sábado, 9 de junho de 2012

DN

O "provedor do leitor" do "Diário de Notícias", o jornalista Óscar Mascarenhas, respondeu no seu jornal ao meu anterior post, no qual eu havia criticado o modo como havia sido reportada a atribuição do estatuto de persona non grata à embaixadora síria acreditada em Portugal. Fê-lo, devo notar, com grande elevação e sentido objetivo, que só posso saudar. Porque a questão merecia uma explicação complementar da minha parte, enviei-lhe a carta seguinte:

Meu Caro Óscar Mascarenhas

Registo, com agrado, o “fair play” com que o DN, por seu intermédio, aceitou a minha irritada nota sobre a questão da embaixadora síria. Entendo bem a dificuldade jornalística de “traduzir”, para um público não especializado, temáticas mais complexas. Mas a arte do jornalismo consiste, precisamente, em conseguir não perder o rigor, nesse esforço de simplificação.

Vamos à notícia:

  1.  “Portugal decidiu cortar as poucas relações diplomáticas que tinha com a Síria”. A relação diplomática entre dois países é como a gravidez de uma mulher: ou existe ou não existe, não é “muita” ou “pouca”. Pode haver mais ou menos trocas comerciais, mais ou menos relações culturais, mais ou menos visitas bilaterais, de natureza técnica ou política. Mas o vínculo diplomático entre dois países é sempre um mero reconhecimento mútuo de duas soberanias. Dois Estados podem estabelecer entre si relações diplomáticas e nem sequer terem embaixadores acreditados nas respetivas capitais. Não era esse o caso de Portugal e da Síria, que, desde há muitos anos, trocavam representantes diplomáticos mútuos. Quanto ao facto dos embaixadores serem ou não residentes nas capitais onde estão acreditados, deve notar-se que, não tendo nenhum país meios ou interesses para assegurar a abertura de missões diplomáticas por todo o mundo, a esmagadora maioria opta por acreditar embaixadores que são residentes noutras capitais (às vezes, mesmo, diplomatas que permanecem na capital do próprio país que representam). Em todo o mundo diplomático, há muitos mais embaixadores não-residentes do que residentes. Só em Paris, residem cerca de 50 embaixadores que, estando acreditados em França, representam simultaneamente os seus Estados em Portugal. E noto que há Estados com representação física em Lisboa cujas relações económicas, culturais ou outras com Portugal são bem menos relevantes do que as existentes com alguns dessoutros países.
  2. Portugal “declarou 'persona non grata' a embaixadora síria junto da Unesco, a qual representava os interesses sírios também em Portugal”. Não era a delegada permanente da Síria junto da UNESCO que estava acreditada em Portugal. Quem tinha apresentado cartas credenciais no nosso país era a embaixadora da Síria em França, que, por acaso (como é hoje o meu caso), acumulava funções como delegada permanente junto da UNESCO. Foi na primeira qualidade, e não na segunda, que a acreditação da senhora foi concedida pelo nosso país. Alguns países designam um embaixador específico para chefiar a sua missão junto da UNESCO, mas não conheço nenhum caso em que esse diplomata seja, a partir dessa qualidade, acreditado na capital de qualquer país. Pelo que foi a França, e não a UNESCO, que decidiu considerá-la “persona non grata”, precisamente pelas mesmas razões pelas quais Portugal o fez.
  3. “A declaração de 'persona non grata' de Lamia Chakkour foi decidida porque em Portugal não havia embaixador sírio acreditado”. Esta frase inserida na notícia não tem o menor sentido. A Sra. Lamia Chakkour estava acreditada em Portugal e foi precisamente por esse facto que Portugal pôde declará-la “persona non grata”. O contrário é que não seria verdade: se acaso ela não estivesse acreditada (por qualquer atraso no processo de acreditação), esse nosso gesto não poderia ter sido assumido. Se, com o texto escrito, se pretende, de forma ambígua, aludir ao facto de não haver hoje, fisicamente, uma Embaixada síria em Lisboa, então a frase torna-se ainda pior: dá ideia de que, se acaso a senhora vivesse em Portugal, o governo português não tomaria o gesto que tomou...
  4. O facto de Portugal não ter grandes relações diplomáticas com a Síria foi precisamente o que levou a diplomacia portuguesa a aceitar, em 2009, dois ex-detidos sírios de Guantánamo”. Volto a dizer que é muito pouco rigoroso utilizar o conceito de “grandes”  (ou “pequenas”) relações diplomáticas. As razões da “escolha” dos dois cidadãos sírios para serem acolhidos em Portugal são mais complexas do que a frase deixa intuir, pelo que o jornal não deveria ter enveredado por esse caminho especulativo, sem dispor de uma base informativa sólida sobre a questão. Digo isto porque foi por meu intermédio que Portugal contactou as autoridades sírias, sobre a nossa decisão de acolher dois antigos prisioneiros de Guantanamo. Não obstante as diferenças políticas que mantínhamos entre os dois países sobre algumas grandes temáticas internacionais, as relações formais com o regime de Damasco eram, à época, perfeitamente normais. E, mais importante do que isso, não tem qualquer sentido pensar-se que Portugal é um país que assume, em política externa, um cinismo como aquele que a notícia deixa pressupor.
  5. Finalmente, uma nota sobre a “elegância” do título da notícia: “Portugal corta com a embaixadora síria na UNESCO”. Com todo o respeito, parece-me uma expressão mais própria para certos certos tablóides, mas o DN é que sabe... A fórmula usada ficaria bem melhor para “Luciana Abreu corta com Djaló”.
Com toda a cordialidade
Francisco Seixas da Costa
Embaixador em França (e também no Mónaco e delegado permanente junto da UNESCO...)

11 comentários:

Anónimo disse...

A pequena faz o que pode, percebe, ela estudou Comunicação Social em Cascais e na nossa escola essas bizantinices da diplomacia (como as da economia, da História, das leis ou da escrita em português) não constam do curriculo, ela é moderna, percebe, despachada, e o provedor dos leitores também não tem tempo para essas coisas dos diplomatas, cale-se seu careta.

Patrícia de Menezes Vasconcellos (Vinhais)

patricio branco disse...

em resumo e na pratica, obrigada a sair de frança, a embaixadora siria já não poderá optar por vir para portugal onde tambem estava acreditada.
continuará no entanto acreditada na unesco, presumo.

Fada do bosque disse...

Sr. embaixador,
Sou uma ignorante em questões e relações diplomáticas, mas rejubilo por termos alguém que se preocupa com os desaires e desvarios dos nossos Média de "referência". Uma boa "ensaboadela" sempre que cometessem estas cretinices, com a elegância com que o sr. Embaixador o faz, seria meio caminho andado para que os nossos Média de "referência", não tivessem chegado a este ponto de mediocridade. Pena que a maioria ache que uma chamada de atenção e uma correcção baseada em factos, dê muito trabalho e ocupe muito tempo.
Felizmente que ainda há excepções... pessoas que não se estejam nas tintas!
Imagine Sr. Embaixador alguém, que como eu não sabe de Diplomacia... a interpretação que dá a um artigo desses. Felizmente que sei que os Media (de referência) são apenas um órgão de propaganda e de formatação, por isso não lhes dou a mínima credibilidade, aliás, julgo que quando divulgam algo, o facto que na realidade aconteceu é o oposto. Basta ver o caso da Hungria.

Bem haja.

Fada do bosque disse...

"Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma."

Joseph Pulitzer - 1847/1911

As nações prosperam ou decaem simultáneamente com a sua imprensa.
Joseph Pulitzer

Está à vista qual é o estádio da nossa nação... quase no fundo.

Carlos Fonseca disse...

Imitando Emídio Rangel (se bem que noutro contexto) apetece-me comentar apenas: Mortal!

P.S. - O Diário de Notícias será mesmo um jornal de referência? Ou, pondo a questão de outra maneira, ainda há jornais "de referência"?

Alain Demoustier disse...

gostei de o que SEXA escreveu e também dos cinco comentarios..
Vale a pena acreditar no Portugal dos Portugueses e não o só no futebol !

Carlos Albino disse...

Pior que as considerações do provedor do leitor são as explicações desculpabilizadoras dadas com ligeireza pelos responsáveis internos do DN. Um erro é desculpável, emenda-se, corrige-se. Mas insistir-se na falta de rigor como se o jornalismo fosse meia-bola e força, é problema de vista.

Carlos Albino disse...

Pior que as considerações do provedor do leitor são as explicações desculpabilizadoras dadas com ligeireza pelos responsáveis internos do DN. Um erro é desculpável, emenda-se, corrige-se. Mas insistir-se na falta de rigor como se o jornalismo fosse meia-bola e força, é problema de vista.

Fada do bosque disse...

...O que deveria ser um problema de Consciência.
Fui das que ainda estudou,: a TV mostra, a Rádio conta e a Imprensa explica... em pouco mais de duas décadas, os media (Imprensa) tornaram falsa a premissa...

Anónimo disse...

Pois se fosse eu é que não cortava com a Srª Lamia Chakkour.

Espero, Senhor Embaixador, que na UNESCO tenham boas relações.
V

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
O seu post é o que chamo de serviço público. Bem haja!