quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Ronaldo 2 - Mourinho 0

É triste o espetáculo luso-português dado por um dos melhores (senão o melhor) treinadores do mundo face a um dos melhores (senão o melhor) jogadores do mundo. Mourinho é um génio do futebol mas os últimos anos provaram que o seu estilo ácido terá contribuído para (ou foi a consequência de) resultados mais parcos e induziu tensões sem visível eficácia estratégica. 
 
Torna-se interessante notar a evolução das duas figuras. Por um lado, um jogador de origens humildes que passou de um deslumbramento descontrolado para uma postura pública mais medida e serena. Pelo outro, um treinador, cujo rigor e seriedade eram a imagem de marca, a reagir, como que se sentisse acossado, com atitudes cada vez mais "rough" e deselegantes, fruto de uma soberba sem limites.

O curioso é que a relação de ambos com a pura má educação parece ter-se invertido. 

9 comentários:

Maurício Barra disse...

Concordo absolutamente.

patricio branco disse...

é assim mesmo, o convencimento e a vaidade (soberba) são o ponto fraco, serão o calcanhar de aquiles, de mourinho, é pena que assim seja, e as afirmações sobre ronaldo, agora que está longe, são bem feias...

Anónimo disse...

luso-português?


andara vossa excelencia a calcar palavras da lingua francesa para as introduzir na lingua portuguesa?


afinal nao é grande garfo!


bem haja

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 14.02: claro que é "luso-português". Qual é a surpresa? E essa do "garfo" não percebi. Deve ser do calor.

Anónimo disse...

Somos escravos das nossas palavras. Este "princípio" aplica-se aqui na perfeição. Melhor fora que as não tivesse pronunciado.

Isabel Seixas disse...

Tem razão Sr. Embaixador além do despeito e do mau perder...

Portugalredecouvertes disse...

Acho que é um bom artigo

a surpresa magoada desse diálogo luso-português é partilhada por muita gente

Anónimo disse...

O Mourinho anda a perder o norte... É muito feia esta atitude entre compatriotas.

Passamos a ter um Ronaldo mais polido e um Mourinho mais "carroceiro"! Foi mesmo uma inversão de papéis.

Isabel BP

Anónimo disse...

Nas suas contestadas e deturpadas declarações Mourinho queria simplesmente dizer que o primeiro Ronaldo, apenas Ronaldo de nome desportivo (por isso o "verdadeiro" Ronaldo) é o outro, o brasileiro que jogou no Barcelona e ele Mourinho treinou. Eu ouvi as pacatas declarações de Mourinho e assim as entendi. Muitos jornalistas espanhóis não perdem uma oportunidade de tentar atingir o odiado treinador português, por isso deturparam as suas palavras para o chatear e, ao mesmo tempo, espicaçar o Cristiano, levando-o a reagir. Mourinho, de resto, já lhes respondeu, bem e serenamente. O Cristiano é que não foi sereno nem elegante, como de costume. Está-lhe no sangue, não há nada a fazer. Ele diz que não cospe no prato, mas já cuspiu para o público. O Cristiano vale muito pouco como pessoa, embora valha 100 milhões para os senhores do petróleo.