quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Lóbi

Ontem, um comentador protestou contra a utilização do termo lóbi, para designar o "hall" de um hotel. Confesso que estava mais à espera de uma reação quanto ao aportuguesamento da palavra "lobby", mas tudo bem. E é a propósito de um lóbi de hotel que me lembrei de uma historieta.

Estávamos na Zâmbia, a meio de uma longa viagem governamental por vários países africanos. Não faço ideia a quem, naquele caso, competia a responsabilidade pelas reservas, mas a verdade é que, chegados bastante cedo ao Hotel Intercontinental de Lusaka, idos de Harare, naquele final dos anos 80, nos demos conta de que faltavam dois quartos para a delegação portuguesa. Arrumados os membros da delegação mais afortunados, eu e o Duarte Ivo Cruz constatámos que, para nós, não havia quartos. Ou melhor: havia uma vaga promessa de poderem "aparecer". Para utilizar uma expressão que o então chefe da delegação portuguesa viria, décadas depois, a tornar popular noutro contexto, nós podíamos dizer que sabíamos que íamos ter um quarto, só não sabíamos é quando e em que condições!

A visita oficial comportava, entretanto, alguns "números", entre os quais uma visita ao presidente Kenneth Kaunda, bem como reuniões e uma multiplicidade de contactos. Intercalando tais eventos, havia passagens pelo hotel onde a delegação se acolhia. A delegação, não! A maioria da delegação! Porque eu e o Duarte continuávamos com as nossas malas recolhidas em quartos alheios e, nesses intervalos, contactávamos, com progressivo desespero, a receção ou a direção do hotel, metíamos "cunhas" através de empresários locais e da nossa embaixada, sempre em diligências cada vez mais ansiosas, porque a noite se ia aproximando. E, perante o olhar descansado (e demasiado sorridente, parecia-nos) dos nossos colegas, que se regalavam com bebidas no bar e conversavam entre si relaxados, nós os dois andávamos, de um lado para o outro, labutando verbalmente por uma cama onde descansar a noite.

O jantar oficial nem nos caiu bem, porque, acabado este, lá voltámos nós, ansiosos, ao lóbi do hotel. E seria já depois das 11 da noite que, numa taquicardia angustiada, finalmente, recebemos as chaves dos nossos quartos, para logo constatarmos, com forte choque, que deles haviam sido literalmente "despejadas" duas famílias africanas, com filhos, que foram dormir sabe-se lá para onde. Mas, àquela hora da noite, o nosso limiar de solidariedade estava já ultrapassado pela lei da sobrevivência.

Foi nessa altura, culminadas que haviam sido as dezenas de diligências feitas, junto de imensos interlocutores, que o Duarte Ivo Cruz, que comigo brindava o mútuo "sucesso" com um merecido whisky, se saiu com uma frase que recordo até hoje: "Só agora percebi, verdadeiramente, por que razão a esta área dos hotéis se chama "lóbi". Foi isso mesmo que andámos o dia inteiro a fazer..."

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Códigos

Há quase três décadas, no lóbi de um hotel estrangeiro, assisti a uma conversa, em que participou um então responsável político português, cujo tom me marcou para sempre. A discussão centrava-se nas políticas do futuro Banco Central Europeu e, muito em particular, nos termos de referência que essa nova instituição deveria seguir, com vista a assegurar o objetivo central da sua ação - a estabilidade dos preços.

Essa figura, homem que, aliás, prestou assinaláveis serviços ao país, afirmava, com toda a serenidade e certeza, que a nova instituição deveria limitar-se a seguir uma espécie de "breviário" técnico, independente de quaisquer juízos pessoais de valor, à luz da "sabedoria" acumulada pela doutrina económica, ao longo de décadas: "Perante uma evolução no sentido X, deve proceder-se a uma correção na direção Y. Mais nada!". E deu, como exemplo similar, os códigos jurídicos que, para uma determinado comportamento, estipulam uma certa pena.

Sou sempre muito cético perante este tipo de "sapiência" e automatismo. A assim ser, um destes dias colocamos um computador a tomar decisões e vamos todos para a praia... A história tem, quase sempre, muito maior imaginação do que os homens - como se vê bem pelo destino caricato das previsões económicas, a médio e longo prazo. Por isso, nessa noite, guardei modestamente as minhas reticências, mas "fiquei cá na minha". 

Porque é que falo disto hoje? Porque acabo de ler, com algum cuidado, as observações da troika ao comportamento da economia portuguesa, que hoje vive sujeita aos seus particulares métodos de cura e que bebe, com ânsia e impaciência, a "nota" das "frequências" a que está sujeita, antes de estipendiar, para nosso cíclico alívio, a paternal "mesada" trimestral. E dei comigo a pensar que parece subsistir naquelas instituições, bem como nos técnicos que coreograficamente as representam, uma matriz de receituário que, na metodologia, não se afasta muito da observância de "códigos" similares àqueles de que nos falava aquele nosso político.

Embora nada disto seja especialmente novo, e sei lá bem porquê!, acho que hoje não vou dormir muito descansado.

Limites

Eram os primeiros meses de 1976. "Desterrado" pelo MNE no então "Ministério da Cooperação" (de cuja existência poucos se lembrarão), no edifício em que hoje funciona o Ministério da Defesa, tinham vindo almoçar comigo, num restaurante à zona do Restelo, dois colegas das Necessidades, tal como eu recém-entrados na carreira. Acompanhava-nos à mesa um outro amigo com quem eu trabalhava e que lhes havia apresentado na ocasião, oriundo de uma área técnica.

A certo passo, um dos colegas vindos do MNE mencionou que estava colocado na então "Comissão Internacional de Limites com Espanha", estrutura que se ocupava das temáticas de fronteira. Ironizámos em como deveriam ser "fascinantes" alguns temas com que lidava nesse serviço, de que era exemplo notório a escaldante questão do regime de utilização dos mouchões aluviais. Mas o meu amigo técnico, para grande surpresa de todos, deu estranha nota de estar interessadíssimo na temática, fazendo imensas perguntas ao meu colega.

Devo dizer que, a certo ponto, comecei a ficar com a sensação de que, na realidade, ele estava apenas a "fazer a folha" ao jovem diplomata, tais eram as atenções, de uma quase afetividade, que lhe ia dirigindo. Achei divertida a cena e, confesso, acabado que foi o almoço, mais curioso fiquei quando vi os dois a trocar cartões e a combinarem contactos futuros. "Caramba, foi tiro e queda!", pensei, então já surpreendido com a minha naïveté, à qual tinha escapado a aparente propensão mútua para aquele tipo de afinidades eletivas.

Passaram-se umas semanas e, ao cruzar-me no MNE com o meu colega diplomata, não resisti: "Então, voltaste a encontrar aquele amigo que te apresentei há tempos?". Com a maior naturalidade, o meu colega respondeu: "Sim, sim! Almoçámos, há dias. É muito simpático" e, talvez detetando um brilho de discreta ironia no meu olhar, adiantou: "Sabes o que ele queria?". Nem me deixou no embaraço de presumir e, com um largo sorriso, logo esclareceu: "Queria que eu me inscrevesse na Liga dos Amigos de Olivença, de que é diretor. Como eu estou na "Comissão de Limites", achou que, um dia, eu poderia "dar um jeito", sabe-se lá!...". Rimo-nos a bom rir. Afinal, eram apenas essas a afinidades que andavam no ar.

Lembrei-me disto a propósito da encenação da "Guerra das Laranjas", em Olivença, tema que agora deu para mobilizar alguns amigos meus, algo agitados no seu pousio.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Jornalismo

"Árvore caiu sobre automóvel que circulava perto de Mafra há um ano" - este elucidativo exemplo, de fino recorte estilístico, fazia parte, há minutos, do texto de uma notícia da SIC.

Anda por aí muita gente preocupada com as consequência da entrada em vigor do novo Acordo Ortográfico. Não os vejo, contudo, tão pressurosos em denunciar a iliteracia de quantos, com calinadas deste jaez, põem em perigo a salubridade da escrita pública.

Aproximamo-nos a passos largos dos tempos, recordados pelo João Paulo Guerra, num almoço que há meses tivémos com Baptista-Bastos, em que um inspirado plumitivo escrevia: "Era meia noite e, no entanto, chovia..."

domingo, 26 de fevereiro de 2012

"Football"

Há muitos anos, na nossa rádio, havia a "Tarde desportiva" da Emissora Nacional. Era anunciada com esta célebre marcha de John Philip Sousa e abria umas horas de "relatos", feitos por fantásticos locutores, por cujas descrições éramos forçados a imaginar, sem direito a "replay", se, afinal, tinha sido ou não penalty no 28 de maio, em Vidal Pinheiro ou no Alfredo da Silva. Não sei como andam os relatos futebolísticos, mas imagino que a televisão os tenha desqualificado.

Ontem, fiz uma "tarde desportiva" um pouco menos típica, mas nem por isso menos clássica. Nada como uma gripe para umas boas horas de futebol televisivo, esse saudável desporto de bancada almofadada. E, claro!, que melhor do que excelente futebol britânico para alegrar quem gosta do espetáculo? Um "darjeeling", trazido há dias do londrino Brown's, substituiu a "pint" de cerveja que o momento impunha, mas que a terapia não aconselhava. 

Pude assim assistir, em paralelo, ao golpe de asa do "velho" Ryan Giggs, que segurou o Manchester United de sir Alex na perseguição citadina ao City, bem como à ampla vitória de um Arsenal do historicamente "tremido" Arsène Wenger, já fora do título, perante um Tottenham sem chama. Ao apreciar este clássico "North London derby", lembrei-me das minhas errâncias pelos estádios da capital britânica, nos anos 90. "Hooligans" à parte, respirava-se já então por ali, como em nenhum outro lugar, o fascínio do mais belo espetáculo desportivo do mundo.

Em miúdo, ouvia falar de Wembley com o pico do Everest futebolístico. A vida deu-me o feliz ensejo de por lá assistir a algumas "cup finals", no tempo em que a cobertura do estádio era ainda sustentada por colunas, que chegavam a tapar a vista. Por lá assisti à lesão que foi o princípio do fim trágico de Paul Gascoigne. O velho Wembley já se foi, mas o seu lugar de "catedral" imbatível não se perdeu.

Perto da minha casa, fui duas ou três vezes a Stamford Bridge, esse estádio que mais tarde se "aportuguesou" com Mourinho e os jogadores que ele consigo levou para o Chelsea. Pena agora por lá o "special two", Villas Boas, que ontem adiou contra o Bolton a saída que o Abramovich lhe deverá fazer em breve pelo portão da Fulham Road.

Vi outros "portugais" por relvados de Londres. Tive o prazer de assistir à vitória do Benfica, em Highbury Park, sobre o Arsenal - o meu clube londrino. Estava-se nos anos gloriosos de George Graham e, se alguém pretender saber o que ser fã dos "gunners" significa, leia o delicioso "Fever Pitch" de Nick Hornby. Também em White Hart Lane, numa noite triste de 1992, assisti o Porto perder contra o Tottenham, por 3-1, para a Taça das Taças.

E, "last but not the least", devo dizer que foi com algum orgulho que, ao lado do então líder trabalhista britânico John Smith, ao tempo em que eu chefiava interinamente a nossa embaixada, dei o pontapé de saída formal no jogo amigável em que o Sporting bateu por 2-1 o Millwall, em agosto de 1993, nas inauguração do seu novo "The Den".

Tenho saudades, confesso, de voltar a um jogo ao vivo num estádio londrino, no meio daqueles cânticos que, não sendo de fraternidade, nos remetem para uma Inglaterra de outro tempo. A mesma, afinal, onde nasceu o "football".

Em tempo: a minha tarde terminou a ver o Sporting a ganhar ao Rio Ave. Sou um " leão" atípico: ainda hesitei entre a forte vontade de ver Sá Pinto perder o lugar, tão cedo quanto isso for possível, e o salvar do que resta da época. Mas, claro, gostei do resultado. Convençam-se, porém, os sportinguistas: há vitórias que nos vão sair caras...

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Selassie

O anedotário popular português durante a ditadura era feito de pequenas historietas, que se pretendiam ridicularizadoras do regime e das suas figuras. Vistas à luz do humor de hoje, essas graças aparecem de uma inocuidade quase infantil. Mas, à época, repetidas à boca pequena nos empregos e nos cafés, constituiam-se como um subtil discurso de resistência, denegridor da seriedade formal com que as personagens do poder sempre gostam de se revestir.

Uma dessas historietas dizia respeito à visita a Portugal, em 1959, do imperador da Etiópia, Hailé Selassie. A visita, integrada numa frustrada sedução de líderes "do sul" para amenizar a pressão internacional sobre a política colonial portuguesa, processava-se cerca de um ano depois da grande "chapelada" eleitoral que havia colocado o contra-almirante Américo Tomaz no palácio de Belém. O sufrágio havia sido comprovadamente recheado de fraudes, o que, para muitos, terá inviabilizado a eleição do candidato opositor, o general Humberto Delgado. Por essa razão, a legitimidade política de Tomaz, como presidente, era, à época, ainda muito contestada em largos setores portugueses.

O Negus foi recebido no Cais das Colunas, em Lisboa, em "grande estadão", pelo novo presidente da República (não consegui encontrar uma foto conhecida desse encontro, com Tomaz de imponente bicórnio). E é assim que a pequena "história" regista o que teria sido o primeiro contacto entre os dois:

- Eu sou Américo Tomáz, presidente de Portugal.

- Eu Selassie (leia-se "sei lá se é)...

Ontem, ao verificar que a missão da troika vai passar a ser dirigida pelo etíope Abebe Selassie, não pude deixar de me lembrar da anedota. Com a certeza plena de que a curiosidade fonética do nome do novo "fiscal" não deixará de acordar entre nós, uma vez mais, o inesgotável e corrosivo poder do riso, qualidade essa que nunca ninguém nos conseguirá confiscar, por mais amarelo que ele possa andar, nos dias que correm.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Contágio

Ontem de manhã, tinha marcado um encontro de trabalho com o meu colega grego na UNESCO. Mas uma forte febre, consequência de uma gripe, obrigou-me a cancelar a reunião.

Lembrei-me que não seria prudente estar a transmitir-lhe a minha doença. Se, nos últimos tempos, anda por aí tanta gente preocupada em não sofrer qualquer "contágio" dos gregos, seria pouco correto sermos nós a contagiá-los...

"Confio na justiça!"

Com a qualquer vulgar cidadão, causa-me sempre uma grande estranheza a contradição de decisões entre as diversas instâncias judiciais. Leem-se as razões que sustentam as mesmas e fica-se com a ideia de que, sendo a justiça uma atividade humana como outra qualquer, a sua aplicação depende demasiado das pessoas que a exercem. Para quem, como o tal vulgar cidadão que sou, quer ver a justiça como um referencial seguro na sociedade, no qual todos possam confiar, devo dizer que o que muitas vezes se passa não ajuda nada à criação de um ambiente de estabilidade. 

A tudo isto acresce a frequência dos "leaks", as quebras impunes do segredo de justiça, a cacofonia mediática de responsáveis e, principalmente, o protelamento cíclico das audiências, o prosseguimento desmesurado dos processos, a consciência de que, tal como na medicina, quem conseguir pagar melhor tem uma "melhor justiça". E, às vezes, até mesmo umas confortáveis prescrições.

Durante alguns anos, falou-se muito na necessidade de um acordo de regime para reforma do nosso sistema de justiça. Como se sabe, nada disto avançou, o que, para o comum dos mortais, transmite a sensação de que as grandes corporações do sistema estão pouco interessadas em compromissos que possam abalar o seu poder relativo. Isso, aliás, é patente na considerável resistência que sempre se deteta quando qualquer novo titular governamental da pasta decide tentar "cortar a direito". A experiência passada mostra que, quase sempre, se acabou numa "reformette", como por aqui se diz.

Nas últimas horas, dois mediáticos processos judiciais foram objetos de decisões. Não conheço os fundamentos de cada uma delas, embora me lembre bem das datas em que os portugueses iniciaram a contagem de esperança para se saber toda a verdade sobre as coisas que esses processos pretendiam averiguar. 

Em ambos os casos - basta recuar 72 horas! -, todos os protagonistas e acólitos aguardavam as decisões escudados na ritual frase "confiamos na justiça!". Mas, como a justiça é o que é, e não pode agradar a ambas as partes, acabou por ir por um lado, não tendo seguido pelo outro. E, então, a que é que assistimos? Aqui del-rei!, "não se fez justiça!". Mas então a justiça é só aquela que dá razão àquilo que pensamos? Provavelmente, por estas e por outras, é que a justiça que temos é a justiça que merecemos.   

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

José Afonso

Tive a sorte de poder assistir - de pé, bem à frente - ao espetáculo histórico que teve lugar no Coliseu dos Recreios, de Lisboa, em 29 de Março de 1974, pouco antes do 25 de abril.

Hoje, dia em que passam exatamente 25 anos sobre a morte de José (Zeca) Afonso, aqui fica uma imagem desse momento, na qual se podem ver, da esquerda para a direita, Barata Moura, Vitorino, José Jorge Letria, Manuel Freire, Fausto, Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira. Foi uma sessão memorável, mas, se bem recordo, uma noite em que Zeca Afonso não cantou nenhuma das suas principais canções, porque a isso não estava autorizado.

Da sua produção, e numa versão "pura", escolhi o tema de 1963 "Os Vampiros".

Baptista de Matos

"Nós não somos imigrantes, nós somos cooperantes, somos pessoas que viemos aqui para vos ajudar a aprender a fazer bem estas coisas" - terá sido esta a resposta de José Baptista de Matos a comentários xenófobos que, quando trabalhador dos caminhos de ferro franceses, recebeu de um responsável da obra em que operava, nos anos 70 do século passado.

Quem ontem nos contou isto, numa intervenção na embaixada de Portugal, foi o "maire" de Fontenay-sous-Bois, Jean- François Voguet, que conhece Baptista de Matos há mais de quatro décadas e que testemunhou a cena.

José Batista de Matos construiu um sólido prestígio, como dirigente associativo da comunidade e como ativista cívico em defesa dos interesses dos seus concidadãos. O reconhecimento disso já o tinha feito a "Cité nacionale de l'histoire de l'immigration", que ao seu exemplo de luta e sucesso pessoal dedica hoje em dia uma bela vitrina.

Ontem, com a significativa presença do secretário de Estado das Comunidades portuguesas, Baptista de Matos recebeu a ordem de Mérito com que foi agraciado pelo presidente da República portuguesa. Uma homenagem simples devida a um homem que, durante toda a sua vida, perseverou pela dignidade dos portugueses mas, igualmente, pela relação sempre fraterna com a França que o acolheu.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

"Mademoiselle"

Saiu ontem a determinação oficial que, aqui por França, acaba com o qualificativo de "mademoiselle", em todos os documentos públicos. Aparentemente, trata-se do culminar de uma luta para pôr termo ao sexismo que obrigava a revelar o caráter celibatário das jovens (e outras não tanto quanto isso) senhoras. Agora, só resta o qualificativo de "madame", embora eu me interrogue como o receberão as adolescentes. Logo se verá.

Em português, julgo que nunca tivémos o "menina" na nossa documentação, mas noto sempre as senhoras deliciadas com o subliminar "rejuvenescimento", quando assim as apelidam. E, devo dizer, sempre achei que chamar "mademoiselle" a alguém tem um sentido bem simpático e nada discriminatório. 

Só espero que, daqui a uns tempos, o mesmo "politicamente correto" não obrige a mudar as "Demoiselles de Rochefort" para as "Dames de Rochefort" e outras coisas similarmente "corretas".

Olivença


Há muitos anos, como dezenas de milhares de portugueses já fizeram, fui de romagem a Olivença, para visitar uma terra que, pelos tratados históricos, deveria ter passado para a soberania portuguesa e nunca o foi. Faço parte de uma geração que foi educada na ideia de que "os espanhóis ficaram com Olivença" e que, da mesma maneira que hoje reivindicam Ceuta, Melilla e Gibraltar, os nossos direitos sobre Olivença continuam a ser indiscutíveis, até porque estão juridicamente mais protegidos.

Em 1996, participei nas negociações governamentais que, superando um anterior impasse, gizaram, com sucesso, uma fórmula transfronteiriça para assegurar a ligação das duas margens do Caia, entre Elvas e Olivença, sem que Portugal e Espanha tivessem que alterar as suas diferenciadas posições sobre a soberania da área. A velha Ponte da Ajuda, de que fica uma foto, era a antiga ligação.
 
O Ministério dos Negócios Estrangeiros português tem, sobre o assunto, uma doutrina estabilizada e, não deixando de recordar as nossas posições quando adequado, sempre teve a sabedoria de não transformar a questão num "casus belli" com Madrid. A diplomacia de Santa Cruz conhece bem a nossa doutrina.  

Há dias, perante uma agitação festiva do município oliventino a propósito da "Guerra das laranjas", gizou-se em Portugal um movimento de protesto contra a comemoração da usurpação. Alguns novos "compagnons de route" da causa juntaram-se ao estimável "Grupo de Amigos de Olivença" e trouxeram a lume, uma vez mais, a agenda reivindicativa histórica. Nada que, a este ou a outro propósito, não surja com regularidade.

Os portugueses devem continuar a visitar Olivença, a passear por aquelas ruas onde já estivemos como nação, onde figuram testemunhos inapagáveis da nossa presença, como é o caso da bela Misericórdia.

E, já que por ali andam, os visitantes devem ir um pouco adiante, ao caminho de Malos Passos, em Villanueva del Fresno, ver o monumento aí erigido em honra da memória de Humberto Delgado e Arajaryr de Campos, barbaramente mortos pela PIDE, em 13 de fevereiro de 1965. Ironicamente, para efeitos deste assassinato, a PIDE como que se considerou em seu território.

* Foto de Laura Margarida

domingo, 19 de fevereiro de 2012

UNESCO

Inicio hoje funções (também) na UNESCO. Para além de dirigir o trabalho diplomático português em França, cabe-me, a partir de agora, representar o nosso país numa organização que tenta que o projeto universalista da paz se concretize através da educação, da ciência e da cultura. 

Por ironia, são precisamente as clivagens políticas que levam a que a UNESCO atravesse hoje um período algo complexo, com fortes restrições orçamentais, que muito afetam o seu funcionamento e os seus programas. Não é a primeira vez que a organização passa por tempos turbulentos e, estou certo, vai conseguir, tal como já aconteceu no passado, ultrapassá-los. 

Portugal tem um histórico de trabalho muito positivo na UNESCO. Melo Antunes desempenhou um lugar cimeiro na organização e, no plano diplomático, Portugal foi nela representado por figuras que deixaram uma sólida marca de prestígio. O êxito da campanha que levou, há poucos meses, à consagração do Fado como "património imaterial da humanidade" testemunha bem o grande profissionalismo da nossa presença na organização.

Esse passado faz também parte da responsabilidade que agora herdo. Espero poder assegurar uma passagem de testemunho segura e, em especial, estabelecer com a diretora-geral da UNESCO, Irina Bukova, por feliz coincidência uma amiga pessoal de há muitos anos, um frutuoso ambiente de trabalho.

"Não somos a Grécia!" (3)

Pois não!

Igrejas Caeiro (1917-2012)

Imagino que a morte de Igrejas Caeiro possa deixar indiferente muita gente, que nunca nele ouviu falar e que nunca escutou a sua inconfundível voz, que é parte da história da rádio portuguesa.

Igrejas Caeiro, um homem perseguido pelo Estado Novo, pelas suas ideias democráticas, faz também parte da nossa história cívica, nomeadamente como deputado à Assembleia Constituinte.

É sempre triste constatar a morte de um dos nossos "Companheiros da Alegria". Particularmente num tempo em que, cada vez mais, "uma nota de quinhentos não se pode deitar fora".

"Não somos a Grécia!" (2)

Pois não!

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Síria e Kosovo

Na sexta-feira, estive presente na cerimónia que, em Paris, assinalou o 4º aniversário da independência do Kosovo, uma realidade política até hoje reconhecida por 88 países, entre os quais 22 da União Europeia, incluindo Portugal.

Não pude deixar de recordar-me, na ocasião, que o Kosovo talvez hoje deva a sua existência à intervenção militar promovida pela NATO, em 1999, feita à revelia de qualquer legitimação do Conselho de Segurança da ONU, então bloqueado pela obstinação russa e chinesa. Uma ação discutível mas que, para largos setores da comunidade internacional, se justificou por ser talvez a única forma de suster a repressão sangrenta das forças sérvias sobre a população kosovar. 

A atual crise síria evoca, naturalmente, o caso do Kosovo. Também agora largos setores da opinião pública internacional sentem que se está perante um verdadeiro escândalo: a completa impunidade de uma ação impiedosa de um regime sobre a sua própria população. E, uma vez mais, a oposição russa e chinesa no Conselho de Segurança está presente. Só que, nesta conjuntura, o quadro geopolítico não aponta no sentido de alguns países poderem ser tentados a agir militarmente, mesmo sem o conforto da legitimidade multilateral.

Alguns tentam "perceber" as razões formais da Rússia e da China, ao não darem luz verde para uma pressão constrangente sobre Damasco: os ocidentais mostraram, na Líbia, que a resolução 1973 foi "abusada" e que, da imposição de uma "no fly zone", se passou rapidamente para um processo de "regime change", que não estava previsto no mandato onusino. E ambos os países também temem que, por esta via, comece a consagrar-se um "direito de ingerência", princípio que sempre recusaram, pela utilização alargada e sem controlo que dele pode fazer-se. Razões discutíveis mas arguíveis, no plano dos princípios.

O que a Rússia e a China parece não perceberem é que, ao não partilharem, em situações graves como estas, as preocupações de grande parte do mundo, além de ficarem ligados, inapelavelmente, aos fautores das barbáries, contribuem para condenar a ONU a uma irrelevância que degrada a sua imagem e legitimidade. De bloqueio em bloqueio, vão dando razões a quantos acham, às vezes por motivos que não são os melhores, que, em situações limite, é preciso "ir a jogo", ultrapassando os impasses onusinos. E que assim se cria, na opinião pública internacional, um ambiente de crescente condescendência face a possíveis ações unilaterais, sem limites nem mandatos, que possam pôr cobro a situações de flagrante escândalo humanitário. 

"Não somos a Grécia!"

Pois não!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Francês

Numa conversa, há dias, uma figura do mundo económico francês comentava, com agrado, o facto de Portugal ser um país francófilo e francófono, elogiando a circunstância dos nossos diplomatas e outras figuras portuguesas com quem se cruzava falarem, quase sempre, "um ótimo francês".

Retorqui-lhe que a realidade não será tão rósea quanto ele julga. Com efeito, se é normal que aos diplomatas seja exigido um conhecimento razoável da língua francesa, já esse atributo começa a rarear muito no resto da sociedade portuguesa, fruto da avassaladora presença do inglês. E lembrei-me de uma pequena história.

Um dia, nas funções executivas que ocupei, convidei um contraparte francês para se deslocar a Portugal. Num almoço de trabalho que organizei no palácio das Necessidades, reuni alguns colegas e altos funcionários. Um dos responsáveis políticos, um jovem secretário de Estado, dez anos mais novo do que eu, brilhante e promissora figura desse governo, logo após ser apresentado ao convidado francês, perguntou-me se ele falava inglês.

Tomei a pergunta como uma mera curiosidade, sabida que é a escassa propensão de muitos políticos franceses para línguas estrangeiras. E respondi que, de facto, já tinha ouvido o nosso convidado falar inglês. Acrescentei, curioso: "porque é que você pergunta isso?". A resposta foi cristalina: "Porque eu não falo 'uma palavra' de francês..."

Nesse preciso instante, dei-me melhor conta da realidade de haver hoje uma nova geração (também) de políticos, em Portugal, que foi educada tendo o inglês como língua central da sua formação e que estão hoje já muito distantes dessa grande língua de cultura que é o francês, infelizmente, e de facto, em forte regressão entre nós. No meu caso, não tenho dúvidas: muito do que sou o fiquei a dever à língua francesa e ao mundo que ela me abriu.

Semana inglesa

No passado domingo, passeando pela londrina King's Road, com todas as lojas abertas, lembrei-me do conceito da "semana inglesa" - a conquista do direito ao descanso obtida no início do século XX. Inicialmente, era um dia e meio sem trabalho nos serviços, passando, mais tarde, a dois dias completos. O comércio foi sempre mais flexível, embora o domingo se tivesse mantido, durante muito tempo, um período "sagrado" de encerramento de quase tudo.

O mundo, entretanto, mudou. A flexibilização dos horários, que sempre existiu em sociedades com direitos sociais limitados, foi-se impondo no mundo liberal, impulsionada, em especial, pela pressão do comércio, ou melhor, do dinheiro. A concorrência entre os diversos modelos de comercialização acabou por criar uma "epidemia" quase inescapável.

Hoje mesmo, foi anunciado que o presidente Nicolas Sarkozy tem intenção de alargar as já existentes facilidades de abertura do comércio ao domingo, um pouco na linha do seu conhecido slogan político: trabalhar mais para ganhar mais. Aliás, muitas zonas turísticas, e não só, de Paris já abrem regularmente todo o fim-de-semana.

Neste tempo em que também alguns feriados desaparecem, em que se flexibilizam certas coisas que tínhamos por adquiridas, talvez algum contraditório não faça mal aos espíritos. Por isso, este fim de semana, já coloquei de parte, para reler, o "Droit à la paresse", o clássico de 1880 de Paul Lafargue, uma obra que imagino não deva ter desagradado ao sogro do autor.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Paredes

Recebi alguns comentários pelo facto da música que passou a ser ouvida nos telefones da Embaixada, enquanto se aguarda uma ligação, ser de Carlos Paredes. 

Foi uma opção deliberada por um grande compositor e intérprete português, para substituir um "musak" incaraterístico que vinha com o equipamento de origem. 

A escolha, pelos vistos não foi consensual, como verifico por alguns (embora poucos) mails recebidos. Para contentar esses críticos, prometo, no dia 24 de abril, colocar como música de fundo o "Ó tempo volta p'ra trás".

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Café Filho

Há uns dias, falei por aqui de Café Filho. Um colaborador da embaixada, antes de ir googlar as suas dúvidas, perguntou-me quem era.

Café Filho foi um presidente inesperado do Brasil. Sucedeu a Getúlio Vargas, depois do suicídio deste, em 1954. Foi presidente por menos de um ano e meio, tendo-se afastado do cargo por formais razões de saúde (morreu em 1970, com 71 anos). Nem por isso o Estado Novo português deixou de o convidar para uma deslocação a Lisboa, que ficou nos anais das grandes visitas de Estado realizadas a Portugal.

O objetivo de Lisboa era garantir o apoio do Brasil à sua política colonial, atitude que este país só viria a modificar depois da instauração da ditadura militar. Espera-se que que alguém tenha tido o cuidado de explicar a Café Filho que o banho de multidão que teve pelas ruas de Lisboa era menos a expressão da sua popularidade pessoal do que a mostra da imensa simpatia que Portugal tinha pelo país que representava.

Deve ser interessante procurar, nos arquivos do MNE o argumentário que terá estado subjacente ao convite para uma visita de Estado de tão efémero e transitório personagem. Mas a presciência na decisão deve ter sido, pelo menos, idêntica àquela que nos levou, anos mais tarde, a iniciar a construção do monumental palácio de S. Clemente, no Rio de Janeiro, para futura embaixada de Portugal, quando já estava praticamente tomada a decisão de mudar a capital do país para Brasília...

Voltando a Café Filho, foi-me muito interessante verificar, durante os anos que vivi no Brasil, que raramente alguém o identificava como um chefe de Estado da história do país. E que todos ficavam altamente surpreendidos quando eu lhes revelava que essa figura política havia atravessado em glória a rua Augusta, em Lisboa, em carro aberto, sob aplausos e chuva de papelinhos, como o mostram os jornais da época.

Um dia, ao visitar oficialmente a cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, pedi para incluírem uma visita ao "Museu Café Filho". Todos os interlocutores locais ficaram surpreendidos, porque, sem exceção, desconheciam a existência desse museu e, alguns deles, do próprio Café Filho, que não identificavam como potiguar (designação dos naturais do Rio Grande do Norte). Teimosamente, lá consegui colocar a visita na agenda. O museu, afinal, era uma desilusão. Como detetei pelo livro de registo, os seus visitantes eram muito escassos. Recordo-me que havia algumas salas com móveis, estantes com livros e muito pouca documentação. Nesta faltavam fotografias da sua "apoteótica" visita a Portugal, que tanto havia marcado a minha memória de infância. 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Petróleo eleitoral

Aqui há tempos, alguém comentava a circunstância de um determinado candidato presidencial, depois de ter criado fortes expetativas ao longo de muito tempo, ter baixado de forma trágica nas sondagens: "A continuar a descer assim, qualquer dia descobre petróleo..."

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Crime

Os adeptos do Manchester City foram alertados para os cuidados que devem ter com os carteiristas, na sua deslocação esta semana à cidade do Porto.

Por mim, sinto-me muito seguro. Cheguei há pouco a Londres, uma cidade onde, como se sabe, o crime apenas faz parte da imaginativa ficção de Conan Doyle.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

De olhos fechados

Numa iniciativa inédita, o carnaval de S. Paulo terá, este ano, um júri constituído por cegos, que fará a sua avaliação dos sambas sem se deixar impressionar pelos corpos, trajes e coreografias.

Ocorreu-me uma questão: se acaso, na vida política, os votos fossem dados sem que os eleitores tivessem oportunidade de ver as caras dos eleitos, os resultados seriam diferentes?

Salvador

A cidade brasileira de Salvador da Bahia atravessou dias terríveis, com a greve da polícia a gerar uma onda inédita de criminalidade violenta. Lembrei-me muito dos bons amigos que tenho naquela que é a terra onde se cruzam, de forma mais visível, as principais componentes humanas que formaram o Brasil. Entre as quais a portuguesa, bem simbolizada no Gabinete Português de Leitura, de que fica a foto.

Durante muitos anos, a vida política da Bahia teve como figura tutelar António Carlos de Magalhães, uma das poucas personalidades que os brasileiros identificam pela sigla do seu nome: ACM (as outras duas são JK, Juscelino Kubitschek, e FHC, Fernando Henrique Cardoso, o que julgo significativo). 

Nascido para a vida cívica durante o regime militar, ACM foi aquilo que no Brasil se chama um "coronel", uma figura dominadora da política e da sociedade local, com uma força económica e mediática que garantiam o prolongamento da sua manutenção no poder. Fazer política, na Bahia, fora do controlo do clã ACM ou contra ele, era uma aventura, no mínimo, muito arriscada. Personagem controversa, arregimentou, ao longo da sua vida, imensos inimigos no Brasil mas, igualmente, uma legião de seguidores na Bahia. Tendo sido um dos políticos mais poderosos do seu país, teve quase tudo o que o destino lhe poderia dar: foi deputado estadual, prefeito, deputado federal, senador, presidente do senado, governador do Estado, ministro, etc. Conservador nas ideias, apoiou a ditadura militar e, no quadro democrático, integrou sempre as formações mais à direita do espetro político. De origem portuguesa, ACM tinha uma profunda ligação afectiva ao nosso país, cujos interesses no Brasil sempre cuidou em apoiar, quando a tal solicitado.

Em início de 2007, a vida política baiana deu uma imensa reviravolta: o clã ACM foi fortemente derrotado nas urnas, perdendo o governo do Estado, que passou para o PT. Na Bahia, Portugal tinha e tem importantes interesses na área empresarial, pelo que, logo após a sua posse, me desloquei a Salvador para encontrar o governador recém-empossado, Jacques Wagner. Nesse dia em que visitava oficialmente o novo poder, fiz questão de convidar António Carlos de Magalhães para um jantar público naquele que era - e não sei se ainda é - um dos locais mais "in" de Salvador: o Hotel Convento do Carmo, da rede das Pousadas de Portugal. O velho político ficou claramente agradado com o gesto do representante diplomático português, agora que os seus préstimos potenciais para o país onde estavam as suas origens ficavam muito mais reduzidos. Mas eu quis manifestar-lhe, num tempo que lhe era então muito adverso, a gratidão que devíamos a alguém que sempre mostrara gostar de nós. Para a história: ACM viria a morrer seis meses depois. 

Da manhã desse mesmo dia, recordo uma historieta que dá bem conta da complexidade da política brasileira. Eu seguia num carro cedido pelo governo da Bahia. A certo passo, decidi interrogar o motorista, um homem muito simples, sobre os novos rumos da política do país: Lula tomara posse para um segundo mandato, escassos dias antes. "Está satisfeito com a reeleição de Lula?". O homem sorriu, deliciado, e disse: "Eu votei Lula. Gosto muito dele. Fez muito por nós, pelos pobres". Um tanto curioso, inquiri: "E ACM? Que achava dele?". O motorista ia dando um salto no banco: "ACM? ACM é um santo! Está ver estes viadutos, estas estradas? Foi tudo feito por ele! Ele é o nosso pai".

Ver dois inimigos jurados serem adulados pela mesma pessoa é um milagre que só os orixás da Bahia poderiam fazer. Espero agora que esses mesmos orixás também possam ajudar a repor a calma na bela cidade de Salvador.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Chipre

Ontem, ao receber a visita do meu novo colega cipriota, recordei-me de uma história passada em 1999, que se liga à existência das duas entidades que dividem, de facto, a ilha de Chipre. 

A República de Chipre é hoje um Estado membro da União Europeia. Cerca de 40% do seu território está sob controlo da chamada "República Turca de Chipre Norte", uma entidade criada em 1983, que só é reconhecida pela Turquia e que resultou de um conflito armado, em 1974, que opôs as comunidades cipriotas grega e turca. Nesse ano, uma invasão por tropas da Turquia, após uma tentativa de golpe de Estado para forçar uma anexação à Grécia, provocou a divisão forçada da ilha. Um complexo e não conclusivo diálogo entre as duas partes tem vindo a prolongar-se, desde então. A "linha verde" que divide ambos os espaços tem uma "buffer zone" controlada pela ONU, o que justifica a presença no terreno da sua mais antiga operação de manutenção de paz.

Nesse ano de 1999, fiz uma visita de trabalho a Nicósia, a fim de preparar a nossa presidência da União Europeia, no primeiro semestre do ano seguinte. Lembro-me de ter falado longamente com o então presidente da República, Glafcos Clerides, e com ministro dos Negócios Estrangeiros, George Kasoulides, sobre o processo de adesão do país à UE, muito apoiado pela Grécia, mas que, à época, tinha à sua frente alguns sérios escolhos, colocados por alguns parceiros. Desses interlocutores recolhi também a sua perspetiva sobre os problemas intra-comunidades na ilha.

Meses mais tarde, já no exercício da nossa presidência da União Europeia, visitei Ancara. Os turcos são a verdadeira e indisfarçada tutela de "Chipre Norte", pelo que o assunto faz parte integrante de qualquer diálogo seu com a UE. Para além da questão da sua própria adesão à UE, a Turquia deu sempre uma grande importância à questão cipriota e eu não me pude nem quis furtar-me a debater o assunto, quer com o meu homólogo, Mehmet İrtemçelik, quer com İsmail Cem, o ministro dos Negócios Estrangeiros. Cem, que já desapareceu, era um homem muito simpático e bem preparado, e conservo um livro com fotografias suas que então me ofereceu, várias da quais tiradas nos bairros populares de Lisboa. A visão de ambos esses políticos turcos era, como é óbvio, oposta à que eu recolhera em Nicósia.

Mas eu iria ter uma surpresa, nesta minha visita a Ancara. O primeiro-ministro turco, Bülent Ecevit, teve a a simpatia de me receber em audiência. Ecevit era um homem pequeno, com um ar antigo e um bigode proeminente. Era uma figura histórica da política turca, que alternou no poder executivo de Ancara com o seu grande rival conservador, Süleyman Demirel. Após as amabilidades introdutórias da praxe, colocou-me a seguinte questão: "Soube que esteve em Chipre há alguns meses. Por que razão não atravessou a "linha verde"?" Dito isto, ficou a olhar-me nos olhos, com um ar inquisitivo e profundo. Pelos vistos, estava bem informado sobre os passos dados em Chipre por alguém que mais não era do que um mero secretário de Estado de um país algo distante - um país que, no entanto, então como agora, defendia a presença plena da Turquia e de Chipre nas instituições europeias, sem que, contudo, deixasse de recusar abertamente o reconhecimento de "Chipre Norte". 

"Decidi não atravessar a "linha verde", senhor primeiro-ministro, porque estava em Nicósia a convite do governo da República de Chipre. Naturalmente, só visitei a parte da ilha que está sob o seu controlo".

Ecevit tinha, porém, uma hábil réplica preparada: "Mas o seu homólogo espanhol, poucas semanas depois da sua ida a Chipre, atravessou a "linha verde" e falou com as autoridades de "Chipre Norte"! Porque não fez o mesmo?"

Por um segundo, hesitei, mas respondi-lhe: "É verdade, mas o meu colega espanhol estava na ilha na sua capacidade de representante da presidência da União Europeia e, por essa razão, era natural que procurasse falar com todas as partes. No meu caso, estava numa visita de natureza bilateral à República de Chipre, com a qual assinei mesmo um acordo em Nicósia, pelo que não considerei que fosse esse o contexto adequado para atravessar a "linha verde"".

Ecevit não deu mostras de ter ficado muito convencido da racionalidade imbatível da minha resposta. E eu, confesso hoje, também não...

As novas escutas

Os telejornais televisivos, logo seguidos da imprensa, divulgaram, há pouco, um pequeno filme de uma conversa, na abertura da reunião do Eurogrupo de hoje, entre os ministros das Finanças de Portugal e da Alemanha.

O filme foi feito à distância, mas foi captado o som da conversa, traduzida com legendas. A troca de palavras era, naturalmente, para ser mantida sob reserva, dada a extrema delicadeza do que estava a ser comentado. Estamos perante um caso flagrante de escuta, uma invasão inaceitável da privacidade dos dois interlocutores, que não sabiam que estavam a ser ouvidos. No caso do ministro alemão, o que disse pode, facilmente, colocar-lhe problemas parlamentares.

Se há limites para as práticas intrusivas da comunicação social, este era, claramente, um deles. Uma imprensa que já segue práticas deste género autoqualifica-se. O "chicospertismo" mediático tem de ter um limite.

As contas

Um dia, no auge da negociação do tratado de Amesterdão, em 1997, o atual comissário europeu Michel Barnier, que ao tempo era ministro francês dos Assuntos Europeus, trouxe para a mesa um tema então quase "tabu": as diferentes contribuições financeiras dos países para o orçamento comunitário e o modo como isso poderia, um dia, vir a refletir-se na força de relativa dos países no processo decisório.

O assunto surgiu porque os países mais pequenos, como era o caso de Portugal, resistiam então a alterar, sob pressão dos grandes Estados, o poder de voto que tinham negociado aquando da sua respetiva entrada para as instituições comunitárias. Por essa altura, a opção que se discutia era a combinação do poder de voto com uma relativa ponderação do peso populacional de cada Estado. A França não gostava da ideia, porque isso abalava o equilíbrio formal de poder que mantinha com a Alemanha, desde a criação da CEE. E Michel Barnier notou, num tom que se pretendia de aviso aos Estados mais pobres, que se fôssemos por caminhos de fatores de diferenciação objetiva, então, mais cedo ou mais tarde, acabaríamos por ter também de considerar a desigual contribuição financeira dos Estados para o orçamento comunitário.

Confesso que a fria invocação do argumento me chocou, porque era a primeira vez que via fontalmente expostos por um responsável político, embora num quadro de discussão não pública, os limites da solidariedade intracomunitária. O argumento era rebatível em termos políticos e económicos, nomeadamente com as vantagens diferenciadas que os grandes países retiram do mercado interno, bem como de outros fatores, que não deixei de mencionar, de imediato, à mesa do debate. Mas a conversa parou por aí.

Nos últimos meses, ao observar o modo como alguns Estados tomaram conta, na prática, da gestão das contas da União, tenho vindo a pensar um pouco mais na premonição de Michel Barnier. Que acabou por se concretizar, mesmo sem uma mudança formal dos tratados.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Tutólogos

Tendo andado alguma coisa por esse mundo, nunca encontrei uma espécie idêntica à dos nossos "tutólogos". Refiro-me a esses predestinados portugueses que são capazes de falar e escrever sobre tudo, não no tom leve e limitado de um post de blogue ou de uma despretensiosa nota de comentário, mas em severa coluna jornalística ou cátedra televisiva, com peso e opinião reverenciada. 

Todos nós, na vida comum, nos tornamos especialistas - piores ou melhores - em alguma coisa, fruto da profissão que exercemos ou da dedicação que prestamos a um tema particular. É natural que, nessas matérias específicas, nos consideremos habilitados a "mandar bitaites", mais ou menos judiciosos. No resto dos assuntos, como comuns cidadãos, temos "opiniões", do nível das que emitimos em grupos de amigos, que valem o que valem, por mais "presunção e água benta" que tomemos. Um exemplo claro são os blogues, como este, os quais, nas diversificadas temáticas que tocam, não passam de uma espécie de conversa no "café du commerce".

O que me parece muito estranho é que se tenha consagrado no nosso país - e, como digo, não os vejo noutros países - essa categoria dos "especialistas em tudo", que tanto peroram sobre as virtualidades da descida da "taxa social única" como das estatísticas de suicídios dos adolescentes, dos méritos das opções do Paulo Bento para o centro da nossa defesa como da política do Médio Oriente, da avaliação dos professores às greves dos polícias, passando por milhares de outros assuntos, quase sempre de forma definitiva e não auto-dubitativa. E o país, reverente, para, escuta e olha-os!

Não duvido, em alguns casos, de estarmos perante gente preparada, estudiosa e ponderada, capaz de emitir opiniões sensatas e equilibradas. Noutros, a agressividade jocosa e o radicalismo sectário passam por presumir-se com graça estilística e querer fazer-se passar simultaneamente por profundo. Tenho por algumas (não todas, longe disso) dessas figuras consideração pessoal e admiração, mesmo que delas discorde. Continuo a interrogar-me, contudo, como é possível a esses "tutólogos" pretenderem ser-lhes acessível toda a complexidade da vida contemporânea, sem que alguém lhes faça perceber que correm o risco de simplificar a realidade através de uma mera e muito pessoal caricatura das coisas. E, devo dizê-lo com franqueza, choca-me que isso condicione a opinião do país que os lê ou escuta, nos espaços de saliência mediática que lhes são concedidos.

Já aqui contei uma pequena frase que alguém disse, um dia, a uma dessas figuras, mas vou repeti-la: "Eu estou quase sempre de acordo consigo, exceto quando conheço os assuntos"...

Presidenciais

As bancas das livrarias parisienses estão a ficar cheias de livros assinados pelos candidatos às eleições presidenciais francesas. E, também, de obras sobre essas mesmas personalidades, algumas mais ou menos hagiográficas, outras algo críticas.

Há dias, comentava com um amigo francês que, passado que seja o dia do ato eleitoral, as obras dos derrotados ou a eles dedicadas deixarão imediatamente de se vender, porque, pelo menos por algum tempo, essas figuras passarão ao "caixote do lixo da história", para utilizar a cruel expressão de Karl Marx.

O meu amigo reagiu, com graça: "E as obras assinadas por quem vencer as eleições? O autor delas bem gostaria de as ver desaparecer e serem esquecidas, para não ter de ver confrontada a sua prática futura com aquilo a que se compromeu por escrito..."

Não está mal visto!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Isabel II

Um grande amigo, residente no Sri Lanka, mandou-me há pouco algumas belas fotografias da visita que a raínha Isabel II, de Inglaterra, fez a Portugal, em 1957, neste dia em que se celebra o 60º aniversário da sua assunção formal de funções. 

Na imagem que reproduzo, vê-se a soberana britânica com a mulher do nosso presidente da República, Berta Craveiro Lopes. E, também, o ministro dos Negócios Estrangeiros de então, Paulo Cunha, à conversa com o duque de Edimburgo.

A visita de Isabel II a Portugal fez parte de outras operações políticas e protocolares de idêntica natureza, muito ligadas à necessidade de garantir apoios à política colonial portuguesa. Lembro, neste contexto, a visita, em 1959, do imperador da Etiópia, Hailé Selassié (que, tal como a raínha, também fez uma vistosa entrada pelo Cais das Colunas), e dos presidentes da República do Brasil, Café Filho (1955) e Juscelino Kubitschek (1960), bem como do presidente Sukarno, da Indonésia (1960) e do rei da Tailândia (1960).

Em todos os casos, a Baixa lisboeta foi cenário de cortejos muito bem recheados de assistência, de que nos ficaram, para sempre, imensas fotografias a-preto-e-branco em "O Século Ilustrado". Mas pode dizer-se que as visitas de Juscelino Kubitschek e Isabel II foram, sem sombra de dúvida, as que mobilizaram um público mais sinceramente motivado. Isabel II viria a Lisboa mais tarde, em 1985, numa visita já sem o fausto de 1957.

Para se medir melhor a longevidade política da soberana britânica, consulte-se aqui.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Mentiras

O rapaz espreitou pela porta e o chefe de repartição lançou-lhe, do fundo da sala: "Entre! Entre! Ó Torquato!".

Voltando-se para o embaixador português na Mauritânia, sentado no sofá a seu lado, esclareceu: "O Torquato está cá há uns meses, é do último concurso de adidos". E olhou o adido: "O Torquato conhece o senhor embaixador Gameiro, que está em Nouakchott, não conhece?", com o Torquato a rumorar que sim.

O Torquato, embora simpático, era do género displicente e algo descuidado, gravata permanentemente descaída, um ar de quem anda ali por favor, a quem tanto se dá estar na carreira diplomática como viver à custa dos vastos rendimentos da família, cujo "social" lhe espreitava no nome e lhe permitia alguma subliminar cobertura de membros da hierarquia da casa. Entrara para a carreira quase por acaso, num bambúrrio do concurso. Era useiro e vezeiro de chegar tarde e a más horas, passava o dia agarrado ao cigarro, a ler o jornal esticado num sofá, sendo de uma lentidão exasperante na execução das escassas tarefas de que era encarregado.

"Ó Torquato, você chegou a falar com o ministério dos Assuntos Sociais, sobre a questão do acordo sobre segurança social com a Mauritânia? Aqui o senhor embaixador Gameiro precisa de saber em que ponto o assunto está."

O adido, com um ar um tanto ausente, explicou que tinha telefonado duas vezes, que não tinha obtido qualquer informação sobre o estado do projeto de acordo, mas que ia ligar de novo.

"E com quem falou você lá?", inquiriu o chefe, já em tom levemente inquisitivo.

O Torquato embrulhou-se numas explicações menos convincentes, tão pouco plausíveis que delas quase se deduzia que, na realidade, não tinha mesmo tratado do assunto.

"Está bem, está bem! Vá lá ver isso já e diga-me alguma coisa à tarde. Sem falta!", com o rapaz a desaparecer, aliviado, pela porta.

O chefe explodiu: "Desculpa lá, pá! Este tipo é um mentiroso! Já não é a primeira vez que o apanho nestas patranhas", comentou, desalentado, o chefe.

O embaixador visitante tentou moderar a irritação do amigo: "Ó homem! Deixa lá! Também não tens a certeza se o rapaz mentiu. Até pode ter tentado telefonar..."

"Estás muito enganado. Este tipo é tão mentiroso que nem sequer se pode acreditar no contrário daquilo que ele diz..."

O golo de Barcelos

Ben Gazzara (1930-2012)

Nunca foi um ator de topo. As suas origens italianas revelavam-se naquela postura, andar e olhar de "matador" que conferiam, às vezes, um tom algo vulgar e repetitivo a algumas das suas interpretações, dando a impressão de que se estava a representar a si próprio, numa espécie de Humphrey Bogart alatinado.

Só John Cassavetes soube trazer ao de cima o seu melhor, em especial no "The killing of a Chinese bookie". E embora muito longe de ser o seu melhor filme, não esquecerei nunca a Nova Iorque de Gazzara e Audrey Hepburn, no "They all laughed", magistralmente dirigido por Peter Bogdanovich.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Gioconda

Há dias, à saída de uma reunião, felicitava o meu colega espanhol por ter sido descoberta, nos fundos do museu do Prado, em Madrid, uma cópia da Gioconda, de Leonardo da Vinci, que se terá provado ser anterior à que está no museu do Louvre e que tantos milhões de visitantes tem atraído a Paris. 

O Carlos Bastarreche logo me retorquiu: "Cópia? A cópia é "aquilo" que está no Louvre. Para ver a Gioconda tem de se ir a Madrid!".

Para além da graça em si, devo dizer que sempre invejei, nos espanhóis, o modo desempoeirado e audacioso de assumir a sua grandeza, de afirmar, quiçá por vezes com alguma sobranceria, o que entendem ser o lugar do país no mundo. Muita da capacidade da Espanha de ultrapassar as suas divisões, de superar o peso de alguns das suas tragédias históricas, também deriva dessa atitude de nunca ter deixado de se olhar como o grande país que é, de conseguir transformar em força a sua fantástica diversidade cultural e humana e de ter tido a coragem de, em certos momentos, saber assumir algumas importantes ruturas.

Já fui criticado, aqui neste blogue, pelo facto de não me eximir a afirmar a minha admiração por Espanha. Resta-me acrescentar que, para que continue a poder manifestá-la, é condição sine qua non que Espanha e Portugal, reforçando embora a sua interdependência, continuem a ser duas entidades políticas bem distintas uma da outra, única forma que concebo para que possam continuar a alimentar entre si, de forma bem saudável e muito particular, "una cultura de vecindad".

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

ONU

Pela voz do chefe da sua diplomacia, Portugal expressou no Conselho de Segurança o conjunto de razões pelas quais considera que a credibilidade daquele órgão da ONU ficará em causa se, através dele, não for possível dar expressão à indignação que atravessa os meios mais responsáveis da comunidade internacional, face à repressão sangrenta a que as autoridades sírias condenam grande parte da sua população.

A presença portuguesa no órgão mais relevante da ONU, lado a lado com outros países ocidentais, mas igualmente com parceiros do mundo árabe, defendendo os valores da paz, da tolerância e da democracia, é algo que dignifica o nosso país, que dá visibilidade a uma ação externa que é pautada pelo diálogo e pela busca de compromissos mas, igualmente, pela firmeza na defesa de princípios que entendemos essenciais para a construção uma sociedade internacional mais justa e mais estável.

Aqueles que, no passado, colocavam em dúvida o interesse e a racionalidade da opção por uma candidatura portuguesa ao Conselho de Segurança, interrogando-se sobre a utilidade desse esforço, podem ter agora a resposta através desta visibilidade de que Portugal usufrui. É que - como por aqui tenho dito várias vezes - existe por aí um país antigo, que o mundo vê hoje como um parceiro político sólido e confiável, que está muito para além das dificuldades na esfera económica que conjunturalmente atravessa. Esse é o país que a diplomacia portuguesa, como garante da continuidade da imagem externa de Portugal, procura representar e afirmar.

Blogue

E não é que nem tinha dado conta de que ontem, dia 2 de fevereiro, passaram exatamente três anos sobre a data em que este blogue se iniciou?

Com pertinácia e algum esforço, confesso, deixei por aqui colocados, sem qualquer ajuda alheia e sem um único dia de interrupção, mais de 2.100 posts, que foram objeto de mais de 17.100 comentários, oriundos de mais de 600 mil consultas de leitores, de 165 países, entre os quais se encontram 532 seguidores atentos. 

Tendo uma vida profissional bastante intensa (e que vai tornar-se ainda muito mais intensa, dentro de dias), com outros centros de interesse e diversas outras ocupações e compromissos, que preenchem as escassas horas vagas, às vezes ainda me pergunto como foi possível garantir esta regularidade. Mas a verdade é que foi...  

A brigada do asterisco

Desde 1 de janeiro, os serviços públicos estão, no cumprimento da lei, obrigados a utilizar o novo Acordo ortográfico, em toda a sua documentação. 

Para o vulgar cidadão, o uso ou não do acordo é naturalmente facultativo, como se nota, por exemplo, na significativa "brigada do asterisco", composta por colunistas que esclarecem, em orgulhosos pés-de-página, nos jornais em que debitam doutrina, a sua inquebrantável fidelidade à escrita do "tempo da outra senhora". Estão no seu pleníssimo direito, como o estava um velho familiar meu, que sempre dizia que ia à "pharmácia com 'pêagá' ", seguindo o "acordo ortográphico" do seu tempo de infância.

Ontem, ficou-se a saber que o novo diretor do Centro Cultural de Belém mandou desinstalar os corretores ortográficos existentes nos computadores e determinou o regresso à vetusta ortografia. Uma coisa é, desde já, mais do que certa: com esta decisão, aliás plenamente coerente com o que sempre defendeu, Vasco Graça Moura passou a ter, como turiferários da sua nomeação, todos quantos militam contra o Acordo, como se observa nas imensas loas que já está a receber, na blogosfera e na imprensa. Além de coerente, Vasco Graça Moura provou, uma vez mais, ser hábil, inteligente e destemido.

Teremos que aguardar as cenas dos próximos capítulos para perceber se o Acordo Ortográfico está mesmo em vigor ou se, afinal, subsiste por aí uma "região autónoma" impune, espécie de aldeia de Astérix que resiste à "ditadura" da lei democrática, escudada num preciosismo interpretativo do estatuto da instituição. Para sermos mais claros, vamos ter oportunidade de observar se a aplicação do Acordo Ortográfico, na área oficial, é, afinal, "à vontade do freguês", isto é, sujeita a uma singular interpretação do Direito internacional "à moda dos Jerónimos", o que deixaria em alguma dificuldade a própria autoridade do Estado. Seria, aliás, o cúmulo da ironia se o "novo" CCB viesse, por esta via, a transformar-se na fortaleza do "regresso ao passado" ortográfico, uma espécie de sede informal da "brigada do asterisco" e outros protestantes correlativos, reunidos em eventos contestatários, perante o olhar embaraçado das autoridades e impotência do contribuinte que alimenta a instituição.

Valha-nos a certeza de que, com tudo isto, Portugal continua a provar que é um país muito patusco.

(Sei que muitos leitores deste blogue não concordarão com este post e, quiçá, estarão já entoando um renascido "Força, força, companheiro Vasco!"...)

Egito

Há uns anos, visitei, na sua casa no Cairo, um antigo e proeminente embaixador egípcio, que havia tido uma carreira brilhante, iniciada nos tempos de Gamal Abdel Nasser, que se prolongara pelo mandato de Anwar Al Sadat e se concluíra sob a égide de Hosny Mubarak. Era um homem altamente preparado, com imenso "mundo", que havia feito o circuito das mais importantes missões diplomáticas egípcias.

A conversa derivou, a certo passo, para a política, tendo eu evocado a sucessão de Mubarak. O tempo - foi há quase dez anos - das "primaveras árabes" estava ainda longe, mas ousei perguntar se não teria chegado o momento para uma abertura do regime, em direção ao pluripartidarismo, atenta a necessidade de esvaziar as tensões políticas.

O meu interlocutor olhou-me nos olhos e, embora nada surpreendido com a minha pergunta, para ele natural num observador ocidental, retorquiu-me: "Infelizmente, ao final desta minha vida, cheguei à conclusão que o Egito só pode ser gerido por um regime autoritário. As pessoas não estão educadas para a democracia e, se acaso esse sistema viesse aqui a ser introduzido, os extremistas islâmicos acabariam por transformar este país num polo de instabilidade. E os primeiros a sofrer seriam vocês, na Europa e na América, podem crer!".

Um amigo irlandês que me acompanhava nessa conversa olhou-me, na tentativa de perceber como iria reagir, já que tinha sido eu a suscitar a questão. Por respeito pelo idoso diplomata, arranjei um circunlóquio para evitar contraditá-lo, para lhe louvar as vantagens da liberdade, para lhe dizer que, também entre nós, havia quem dissesse que o povo português não estava preparado para a democracia e que, afinal, o sistema tinha-nos conquistado, sem sobressaltos de maior.

Há pouco mais de um ano, voltei ao Cairo. Recordo-me de ter notado, de forma muito nítida, o aumento de véus na cabeça das mulheres, em especial das jovens adolescentes. Confirmei que essa crescente tendência estava a impor-se, com muita rapidez, desde a minha última visita. Um outro egípcio, bem mais liberal, que tentava ajudar-me a interpretar a evolução do país, simplificou a realidade nestes termos: "Para as jovens egípcias, o véu é hoje uma espécie de farda...". Para logo acrescentar, baixando a voz: "Esperemos que não haja guerra!".

Hoje, lembrei-me destas duas conversas que tive no Egito.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Gregos (2)

O "Financial Times" de hoje faz um link para o seu "Brussels blog", onde figura um texto sobre as diferenças entre a situação económico-financeira de Portugal e da Grécia. Não deixando de notar a relevância dos nossos números, o jornal reconhece algo muito importante quanto às dificuldades orçamentais por que passamos: "muita desta situação parece dever-se mais ao agravamento do clima económico na Europa do que à falta de vontade ou à inabilidade de Portugal para pôr em prática o tipo de reformas que a UE espera do país", sublinhando que, no relatório da S&P sobre Portugal, é "feita uma acusação às grandes questões de liderança europeia mais do que a qualquer específica dificuldade em Lisboa". Nada disto resolve os nossos problemas, mas pode ser que ajude um pouco a compreendê-los.

A "bíblia" do jornalismo económico mundial parece ter, porém, alguma dificuldade própria no decifrar do mundo ibérico: a fotografia que ilustra a notícia é de... Mariano Rajoy.

Paul Krugman

Há figuras que, de tanto as lermos, se nos tornam quase íntimas. Há dois dias, ao ouvir uma conferência do prémio Nobel da economia, Paul Krugman, senti algum "déjà vu", porque muitas das suas ideias, de tanto as ler nos artigos no "The New York Times", já se tornaram a sua imagem de marca. E, porque são conhecidas, essas ideias já quase não surpreendem, não deixando, contudo, de impressionar pela sua global coerência e racionalidade. 

(De há uns anos para cá, devo confessar que, sempre que me sinto tentado a concordar com as análises feitas por economistas, tenho, no segundo seguinte, uma reação de recuo e prudência. É que me lembro da definição: um economista é alguém que no futuro nos explicará a razão pela qual as previsões que fez no passado acabaram por não se confirmar no presente. Nem sempre é assim, mas...)

Durante a sua conferência, Krugman contou uma história a que assistiu, em 1999, numa conferência em Barcelona. Nela, o economista americano Larry Summers fez ver aos espanhóis os riscos que a sua economia sobre-endividada podia vir a correr, em especial pela "bolha" imobiliária que estava a gerar. A reação do auditório da conferência foi extremamente negativa, considerando alarmista e sem sentido a prevenção feita, nesse tempo em que se vivia uma onda de otimismo em Espanha, com saldo orçamental positivo. Para Krugman, esse momento ensinou-lhe que é praticamente impossível credibilizar alarmes quando a situação é lida pela generalidade das pessoas como estando a caminhar numa direção favorável. Isto é: só aprendemos à nossa própria custa.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Gregos

Hoje, à volta de um almoço de trabalho, ouvi de muita a gente, pela enésima vez, a consoladora e elogiosa mensagem de que "Portugal não é como a Grécia".

Antes de fazerem o comentário, os seus autores olhavam em volta, não fosse o meu colega grego estar a ouvir... E eu tinha esperança que ali andasse alguém da "Standard and Poor's", da "Fitch" ou da "Moody's".

Joana Vasconcelos

Será também aqui, na galeria dos espelhos do palácio de Versalhes, que Joana Vasconcelos, a genial criadora artística portuguesa, irá colocar, dentro de meses, algumas das peças criadas expressamente para uma exposição que já se anuncia como marcante na vida cultural em França.

Ontem, com Joana e alguns mecenas e promotores desse evento, estive em Versalhes para uma jornada de lançamento. O verão em Versalhes vai ter cores portuguesas.