótese de ser de um antigo país comunista da Europa. É isso, por exclusão de partes, devia ser sueca! Pela certa. Arrisquei:

- How long have you been in Brazil? Did you come straight from Stockholm?

Olhou-me, surpreendida:

- Stockholm? No! I came from Uruguay!

Uruguaia? Não tinha ar disso! No meu melhor castelhano, pedi desculpa pela confusão e disse-lhe do meu equívoco, confessando que tinha achado que ela era sueca. Era o seu ótimo inglês que me tinha levado a essa ideia, disse eu, tentando um "charme" desculpabilizante. Não tinha percebido que era uruguaia, mas, assim, ainda bem!, podíamos continuar a falar em espanhol.

A sua resposta desarmou-me:

- Pero yo no soy uruguaia. Yo soy brasileña!

Aí dei uma gargalhada do tamanho da mesa. Revelei que era português (ela explicou depois que achara que eu era, imagine-se, grego!) e a "loira sueca", nascida em Curitiba, contou-me então que era casada com um diplomata brasileiro, há poucos meses chegado de Montevideu, e que estava sentado noutra mesa.

Convém ter sempre muita atenção nas apresentações...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Gilmar


Há semanas, desapareceu Djalma Santos, um dos mais fantásticos defesas laterais direitos da história do futebol mundial.

Ontem, saiu de cena Gilmar, o "goleiro" desse "time" histórico que, (quase) sem Pelé, ganhou a "copa" do Chile em 1962, comigo, deste lado do Atlântico, nos meus 14 anos, a "torcer" pelo "escrete canarinho", que sei de cor-e-salteado, graças a "A Bola", ao "Record" e ao "Mundo Desportivo", que então consumia avidamente (hoje, sei lá porquê!, sou incapaz de pegar num jornal desportivo). Aqui deixo esse "dream team" da minha memória: Gilmar; Djalma Santos, Mauro e Nilton Santos; Zito e Zózimo; Garrincha, Didi, Vává, Amarildo e Zagalo.

Nele, Gilmar, era um génio no "gol", dando imensa confiança à "zaga", com um excecional tempo de saída nos "escanteios" e com uma rapidez fabulosa na reposição da bola em jogo, com "tiros de meta" que atravessavam o terreno. Começou por ser um herói da "baixada santista", para se tornar num herói do Brasil. E, mais tarde, de Vila Real, como se vê... 

Palestras e conferências

Há uns tempos, um amigo dizia-me que quase se "cansava" de ver notícias sobre prestações que eu fazia em público, sobre uma larga variedade de temas. Embora ache isso um exagero (falo, normalmente, apenas sobre temas europeus e internacionais), sou o primeiro a reconhecer que, por vezes, o leque de matérias sobre as quais sou convidado para intervir acaba por ser um tanto lato...
 
Espero que esse meu amigo, que não lê este meu blogue com regularidade, não se aperceba do título do painel que, dentro de dias, me caberá moderar em Yerevan, na Arménia, no âmbito de uma conferência em que participarei: "Avenues for future action within and beyond Europe; youth education and awereness-raising on religion and beliefs, dialogue and co-operation among and with religious and non-religious representatives".
 
Sendo que o tema sai um pouco da minha área normal de preocupações (mas não da área de trabalho do diretor executivo do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, que atualmente sou), sinto-me nele apesar de tudo, muito mais à vontade do que num painel que tive que coordenar em Coimbra, em 2005, integrado num seminário sobre "Investir nas florestas portuguesas", no qual que me coube sumariar um debate de especialistas internacionais sobre "Abordagem ambiental e gestão dos riscos nas florestas". Graças a essa singular experiência, ainda hoje, quando vejo fogos nas televisões, sinto a tentação de mandar alguns "bitaites", com base no que então aprendi.
 
Enfim, nesta variedade de temáticas, espero não atingir o ponto a que chegou um outro amigo, personalidade de forte notoriedade pública, o qual, perguntado um dia por que razão intervinha sobre um qualquer tema algo "exotérico", comentou: "Eu, nesta fase da vida, tirando algumas ciências exatas, falo praticamente sobre tudo..."  

domingo, 25 de agosto de 2013

António Borges

Acabo de saber do falecimento de António Borges.

Durante muitos anos, António Borges foi, para mim, a imagem do economista português que, em França, dirigira a prestigiosa escola de gestão INSEAD. Mais tarde, assisti à distância ao seu empenhamento na vida política, que manteve até hoje, num quadro de opções doutrinárias que sempre senti muito distantes das minhas. O que, definitivamente, não vem aqui para o caso.

Só vim a conhecê-lo pessoalmente há poucos anos, no âmbito de uma reunião da Fundação Champalimaud, em Paris. Durante este ano, coincidimos na administração de um grupo empresarial, circunstância em que nos sentávamos lado a lado. Fiz com ele uma longa viagem intercontinental, durante a qual falámos muito e nos fomos conhecendo melhor. A nossa última conversa teve lugar no final do passado mês de julho.

António Borges estava muito doente, como todos os que com ele trabalhavam podiam testemunhar. Isso notava-se de forma progressiva. E isso também tornava mais admirável, aos olhos dos seus interlocutores, a sua imensa coragem, o modo empenhado como continuou a dedicar-se às tarefas profissionais, a agudeza de espírito que revelava, o discurso impecavelmente articulado que desenvolvia. Não obstante a sua notória fragilidade física, nunca perdeu o sorriso. E até o humor.

Deixo uma palavra de respeito à memória de António Borges e sinceros sentimentos à sua Família.

Chiado

Foi uma reação coletiva de choque. A delegação oficial, que se havia deslocado a uma reunião internacional a Oslo, chefiada por um membro do governo português e na qual eu ia integrado, ficou tomada por uma emoção forte, face à informação que o embaixador português na Noruega lhe transmitiu: o Chiado estava a arder, na manhã daquele dia 25 de agosto de 1988.

Nesse tempo, não havia telemóveis, a única televisão portuguesa não era captável fora do país, nenhum de nós tinha, como era óbvio, um aparelho de rádio de ondas curtas. Os pormenores disponíveis eram, assim, muito escassos. Falava-se da possibilidade do incêndio poder atingir o largo do Carmo e mesmo a Bénard e a Brasileira, levando o Grémio e a Bertrand. Telefonou-se para Lisboa, mas as informações continuavam muito imprecisas e incertas. A ideia de que o Chiado - todo o Chiado! - corria o risco de desaparecer fez-me uma imensa impressão, transmitiu-me uma rara sensação de perda irrecuperável.

Não sou lisboeta. A minha memória do Chiado é quase toda adulta, da cidade para onde fui viver em 1968. De criança e do Chiado, lembro-me apenas da excitação de andar nas escadas rolantes do Grandela, nos anos 50. Para um miúdo ido de Vila Real, onde o único elevador da cidade (do edifício da Gomes) nunca até então funcionara, aquelas ruidosas engrenagens eram o "máximo" da modernidade. Depois, as cenas do "Pai Tirano" fizeram o resto. Claro que viria a fixar a memória queiroziana da montra da Férin, onde o Artur Corvelo ia ver se os "Esmaltes e jóias" se vendiam. E visitara com regularidade a Valentim de Carvalho. Fora também cliente do José Alexandre, mas (ironias do destino...) não tenho ideia de alguma vez ter entrado no Jerónimo Martins e, muito provavelmente, no Martins e Costa. A Ferrari também não fazia parte dos meus percursos, nos anos em que trabalhei pelo Calhariz e em que o Chiado entrava no meu quotidiano. E, de certeza segura, nunca fui cliente da Perfumaria da Moda nem na Casa Batalha, que haviam de ser vítimas irrecuperáveis da tragédia.

Tenho a imagem muito nítida da rara angústia que me atravessou nessas horas, ao pressentir, na desaparição do Chiado, a amputação de uma parte do meu próprio património pessoal de memória. Hoje, em perspetiva, acho mesmo um tanto exagerada a reação emocional que então me atravessou. Quem é de Vila Real compreenderá melhor se eu disser que foi como se me tivessem dito que toda a rua Direita estivesse a arder. 

Regressado a Lisboa, no dia seguinte, fui, de imediato, ver os estragos. Depois, com o tempo, tudo se tornou mais natural. Por anos, como toda a gente, convivi e desesperei com as obras. E, à medida que elas se concluíam, fui-me habituando ao "novo" Chiado, embora o resultado final esteja muito longe de ser do meu agrado. Mas isso é uma outra história. O que agora me interessa deixar expresso é que o incêndio do Chiado, em 25 de agosto 1988, há precisamente 25 anos, continua, até hoje e para sempre, a ser uma das mais traumáticas experiências de toda a minha vida.

sábado, 24 de agosto de 2013

Bartolomeu

Com esta fotografia roubada aqui e com um abraço muito forte à Fernanda, deixo a lembrança de que o Bartolomeu faria hoje 82 verões. Hoje, dia de São Bartolomeu.

Embaixadores políticos

Há dois dias, a propósito de um artigo de José Cutileiro, falou-se neste blogue dos chamados "embaixadores políticos".

Historicamente, todas as carreiras diplomáticas começaram por ser providas por embaixadores que eram personalidades públicas designadas pelo chefe de Estado, oriundas da aristocracia ou de setores poderosos ou influentes da sociedade. Com o tempo, o serviço diplomático profissionalizou-se e os embaixadores passaram, em regra, a ser escolhidos dentre os diplomatas mais credenciados. Alguns países, porém, continuaram a manter a prática de designar, para a chefia de certos postos, figuras exteriores às respetivas carreiras diplomáticas. Em geral, algumas ditaduras e regimes mais ou menos autoritários abusam desta prática. Mas um país democrático como os EUA vai mais longe e coloca, com regularidade, na chefia de muitas das suas embaixadas, figuras ligadas ao financiamento das campanhas que estiveram na base da eleição do presidente. Bem assessoradas, claro está, por competentes profissionais da diplomacia...

Em Portugal, a República e a ditadura escolheram várias personalidades políticas e sociais para a chefia das principais missões diplomáticas, que, aliás, eram então muito poucas. Esta prática não viria a desaparecer com o 25 de abril. Com vários pretextos, diversos governos colocaram o seu pessoal político em algumas embaixadas. Desde a Revolução, a diplomacia portuguesa haveria de albergar cerca de trinta de "embaixadores políticos". A partir de finais de 2010, vive-se um tempo diferente: não existe nenhum "embaixador político" na diplomacia portuguesa. Até quando, não se sabe, porque nenhum governo foi capaz, até hoje, de excluir em definitivo essa prática, por via legislativa.

Como é compreensível, dentro da carreira diplomática profissional existe um profundo e (quase sempre) justificado sentimento contra a indigitação de figuras que, não tendo feito a tarimba da vida diplomática, não tendo subido por mérito, ao longo dos anos, os seus diversos escalões, surgem um dia, de "pára-quedas", num determinado posto, qualificados como "embaixadores", por uma simples decisão política, muitas vezes para acomodar uma figura pública sem função ou que apenas se pretende premiar. Imagine-se o que aconteceria se alguém aparecesse nomeado "general", vindo da vida civil, para chefiar uma Região militar...

Na nossa história democrática recente, alguns desses "embaixadores políticos" serviram num posto e, depois, saíram. Outros acabaram por rodar entre vários postos, usufruindo de uma legislação que lhes permitiu passar a integrar o quadro dos embaixadores profissionais de carreira. Com justiça e julgo que com alguma objetividade, há que dizer que muitas dessas figuras pouco trouxeram à carreira. Outras foram mesmo algo nocivas. Nesses casos, nós costumávamos dizer que, se era para selecionar incompetentes, tínhamos já por lá alguns, não era necessário ir procurá-los fora...
Mas houve sempre algumas boas exceções. A certos "embaixadores políticos", o consenso no Ministério dos Negócios estrangeiros acabou por reconhecer que aportaram um real valor acrescentado ao serviço diplomático. José Cutileiro, que anteontem citei aqui, foi, seguramente, um desses nomes. A sua excecional competência ficou bem provada e o seu trabalho foi muito útil ao serviço externo do Estado. Por isso, na carreira, sempre reconhecemos José Cutileiro, sem qualquer favor, como "one of us". Ele e muito poucos.


Em tempo: aqui deixo a lista dos 29 "embaixadores políticos" nomeados após o 25 de abril, não excluindo poder haver alguma falha, que corrigirei de bom grado:

Albertino Almeida (Maputo)
António Flores de Andrade (Lusaka)
Vitor Alves (itinerante para as comunidades portuguesas)
Manuel Bello (OCDE)
Manuel João da Palma Carlos (Havana)
Manuel Maria Carrilho (UNESCO)
Eugénio Anacoreta Correia (S. Tomé, Praia)
Francisco Ramos da Costa (Belgrado, Copenhague)
José Cutileiro (Conselho da Europa, Maputo, Pretória)
José Fernandes Fafe (Havana, México, Praia)
Raquel Ferreira (Estocolmo, Tóquio)
José Silveira Godinho (OCDE)
Henrique Granadeiro (OCDE)
Álvaro Guerra (Belgrado, Kinshasa, Nova Deli, Conselho da Europa, Estocolmo)
Basílio Horta (OCDE)
André Infante (Argel)
Ernani Lopes (CEE, Bona)
António Coimbra Martins (Paris)
Fernando Santos Martins (OCDE)
Pedro Pires de Miranda (itinerante para as questões de petróleo)
Mário Neves (Moscovo)
Maria de Lurdes Pintasilgo (UNESCO)
Vitor Cunha Rego (Madrid)
Eduardo Ferro Rodrigues (OCDE)
Walter Rosa (Paris, Caracas)
Pedro Roseta (OCDE)
José Augusto Seabra (UNESCO, Nova Deli, Bucareste, Buenos Aires)
José Veiga Simão (ONU)
José Manuel Galvão Teles (ONU)

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Um episódio negocial

Pierre Moscovici é hoje ministro da Economia e Finanças da França, uma das figuras proeminentes do executivo desse país. O primeiro cargo ministerial de Pierre Moscovici foi de ministro para os Assuntos europeus, no governo socialista que iniciou funções em 1999. Moscovici sucedera a Michel Barnier, hoje comissário europeu, de sinal político contrário, com o qual eu tinha excelentes relações, ao tempo em que era secretário de Estado dos Assuntos europeus. Se o entendimento com Barnier fora quase sempre muito bom, de início nem tudo iria correr bem com Moscovici.

Durante o primeiro semestre de 2000, período da presidência portuguesa da União, coube-me a presidência do grupo negocial da Conferência intergovernamental para a revisão do Tratado de Amesterdão. Moscovici convidou-me então a ir a Paris e, desde logo, ficou evidente que a nossa perspetiva se opunha abertamente à posição francesa perante aquela negociação. Foram seis meses muito tensos no debate institucional, reuniões houve em que o "clash" atingiu um tom de rara confrontação e, por mais de uma vez, fui forçado a fazer declarações públicas que chegaram a causar algum mal-estar político entre Lisboa e Paris. Porém, as coisas, para nós, eram muito simples. Não estávamos dispostos a deixar que o período da nossa gestão da negociação (que sempre se soube que só se iria fechar sob a presidência francesa, no segundo semestre do ano) pudesse ser aproveitado pela França (e por outros países que tinham posições idênticas às de Paris) para fixar certas linhas tendenciais que, posteriormente, pudessem colocar em causa o peso futuro dos países de pequena e média dimensão no processo decisório dentro da União. Pierre Moscovici defendia a sua perspetiva, eu defendia a nossa (e a de muitos países que conosco concordavam). Nada de mais natural na vida diplomática internacional, mas, seguramente, algo que contribuiu para manter as nossas relações, durante todo esse ano, num registo algo tenso.

No início da presidência francesa, em julho de 2000, a França viu-se forçada a organizar uma reunião informativa sobre as negociações do novo Tratado, com os países então candidatos ao alargamento. Meses antes, Paris havia colocado reticências a uma iniciativa idêntica tomada por Portugal. Porquê? Porque, tal como alguns dos maiores "poderes" dentro da União, a França entendia que os Estados candidatos não tinham nada a ver com a discussão institucional em curso, que deveria ficar fechada a "quinze" antes da sua adesão. Nós tínhamos uma posição absolutamente oposta: se as decisões a tomar iam ter implicações no peso futuro desses países no contexto comunitário, nada mais justo que ouvi-los, a montante da sua entrada. Também não nos era indiferente, devo confessar, o facto da esmagadora maioria desses Estados ser de pequena e média dimensão, o que "confortava" as posições que Portugal defendia. O modo positivo como os países candidatos haviam acolhido a iniciativa da reunião que promovemos "obrigou" então a França a proceder, embora claramente "à contrecoeur", de uma forma idêntica à nossa.

Pierre Moscovici decidiu organizar essa reunião dos "quinze" com os países candidatos em Sochaux, perto da sua circunscrição eleitoral, Montbéliart, no cenário muito curioso do museu da Peugeot, nessa cidade perto da fronteira com a Suiça.

Depois de uma longa introdução, em que sintetizou à sua maneira a leitura do curso dos debates durante a presidência portuguesa, que acabara uns dias antes, Moscovici, ciente de que eu não deixaria de fazer uma outra interpretação dessa negociação, decidiu provocar-me:

- Esta é a leitura que a presidência francesa faz do modo como as coisas correram durante a presidência portuguesa. Mas, porque tenho a certeza que o nosso amigo Francisco Seixas da Costa, que chefiou as negociações no primeiro semestre, tem uma perspetiva diferente, passo-lhe de imediato a palavra, embora ele ma não tivesse solicitado...

A sala sorriu. Eu, que já estava "picado" com a interpretação "biaisée" feita pelo meu colega francês, decidi ir a jogo de forma ácida:

- Muito obrigado, Pierre. Se não te importas, falarei em inglês (e mudei para essa língua, o que foi a primeira "resposta" à provocação). Devo dizer que fiquei impressionado pelo modo criativo como leste os debates havidos nos últimos seis meses. De facto, tens toda a razão: não vejo as coisas assim. Ao ouvir-te cheguei mesmo a pensar que tínhamos estado em reuniões diferentes. Mas isso pouco importa. Aos nossos amigos dos países candidatos, eu gostaria de dizer que o que se passou, até aqui, na Conferência intergovernamental e que se prolongará nos próximos seis meses, configura essencialmente uma luta pelo poder. Podemos dar-lhe outros nomes, argumentar com questões de eficácia ou legitimidade, mas é basicamente de poder que se trata. Ora o poder, no seio da União, tem diversas expressões. Por isso, convido os nossos amigos a olharem com atenção para esse pequeno aparelho plástico que têm diante de vós e que vos permite mudar a língua em que querem ouvir as várias intervenções. (Todos os olhares convergiram então para os cumutadores de interpretação). Se bem repararem, as opções de línguas possíveis são três: francês, inglês e alemão. Nenhuma outra língua vos é proposta. Percebem agora melhor o que quero dizer quando falo de uma questão de poder dentro dentro da União?

Continuei a minha intervenção num tom duro, confrontacional, expressando a nossa visão da negociação e deixando claro que, ao assumi-la, estávamos, por antecipação, a defender uma posição interessante para a maioria dos futuros membros. Às vezes, olhava de soslaio para Pierre Moscovici, que mostrava um fácies descontente com o rumo que eu estava a dar à reunião. Atrás de mim, Josefina Carvalho, a minha colega portuguesa, a nossa maior especialista em questões institucionais europeias, gargalhava baixo, juntamente com a minha adjunta, Ana Leitão. A maioria dos nossos colegas dos países do alargamento, que eu me esforçara na reunião anterior por "catequisar" para a bondade das nossas soluções, sorria, com alguma ironia, começando a perceber que a União onde iriam entrar podia ter momentos divertidos de discussão.

À saída de Sochaux, as minhas relações com Pierre Moscovici tinham esfriado muito. Até dezembro desse ano, iriam piorar ainda mais. "To make a long story short", a Conferência intergovernamental veio a desembocar no Tratado de Nice, onde os maiores países da União, muito graças à relutante atitude dos Estados de pequena e média dimensão, não viriam a conseguir os objetivos por que haviam lutado (quem quiser saber um pouco mais sobre isto pode ler aqui). Anos depois, esses "grandes" países da União iriam conseguir esse seu desiderato através do Tratado chamado de... Lisboa! Mas isso é outra história...

O meu entendimento com Pierre Moscovici, que entretanto se "queixou" da minha obstinação num livro que publicou, viria a melhorar muito, depois desses tempos bem tensos. No quatro anos em que vivi em Paris, voltámos a encontrar-nos por diversas vezes, da mesa do "Café de Flore" a diversos almoços, antes e depois da sua nomeação como ministro. Conversámos bastante sobre a Europa dos dias que correm. E continuando a não pensar sobre ela rigorosamente o mesmo, convergimos hoje imenso sobre algumas das medidas de política necessárias para fazer face à crise que o projeto atravessa. E também sobre o que não deve e está a ser feito nas instituições europeias. E em alguns países.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

No amor como na guerra

José Cutileiro é um dos mais argutos comentadores da coisa internacional que regularmente publica na nossa imprensa. Com uma escrita límpida, ponteada de humor e ironia, o seu conhecimento das grandes questões geopolíticas oferece-nos perspetivas muito interessantes, enriquecidas por uma considerável experiência nas lides diplomáticas. Não tendo sido "diplomata de carreira", José Cutileiro foi dos poucos "embaixadores políticos" que a carreira, com gosto e por total mérito, aceitou como um dos seus.
 
Num artigo ontem publicado no "Jornal de Negócios", José Cutileiro aborda o reacender do conflito hispano-britânico sobre Gibraltar. Nele refere a dúvida, existente em muitos meios, sobre se este súbito zelo de Madrid não se ficará a dever à necessidade da criação de um fator de diversão externa que faça esquecer as trapalhadas que envolvem, na política interna, o governo de Rajoy. E, intitulando o texto "No amor como na guerra", José Cutileiro refere a frase algo marialva de um amigo seu, que sempre dizia: "Eu, se não tenho uma coisinha por fora, dou mau viver em casa".
 
Imagino que o feminismo militante salte de fúria perante esta "incorreção política". Mas que tem graça, lá isso tem!

Timor Leste - a infância


Ontem, ao ver o primeiro-ministro Xanana Gusmão numa cerimónia de homenagem a antigos combatentes pela independência de Timor-Leste, recordei um episódio divertido, aquando de uma sua visita privada a Nova Iorque, nos primeiros meses de 2001.

Xanana era um homem livre e, por essa época, fazia declarações segundo as quais não desejava ocupar qualquer lugar de Estado, no novo Timor-Leste, que dentro de um ano seria um país independente e pelo qual tanto tinha lutado. Andava feliz, com a sua mulher e um filho de escassos meses.

Eu era então o representante diplomático português junto das Nações Unidas. Convidei Xanana para almoçar, não só para lhe manifestar a imensa simpatia e admiração que tinha (e tenho) por ele, como grande figura humana e política, mas igualmente porque estava encarregado de o tentar convencer de que a responsabilidade que tinha para com o seu país não acabara ainda e que era importante que aceitasse a ideia de vir a liderar o novo Estado, candidatando-se às eleições presidenciais. Era essa a perspetiva prevalecente em Lisboa e, a mim, como representante diplomático junto das Nações Unidas, fora-me pedido que somasse a minha voz à de quantos assim pensavam, um pouco por todo o mundo.

O almoço iria ter lugar num restaurante, perto da nossa missão junto da ONU. Porque queria falar um pouco a sós com Xanana e com a sua mulher, pedi-lhe que viessem ter ao meu gabinete. As restantes pessoas que eu também tinha convidado para esse almoço com Xanana, entre os quais estava o jornalista do "Expresso" Tony Jenkins, que iria fazer depois um belo texto sobre a conversa à refeição, chegariam meia-hora mais tarde.

Expus a Xanana as razões que víamos como óbvias para a necessidade do seu compromisso com a vida política timorense. Revelei-lhe que, em Portugal, governo e presidente da República coincidiam nesta mesma leitura. Ele mostrava-se ainda muito relutante à ideia da candidatura, com a sua mulher numa atitude que me recordo ser então de apoio às reticências do marido. Argumentava que era mais importante ficar na sociedade civil, ao lado dos seus antigos companheiros de armas, os mesmo que ontem foram homenageados. Ficou-me a convicção de que, à época, era bem genuína essa sua atitude de recusa do regresso à política.

A certa altura, tive de sair, momentaneamente, do gabinete. Quando regressei, encontrei a seguinte cena: a pequena mesa de acrílico que existia entre os sofás tinha-se transformado no lugar de mudança das fraldas do filho de Xanana, o qual observava, divertido e encantado, a operação a que a sua mulher se dedicava.

"Não há problema, pois não?", perguntou-me Xanana, como aquele sorriso são e simples que o carateriza. Claro que não havia. Ou melhor, tavez passasse a haver. É que, concluída a operação, ficou a pairar no meu gabinete um odor bastante forte e difícil de afastar, num edifício onde as janelas não abrem e o ar condicionado é o único meio de circulação de ar.

Tudo estaria bem e se atenuaria com o tempo se, neste entretanto, não tivessem entrado pelo gabinete dentro, trazidos pela minha secretária, os restantes convidados para o almoço. Pelas suas caras, logo depreendi que ficaram com as narinas alerta para aquele peculiar e inconfundível odor, sobre cuja explicação decidi não elaborar. Procurei fazer sair toda a gente, com rapidez, para o restaurante, mas imagino que alguns devam, até hoje, estar intrigados por que diabo o gabinete do embaixador português na ONU cheirava daquela maneira...

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Justiça de faraós

No Egito, o julgamento de responsáveis da Irmandade Muçulmana vai ter início no dia 25 de agosto! É inegável que as novas autoridades do Cairo conseguiram, de uma penada, resolver a questão da morosidade do sistema judicial. Não seria de nos inspirarmos?

Entretanto, o prémio Nobel ElBaradei irá ser acusado criminalmente, por virtude de se ter demitido das funções de vice-primeiro ministro. Neste caso, justifica-se um alerta de prudência ao dr. Paulo Portas...

Pontualidade

Era na Noruega. Aquele nosso amigo, diplomata brasileiro, ia regressar ao seu país. Havíamos decidido fazer-lhe, em nossa casa, uma festa de despedida, com colegas de outras nacionalidades, além de seus conhecidos locais. Acontece que ele era famoso pelos seus históricos atrasos, em todos os jantares e atos sociais para os quais era convidado. Numa certa tradição brasileira. 

(Uma grande tolerância em matéria de horários, em ocasiões sociais, faz parte dos hábitos brasileiros. Aprende-se a viver com ela e, no Brasil, é essencial interiorizá-la, saber interpretá-la e segui-la. Recordo-me de, pouco tempo após a nossa chegada ao Brasil, termos sido convidados para uma festa de aniversário. Era uma sexta-feira ou um sábado, dias da semana em que a flexibilidade nos horários costuma ser ainda maior. O convite dizia 20.30. "Maçaricos" das práticas locais, chegámos cerca das 20.40. Entrámos na sala vazia, onde ficámos por cerca de dez minutos, sendo servidos de uma bebida pelos empregados. Chegaram entretanto outros convidados? Não, chegou o dono da casa, pedindo desculpa pela sua mulher, que ainda não estava "arrumada". Todos os convidados, vá lá!, antecedidos da pessoa aniversariante, chegaram depois das 21.00. Foi uma instrutiva lição! )
 
Só que nós não estávamos no Brasil. Estávamos na Noruega. E, na Noruega, os convidados costumam entrar nos jantares ao bater da badalada da hora que está escrita no convite. Nem um minuto mais tarde. E os restantes diplomatas iriam chegar, seguramente, dentro dos quinze minutos posteriores a essa hora.
 
Começámos a preocupar-nos: se o nosso amigo brasileiro mantivesse os seus hábitos, isso quereria dizer que chegaria muito depois dos convidados para a sua festa, o que era um pouco desagradável, até para ele próprio. E dissemos-lhe isso mesmo. Ele assegurou que não, que dessa vez faria um esforço para vir a horas. Mas nós não acreditámos. "Old habits die hard". 
 
No dia da festa, o nosso amigo brasileiro chegou... com 20 minutos de atraso! Desfez-se em desculpas. Nós sorrimos: ninguém mais tinha chegado. Nos convites enviados aos convidados tinhamos informado que os esperávamos... meia-hora depois daquela a que tínhamos dito ao nosso amigo brasileiro que a festa começaria.
 
Lembras-te, René? Um abraço aí para o Rio!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

O outro Kahn

Aqui há meses, foi Vitorino Magalhães Godinho. O "Público", no obituário que lhe fez, colocou uma imagem do seu irmão, José Magalhães Godinho. Hoje, o "Diário de Notícias", na edição escrita, e o "Expresso", no on-line, pespegam uma foto de Jean-François Kahn em lugar de Jean Kahn.
 
Ora, ora! Um erro acontece a qualquer jornalista, dirá o leitor.
 
Pois não é assim. Um profissional do jornalismo minimamente qualificado tem todo o direito de não conhecer a figura do militante judaico francês Jean Kahn. Mas é inadmissível que desconheça a figura de Jean-François Kahn, um homem que esteve no "Le Monde" e no "L'Express", que ficou na história do jornalismo francês por ter teimado em investigar o caso Ben Barka e, muito em especial, que foi o fundador e diretor por uma década do "Marianne", uma revista que teve um papel decisivo no panorama da imprensa francesa.
 
Deve ser defeito meu, mas cada vez admito menos o analfabetismo profissional. E, com tristeza o digo, ele é cada vez mais frequente no jornalismo português. 

Namorar no Procópio

Uma folha da manhã coloca o bar "Procópio" entre os dez melhores lugares para namorar em Lisboa. Claro que é! Como é para conspirar, para chalacear, para negociar, para conversa fiada e até para não fazer nada, que é o que de melhor se faz por lá.

Porém, antes que revoadas de casais incautos se aprestem a ir já arrulhar por ali, convém que se saiba que a reabertura pós-estival dessa catedral de bem-estar pós-laboral e noturno, gerida pela simpatia da Alice Pinto Coelho e oficiada às mesas e ao balcão pelo profissionalismo do Luís e do Carlos, só terá lugar a 26 de agosto. Até lá, o pessoal procopiano mais tradicional continuará a vaguear desasado pela cidade - uns refugiando-se mediaticamente no Snob, outros tendo de abifar fino no Café de S. Bento, outros ousando uma traição turística no Pavilhão Chinês, alguns indo mesmo jantar tardiamente ao Paparrucha, onde a presença do Juvenal lhes faz lembrar que, por anos, na porta ao lado, o Pedro V servia de principal lenitivo para esse mês de obrigatória abstinência da verdadeira "sede da sede".

Daqui a seis dias, o bar ficará de novo à disposição dos clientes, que agora são cada vez mais jovens, numa renovação geracional que, além de muito saudável (até para a vista), se torna bem agradável para a caixa registadora e para os cofres estatais de Maria Luís (que nada tem a ver com o Luís da casa, bem entendido!). Sob boa música, as várias mesas passarão a ser ocupadas, não apenas por casais a namorar, mas por "muitas e desvairadas gentes", numa mescla serena, às vezes ruidosa, sempre bem disposta e, por regra, bem sóbria, porque essa é a imagem de marca da casa. O Procópio, à sua líquida maneira, contribuirá assim para atenuar os "blues" do ajustamento. Ainda ninguém se lembrou de levar a rapaziada engravatada da "troika" ao Procópio?

Nem todas as mesas, porém, estarão livres. A "mesa dois" será sempre a bi-hebdomadária exceção: desde há décadas fica cativa, agora às quartas e sextas-feiras, para um grupo restrito (ia escrever seleto, mas arrependi-me a tempo) de clientes. (Bem apertadas, na "Dois", cabem oito pessoas; por um mistério da multiplicação, neste caso, dos copos, o jantar anual da "Dois", reúne 80 figurantes). Privilégios elitistas? Não, apenas a confirmação de que, no Procópio, como na tropa e nos conventos, a antiguidade é um posto.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sérgio Vieira de Mello

Neste agosto que dá asas à preguiça para a escrita, e neste dia que marca uma década (já!) desde a desaparição de Sérgio Vieira de Mello, reproduzo um texto que aqui publiquei, precisamente há quatro anos:
 
“Você sabe, Francisco, só me aparecem desafios que não consigo recusar!” – foi a frase que retive da última conversa com Sérgio Vieira de Mello, quando lhe telefonei para Genebra a desejar sucesso para a sua nova missão em Bagdad. Ironizámos então com o facto de Paul Bremer, o primeiro "administrador" americano no Iraque, com quem Sérgio teria que se articular, ter coincidido comigo em posto diplomático na Noruega, nos idos de 70: prontifiquei-me para "meter uma cunha", se ele precisasse…

Só conheci pessoalmente Vieira de Mello em Setembro de 1999, quando o protocolo nos sentou lado-a-lado, num almoço em Nova Iorque. Acabara, há pouco, a sua missão nos Balcãs e entre nós passou, de imediato, uma corrente de empatia luso-brasileira, logo cimentada pelo mútuo culto do humor. Recordo-me de termos falado da possibilidade de ele chefiar a nova missão da ONU em Timor, ainda semanas antes de Kofi Annan lhe propor o lugar. Eu não tinha a pretensão de estar a ser presciente: limitava-me a ecoar o nome prestigiado que circulava já por alguns corredores, afirmando-lhe a certeza antecipada de que o Governo português o acolheria com muito agrado. Na altura, Sérgio retorquiu-me, com o seu sorriso confiante, que não, que “ia precisar de algum tempo para descansar”. Felizmente, isso acabou por não acontecer.

Sérgio Vieira de Mello fez em Timor um trabalho notável, como várias vezes tive ocasião de referir, em nome de Portugal, em intervenções no Conselho de Segurança da ONU. E – confesso – fi-lo com uma sinceridade que nem sempre é regra nos discursos oficiais. Com ele combinei, nas derradeiras fases do processo pré-independência, o tom comum das nossas intervenções em Nova Iorque, por forma a garantir o apoio que o secretário-geral da ONU e o Governo português entendiam necessário que fosse dado aos timorenses pela comunidade internacional, nos difíceis anos que se seguiriam. Recordo também os pedidos que fez, por meu intermédio, para que Portugal “deixasse cair”, a nível adequado, palavras de acalmia e bom-senso junto de responsáveis políticos de Timor, a fim de atenuar alguns litígios menores, mas que ameaçavam a estabilidade do processo interno.

Em Novembro de 2002, convidei Sérgio Vieira de Mello para ir a Viena, falar ao Conselho Permanente da OSCE, já na sua qualidade de Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos. Foi uma sessão memorável, que gerou um debate interessantíssimo, em que o à-vontade diplomático de Sérgio sublinhou o seu profundo conhecimento da situação internacional. Mas que também revelou a firmeza das suas convicções. No almoço em minha casa que se seguiu, e perante uma observação mais tensa avançada pelo meu colega americano, não deixou de lhe recordar que os prisioneiros de Guantanamo “não vivem na Lua” e que, também a eles, se deviam aplicar, em pleno, “todos os Direitos Humanos devidos aos cidadãos da Terra”.

Foi há precisamente seis anos*, no dia 19 de Agosto de 2003, que Sérgio Vieira de Melo morreu, de forma violenta, em Bagdad.

(* Dez anos, hoje)

"Portugal europeu - e agora?"

Como orador na conferência "Portugal europeu - e agora?", organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos em 13 e 14 de setembro, foi-me pedido pelo "Diário de Notícias" um curto depoimento, em resposta à questão "Quando se sente europeu?".
 
Aqui fica o texto, a que o DN deu o título de "Nunca me engano de pátria":
 
"Sou um europeu pela razão. Até à idade adulta, olhei a Europa de fora. Vivia num país que tinha por opção o isolamento, tido como virtude patriótica. Dizia um jornal do regime: “Portugal não é um país europeu e tende cada vez mais a sê-lo cada vez menos”. A Europa era o lugar onde estava a liberdade. Desconfiei da Europa “unida”, apresentada num registo demasiado maniqueu, que não ia de par com o meu radicalismo de então. Depois, também pela razão, acabei por tomá-la como sinónimo da democracia em que quero viver. Hoje, sendo europeu, prefiro dizer quando me não sinto como tal: quando olho a triste “realpolitik” externa de Bruxelas, o silêncio cobarde face às manifestações de intolerância cívica de dirigentes europeus, o cínico abandono da solidariedade, agora que as vantagens do mercado único já estão adquiridas para alguns. Sou europeu porque os interesses de quem por aqui nasce se sentem melhor protegidos nesta Europa. Mas nunca me engano de pátria, mesmo sabendo que é politicamente incorreto dizê-lo."

domingo, 18 de agosto de 2013

"Broadsheet"

Quando vivi na Noruega, no ínício dos anos 80, os dois canais televisivos do país, ambos públicos, bem como os homólogos suecos aí disponíveis, não tinham qualquer publicidade. Para quem chegava de Portugal, inundado de anúncios entre os programas da RTP, achei isso então o "máximo" da civilização.

Porém, logo da primeira vez que fui a um cinema em Oslo, dei-me conta que os filmes eram antecedidos por largos minutos de publicidade, estática ou fílmica. E, para minha grande surpresa, as pessoas achavam imensa graça a esse tempo publicitário, indo mais cedo para o apreciarem e reagindo com palmas e comentários aos vários anúncios. Era uma espécie de compensação pela ausência radical da publicidade televisiva.

Um dos filmes publicitários que fazia mais sucesso promovia o "Dagbladet", um tablóide que estava na moda e que contrastava com o estilo mais sóbrio dos clássicos "Aftenposten" ou "Arbeiderbladet", com uma dimensão maior, ao jeito tradicional dos "broadsheet". O anúncio mostrava duas pessoas a lerem os jornais numa paragem de elétrico. Quando este chegava, o leitor do "Dagbladet" dobrava-o com facilidade e entrava no transporte. O que lia o "broadsheet" (percebia-se vagamente que era o "Aftenposten", líder de vendas), desajudado pelo vento, atrapalhava-se na dobra do periódico e perdia o elétrico. Estas simplicíssimas imagens tinham o condão de pôr a sala sempre a rir às gargalhadas.

Lembrei-me disto, no último sábado, ao ver a "figura" que fiz, numa praia, quando uma rabanada de vento me arrancou páginas do "Expresso", obrigando-me, a correr pelo areal, à cata das folhas. Notei o sorriso complacente de alguns banhistas, agarrados aos bem mais maneirinhos "Correio da Manhã" ou "A Bola" (havia menos "O Jogo", talvez porque era uma praia do sul), bem como de damas achapeladas que se ilustravam com a "Caras" ou a "Lux". Todos tão seguros, aliás, como os possuidores do "Público", este agora bem agrafado, também à sua relutância em aceitar o Acordo ortográfico, o que, com o tempo, lhe conferirá cada vez mais um estilo antiquado, que vai bem com um certo "chique" urbano...   

Espiolhices

É muito curiosa a atitude de "espanto" de alguns poderes europeus quando confrontados com a "evidência" da espionagem americana no seio das suas estruturas diplomáticas ou no âmbito das comunicações à escala global. Pressionados pelas opiniões públicas ou por alguns políticos mais vocais, as chancelarias afetadas reagiram com "indignação" a esta intrusão, a qual, na generalidade dos comentários, se afigura contrastante com "as excelentes relações de cooperação e amizade" existentes entre os EUA e esses Estados.

O que mais me surpreende nas reações em face destas "revelações" é que a opinião publicada ainda lhes confira alguma importância. É que só uma grande ingenuidade pode fazer crer que se tratou de uma "surpresa" para alguém que os EUA andem a espiolhar os seus aliados. Há pilhas de livros que provam que, desde sempre, Washington sempre fez isso com regularidade. Mas também é mais do que óbvio que outros países, com maior ou menor sucesso, tentam a todo o custo obter informação classificada alheia e que, sem ser necessário dizê-lo, este jogo "do gato e do rato" é uma rotina vetusta nas áreas da "intelligence" internacional. Surpresa para alguém? Não brinquem...

O caricato de toda esta história foi a suposta "espionagem" detetada na representação da União Europeia em Washington. A menos que Langley possa estar interessado em conhecer os comentários pessoais que João Vale de Almeida e a sua equipa façam dos seus interlocutores americanos, é uma evidência que, em quaisquer matérias de natureza substantiva, os EUA não necessitarão de espiar a delegação europeia, tendo, com toda a certeza, amigos fiéis e relações privilegiadas dentro da União que, quando necessário, de bom grado lhes darão tudo quanto precisarem saber da vida interna da Europa.  

sábado, 17 de agosto de 2013

Um país de parvos?

Que afã de obras municipais vai pelo país! Que cuidado em pavimentar o caminho que leva às assembleias de voto! Que insulto à inteligência dos portugueses!

Algaraviadas

É muito curiosa a expetativa criada em torno da possível reação do Tribunal Constitucional às medidas previstas no Orçamento geral do Estado. Foram os políticos quem desenhou as normas constitucionais. Foram os políticos quem preparou o Orçamento, ferido ou não de inconstitucionalidades. E, no fim de tudo isto, o eventual "odioso" de uma decisão passa para os juízes do Tribunal Constitucional. Ou será que o facto desses mesmos juízes serem escolhidos por via política leva a que, de certa forma, sejam vistos por alguns como uma espécie de câmara informal de representação da balcanização ideológica parlamentar?

Escrevi isto no blogue em 24 de março. Não tiro uma linha, claro.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Jacques Vergès

Acabo de saber que morreu Jacques Vergès. E, nesta minha atitude preguiçosa de verão, aqui deixo o que sobre ele escrevi por aqui, há dois anos e meio:
 
"Jacques Vergès é uma espécie de "advogado do diabo". Aos 86 anos, esteve, há semanas, na Costa do Marfim a preparar a fundamentação para sustentar juridicamente a teimosia de Laurent Gbagbo em não abandonar o poder. No passado, entre muitas outras figuras, defendeu o terrorista Carlos, o nazi Klaus Barbie, o exterminador Pol Pot e outras figuras de recorte controverso. Saddam Hussein e Slobodan Milosevic estão entre os que não aceitaram a sua ajuda. George W. Bush é um nome que já anunciou desejar defender, no caso de ser possível a sua inculpação.
 
Membro da resistência francesa na 2ª guerra mundial, foi militante comunista e anti-colonialista, mantendo-se sempre próximo das ideias radicais de esquerda. É filho de pai francês e de mãe vietnamita, tendo vivido na ilha de Reunião e na Argélia, onde se tornou mundialmente famoso pela defesa com sucesso de uma militante da FLN, que viria a ser sua mulher. A sua história pessoal tem um "buraco negro" entre 1970 e 1978, período em que, sem explicação até hoje, desapareceu  de cena - o que gerou lendas sobre a sua eventual presença junto dos Khmers Vermelhos, do Cambodja, ou em campos da guerrilha palestiniana.
 
Mas a que propósito falo hoje dele aqui? Porque Vergès, numa iniciativa inédita mas muito curiosa, apresenta, duas vezes por semana, um espetáculo num teatro parisiense. Num monólogo de mais de hora e meia, em cenário do um escritório de advogado, fala dos criminosos e dos seus casos, contando histórias e desenhando perfis, tentando demonstrar que a sua famosa "estratégia de rutura", com que orienta as defesas, acaba por ser um modo de melhor fazer conhecer as pessoas por detrás dos crimes. A forma como apresenta a sua relação com a justiça torna a sua apresentação, apesar de algo monocórdica, bastante atrativa na substância. Com o caráter chocante que sempre confere a tudo em que se envolve, Vergès dá à sua prestação teatral o título de "Serial plaideur", da mesma forma que, em 2007, se prestou a ser a cara do filme com o nome de "O advogado do terror".
 
A juristas conhecidos que venham a Paris - com especial dedicatória ao meu velho amigo Marinho Pinto, bastonário da Ordem dos Advogados - recomendo esta provocatória "performance" do seu incómodo confrade francês, em cena até 11 de abril."

Comidas (3)

Depois de algumas notas atualizadas sobre LisboaTrás-os-Montes e Alto Douro, neste dia em que se iniciam as festas da Senhora da Agonia, em Viana do Castelo, aqui fica, "revisto e aumentado", o meu guia dos restaurantes do Minho, uma das melhores zonas gastronómicas portuguesas.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

As pragas do Egito

Nestes dias de verão, volto a recorrer a textos do passado para evocar o presente. Aqui fica um post de há um ano e meio, que creio curioso revisitar:

Há uns anos, visitei, na sua casa no Cairo, um antigo e proeminente embaixador egípcio, que havia tido uma carreira brilhante, iniciada nos tempos de Gamal Abdel Nasser, que se prolongara pelo mandato de Anwar Al Sadat e se concluíra sob a égide de Hosny Mubarak. Era um homem altamente preparado, com imenso "mundo", que havia feito o circuito das mais importantes missões diplomáticas egípcias.

A conversa derivou, a certo passo, para a política, tendo eu evocado a sucessão de Mubarak. O tempo - foi há quase dez anos - das "primaveras árabes" estava ainda longe, mas ousei perguntar se não teria chegado o momento para uma abertura do regime, em direção ao pluripartidarismo, atenta a necessidade de esvaziar as tensões políticas.

O meu interlocutor olhou-me nos olhos e, embora nada surpreendido com a minha pergunta, para ele natural num observador ocidental, retorquiu-me: "Infelizmente, ao final desta minha vida, cheguei à conclusão que o Egito só pode ser gerido por um regime autoritário. As pessoas não estão educadas para a democracia e, se acaso esse sistema viesse aqui a ser introduzido, os extremistas islâmicos acabariam por transformar este país num polo de instabilidade. E os primeiros a sofrer seriam vocês, na Europa e na América, podem crer!".

Um amigo irlandês que me acompanhava nessa conversa olhou-me, na tentativa de perceber como iria reagir, já que tinha sido eu a suscitar a questão. Por respeito pelo idoso diplomata, arranjei um circunlóquio para evitar contraditá-lo, para lhe louvar as vantagens da liberdade, para lhe dizer que, também entre nós, havia quem dissesse que o povo português não estava preparado para a democracia e que, afinal, o sistema tinha-nos conquistado, sem sobressaltos de maior.

Há pouco mais de um ano, voltei ao Cairo. Recordo-me de ter notado, de forma muito nítida, o aumento de véus na cabeça das mulheres, em especial das jovens adolescentes. Confirmei que essa crescente tendência estava a impor-se, com muita rapidez, desde a minha última visita. Um outro egípcio, bem mais liberal, que tentava ajudar-me a interpretar a evolução do país, simplificou a realidade nestes termos: "Para as jovens egípcias, o véu é hoje uma espécie de farda...". Para logo acrescentar, baixando a voz: "Esperemos que não haja guerra!".

Hoje, lembrei-me destas duas conversas que tive no Egito.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

O Porto e o poder


Acabo de ver na SIC Notícias um debate sobre as eleições autárquicas, dedicado ao Porto. Por uma vez, sem políticos e apenas com comentadores sem "agenda", o que tornou o debate mais interessante e neutral. É pena que as televisões não percebam que ganham muito mais em convidar jornalistas e politólogos, deixando-se de "tempos de antena" com catrefadas de deputados e aparelhistas partidários, que já se não podem ouvir.

Seguindo o tema do debate, e por preguiça estival, aqui deixo o que há dias disse numa intervenção pública, onde também falei do Porto e do seu poder à escala nacional:

"Curiosamente, sendo embora a segunda cidade do país, o Porto só com a democracia consegue obter uma expressão significativa a nível do poder central. Se olharmos para a história da ditadura – e mesmo da primeira República - verificaremos que a influência política do Porto, como cidade, junto do poder central, foi sempre muito escassa durante o século XX. E, curiosamente, é uma evidência que o Porto tinha, em particular nesse tempo, um forte tecido de instituições, formais e informais, desde logo na área empresarial, mas igualmente no domínio cultural e no terreno social.

Tudo indica que Salazar nunca gostou do Porto, talvez porque a cidade projetasse uma sofisticação, quiçá algo snobe e elitista, que se contrapunha ao ruralismo esclarecido que ele próprio representava e que Coimbra, com Lisboa, aqui também através da universidade, era suficiente na sua tarefa de cooptar o pessoal político. Graças à sua força económica – recordo que então se dizia: “o Porto trabalha, Lisboa diverte-se” -, o Porto como que se isolou um pouco no processo político à escala nacional, mantendo uma dinâmica própria, uma burguesia longe do cosmopolitismo do dinheiro “novo” de Lisboa, mais Clube Portuense e muito pouco Linha do Estoril. Porém, o Porto burguês não era maioritariamente anti-regime, muito longe disso. O peso da igreja e a proteção dos negócios encontraram sempre no Porto um terreno sólido de apoio ao salazarismo.

Mas o Porto da ditadura foi também aquele que deu o maior banho de multidão a Humberto Delgado, em 1958, como já tinha proporcionado o maior comício a Norton de Matos, nove anos antes, na Fonte da Moura. E é o Porto que gera um bispo que atazanou o ditador e, verdadeiramente, abriu caminho às vias católicas dissidentes à escala nacional. Esse é, alias, o mesmo Porto que produziu Sá Carneiro, esse inesperado incómodo que veio a revelar a fraude da abertura marcelista.

Foi o 25 de Abril que levou o Porto a perder esse seu isolamento. Com Sá Carneiro e as suas adjacências, o Porto entrou para a partilha do poder político central. E por lá tem ficado, no passado de forma bastante mais influente, nos tempos que correm apenas através de alguns “tokens”, destinados a garantir uma presença simbólica. Quando se forma um novo governo, à esquerda ou à direita, a pergunta deve surgir: “E do Porto, quem é que se põe?”. Eu sei que pode soar um tanto cruel estar a dizer isto, mas esta parece ser a realidade. Não obstante a inegável excelência de muito do pessoal político que os governos foram buscar ao Porto, nas últimas décadas, isso só marginalmente quis significar o peso real da cidade no jogo político nacional.

O Porto desenha um modelo curioso, sendo quase um “case-study”. A cidade do Porto assume um discurso reivindicativo, uma mostra de mal-estar permanente, uma queixa de quem se sente mal tratado. Até as distritais portuenses dos dois partidos do novo rotativismo sofrem desta obsessiva necessidade de terem uma idiossincrasia própria, um discurso façanhudo e de cara dura frente aos aparelhos de Lisboa. Com regularidade, como recentemente se viu, o Porto convoca os poderes económicos e os nomes sonantes para a retoma dos vários episódios dessa espécie de batalha virtual com Lisboa. Mas, com o tempo, mas sempre com o sobrolho cerrado, nas entrevistas e proclamações, o Porto lá vai conseguindo o seu novo aeroporto, as suas novas pontes, o seu metro, as vias que o seu jogo de cintura interna consegue arrancar.

Mas convém que fique muito claro: essa guerrilha política, nas formas curiosas, típicas e mediáticas que por vezes assume, não deixa de ter uma indiscutível legitimidade. Porque é verdade que, neste país, continua a haver uma macrocefalia muito evidente em torno e em favor de Lisboa. Só que o Porto, por muitas queixas que tenha, consegue, apesar de tudo, ter uma capacidade reivindicativa, e uma capacidade de imposição, muito maior do que todas as outras urbes de província."

Em tempo: Houve quem tivesse lido este post como "ofensivo" para com o Porto. Porque estou à vontade nesse domínio, aconselho os leitores mais desatentos a lerem aqui, aqui e principalmente aqui.
 

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Palhaçada

A comédia das impugnações e contra-impugnações das candidaturas autárquicas ameaça transformar-se num fator para uma ainda maior descredibilização das instituições portuguesas. 

(Desde já digo que não tenho a menor opinião sobre se um autarca que cumpriu três mandatos numa determinada autarquia tem ou não o direito de se candidatar noutra autarquia diferente. Reconheço bons argumentos a favor da possibilidade dessa recandidatura, como também me parecem válidas as objeções à facilitação dessa prática. Mas não é isso que está aqui em causa.)

De um lado, temos a cobardia - porque é disso que se trata, deixemo-nos de histórias! - das direções políticas do PSD, do PS e do PCP (ainda não percebi o que pensa o CDS), as quais, em lugar de terem uma atitude aberta face à necessidade de anular a aparente ambiguidade da lei que deixaram criar, parece estarem agora conluiadas na não promoção mútua de recursos, para evitar criar dificuldades ao seu respetivo pessoal político. O que é que impedia esses partidos de, desde há meses, terem aprovado uma nova legislação, clarificadora e sem equívocos, que permitisse essa quarta candidatura, ou que, ao invés, a impedisse em definitivo? Nada, apenas uma coisa: o medo da tomada de decisão. E o que é que impedia o presidente da República, ao testemunhar esta caricata situação, que afeta a credibilidade do sistema democrático de representação autárquica, de alertar a Assembleia da República e os partidos para a necessidade de porem fim a esta ambiguidade? Nada.

Por outro lado, a justiça dá mostras da sua coerência e da qualidade das suas decisões, ao ir ajuizando alegremente em sentidos opostos, sobre casos que são rigorosamente idênticos, tudo protegido por esse manto diáfano de infalibidade que protege (embora cada vez menos, perante uma opinião pública que começa a acordar para que "o rei vai nu") a justiça a que temos direito. 

O cúmulo desta irresponsabilidade é o facto de todos  - mas todos! - ficarem agora à espera da decisão do Tribunal Constitucional, que assim é empurrado para "responsável" final, o que ajuda os outros atores a safarem-se de cena, politizando cada vez mais essa instância, que colherá o odioso de uma posição que, seja ela qual for, será sempre contestada no final.

Como é que se pretende que os cidadãos respeitem as instituições e os seus titulares quando são colocados perante este tipo de comportamento? Ou será que ninguém entende que assim se está a "trabalhar" para o desprestígio do sistema democrático? Quem detesta a democracia não faria melhor.