sexta-feira, 29 de março de 2013

A sé desportiva

Há poucas horas, ao passar pela sé catedral de Vila Real, neste tempo pascal, lembrei-me de uma historieta passada no "Verão quente" de 1975.

Eu tinha vindo por uns dias à cidade, nesse tempo militar em que misturava o meu radicalismo político com as provas do concurso para a diplomacia. Numa reunião de manhã, no regimento de Infantaria 13, tivera uma conversa menos fácil com o tenente-coronel Adão, comandante em exercício, junto de quem tentara garantir proteção militar para as sedes de alguns partidos de esquerda, que a voz corrente dizia que poderiam ser ameaçadas pela manifestação católica (que hoje se sabe muito mobilizada pelo MDLP) que teria lugar no dia seguinte. Usava as credenciais político-militares que advinham da minha pertença ativa ao MFA, mas cedo vi que o ambiente "no 13" estava mais com os manifestantes do que com a nossa ala "progressista". Por essa razão, o simples alferes que eu era pouco podia fazer, não obstante alguma desproporcionada influência de que, tal como outros milicianos, disfrutava então em certos meios militares de Lisboa.

Nessa tarde, na pastelaria Gomes, sentava-me com um amigo que partilhava as mesmas preocupações e cumplicidades, conversando em voz baixa sobre os acontecimentos que aí vinham. Lá fora, vimos aproximar, histriónica, uma das figuras da "reação" local. É preciso conhecer bem a Vila Real da época para se entender o facto de, na cidade, conviverem, sem dificuldade, pessoas com diferentes e até antagónicas ideias. Eu sabia que essa figura, entrada que fosse na Gomes, se sentaria inevitavelmente à nossa mesa, até pela certeza de poder encetar conosco uma estimulante disputa verbal. Por essa razão, num segundo, combinei um estratagema com o amigo que tinha a meu lado.

Como expectável, o recém-chegado juntou-se-nos para um "covilhete" (se o leitor não sabe o que isso é, visite Vila Real) ou uma fatia de bôla de carne. Olhando para a mesa, viu esquiçado numa página branca um desenho do que parecia um edifício, em forma de cruz. 

- O que é que vocês estão a tramar?, perguntou, curioso, ciente de que, com dois "esquerdalhos" como nós, esse desenho tinha, com toda a certeza, um objetivo não inocente.

- Nada que te interesse, disse-lhe eu, num tom que só aumentou a sua curiosidade.

- Uma cruz?! Quase parece a planta da sé...

- Pronto, "tá" bem, é a sé. E depois?

- Mas por que razão vocês estão a desenhar a sé?, alarmou-se.

- Ó homem! Isto é só uma ideia, mas, se prometes segredo, podemos revelar-te que há uma séria hipótese do espaço da sé poder vir a ser transformado numa área desportiva, de apoio aos tempos livres. Isto ainda não se sabe, mas a sé deve passar para a tutela do INATEL.

O visitante estava boquiaberto. E escandalizado. As suas piores suspeitas sobre as ideias dos "comunas" (para a direita, à época, esse espetro insultuoso era muito alargado) confirmavam-se em pleno. A sé catedral?! A velha igreja de S. Domingos transformada em recinto gimno-desportivo (não me recordo se o conceito já existia, à época).

Generoso, entendi dever ser um pouco mais detalhado:

- Vamos a ver se nos entendemos. Tens que concordar que há, na cidade, um défice evidente em matéria de equipamentos para lazer. A União Artística não chega, a "Católica" não tem espaço e a "Bufa" (nome depreciativo que dávamos à Mocidade Portuguesa) "já era". Ora a sé está desocupada a maior parte do tempo e está num lugar central ideal, bem fresco no Verão. Quem goste de rezar ou de missas tem imensas igrejas. A "capela nova" está aqui a dois passos, tal como a Misericórdia. E S. Pedro é logo ali em cima. A nossa ideia é procurar adaptar a área dos altares laterais da sé para dois bilhares livres e o altar principal para um "snooker". A questão da nave central é mais complicada, porque as seis colunas criam problemas à proposta de aí fazer uma zona para voleibol. Se assim não for, teremos de ir para a alternativa de mesas de ping-pong. Há quem pense num bilhar grande às três tabelas, que nem o Excelsior nem a Pompeia têm, mas resta saber se haverá clientela para isso.

O "reaça" esbugalhava os olhos. "Tomarem" a sé catedral, o centro religioso da cidade?! Sossegámo-lo, com modéstia temporal de intenções:

- Ó pá, isto ainda está apenas em planos. Estamos também a estudar a questão das balizas para futebol para pôr no adro. Por isso, só daqui a uns tempos é que se iniciará o desmantelamento da sé. Mas atenção!: é nossa preocupação preservar bem o recheio. O projeto é mandar muitas coisas para a Senhora de Lurdes.

A menção da capela da Senhora de Lurdes, uma igreja desativada, lá para os lados da estação ferroviária, em acentuado estado de desagração, aumentou a ira do já desestabilizado conservador.

Sempre tive uma excecional capacidade de sustentar estas historietas sem me desconcertar. Mas o meu comparsa estava, pouco a pouco, a deixar-se rir. Por isso, levantou-se e fez menção de sair pelas portas de guarda-vento. Mas, nesse movimento, teve ainda ânimo para estacar junto ao embasbacado reacionário e dizer-lhe, convicto:

- Não eras tu que gostavas de jogar matraquilhos? Pois é nossa intenção encher a sacristia de mesas de "matrecos". E de graça, porque isto agora passa a ser tudo do povo, pá!...

A patranha esclareceu-se nos minutos seguintes. Mas senti que o nosso amigo (porque era nosso amigo) "reaça" não ficou de todo sossegado.

Para a história, registe-se que a manifestação do dia seguinte não provocou violência. O PCP, acantonado na rua da Misericórdia (ironia toponímica...), não precisou de usar as caçadeiras que me disse ter para defesa da sede e o MDP-CDE, sobre a "Mabor", lá se aguentou às provocações lançadas da avenida, comigo encostado ao Tocaio, a ver a onda católica passar. Já o PS nada tinha a temer, porque o padre Sarmento, eixo da máquina clandestina da "Maria da Fonte", tinha-os, e bem justamente, por "compagnons de route" anti-comunista, nesse Verão complicado e muito "quente".

E a Sé, a magnífica igreja de S. Domingos, lá continua intocada, agora com uns belos (mas, para alguns, controversos) vitrais de João Vieira, que vivamente recomendo sejam vistos.

9 comentários:

Isabel Seixas disse...

A Ideia é bem atual criativa e facilmente exequivel mais para jogos das escondidas.
Outra aplicação moralizante do ponto de vista de otimização de recursos e obviamente viável é para sede de partidos onde a disposição dos bancos propiciará decerto comícios interessantes com moduladores de voz silenciosos e assertivos...

Anónimo disse...

Como me divertiu a sua história! Deliciei-me a rever a Vila Real da minha juventude e a "saborear" a bola e o covilhete!
Uma Páscoa doce.
Maria Eduarda Boal

Anónimo disse...

Para apreciar com contemplação os vitrais de J. Vieira (ou para rezar) pode sentar-se numa das cadeiras do S. Vieira.
(Não sei se foi de propósito…, mas as cadeiras não têm grande qualidade de genuflexório... será mais uma genialidade, para expiação dos meus pecados?...).

Defreitas disse...

O que se receava em Vila Real, não foi o que aconteceu em Braga ? Eu já estava fora de Portugal há muitos anos, mas tinha lido algo sobre o sujeito nessa época. A única desculpa para aqueles que incendiavam as sedes dos partidos , no momento mesmo em que a revolução procurava fazer sair a sociedade portuguesa do obscurantismo político , era a falta de educação democrática, que, em Portugal, era visível.

A propósito de manifestações violentas, de origem política, sobretudo, pergunto a mim mesmo se não começamos a entrar numa fase de contestação violenta, à medida que a sociedade evoluí, para bem ou para mal, segundo as opiniões. E não penso nas primaveras árabes: penso na sociedade européia. Onde não há desculpas de falta de educação democrática!

As manifestações dos anti" mariage gay" em Paris, recentemente , durante as quais certos leaders das manifestações reclamam nada menos que a abrogação duma lei já votada pela Assembléia nacional, prefigura talvez o movimento que um certo populismo vai aproveitar no futuro para contestar a democracia.
Porque , enfim, uma lei votada pelos parlamentares , eleitos pelo povo, numa eleição democrática, não pode ser anulada por uma minoria, seja ela violenta ou não. Senão, é o fim da Republica e da Democracia.
Devemos estar atentos à evolução da teoria ideológica, que aproveitando a situação social desastrosa, criada pelo capitalismo selvagem, poderia procurar convencer os incautos que o fascismo é a solução para os problemas atuais. Isto seria cair de Charybde-em-Scylla .

E as oportunidades de recuperação da miséria para fins de dominação política não vão, infelizmente, faltar no futuro próximo.

J. de Freitas

Portugalredecouvertes disse...


Quando lemos em varios sítios que os exercitos de Napoleão fizeram uso dos mosteiros portuguesas para cavalariças,

talvez se possa compreender que essa "figura da "reação" local",tivesse pensado "mas até onde é que o espírito jacobino pode ir?!"

Anónimo disse...

Delicioso!

Carlos Fonseca disse...

Uma brincadeira interessante,

Maldade não esclarecer para os não iniciados como eu o que são covilhetes.

Para quem quiser ficar com uma ideia (e água na boca), é só espreitar:

http://youtu.be/m48NAo80-pM

Anónimo disse...

Pois canté! A forma como a informação chegava distorcida naquele pós imediato ao 25 de Abril, deixava uma facilidade muito grande para fazer crer a qualquer “reaça” que se iria pôr matraquilhos nas igrejas, em todas as igrejas de Portugal mesmo...
Também por isso é que não foi muito difícil aos amigos do MDLP, ainda que pouco numerosos, conseguirem ajuda de alguns seguidores, que até iam procurar reconforto nas igrejas, para fazerem os estragos que fizeram e não me recordo daqueles responsáveis pelos distúrbios terem sido chamados a contas. O 25 de Abril foi lindo mas ficaram muitas contas por fazer!
José Barros

Anónimo disse...

Em Inglaterra, na velha democracia (sem qualquer prec), bebi um copo num bar instalado num edifício que tinha sido uma igreja. Com uma arquitectura gótica, mantinha os vitrais religiosos bem lindos.
Com o deus baco instalado pensei como B.D.:
Well, it may be the devil or it may be the Lord
But you’re gonna have to serve somebody