domingo, 18 de março de 2012

Britannica

Durante muitos anos, tive como sonho ser possuidor da famosa Encyclopaedia Britannica. Realizei o sonho na Noruega, onde adquiri, numa intocada "segunda mão", aqueles belos volumes em papel bíblia. 

Ano após ano, complementava-os com a aquisição das atualizacoes anuais, uns fantásticos repositórios dos novos textos e do ano anterior, escritos com rigor e sobriedade, como os anglo-saxónicos fazem as coisas, quando as querem fazer bem. 

Nos últimos tempos, para além dos problemas de espaço e de alguma desatenção, já havia deixado de comprar esses deliciosos "yearbooks". Mas a Britannica por lá anda, pelas minhas estantes lisboetas.

Leio agora que a Encyclopaedia Britannica vai deixar de se publicar em papel, passando apenas a existir nestas virtuais ondas da net. Não sei se gosto...

5 comentários:

Anónimo disse...

Esta coisa dos emigrantes mudarem com frequência de casa e de país traz consigo algumas dificuldades, nomeadamente para a "transladação" dos livros.
A minha condição de "emigrante sedentário" facilitou-me a "herança" de uma Enciclopédia completa da Verbo, a Enciclopédia Luso-brasileira de Cultura, que um amigo deixou em minha casa por não poder transportar e depois me ofereceu considerando que eu a poderia consultar mais vezes do que ele.
José Barros

Anónimo disse...

Eu confesso que não gosto nada de livros digitais.
Não ha nada como manusear fisicamente um livro,lê-lo e senti-lo, ter cuidado com as lombadas, para não as partir e depois colocá-lo na estante na secção apropriada.

É certo que se vai tornando cada vez mais complicada a gestão dos espaços, várias filas, estantes em todos os lados, livros em casa de férias, etc.

É lamentável que apenas fique uma edição digital da Britannica, que eu não irei adquirir.

Os livros são livros e não "Kindles" ou algo semelhante.

LBA

patricio branco disse...

mais valiosa e preciosa se torna para quem a tem a partir de agora a edição impressa em papel.

Gil disse...

Sou também, desde há quase 30 anos, o orgulhoso proprietário de uma Britannica.
Mas utilizo, também, cada vez mais, a edição online, a que acedo mediante uma assinatura anual de cerca de US$29,00.
Com um portátil, um Iphone ou um Ipad, posso consultar a EB urbi et orbi et ad líbitum - estou muito virado para o latinório...

Helena Sacadura Cabral disse...

Ora que pésima noticia!
Tenho-a completa porque todos os anos em que saíam, comprava as actualizações.
Foi um dos presentes que dei aos rebentos e eles deixaram na minha casa...
Aqui, já estou na fase de precisar de mais uma assoalhada para forrar de livros.
As casas dos filhos estão igualmente atulhadas. E eu venho ultimamente pensando por que instituições os distribuir antes de morrer...