quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Uma equação belenense

  • Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se altamente crítico da prestação de Pedro Passos Coelho como líder do PSD, considerando mesmo ter sido o pior de toda a sua história partidária.
  • No caminho para as próximas eleições presidenciais, em 2016, o presidente do PSD, seja ele tem for, terá sempre a palavra decisiva na escolha do candidato que o partido vier a apoiar.
  • Como é sabido, em certos setores do PSD, o nome de Rui Rio começa a ser muito falado como alternativa possível ao atual líder, particularmente se o resultado nas eleições europeias, em meados de 2014, voltarem a ser desastrosos para o partido.
  • Marcelo Rebelo de Sousa nunca escondeu as suas ambições presidenciais e o sufrágio de 2016 é, muito provavelmente, a sua derradeira oportunidade, tanto mais que a lógica portuguesa aponta para a recondução dos presidentes em funções.
  • Como se chamava o secretário-geral do PSD que Marcelo Rebelo de Sousa escolheu quando foi presidente do partido?
  • Acertou! Chamava-se Rui Rio.

16 comentários:

São disse...

Passos Coelho começa a parecer-me um caso estranho: mentiu na campanha eleitoral; isolou(-se) o Governo completamente - até do parceiro de coligação; foi além das exigentes medidas da troika - mas só quanto aos mais indefesos, porque não tocou nos grandes interesses;defende para lá dos limites Relvas, Albuquerque e Machete; continua uma política que o próprio Gaspar classificou de erro total;não consegue entender o desastre eleitoral das autárquicas;
não tem vocação para mártir...mas , pelos vistos, acha que o povo português tem; está a atacar tudo quanto é público; apresenta o PS como não confiável, ....


Penso que começa a ser um comportamento com algo de patológico e isso preocupa-me muito, pois é o futuro do país que está em causa e por este "bom caminho" a única saída que me aparece é o abismo.

Quanto a Rui Rio e Marcelo Sousa, aguardemos.

Os meus cumprimentos

margarida disse...

Não me parece que os portugueses elegessem o grande Maquiavel luso para Belém.
O professor tem interesse, é uma simpatia, mas não é, com todo o respeito, 'confiável' para a função. É excessivamente ardiloso, o que o torna pouco credível para aquele cargo que requer, digamos, 'seriedade' ou, no mínimo, 'afecto'. Os maiores representantes destas características já por lá passaram, com resultados sofríveis; a seguir tem de se perfilar outro bonacheirão (e no P.S. o que mais existe são bons garfos com sentido de humor e afectividade q.b.) ou, se os tempos assim o recomendarem, um homem do norte.
Não é preciso escrever mais nada, pois não?
Acresce que Belém precisa de um par, de (psudo)harmonia conjugal, de exemplo da família 'tradicional' e, ao que consta, o excelso professor não está exactamente nesse campeonato.
..."temos pena"(?)

Anónimo disse...

É isso aí! Não há coincidências...

Francisco Seixas da Costa disse...

Alexandre e Ignatz: não publico fantasias desse género.

Anónimo disse...

muito gosta o sr embaixador do seu amigo moriarty


é curioso que tanto rui rio, como em parte rui moreira, sao pessoa como uma certa relacao com a alemanha/ cultura alema,

(o que nao quer dizer nada mas nao é muito habitual, tenho ideia).

e entre rio e o parzinho maravilha seguro/coelho, ninguem tem duvidas em escolher o primeiro, apesar dos defeitos que tenha.

resta saber o que sobra das estruturas internas do psd e do ps nestes dias.

tenho ideia que a maior parte do pais (pelo menos aquela que tem cerebro) ja nao pode com jotinhas
e ex jotinhas.
era po-los num barco e deixa-los a a deriva la ao pe da antartida...

cumprimentos




Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Margarida: não descarte o professor. As televisoes ja ajudaram a fazer dois PM's, um nóvel autarca seu vizinho e outro que agora teve demasiada ambicao e ja tinha perdido o "ecran".

ignatz disse...

"não publico fantasias desse género."

compreendo perfeitamente, não seria de esperar outra coisa, estragava o efeito do poste.

Anónimo disse...

compreendo.


alexandre

Anónimo disse...

Teremos primeiro de conhecer o estado em que vão ficar os partidos que se sentam nesta altura na Assembleia da República depois desta crise, que ainda está no principio. Todas as projecções me parecem muito temporãs para podermos ter a noção do que se irá passar.
Veja-se o Bloco de Esquerda nestas últimas eleições.
Eu sei que há relutância em perceber que estamos a viver tempos de grandes mudanças políticas, sejam elas muito rápidas ou muito profundas.
Temos de aguardar, mas nada ficará igual.

Anónimo disse...

Como dizia a Ivone Silva e Camilo de Oliveira no célebre "Ai Agostinho, Ai Agostinha":

"Este país é um colosso,
está tudo grosso,
está tudo grosso.
Isto é que vai uma crise"

Há 30 anos, grande percepção do estado da Nação:

http://www.youtube.com/watch?v=Z3HJK8JLSd4

Lembrei-me disto porque se o MRS chegar a PR é porque "está tudo grosso". Inteligência à parte (do Professor claro!), não tem perfil para o cargo - devia ser com cada enredo político...

Isabel BP

EGR disse...

Senhor Embaixador: naturalmente que não sei se estarei vivo nessa altura.
Mas admitir que Marcelo Rebelo de Sousa possa vir a ser PR, depois de Cavaco Silva leva-me a dizer que uma desgraça nunca vem só.

Anónimo disse...

Em 2015 teremos o Tó Zé 1º Ministro – uma chatice, mas assim tudo o indica.
Não há volta a dar, conformemo-nos – mal por mal, sempre é melhor que estes estoira-vergas que vão, alegremente e irresponsavelmente destruindo este país. Portas bem tenta compor a coisa ao mencionar o ínicio do desastre para antes de ele e Passos terem tomado posse (como fez hoje, com aquele arzinho sério de conveniência), mas ninguém engole a coisa. Portas é um farsante profissional (como Pedro Adão e Silva já o demonstrou, embora de forma educada e diplomática) e Passos o pior PM de sempre;
Essa do Rio PM foi chão que deu uvas. O homem até poderia ser uma boa opção do PSD, só que já vem tarde. Deveria ser agora, mas o PR não está para isso – prefere a “estabilidade política”, o que é o mesmo que dizer, que continuemos a afundar-nos;
Dito isto, resta-nos as Presidenciais. De novo, nada a fazer. Costa, seguindo o exemplo do seu amigo Sampaio, ocupará o trono de Belém, em 2016. É popular, a malta gosta dele, é uma espécie de versão Soares do século XXI, cria empatias, é sério – muito importante! – bom tipo, até diz umas coisas acertadas e mordazes, ou seja, a rapaziada adere, identifica-se. Vai ser um passeio até Belém. E até acredito que poderá vir a ser um dos mais populares PR de sempre. E então sucedendo ao cabide de Belém, a tarefa é ainda mais fácil. Difícil foi Sampaio suceder a Soares. Mas resultou. Foi, ou foram, ambos, dois grandes Presidentes. Chato para Cavaco que fica a anos luz daqueles. E depois voltará a ficar de Costa. Daqui a uns anos ninguém se irá lembrar dele. Farão confusão com Eanes;
Assim, o malabarista “Celo” (Professor Marcelo), por muito que se esforce – e esforça-se! – não conseguirá lá chegar. Voltará ao aconchego do colo Judite de Sousa e já não é nada mau. Antes isso que cuspirem-lhe na sopa, como dizia o Outro.
Pena que outro putativo excelente candidato, Jaime Gama, não apareça na fotografia. Seria, muito possivelmente, o mais institucional PR desde o 25 de Abril. E talvez, quem sabe, o melhor de sempre! Mas, a roda da política já está girar e como se sabe noutra direcção. A “onda” é outra: Costa “é” (será) imparável!
O Politólogo amador




Rubi disse...

Curioso!

Anónimo disse...

tu marcellus eris!
e sabemos como a história se passou. Reeditamo-la à nossa escala.
José Santos

Anónimo disse...


Sr. Embaixador, se me permite um pensamento
as pessoas parece que ficam agarradas a um partido político como ficam os adeptos ao seu clube de futebol!
arranjam sempre desculpas para os maus resultados e em geral culpam os outros, clubes, árbitros, adeptos, autoridades, etc... pelos fracassos associados ao clube deles
Também não há equipamento "técnico e científico" que permitiria demonstrar os porquês da coisa, assim em ambos os campeonatos, fica-se num nublado de "certezas pessoais" sujeito às emoções de cada um
quando as contas de um orçamento deveriam ser uma ciência exata

Helena Oneto disse...

Excelente comentário do "visionario" Politologo amador!