quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Joaquim Durão

Há pessoas que perdemos de vista, às vezes por anos, e que, por um acaso, voltamos a reencontrar. Ontem, voltei a cruzar uma figura que as novas gerações provavelmente desconhecem mas que, décadas atrás, foi um nome destacado do desporto nacional, imensamente popularizado pela televisão. Refiro-me ao xadrezista Joaquim Durão.

Conhecemo-nos em Angola, quando ele foi por lá representar o xadrez português. Encontrámo-nos depois, em outras ocasiões. Curiosamente, seria de novo Angola - ou melhor, uma conversa sobre um artigo que ontem publiquei sobre as relações luso-angolanas - a "juntar-nos".
 
Joaquim Durão tem hoje 82 anos e uma história notável contada no curto filme (6 minutos) que pode ser visto aqui.

7 comentários:

iseixas disse...

Gostei imenso do filme, não me lembro de ter ouvido sequer falar do Senhor (Não me orgulho nada disso), considero de uma enorme riqueza cultural/pedagógica a divulgação destas personalidades.
Achei curiosíssimas as expressões de algumas personalidades, que personagens!... A que gostei mais foi sem margem de dúvida a de Fidel com a vivacidade de quem tem realmente o poder de um coldre à cintura... Não há nada como realmente...

margarida disse...

Notável, de facto. Sobretudo porque alcançou a mestria num desporto que é uma arte e que deveria constar do curriculum de todos. Acresce o destaque nacional e internacional que bem mereceu e tão longe que levou o orgulho pátrio.
Um herói da cultura, é este digno representante da nossa melhor História.
Em boa hora aqui trouxe o testemunho da sua classe, que a todos nos honra.

Anónimo disse...

Admirável!
antonio pa

jpt disse...

excelente esta memória. Muito obrigado

Anónimo disse...

Alekine, Karpov, Fisher, Joaquim Durão. Mestres da arte escaquística. O único jogo onde está tudo à vista. Só inteligência.

Saudações.

Guilherme.

MCastelhano disse...

POR mero acaso vi o seu blogue e pude rever o xadrezista Joaquim Durão . Desde que nasci até casar vivi ao lado dos seus pais e dele até se casar. Convivi muito com os seus filhos, mas a vida afastou-nos e por isso foi com muito agrado que o revi.


Carlos Santos disse...

Estive ao lado de Joaquim Durão numas Olimpíadas em Salonica e num Europeu em Debrecen. Um homem respeitado por todo o mundo do xadrez. Que descanse em paz...

Carlos Santos