quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Técnicas

Umas das técnicas publicitárias que mais me irrita é aquela que presume, em função daquilo que adquirimos, qual o tipo de produtos que, naturalmente, nos deve interessar. Nessa base, são-nos feitas propostas absurdas. Hoje, na "Amazon", na sequência de uma compra eletrónica que fiz, apareceu-me o inevitável "as pessoas que adquiriram isto também compraram isto", numa associação bizarríssima de interesses. Todos passamos por este tipo de táticas, nos dias que correm.

A este propósito, e ainda no terreno dos livros (que quase esgotam a minha atividade mercantil quotidiana), recordo sempre uma técnica, de idêntica natureza, de que era regularmente alvo numa cadeia de livrarias no Brasil (ia jurar que era a "Siciliano"). 

Eram lojas superpopuladas de funcionários, que nos seguiam desde a porta de entrada e acompanhavam as nossas deambulações pelas mesas. Ao final de uns minutos, quando pegava num livro, aproximava-se de mim um empregado com um outro livro na mão e perguntava: "Não lhe interessa este livro?". A primeira vez que isso me sucedeu fiquei siderado, sem saber por que diabo o homem me estava a chamar a atenção para uma outra obra: "Porque é que pergunta isso? Por que razão podia eu estar interessado em ler esse livro?". A resposta foi simples: "Porque, se está a consultar um livro dessa mesa, é porque se interessa por esses temas e este livro, acabado de sair, é desse mesmo tema...". 

Fiquei sempre com a sensação de que esses funcionários, normalmente muito jovens, não faziam a mais leve ideia do conteúdo do livro que estavam a propor, mas que apenas se dedicavam a pôr em prática uma técnica de "marketing" que lhes tinham imposto. E, devo dizer, só a inexcedível simpatia dos empregados das lojas no Brasil evitou, a partir daí, que eu manifestasse a minha permanente irritação com este método promocional.

No final de contas, a "Amazon" terá aprendido a técnica no Brasil. Não é de admirar: a Amazónia é por lá...

11 comentários:

nAnonima disse...

muito bom.

Anónimo disse...

Por lá e por cá, Senhor Embaixador.
Faça o favor de ver aqui:

http://conversasamesa.blogs.sapo.pt/

Maria Helena

patricio branco disse...

verdade que em amazon dizem aos clientes gostaram disso tambem normalmente lhes gosta isto...bem, nem ligo, e continua a pesquisa do que gosto. Algumas vezes, em livrarias, resultou, na fnac p ex comprei há pouco um livro que me vieram mostrar, ainda não o li...
as tecnicas de venda são muitas, mas as mais antipaticas são as por tf ou tm de pacotes de internet, tv. aí digo mesmo, já estou sevido não me telefone mais pf.
nos supermercados a tecnica ainda não pegou, não sei porquê!!
mas há 1 farmacia que usa a tecnica: não temos isso mas temos isto que é melhor, não isso não temos, o laboratorio fechou ou faliu (mentira) ou o produto foi retirado do mercado(mentira) ou está esgotado há muito (mentira).
mas é assim actualmente, isto é um mal menor nos tempos que correm

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Fiquei a pensar nas variadíssimas aplicações desta técnica entre nós no campo político.
Não devo ir mais longe, claro! Mas faça o exercício.
Ah! esse Senhor Ministro não temos. Mas temos este aqui, da mesma área, que talvez lhe interesse.
Eu experimentei e não pude deixar de soltar uma gargalhada...

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Dra. Helena Sacadura Cabral: se fosse possível escolher o melhor comentário da já longa vida deste blogue, o que acaba de escrever seria, com toda a certeza, aquele que seria escolhido. Nesta noite parisiense, num grupo de amigos, as nossas gargalhadas devem ter acordado o marasmo do XVIème! Muito obrigado!

Anónimo disse...

E que tal uma troika? Está em promoção...

Respeitosos cumprimentos.

Carlos Fonseca disse...

Espero que o autor do blogue me releve o facto de, em vez de comentar o seu texto, me referir ao comentário da Dra. Helena Sacadura Cabral, que demonstra, sem margem para dúvidas, como consegue levar à prática o humor e a subtileza pelos quais tem "especial apreço", como nos revelou no seu "Fio de Prumo".

Não cheguei à gargalhada, mas o meu sorriso rasgado ainda se mantém.

Bem haja por conseguir manter uma tão grande agudeza de espírito, nestes tempos tão conturbados.

Anónimo disse...

Não seria na "Saraiva", sr.Embaixador ? ou, quem sabe, na "Submarino" ?
JCM

Helena Oneto disse...

Ah!:) Tal como o Senhor Embaixador,
a querida Helena Sacadura Cabral, (que faz o favor de ser minha amiga) tem 'tiradas' geniais! e se aos dois juntarmos o nosso querido Alcipe, temos a troika ideal para resgatar, da tristeza, Portugal:):)!

Julia Macias-Valet disse...

..."acordado o marasmo do XVIème" !?
So se for o do Norte porque aqui no do Sul divertimo-nos à brava ! : ))

Isabel Seixas disse...

Gostei imenso do post e dos comentários, a "nossa" Dra.Helena faz rir com gosto.

Tenho auferido da "técnica" extensiva a outros contextos;

-Um café por favor.
-Não quer uma natinha a acompanhar?

"Só" vai desejar isto?

Temos também a carteira e o cinto que fazem conjunto com os sapatos que leva...

Não quer juntar ao livro uns óculos de ver ao perto a partir de duas dioptrias ?

Fica-lhe tão bem acompanha a tonalidade da sua pele, para manter o brilho da elegância temos os acessórios...