domingo, 28 de abril de 2013

O governo Letta

Era um homem discreto, bastante jovem, sempre sorridente, de quem emanava "uma boa onda" e uma natural simpatia, como se lembrarão outros que, como eu, com ele partilharam, durante um ano, a mesa do conselho ministerial do "mercado interno" e as presenças nos "assuntos gerais", naquele final dos anos 90. Enrico Letta era o ministro sem pasta que tinha a seu cargo os assuntos europeus, no governo dirigido por Massimo d'Alema. Hoje, com menos de 50 anos, tem a seu cargo a chefia de um governo italiano em tempo de grave crise.

Para os Negócios estrangeiros desse novo governo entra uma figura que alguns, em Portugal, também conhecemos bastante bem, em especial como comissária europeia que teve a seu cargo a política de defesa dos consumidores, a política de pescas e também as questões de ajuda humanitária. É uma mulher de convicções, com quem não é fácil negociar (sei do que falo!). Com ela, com toda a segurança, a palavra da Itália não se deixará capturar, nos tempos que aí vêm.

Talvez não haja hoje por cá a real perceção de que do sucesso ou insucesso deste governo italiano pode depender muito do futuro próximo da Europa. Um " barco" em que nós também estamos. Por essa razão, para além de devermos desejar que um país amigo como é a Itália recupere uma estabilidade "sustentada" (como agora se diz, a propósito de tudo e de nada), esse é também um voto que devemos formular no nosso próprio interesse. 

5 comentários:

Anónimo disse...

Esperemos que Enrico Letta possa tirar o país da "lettargia" de crise em que entrou e que não se entre num período "lettal" para a democracia italiana.

freitas pereira disse...

Fala-se muito em Portugal , e agora também em França, dum governo de união nacional. Os Italianos fizeram-no, com um governo de coligação esquerda/direita inédito e com um terço de mulheres no elenco governamental, inédito também na Itália.

O momento que vive a Itália e a Europa só pode ser compreendido na sua total gravidade que quando se pesam profundamente as palavras do Presidente da Republica, Giorgio Napolitano, quando diz que este governo "é o único possível"!

Porque os riscos de derrapagem de alguns ministros é patente. Que o ministério do interior , segundo em importância, tenha sido posto nas mãos do fiel comparsa de Berlusconi , Angelino Alfano, aquele que tinha prometido "un grand ménage" nos sindicatos e sobretudo no da magistratura, como na política de imigração, dá suores frios!

Uma historia à italiana este governo, quando pensamos que Enrico Letta, o novo primeiro ministro, antigo da democracia cristã, depois da Marguerita ( partido do centro) , é sobrinho de Gianni Letta, ... o homem de confiança de Berlusconi ! Católico, conservador, antigo ministro de Massimo d'Alema e ... capaz de apoiar um Mário Monti , nomeado pela Troika e jamais eleito pelo povo italiano! Mas no pais de Pepone e D.Camilo tudo é possível!
"Auguri" à Itália !

patricio branco disse...

a italia vai recuperar, sempre se saiu de todas as situações, é um povo imaginativo, esperto, vivo, os 60 governos desde a guerra nunca perturbaram o seu caminho, para eles, italianos, tudo é natural e possivel, a renovação partidária é ouitra caracteristica, não cristalizaram, partidos vão, desaparecem, metamorfoseiam-se, outros novos com curiosos nomes são criados, etc, sim, a italia sempre cairá de pé, é um ou uma acrobata, não tem os pés pesados como portugal, ainda agora nos surprendeu com os 2 meses sem governo, com o breve monti, com o grillo, que não sabemos qual o papel mas lá está, isto para não falar da fontana di trevi que continua a deitar água com força, do vaticano ali metido, de s marino, do coliseu, da via antonio vivaldi, da enoteca capranica, do tibre e da sua ilha e da piazza delle muse...

freitas pereira disse...

Sim, como escrevi na minha ultima frase ! Neste pais tudo é possível. Os países assimétricos passam-se muito bem sem governo! Como na Bélgica! Mais de um ano sem governo! País assimétrico por excelência. Assimetria Norte Sul : Econômica, ideológica e política. Entre a Wallonie e a Flandre há um mundo ! Entre a Calábria e a Lombardia e a Venezia também! Mas funciona.

Fernando B. disse...

Mas ninguem avisa os italianos para não se meterem com gente experiente, culta e com bagagem politica !!!
Será que lá não há "Jotas", será que lá não há Distritais a manobrar ???