terça-feira, 17 de julho de 2012

Governantes e governantes

Um dia, bem à minha custa, aprendi que, em Portugal, há dois tipos de membros do governo: os que já foram deputados e os que, emergindo da sociedade civil, sendo ou não militantes de partidos, nunca antes se sentaram nas cadeiras parlamentares. E há um mundo de diferenças entre eles.

Embora o não digam alto, os partidos políticos veem com maus olhos a escolha, pelos primeiros-ministros, de personalidades oriundas da "sociedade civil" que, por virtude de alguma especialização temática, são alcandoradas a postos governamentais.

Pode haver alguma razão nesta atitude: quem se dedica à política tem a legítima expetativa de, subindo o seu partido ao poder, poder ter direito a ocupar lugares no executivo. Ver uns "paraquedistas" ultrapassarem-nos, não deve agradar a quem se considera ungido pelo voto popular e, por essa razão, tem muito mais legitimidade para governar. Só que os partidos não desconhecem que a inclusão desse tipo de personalidades acaba por credibilizar os próprios governos, porque lhes garante uma componente técnica valiosa, com reflexos na sua imagem junto da opinião pública. No outro prato da balança, verifica-se que a falta de "calo" político faz com que, muitas vezes, essas figuras de perfil demasiado técnico, quando sujeitas às tensões da vida política e, muito em particular, às exigências da vida parlamentar, possam derrapar. Foi o que me aconteceu, um dia, em 1996.

Eu tinha ido à Assembleia da República para defender já não sei bem o quê, na minha qualidade de secretário de Estado dos Assuntos Europeus. Ao meu lado, na bancada do governo, estava o então secretário de Estado dos Assuntos parlamentares, António Costa.

Fiz a apresentação que tinha preparado e, como é de regra, preparei-me para a chuva de perguntas que se seguiria. Fui tomando notas, para lhes responder em conjunto, no final. 

Uma das intervenções, de um deputado da oposição, tinha apenas uma questão irrelevante, que era um evidente pretexto para um discurso doutrinário de oposição geral, e a meu ver gratuita, à política europeia do governo. Logo que acabou de falar, saiu da sala, sem sequer aguardar pela minha resposta. Fiquei furioso.

No meu período de respostas, deixei para o fim a resposta a esse deputado, que tinha muito baixa estatura. Fazendo-me surpreendido, disse: "Relativamente à questão colocada pelo senhor deputado Fulano - que eu não consigo vislumbrar atrás da sua bancada... - devo dizer que fiquei perplexo, porque não me ficou claro o que pretendia com a sua intervenção. Por isso, e porque considero que não há nada de concreto a que eu possa responder, talvez seja legítimo concluir que o que disse se insere na preparação de curriculum para aquilo que consta serem as suas ambições a futuro líder parlamentar do seu partido".

Mal eu tinha acabado a frase e logo o António Costa, ao meu lado, me disse, alarmado: "No que você se foi meter! Agora, isto vai ser bonito". E foi. Ouvi logo um bruá vindo do lado do grupo parlamentar do partido do tal orador, um evidente mal-estar nas caras dos deputados do partido que apoiava o governo e, de imediato, um pedido urgente de palavra de um deputado ao presidente da Assembleia para "defesa da honra da bancada".

Fui "desancado" pelo deputado interpelante, que considerou que só podia levar à conta da minha "falta de experiência política" o que acabara de passar-se e que exigia um pedido de desculpas da minha parte. O António Costa perguntou-me o que eu queria fazer. Respondi-lhe que desculpa não pedia, porque considerava que a saída da sala do deputado que eu criticara era um gesto deselegante e que a minha reação fora motivada por isso mesmo. Com a sua maior experiência, o António Costa levantou-se, tomou a palavra e deu, com grande habilidade, a volta à situação, deitando "água na fervura", para meu grande sossego.

Na realidade, eu cometera uma grande imprudência e fora vítima do meu estatuto. A imprudência foi, desde logo, ter-me imiscuído na vida interna de um outro partido, o que fiquei a saber não ser aceitável pelas regras parlamentares consuetudinárias. Mas também aprendi que o facto de nunca antes ter sido deputado me criava uma posição "diminuída" perante os eleitos presentes na sala. Eu não era "um deles", pelo que estava longe de poder ter um estatuto para poder enveredar por graçolas que, se porventura fossem ditas por antigos colegas, teriam sido muito melhor toleradas.

11 comentários:

Isabel Seixas disse...

Sempre a aprender!!!...
(Não que me vá fazer falta este tipo de aprendizagem, mas lá que é interessante, isso é...)

Anónimo disse...

Pois é.... Será isto de facto governar um país ou são apenas quezílias sem governação? Mas... eu não sei. Bom exemplo para se perceber onde chegámos.

Helena Sacadura Cabral disse...

O que o seu post de hoje me fez sorrir, Senhor Embaixador.
É por isso que as togas e as perucas dão ao juiz mais valor do que ao advogado...
Um dia, algum desses encartados deputados, há-de fazer um breviário-guia, que evitará tão deselegante diferença entre os dois tipos de governantes...

Carlos Fonseca disse...

Se bem percebi os deputados, independentemente dos partidos a que pertencem, constituem uma espécie de irmandade (como há tantas por esse Mundo fora, com os mais diversos fins).

Fada do bosque disse...

O post está um Espectáculo, Sr. Embaixador... resumindo: o que depreende de tudo isto e os factos têm vindo a ser constatados, é que o Sr. Embaixador não está "habituado" a fazer discursos para a máfia e sabe bem, que a máfia não admite que se metam nos seus assuntos. Essa é que é essa!
Tanta boa Fé e credulidade nos eleitos pelo povo ainda o mata, Sr. Embaixador... tenha cuidado. :)
Homens com Carisma fazem falta... já lho tenho dito.

patricio branco disse...

alguma coisa mudaria no parlamento se terminasse o pesado monopólio dos partidos, cada vez mais e quase unicamente virados para os seus interesses e dos seus membros, e houvesse uma quota para deputados independentes, uns 10 a 15% da assembleia.

Santiago Macias disse...

Infelizmente, é hábito: faz-se a pergunta, para registo televisivo, e depois não se espera pela resposta.

Isabel Seixas disse...

Oh como me identifico com a análise do comentador Patricio Branco.

Anónimo disse...

Depois de reler com gosto este "post" e de imaginar a cara do Dr. António Costa, por não puder empunhar a espada para defender a honra do Senhor Embaixador vou desiludir Patrício Branco, porque me parece que essa legislatura com uns 15% de deputados independentes duraria muito pouco tempo. Voltava tudo ao mesmo na Assembleia seguinte, pois os independentes deputados já "eram" os cristãos-novos dos "velhos" Partidos.

Pátheos disse...

Senhor Embaixador, para além de reforçar a admiração pela excelência de mais um "post", não posso deixar de sorrir ao lembrar a ironia de toda a situação (que presenciei).
Parece-me justo, porém, dizer que, no Parlamento como nos demais lugares, "há de tudo". E há Deputados - poucos - que, como os membros do Governo que refere, vêm da sociedade civil e não das fábricas das "jotas"; e há outros que, vindo, apreciam o humor e não são deselegantes. São cada vez menos - bem menos do que em 96 -, mas que os há, há. Em todas as bancadas.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Pátheos: claro que há de tudo no parlamento, como há de tudo nos governos, como era o meu caso de "maçarico" armado em chico esperto. Aprendi a lição!