sábado, 1 de dezembro de 2012

1º de dezembro

Estava Madrid distraída com a Catalunha, quando um grupo da aristocracia lusa, a quem Castela não parecia dar a atenção devida, armou um motim em Lisboa e colocou fim a 60 anos que, entre nós, ficaram conhecidos como "o tempo dos Filipes". Na passada, um membro da família Bragança ficou no trono. Farto da tutela estrangeira e do Vasconcelos que lhe impunham, o povo gostou da mudança, ao que rezam as crónicas.

Passaram 372 anos. Filipe de Espanha e a própria Espanha são outros, a Catalunha continua a distrair Madrid e nós cá estamos, com os Braganças a banhos, com bilhete a pagar para ver o trono sem dono na Ajuda. A independência, essa é o que pode ser, nos dias que correm, com os reis, valetes ou damas do baralho que Portugal sempre foi.

O "Expresso", entre outros comentadores, traz-me hoje a dizer algo sobre o tema provocatório que a sua Revista escolheu - "Portugal acabou?". O texto que lhes enviei, para que dele escolhessem o que quisessem para publicação, rezava o seguinte:

O conceito de independência nacional tem-se transmutado ao longo do tempo. A crescente interpenetração das economias, a livre circulação dos capitais e a prevalência dos modelos de segurança coletiva, bem como de formas institucionalizadas de gestão multilateral das soberanias, tudo isso relativiza os modelos tradicionais de independência.

É evidente que a afirmação da independência depende muito da nossa capacidade de controlar o nosso destino imediato, pelo que, na crise económico-financeira atual, perdemos conjunturalmente muita independência. Mas essa perda é, a prazo, recuperável.

Nos dias que correm, a multiplicidade de certas ligações internacionais (pertença ao projeto europeu, participação na NATO, influência na CPLP, capacidade de afirmação nas Nações Unidas) acaba por conferir a Portugal um conjunto maior de garantias para a sua própria sobrevivência como Estado, de afirmação da sua identidade própria como país e de objetivação da sua vontade política. Estamos muito distantes do país tutelado pela Inglaterra que existia até ao final dos anos 20 do século passado ou do Portugal “coincé”, orgulhosa e teimosamente só, da ditadura salazarista, sem força para "mandar cantar um cego" fora das frágeis fronteiras de um império com pés de barro.

Todos somos hoje, pelo mundo, menos independentes e mais dependentes uns dos outros, embora com alguns a serem mais iguais do que outros, pela força natural das coisas. A atenção quase obsessiva que, há semanas, todos dedicámos às eleições americanas – nós, como os russos, os chineses ou os israelitas – é a prova provada da nossa dependência inescapável do futuro de um país que, queiramos ou não, dá hoje as cartas de um jogo em que todos procuramos arrebanhar o maior número possível de trunfos. A luta política internacional contemporânea é centrada na tentativa de cada Estado tentar reduzir, ao mínimo possível, as suas dependências. Mas nenhum Estado, nem mesmo os EUA, é hoje independente – do terrorismo, do petróleo ou dos golpes da natureza.

Portugal tem nove séculos e está aí “para as curvas”. Esta nossa "nonchalance” com a nossa independência, este gosto por dizermos mal de nós próprios (que se suspende quando outros dizem mal de nós à nossa frente, como se viu no caso “finlandês” ou na reação às diatribes de um responsável checo) e do nosso futuro, a snob ideia de “finis patriae” ou a autoprovocação com a diluição ibérica, tudo isso não passa de uma demonstração inequívoca de que estamos suficientemente seguros da nossa identidade para nos podermos dar ao luxo de brincar com ela, mesmo à beira do precipício.

Tenho imenso orgulho em ser português, até porque, por exclusão de partes, não sinto tentação de ser americano, francês ou espanhol. Por esse mundo fora, passo o tempo a encontrar gente que nos identifica como uma entidade com sustentação garantida na sua memória histórica, gente que olha para nós com surpresa quando algum português, neste jeito “self-deprecating” que alguns de nós usamos, se inflige masoquistamente alguns qualificativos negativos. Vejam-se os portugueses da diáspora e o modo como olham o seu país, talvez porque, no país dos outros, sabem bem como os fatores nacionais são explorados.

Querem um exemplo indireto deste orgulho na portugalidade?: o futebol. O hiperbolizar das glórias na ponta de uma chuteira, podendo não ser a mais nobilitante forma de ser patriota, é um sintoma de uma saudável “doença” nacional, que prova que o país “está lá”, no verde e vermelho da bandeira que a todos nos cobre... até aos nostálgicos monárquicos, agora num país sem coroa (embora também sem muitas coroas...).

Se há coisa que a integração da Europa trouxe aos europeus foi a necessidade de se mostrarem diferentes uns dos outros, o orgulho das regiões (e, em alguma Espanha e na Escócia, a vontade de ir mais longe), o sublinhar das identidades antropológicas, o “small is beautiful”, a pulsão pela subsidiariedade ao nível daquilo que nos distingue. Os países estão aí para ficar e nenhum “template” europeizante vai diluir a sua importância.

Portugal é uma ideia moderna e as dificuldades que atravessamos talvez nos tenham feito perceber que estamos num barco, que sendo mais um cacilheiro do que um paquete de luxo, é, no entanto, a única embarcação disponível para evitar um naufrágio. E o passado, onde crises bem maiores já nos ocorreram, vai provar que não temos vocação para “morrer na praia”, embora talvez tenhamos de fazer um esforço para nos convencermos de que não podemos, no futuro, passar tantos dias a gozar férias nela.  Não estou, por isso, minimamente preocupado com o futuro de Portugal como entidade autónoma no plano internacional.

E, já agora, viva o 1º de dezembro, também em Vila Real, depois do "regadinho" (ninguém, de fora, sabe o que isso é!), noite das homéricas ceias na academia, outrora feitas com carne das "penosas" surripiadas nos quintais menos atentos e adubadas a álcoois que funcionavam (agora já não devem funcionar, tal a precocidade das novas gerações) como ritos de passagem, por essas terras transmontanas. Em 2013, lá estarei, sem falta!

Em tempo: há precisamente quatro anos, no Brasil, fiz uma conferência sobre a nossa independência. Revi-a agora e não lhe alterava uma linha. Aqui fica "à toutes fins utiles", como dizem os franceses.

8 comentários:

Helena Oneto disse...

Dear Ambassador,
It is particularly exciting to read this blog. You go way beyond expectations! As usual!

Francisco Seixas da Costa disse...

Dear Helen: As usual, you're too kind. I'm not sure our "crowns guys" will appreciate my text. Just wait and see...

Isabel Seixas disse...

Estava a pensar no valor pedagógico do seu texto.
Às vezes é preciso desconstruir pré conceitos para desmistificar e reconstruir.
Só o Senhor para escrever o alento.

Cá em chaves antes da ceia com as galinhas pilhadas pelas "argutas raposas " ia-se ao baile...

patricio branco disse...

e deixa de ser feriado, sinal que o significado da data, a independencia, já não diz nada para alguns sectores. os outros 2 feriados politicos comemoram mudanças de regime, mas 1 tambem foi banido em nome duma produtividade mais que duvidosa. ao menos mantivesse-se um dia feriado alternadamente, num ano o 25a, no seguinte o 5 de outubro, no outro o 1 de dezembro, continuava a haver apenas 1 por ano mas comemoravam-se as 3 datas, era uma homenagem à história.

Anónimo disse...

Obrigado. Poupou-me o dinheiro do Expresso.
Tenho defendido igual ponto de vista junto dos que papagueiam o argumento que a troika e o euro nos retiram independência / soberania, que vários políticos / comentaristas lusos (MRS incluído) vão atirando aos microfones locais.

Obrigado ainda por nos facultar o texto da intervenção de 2008 no Brasil que, com prazer, li.
Concordo com a afirmação de V. Ex.a que, no quadro mundial de hoje, Portugal joga numa divisão acima da do seu peso demográfico e económico e com uma capacidade de interlocoção superior à de países mais ricos da nossa dimensão.
E pergunto-me:
Não será isto fruto ainda do Império e de toda a experiência diplomática que este fez acumular nas Necessidades?
E a necessidade sempre faz o engenho...
Francisco Rangel

Anónimo disse...

Até falam estrangeiro. Gente fina é outra coisa!

Anónimo disse...

Também tenho a certeza que Portugal vai “continuar e independente” (as aspas retirei-as do seu texto”!...Quem é que nos quereria?...
Nós cá do interior já nos bastava ser independentes do litoral!
Mas, pela imprensa local, surgem indícios da substituição do 1º de Dezembro do D. João IV o restaurador, pelo 1º de Dezembro do D. Pedro VI o “refundador”

Anónimo disse...

Português por nascimento,
europeu por geografia,
do mundo por história,
independente por teimosia.

Nuno 371111