sábado, 2 de junho de 2012

Sapatos vermelhos

Há dias, alguém me dizia que a Ucrânia, onde vai decorrer, daqui a pouco, uma parte do campeonato europeu de futebol, é um dos países mais perigosos do mundo. Fiquei intrigado. Já por lá andei e não me recordo de ter sentido que fosse mais perigoso do que qualquer das outras repúblicas vizinhas. Esse meu velho conhecido esclareceu: "Experimenta ir lá sozinho, sem a tua mulher, e logo verás se não é "perigoso"...". Aí, entendi. E olhando para o impublicável título do grupo de jovens que pretende combater a onda de prostituição que, no seu entender, por lá terá lugar, livre e pelos cantos, para os prolongamentos e para os foras-de-jogo do campeonato, reconheço, de facto, esse imenso "perigo".

A Ucrânia é um grande e belo país, com uma relação sempre muito complexa com Moscovo, polarizado política e humanamente entre uma tentação pró-russa e uma dinâmica favorável a uma maior aproximação com o ocidente, maxime com a União Europeia, que o seu parceiro nesta aventura futebolística, a Polónia, sempre procura estimular. Por lá se cruzam, assim, culturas políticas algo contraditórias, que oscilam entre as dinâmicas autoritárias a leste e os ventos da liberdade que sopram do oeste. E porque, nos dias de hoje, o desporto é uma arma política, graças à potenciação mediática, não nos espantemos se virmos este campeonato transformar-se num palco de reivindicações dessa natureza.

Fui à Ucrânia, pela primeira vez, há muitos anos, ao tempo em que era parte da União Soviética. Viajando numa baratucha excursão norueguesa, passei uma semana nas praias do mar Negro, com a curiosidade acrescida de poder sentir, com os meus próprios olhos, o ambiente do palácio de Livadia, onde, em 1945, muito do destino que o mundo de hoje ainda anda a viver foi desenhado pelas conversas entre Stalin, Churchill e Roosevelt. Sem autorização para sair da cidade mais do que alguns poucos quilómetros, quase sem ter acesso a lojas e com escassos pontos turísticos acessíveis, pouco havia para fazer nessa estranha vilegiatura, numa cidade que já fora deslumbrante e que então sofria de uma decadência sem graça.

Uma tarde, passeando em Ialta, à beira-mar, com ar de uma oriental Riviera datada, demo-nos conta, de repente, de que imensas mulheres que conosco se cruzavam usavam sapatos vermelhos, todos do mesmo tipo. Eram dezenas, sem exagero, umas a seguir às outras. Quase por acaso, fomos dar a um grande armazém, o qual, como era de regra na URSS, muito pouco tinha à venda (ainda me arrisco a ser contraditado neste blogue por algum nostágico, que por lá tenha andado de férias pagas pelo "Komsomol"). Entrámos, escapando a uma fila de mulheres que, de forma paciente, se formava escada acima, não se percebia muito bem para quê. O mistério desfez-se, minutos depois: eram os sapatos vermelhos que "estavam a sair", expressão que, poucos anos mais tarde, muito ouviria em Luanda, nos momentos mais folgados do "socialismo esquemático" (expressão local que significava um tipo de socialismo cujo quotidiano só se podia suportar graças a "esquemas"). Nesse dia, como novidade, só havia à venda esses sapatos vermelhos... Estou certo que as belas ucranianas de hoje já não usam sapatos desses, quanto mais não seja porque muitas foram aculturadas a detestar o vermelho.

A nós, na Ucrânia, em termos futebolísticos, vai-nos competir descalçar uma das botas mais difíceis deste torneio, num grupo "impossível". Se assim não conseguirmos, e como povo que ciclicamente coloca a salvação da sua alma nacional na biqueira de uma Nike, de uma Adidas ou de uma Puma, lá teremos nós um traumatismo... ucraniano!

Em tempo: quanto os resultados, há dias, com a Macedónia e, ontem, com a Turquia, não "liguem": nós sempre fomos um país que cuidou em fazer gestos simpáticos aos candidatos à União Europeia...

8 comentários:

Portugalredecouvertes disse...

Também acredito que foi mais uma das nossas manifestações ao sermos simpáticos para quem nos visita, nem que seja vindos da Turquia, terão de levar boas recordações cá do país!

patricio branco disse...

boa cronica ucraniana

patricio branco disse...

boa cronica ucraniana

Isabel Seixas disse...

Traumatismo... u !!!craniano!

Que máximo, quanto ao sol da nossa simpatia sempre inocente e ternurento é basicamente como Deus quer, sempre mantendo a maior probabilidade de ganhar o Céu por maior experiência de crucifixo em todas as áreas...

As nike vermelhas introduzem uma variável de confusão de Madalenas ainda não arrependidas e com vigor para ganhar jogos...

PS Cá em Chaves conheço uma senhora ucraniana que já se estabeleceu por conta própria e com sucesso,e conheço várias que trabalham por conta de outrém com uma postura invejável de dignidade ...A maioria detêm habilitação literária muito superior á exigida pelas funções que exercem, por exemplo conheço um casal de engenheiros que fazem trabalhos de higienização e limpeza de firmas...

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Senhor Embaixador na Russia que eu conheci, Nikes nem vê-los.
Em contrapartida, a elite tinha tudo o que de bom pudéssemos sonhar. Fui, uma vez, a um estilista que deixaria a Dior ou a Chanel, cheias de inveja.
Os trajes que ele produzia para a "sua clientela", eram belíssimos. E caríssimos, também.
Comunismo de outra época!

Anónimo disse...

Cabe-lhe a si, Senhor Embaixador, tentar que nos emprestem a NIKE de Samotrácia que está no Louvre para que as botas dos jogadores portugueses nos levem "aladamente" a um número razoável de jogos. Queremos alegrias no contraste do vermenho das botas com o verde do relvado...

Anónimo disse...

"socialismo esquematico" !!!

so mesmo os cambas de angola para inventar uma expressao como essa

muito bom

Julia Macias-Valet disse...

Ha em todos nos um pouco de Dorothy ; )