quarta-feira, 10 de julho de 2013

Notícias da crise

Até há minutos, eu pensava que a crise política que tem andado por aí havia sido criada pelo surgimento de uma conflitualidade no seio da maioria governativa, provocada pela demissão sucessiva de dois ministros-chave, fruto de profundas divergências de natureza política, o que havia conduzido a uma reavaliação do próprio equilíbrio interpartidário dentro dessa maioria.

Isso era o que eu pensava. 

14 comentários:

Anónimo disse...

Eh, eh! Também eu. E muitos como nós. Ainda estou me com a rir. Se calhar não o devia.
Que país é este, senhores? Uma caricatura?
a) "Junho de 2014"

Anónimo disse...

De imediatas as crises estão-se a tornar mediáticas. Será da areia para os olhos dos veraneantes??? Tudo isto só o tempo o dirá.

Anónimo disse...

Primeiras impressões: O pensionista do Banco de Portugal que ocasionalmente, como hoje, sai da casa de repouso de Belém para dizer que a sua estabilidade é o melhor remédio, veio aparentemente criar a maior das confusões mas o que é certo é que a dita estabilidade irá continuar pois, pelos vistos, ficamos com os mesmos Ministros nos Negócios Estrangeiros e na Economia e a Ministra das Finanças continuará a negociar com a troika.

A crise da semana passada nunca existiu. Só nos falta Vítor Gaspar mas temos a sua número dois no seu lugar.

Quem pensa num acordo PSD-CDS-PS para o que quer que seja bem pode esperar.

Os mercados, única super-potência mundial como o locatário de Belém deixou claro, devem estar satisfeitos.

Helena Oneto disse...

Pois era. Era o que muitos pensávamos e será o que o PR vai agora ter que ver.

Um Jeito Manso disse...

Acabei de perguntar lá no meu canto se, com este ensarilhanço que me parece que agora fica armado, não está Cavaco Silva a juntar-se à baderna iniciada por Paulo Portas e Passos Coelho (e Vítor Gaspar também, com a sua extraordinária carta)?

Anónimo disse...

CS tinha duas opções: manter o governo ou eleições. Como sempre, decidiu não optar!
Agora vamos ter um governo de gestão, qualquer que seja!
Mais uma vez, também, dá cabo do PSD, que o elegeu, para tentar salvar a face. Admito que não seja assim. Mas é o que me parece e, o que me parece, é… pelo menos para mim!

Anónimo disse...

Deu cabo foi do PS. Se este se juntar à direita, favorece enormemente a sua esquerda. Se recusar a oferta de hoje, ficará com o ónus disso.

Anónimo disse...

Anibal Cavaco Maquiavel Silva!
a) anónimo da noite

Anónimo disse...

A Senhora Engenheira diz que não percebeu muito bem, mas que, se for para felicidade do povo e bem geral da Nação, devem todos ficar nos seus lugares.

a) Feliciano da Mata, atlantista

Anónimo disse...

O atlantista que era para ir para MNE ficará por enquanto no seu lugar?

Anónimo disse...

O sr. Presidente da Republica não fez outra coisa senão agravar a actual situação em que nos encontramos. Cavaco Silva é que deveria renunciar e ser substituído por alguém com frontalidade e sentido político conciliasse os Portugueses e responsabilizasse os políticos

Anónimo disse...

O Sr. Presidente da Republica, que não sei se conhece Coluche, adotou a sua Filosofa: "circulé, y a rien à voir".
É uma Filosofa básica, a de Coluche, mas interessante!

Anónimo disse...

aqui é so ma lingua... xi!

vou ler o ponto.come

Joaquim De Freitas disse...

Eis um presidente que pede aos mesmos que puseram Portugal no estado em que ele se encontra hoje, que reunam as mesmas forças para retirar o pais do fosso. E claro, estes vão pedir mais esforços ainda aos Portugueses; E se o não fizerem, a UE e o FMI o farão de certeza. Porque é a única coisa que sabem fazer: exigir ainda mais sacrifícios.
O problema é que "já não há pano para mangas" !

Quando se analisam os esforços que foram pedidos, nas mesmas circunstâncias, a certos países da zona Euro, verifica-se que os Portugueses são aqueles que tinham menos "gordura" que pudesse ser eventualmente derretida ! E que cada esforço suplementar põe cada vez mais os ossos à vista!
Mesmo a Grécia, que portanto foi tremendamente "espremida" , tinha "reservas" superiores .

O PIB por habitante de Portugal, entre 1990 e 2000 foi sempre o mais fraco da zona Euro, ou seja, 15 000 euros por habitante, contra 18 000 para a Grécia e 35 500 para a Irlanda. Este ultimo era mesmo superior ao da França : 32 000.
O descalabro das contas publicas é tal, que as "chances" de saída da bolha da divida parecem inexistentes; Sem crescimento , impossível de reembolsar os juros da divida! Quanto ao capital ....Os números podem ser "trabalhados", mas a situação não mudará.

As degradações da notação em perspectiva, tensão sobre a taxa de juros das obrigações do Estado, igual a mais deficits ! Imparável !

Portugal precisa doutro governo, porque é preciso outra politica. O mesmo governo continuará no mesmo caminho, que será cada vez mais difícil. O presidente está preso a uma ideologia que o impede de forçar o destino. E o destino pode muito bem ser o da saída do Euro . E mesmo com o seu 1,8% equivalente do PIB total , pode fazer explodir a Zona Euro.

Seria curioso que o pais que "deu novos mundos ao mundo", provoque a criação duma nova Europa!

Para um Português que vive no estrangeiro, a imagem de Portugal é duma tristeza incomensurável. Ontem, na TV francesa, em" prime time", as imagens que não deixaram de chocar os nossos compatriotas, foram as dos milhares de Portugueses que deixam o pais. Como noutros tempos! Em França, os homens para a construção civil e as obras publicas, e as mulheres para empregadas domésticas. Algumas diplomadas! E que choravam diante dos jornalistas !

Pensei nesse momento nos milhares de milhões roubados pelas elites do meu pais! E na pobreza da classe política, que aparentemente por falta de coragem e de ideias só tem uma resposta : eu ou o caos !