quarta-feira, 6 de junho de 2012

Pierre Bourguignon

Desde que cheguei a Paris, percebi que tinha um amigo (desconhecido) na Assembleia Nacional francesa. Chamava-se Pierre Bourguignon e era presidente do grupo de amizade França-Portugal, criado entre os deputados franceses. Com total disponibilidade, já usufruída pelos meus antecessores, Pierre foi a nossa "porta" aberta no Palais Bourbon, ajudando a decifrar as coisas mais complexas, sempre de braços abertos para mobilizar os deputados franceses para as questões portuguesas. Graças a ele pude dar conta aos eleitos franceses, com alguma regularidade, daquilo que era a nossa situação económica e política, das nossas opções externas e, muito em particular, daquilo que esperávamos da França, quer em termos europeus, quer em matéria de apoio ao ensino da língua portuguesa. Graças a ele, pude, assim, ajudar muitos deputados a melhor conhecerem um país que muito tem dado à França.

Pierre Bourguignon não será candidato nas próximas eleições legislativas. Hoje veio ver-me, para me dar um abraço de despedida, de regresso a Sotteville-lès-Rouen, onde é "maire". Terra onde há portugueses, por cujos interesses me disse que continuará a bater-se. Sei que o fará. Pierre Bourguignon é um amigo de Portugal. E tornou-se meu amigo para o resto da vida.  

4 comentários:

gherkin disse...

É assim que se cultivam amigos e, com este de saída, o trabalho de conquistar novos, se é que já não está feito. Porém, como revela, não é fácil! Confiemos que algum surja nas novas eleições. E, melhor seria caso fosse um luso-descendente!
Confiemos.
Gilberto Ferraz

Isabel Seixas disse...

Pois Sr. Embaixador Parabéns...

É tão bom lembrar-nos também a afetividade decorrente das Suas relações profissionais, tão sustentada e provavelmente residente nos bastidores, tão sem luzes de ribalta mas com entrada direta para a satisfação das necessidades básicas da Alma.

Isabel Seixas disse...

Pelo dia Santo...Para mim feriado.

Verbe égal au Très-Haut

Verbe égal au Très-Haut, notre unique espérance,
Jour éternel de la terre et des cieux,
De la paisible nuit nous rompons le silence:
Divin sauveur, jette sur nous les yeux.

Répands sur nous le feu de ta grâce puissante;
Que tout l'enfer fuie au son de ta voix;
Dissipe ce sommeil d'une âme languissante
Qui la conduit à l'oubli de tes lois!

Ô Christ ! sois favorable à ce peuple fidèle,
Pour te bénir maintenant assemblé;
Reçois les chants qu'il offre à ta gloire immortelle,
Et de tes dons qu'il retourne comblé.

http://en.wikipedia.org/wiki/Cantique_de_Jean_Racine_%28Faur%C3%A9%29

Anónimo disse...

Ajudou sempre. O deputado era contra o colonialismo, nos seus tempos mais radicais. Bonitas amizades deve fazer quando se "bate" pelos portugueses.Não é fácil, mas é uma missão honrosa.