segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Almoço

Há almoços gratificantes. Foi o caso de ontem, aqui em Paris. Memórias de vidas muito diversas, cruzadas por imagens de amigos ou conhecidos mútuos, recuperação de episódios vividos ou escutados, num fundo de sentimentos subliminarmente partilhados, numa sintonia geracional construída através de percursos diferentes, por onde desfiaram coisas da política e dos vários trilhos cívicos de gentes de hoje e de outros tempos, no culto algo anárquico daquilo que um autor brasileiro qualificou bem como "as minhas histórias dos outros". No fundo, são momentos como esses que, um dia, nos levarão a dizer: "lembras-te daquela bela almoçarada, com fulano e beltrano?". Afinal, as coisas boas da vida podem ser bem simples. Haja saúde. E fraternidade, claro!

Greenwich

A imprensa francesa refere que o governo britânico está a pensar introduzir, em 2012, um alinhamento com a hora do centro da Europa, abandonando a referência ao (seu) meridiano de Greenwich. Já nada é o que era, nem mesmo na velha Inglaterra...

Recordo que uma discussão similar teve lugar, um dia, no seio do governo português, nos idos de 1996. E que, contra algumas opiniões, prevaleceu a tese de que deveríamos manter a atual diferença face ao centro do continente. Se Londres deixar de servir de referência, será que, em Portugal, o tema vai também, de novo, ser repensado?

Diplomacia em tempo de crise

Agora que a chamada "diplomacia económica" está na ordem do dia das conversas e das decisões, apetece-me recordar aqui um texto que sobre o assunto publiquei, em maio último, na revista da AICEP, "Portugal Global", sob o título em epígrafe.

"Não há muito tempo, um colega de um país do norte da Europa, cujo tecido económico foi bastante menos tocado pela crise internacional, perguntava-me de que modo a nossa diplomacia se estava a adaptar ao tempo de exigência acrescida que o país atravessava. A sua curiosidade tinha a ver, não apenas com a possibilidade de estarmos a encarar uma melhor adequação do nosso dispositivo diplomático aos objetivos mais imediatos da ação externa mas, igualmente, quanto ao modo como o nosso próprio trabalho teria, ou não, sofrido uma mutação qualitativa, em função de alguma reversão de hierarquia de prioridades.

A questão era interessante, embora a resposta não fosse óbvia. A diplomacia, como instrumento executivo da política externa, configura-se com a evolução dos tempos, por uma reformulação de prioridades, decorrente de novos objetivos. Embora deva ter-se sempre presente – e sei que isto pode parecer chocante para alguns cultores do imediatismo – que o papel dos diplomatas, na fixação da imagem do país, deve ir sempre um pouco para além das conjunturas. Essa é a razão pela qual a resposta às solicitações prementes do presente deve ser, no seio da nossa ação externa, modulada em permanência com a necessidade de garantir a preservação dos interesses permanentes do país, numa perspetiva de coerência de longo prazo. A nossa história não se improvisa.

Indo por partes, eu diria que, em face da presente crise, a diplomacia portuguesa tem diante de si três linhas de adaptação.

Em primeiro lugar, dentro do Ministério dos Negócios Estrangeiros não deixou de se considerar, desde o primeiro momento, a importância de repensar a rede diplomática existente, dando atenção particular a áreas geográficas que, não tendo sido privilegiadas nas opções de distribuição de recursos funcionais no passado, convinha que passassem a dispor de uma maior atenção no futuro. Quero com isto dizer que zonas como o norte de África, os países do Golfo e certos mercados asiáticos passaram a entrar na nossa ordem de prioridades, com vista a tentar conseguir novos pontos de apoio à atividade empresarial. Isso tornou-se particularmente importante face a mercados cuja evolução previsível de crescimento pudesse, simultaneamente, vir absorver produção nacional que tivesse menos atratividade para os nossos parceiros tradicionais (em especial, europeus) e garantir espaços sustentados de progressão futura de novas linhas de exportação. Assim foi feito e, estou certo, a prazo, os efeitos ir-se-ão sentir.

A segunda linha é de natureza formativa. Não vale a pena esconder que ainda não está ainda criada, no conjunto da nossa administração pública que opera na ordem externa, uma cultura de trabalho em comum. As razões são diversas, do corporativismo a alguma incompetência. Com felicidade, faço parte daquele grupo de diplomatas que sempre teve uma muito positiva experiência de trabalho conjunto com as estruturas de promoção económica externa (do FFE à AICEP, passando pelo ICEP/API). Por razões diversas, sei que essa experiência não é idêntica à de muitos colegas da diplomacia portuguesa. Não vale a pena estar a distribuir culpas, até pela certeza de que elas não estarão sempre do mesmo lado. Algo tem de mudar neste âmbito e, para isso, de há muito que só vislumbro uma solução, que sei difícil de pôr em prática, por escassez de recursos humanos: promover estágios profissionais cruzados, tanto nas instituições como nas empresas e nas associações empresariais, com suficiente duração para que tal possa ter reais efeitos, num esforço geral de aculturação.

Uma terceira vertente tem a ver com a mudança no paradigma da intervenção das nossas embaixadas, com impacto na informação que produzem. Imagino que a abordagem pública da questão, numa publicação desta natureza, possa escandalizar alguns. Mas julgo ter um mínimo de autoridade experiência para exprimir o que adiante vou dizer.

A diplomacia portuguesa não se deve esgotar no apoio à projeção económica externa do país – no comércio, na promoção do turismo ou na captação de IDE. A atenção à imagem do país na ordem internacional, o cultivo das redes de interesses políticos e culturais que o bilateralismo histórico justifica, a promoção da língua portuguesa e a proteção da diáspora são outros tantos pontos importantes a salvaguardar, como decisivo é sabermos potenciar o nosso valor acrescentado nacional de natureza política, como país construtor de pontes e entendimentos, à escala global. Como a eleição recente para o Conselho de Segurança da ONU o provou. Porque tudo isso, ao funcionar positivamente em favor da imagem do país, acaba por ajudar à criação de um ambiente favorável à promoção dos nossos interesses económicos – e dispensem-me de dar exemplos, por razões que julgo óbvias.

Porém, e como um dia já disse, com choque em alguns ouvidos mais sensíveis,  entendo que o MNE precisa de “menos Kosovo e mais batatas”, querendo com isto dizer que a diplomacia portuguesa tem de continuar o esforço já iniciado no sentido de infletir a sua focagem de prioridades, passando a perceber que a “política pura”, embora podendo dar-nos uma base interessante para um bilateralismo com vantagens, deve sempre apontar para uma visão objetiva dos interesses económicos que importa privilegiar, muito em especial numa situação de crise como a que vivemos.

Mas que fique clara uma coisa: não defendo que a política externa portuguesa seja refém da promoção económica externa, que se opte por uma “reapolitik” de interesses, como se o MNE devesse passar a ser, unicamente, uma espécie de agência de promoção externa de negócios. Não deve sê-lo exclusivamente, mas deve sê-lo também. E, para isto, não são precisos novos despachos ou decretos. Basta haver vontade.

Uma das razões pela qual não defendo uma dependência excessiva da nossa política externa face aos nossos interesses económicos tem a ver com o facto, que pude constatar ao longo das mais de três décadas que levo de ação diplomática, de que essa mesma atividade económica está longe de ter uma coerência mínima: os mercados flutuam, as prioridades variam, a oferta “tem dias”, os nossos empresários – desculpem lá! – têm estados de alma flutuantes. Se a ação externa do país ficasse vinculada, rigidamente, às opções do nosso comércio externo, Portugal teria a imagem de um catavento!

Por isso, recomendo apenas prudência, bom-senso e troca intensa de informação. À nossa diplomacia pode e deve ser pedido um grande empenhamento na promoção da atividade dos nossos agentes económicos. Os diplomatas portugueses devem ser mobilizados para servirem de eixo às campanhas de estímulo à atividade económica externa, as nossas embaixadas devem ser a “casa” dos empresários. Mas tudo isto tem de ter uma coerência global, uma hierarquia de prioridades bem estabelecida, uma dotação mínima de meios e uma proporção adequada de empenhamento. Uma missão diplomática ou consular não pode ser mobilizada apenas porque um empresário o solicita: essa solicitação tem de corresponder a uma razoável contrapartida previsível das vantagens potenciais decorrentes para o país.

É para essa avaliação que a diplomacia espera poder contar sempre com o insubstituível papel técnico da AICEP, como estrutura com capacidade de aferição daquilo que é, a cada momento, o interesse económico prioritário do país na ordem externa. É nesse diálogo, que não é complicado se dele forem excluídos os egos e os reflexos de casta, que deve assentar a parceria constante entre a atividade económica externa e diplomacia portuguesas." 

A alguns observadores poderá parecer que a evolução subsequente ocorrida no tratamento deste tema, no tocante aos novos modelos institucionais em vias de criação, pode ter desatualizado o que acima se escreveu. Leiam bem. Não há a menor contradição entre o que foi decidido e espírito que neste texto defendo como devendo estar na base do nosso trabalho futuro. Nem podia haver.

domingo, 30 de outubro de 2011

O vaso

Foi ontem anunciado que o antigo presidente brasileiro Lula da Silva entrou num período de saúde mais complicado. Lula é um otimista e nós temos de o ser com ele.

Há dias, em Paris, falámos do que agora faz, da sua fundação. E saiu-se com esta:

- Sabe?, embaixador. Presidente saído da função é como quando a gente tem um vaso chinês. Quando deixa de ter casa grande, não se sabe onde o há-de colocar.

sábado, 29 de outubro de 2011

Portugal (2)

Ontem, numa tabacaria:

- Olhe que esse jornal é já de há dois dias!

- Ah! Obrigado. Às tantas, talvez traga melhores notícias que o de hoje...

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Europa

Pelo acordo estabelecido com a "troika", o Estado português comprometeu-se a alienar participações detidas em empresas, por forma a reduzir o seu peso na economia.

Pelas regras do financiamento europeu a entidades bancárias portuguesas que eventualmente necessitem de recapitalização, o Estado português pode vir a ter de assumir o papel de acionista desses bancos. O que é que determina isso? Ora essa! O acordo com a "troika"...

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Brasil

Fiquei surpreendido com o interesse que concitou a conversa tripartida que o embaixador brasileiro em Portugal, Mário Vilalva, o advogado Pedro Rebelo de Sousa e eu próprio tivemos ao final da tarde de terça-feira, no Grémio Literário, em Lisboa, sob a moderação do escritor Miguel de Sousa Tavares. O Centro Nacional de Cultura e o Círculo Eça de Queiroz patrocinaram também esta iniciativa.

"O Brasil e os brasileiros" foi o mote deste debate muito animado, com pouca "langue de bois", talvez por ter como figura tutelar um "colega" diplomata que não ficou famoso por a praticar - Eça de Queirós.

Pela minha parte, assentei o que disse no seguinte esquema:

- As assimetrias não assumidas nos olhares cruzados de Portugal e do Brasil. Retóricas e realidades.
- O que é Portugal no Brasil contemporâneo: pessoas, economia, cultura.
- A relação Brasil-Portugal na história diplomática comum: encontros, desencontros e ambiguidades.
- O que é hoje (realmente) o Brasil para Portugal? E Portugal para o Brasil?
- O papel histórico da África no relacionamento entre Portugal e o Brasil.
- Do bilateralismo à CPLP. Complementaridade dos mundos multilaterais de Portugal e do Brasil.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Telegrama

O homem estava um pouco atarantado. Não era caso para menos. Do outro lado da linha tinha a voz, dificilmente confundível, do "presidente do Conselho", de Oliveira Salazar.

Era uma manhã de domingo, nesses anos quarenta, durante a segunda guerra mundial. Salazar tinha acumulado a chefia do governo com o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros. A "casa" era gerida pelo secretário-geral, embaixador Teixeira de Sampaio, mas o chefe do executivo mantinha um controlo próximo da máquina diplomática, assente em algumas representações diplomáticas, que eram os olhos e os ouvidos de Portugal pelo mundo. As comunicações entre essas missões e Lisboa eram escassas e a sua consulta constitui hoje um rico manancial para estudo. A chegada de um "telegrama", assinado por uma das grandes figuras que titulavam esses postos, era sempre um momento que concitava a atenção do chefe do governo.

Nessa manhã, Salazar pretendia uma informação sobre um determinado telegrama que sabia que chegara de Washington. O diplomata que o atendeu, no "serviço de cifra" das Necessidades, por precipitação ou por incompetência ou por ambas, regressou, minutos depois, ao telefone e informou Salazar que não conseguia encontrar o texto, entre toda a papelada que tinha à sua volta. "Vossa Excelência compreende, estou aqui sozinho..."

Salazar insistiu: "Veja lá outra vez, faça favor". E o homem lá foi, de novo, angustiado pela dificuldade insuperável. Com a alma nas mãos, regressou ao telefone, outros tantos minutos volvidos. "Peço imensa desculpa, mas não encontro nada!". Do outro lado da linha, Salazar retorquiu: "Não está aí nenhuma dactilógrafa?". O diplomata explicou que não, era domingo... "E também não tem nenhum contínuo?". Também não havia nenhum contínuo. Antes de desligar, seco, Salazar comentou: "É pena. Qualquer dactilógrafa ou contínuo teria descoberto o telegrama. Passe bem!".

Não há registos da carreira subsequente desse diplomata que teve o azar de estar na "cifra" nessa fatídica manhã de domingo.

Racismo

A "compreensão", mais ou menos velada, de alguns comentadores mediáticos, face às inúmeras barbaridades cometidas pelos rebeldes líbios sobre Kadafhi e os seus derrotados seguidores, traduz uma evidente forma de racismo eurocêntrico. É como se se assumisse que certos povos e certas sociedades, por virtude de um relativismo cultural, permanecem isentos da obrigação de respeitarem normas que a comunidade internacional de há muito considera deverem enquadrar todos conflitos. Por maioria de razão, aqueles em que a NATO intervém. Ao legitimarem esses novos massacres, essas figuras não se dão conta que isso funciona como uma injusta absolvição daqueles que tinham denunciado no regime líbio derrotado. 

Há gente que nunca aprende nada. Mas, nestas ocasiões, nós aprendemos, pelo menos, a conhecer melhor o caráter de alguns. 

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Lisboa

Gosto de viver numa rua com elétrico. Não o apanho muito, mas detestaria perdê-lo.

Teatro livre

Emmanuel Démarcy-Mota é uma das grandes figuras do teatro francês contemporâneo. Filho da atriz portuguesa Teresa Mota e de Richard Démarcy, encenador e autor, dirige atualmente o Théâtre de la Ville, em Paris, e o Festival de Outono da cidade. Emmanuel mantém-se fortemente ligado a Portugal, colaborando com diversas instituições nacionais. E, além de tudo isso, é uma personalidade fascinante.

Desde há dias, o seu espetáculo «Sur le concept du visage du fils de Dieu», de Romeo Castellucci, tem sido objeto de boicotes violentos por parte de grupos religiosos integristas. Com coragem, afrontando a fúria sectária, Emmanuel e o Théâtre de la Ville mantêm a determinação de prosseguir as representações.

A luta pela liberdade de opinião e expressão não tem fronteiras. E estar ao lado de quem a protege e promove é um dever mínimo para quem preze a democracia, Assim, lá irei, num dos próximos dias, ao Théâtre de la Ville para ver o espetáculo e para dar um abraço solidário ao Emmanuel. Quem quiser conhecer melhor este "homem de teatro de Paris cuja pátria é o Alentejo", pode ler aqui

Europa alegre

Não deve ser por acaso que o hino europeu é a "Ode an die Freude" (ode à alegria), tirada da nona sinfonia de Beethoven. A alegria está no centro do projeto europeu. Leiam-se, a este propósito, as significativas palavras do ministro búlgaro das Finanças, Simeon Djankov, no "Le Monde" de hoje:

"Même si ce n'est pas bien joli, il y a un certain degré de joie mauvaise (à l'égard de la Grèce), parce que la Bulgarie est toujours comparée à la Grèce [...]. On a maintenant l'impression que les Grecs vont plus mal que nous, cela nous aide beaucoup en tant que gouvernement."

domingo, 23 de outubro de 2011

Portugal (1)

1. Missa. Não sendo embora a minha especialidade, sei distinguir uma boa de uma má homilia. E aquela havia sido desastrosa e muito desinspirada, indigna do falecido. O sacerdote "embrulhou-se" e não conseguia acabar com jeito. Comentei com um velho amigo, a meu lado. Resposta dele: "Também achei. Este deve ter tirado o curso para padre nas Novas Oportunidades".

Há gente muito mazinha...

2. Trás-os-Montes, anteontem:

- Com este défice, não vamos lá! E onde é que se meteu o dinheiro?
- Vieste de Lisboa, ainda hoje? Como é que conseguiste?
- Fiz a A8/A17 até Aveiro, depois a A25, a finalmente o IP2. Até que foi rápido! Porque é que perguntas?
- É porque, sendo assim, vieste "pelo" défice...

3. Sintra, ontem:

- E lá se foi o verão, não é? Vi agora na televisão: só há bom tempo na Madeira.
- Assim ficamos completos: é chuva na eira e sol no nabal...

4. Lisboa, já hoje:

- Bela exposição que vi à tarde na Gulbenkian. É dedicada a "naturezas mortas".
- A Gulbenkian está sempre muito atenta à realidade portuguesa...

sábado, 22 de outubro de 2011

Secretos

No Ministério dos Negócios Estrangeiros, as telegramas qualificados de "secretos" têm, como é natural, uma distribuição muito limitada, que segue a regra britânica do "need to know".

Não há muito tempo, procurei saber se um determinado colega, em Lisboa, tinha lido um "secreto" que eu tinha enviado dias antes. Cuidando em não falar pelo telefone da substância do texto - o que infringiria as chamadas "regras de cifra" - eu queria ter a certeza de que o telegrama lhe chegara, porque sabia que o assunto, por razões que não vêm ao caso, lhe interessava. Recordo que foi um pouco difícil contactá-lo, tendo a minha secretária apurado que só era possível encontrá-lo em casa. Estranhei, mas foi isso o que foi feito.

- Olha lá! Viste um "secreto" que há dois dias mandei para aí?

Resposta pronta:

- Ó homem! Então não sabes que eu já estou aposentado? Para mim, agora, secretos só de porco...

Eugénio Lisboa

A universidade de Aveiro promove hoje uma justíssima homenagem a um homem a quem a literatura portuguesa muito deve, através do lançamento do livro que lhe é dedicado: "Eugénio Lisboa: vário, intrépido e fecundo - uma homenagem". Tenho imensa pena de não pode estar presente nesta ocasião, mas o dom da ubiquidade, por ora, ainda me é alheio.

E aqui fica o curto texto com que, no livro, saúdo o Eugénio:

Por décadas, li o nome de Eugénio Lisboa em textos críticos sobre literatura portuguesa que me iam passando à frente dos olhos. Como essa era uma “praia”, como agora se diz, que eu apenas tocava pela rama, tinha, acerca dele, alguma, mas não excessiva, curiosidade, apenas potenciada pela raridade do facto de se tratar de um “engenheiro”, qualidade que partilhava com o Jorge de Sena – mas isso num tempo em que os engenheiros ainda não assumiam a importância que, entre nós, viriam a ter…

A circunstância de ter raízes em Moçambique e de, mais tarde, ter andado por França e pela Suécia, situavam Eugénio Lisboa, no meu imaginário, na prateleira prestigiada dos expatriados da nossa cultura, essas figuras com cujas assinaturas eu tropeçava em livros e artigos e que, de quando em quando, entrevia em colóquios ou na televisão, saídos da sua habitual geografia. Mas eu nunca fui fã de José Régio (o Eugénio não me vai perdoar esta!) e esse era o terreno de estimação do nosso crítico, pelo que não atentava, como seguramente deveria, ao que ele escrevia sobre o poeta – no “Colóquio Letras”, no JL e noutras folhas cultas e de culto.

Um dia, no início dos anos 90, ao ser colocado em Londres, tive oportunidade de pôr finalmente uma fotografia no nome do Eugénio Lisboa. E, simultaneamente, no de Rui Knopfli, com quem ele fazia um singular “par” de conselheiros da coisa escrita – o Lisboa, da cultura, o Knopfli, da imprensa – dentro da nossa Embaixada. Durante mais de quatro anos, convivi diariamente com ambos e, no meu saldo pessoal, julgo neles ter feito dois amigos. Era muito interessante observar a sua complementaridade, o sublinhar das comuns raízes moçambicanas, distintos no trabalhar de certas memórias, sobre figuras do passado frequentado e no modo de viver o presente de então. Porém, onde o Eugénio era uma formiga de trabalho, o Rui era uma cigarra, de cigarros seguidos e outros vícios, onde parecia assentar a alegria residual da sua vida e em que preparava, com uma certeza que íamos visualizando, o caminho apressado para a morte. Por mais de uma vez, fui aliado do Eugénio Lisboa – cuja óbvia ternura pelo Rui sempre mascarava – na tentativa de salvar o poeta de si próprio. E ambos sofríamos, cada um a seu modo, a inglória certeza, a prazo, desse esforço. 

Sou testemunha privilegiada de que, em Londres, Eugénio Lisboa desenvolveu um trabalho notável na promoção da nossa cultura. Para além de animar, frequentemente com a sua presença, muitas iniciativas, dedicava-se, com afinco, à edição de traduções de clássicos da nossa literatura, através da “Carcanet Press”. Com o Helder Macedo e com Michael Collins, seus principais cúmplices em iniciativas a que, com pertinácia, se dedicava, o Eugénio procurou “furar” o complexo mundo do tecido cultural britânico, tendo, a seu lado na Embaixada, a ajuda entusiasta e atenta de Mercês Gibson. Olhando para trás, tenho consciência de que procurei ser útil, à medida do que me era possível, a esse labor, onde frequentemente nos deparávamos com boas vontades – como era o caso da Fundação Calouste Gulbenkian – mas, igualmente, com alguns egos de estimação, às vezes de natureza institucional, bem difíceis de contornar.

Foi pela mão do Eugénio Lisboa que vim a conhecer figuras como o jornalista António de Figueiredo, lendário representante de Humberto Delgado em Londres, o advogado Adrião Rodrigues, nome destacado dos “Democratas de Moçambique”, ou Alexandre Pinheiro Torres, um escritor cuja obra justificaria maior reconhecimento público. Em Londres, o Eugénio funcionava como uma espécie de “placa giratória” por onde passava muito do mundo cultural português, mas onde a África lusófona estava sempre presente.

Esse “carrefour” londrino nem sempre era tão pacífico como se poderia pensar – mas, com o tempo, habituei-me a perceber que o mundo cultural é um espaço onde, com alguma facilidade, as personalidades se chocam e as palavras podem desencadear grandes fogueiras. Recordo-me de uma polémica, que envolveu o Eugénio Lisboa e o José Saramago, a propósito de um almoço que eu havia oferecido ao escritor, com a presença do Hélder Macedo, da Paula Rego, do Bartolomeu Cid dos Santos, do Luís de Sousa Rebelo e do Rui Knopfli. O modo como Saramago relatou uma cena desse repasto, nos seus “Cadernos de Lanzarote”, criou uma fúria no Eugénio, que zurziu o escritor no JL. A diplomacia não exclui a indignação.  

Devo confessar que tenho alguma saudade das conversas que, aos fins de tarde, mantínhamos no meu gabinete, muitas vezes acompanhados pelo fumo e pela ironia do Rui Knopfli. Ouvia-os então cruzar memórias africanas, referências literárias, leituras pessoais de episódios comuns do passado, tudo envolvido na agudeza crítica que, quando inteligente, não faz mal a ninguém.

Homenagear o Eugénio Lisboa, como grande figura da cultura portuguesa – não esquecendo a imprescindível serenidade da Antonieta, a seu lado –, é um ato mínimo de justiça. E, para mim, é também uma oportunidade para lhe enviar um abraço de sólida amizade.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

JL

A convite do JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias, publico na última página do seu mais recente número um "Diário" intitulado "Cais das Necessidades". Os leitores deste blogue pouco ou nada lá encontrarão de novo...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Eduardo Lourenço

A Sorbonne e a Fundação Calouste Gulbenkian homenagearam ontem, em Paris, o professor Eduardo Lourenço. À noite, na embaixada, tive o prazer de convidar para jantar Eduardo Lourenço e alguns amigos, juntamente com os interventores no seminário que celebrou a sua obra.

Depois de um dia completo que havia sido consagrado a Lourenço, tive a prudência de ser parco nas curtas palavras de admiração que lhe dirigi. Mas não deixei de sublinhar a minha gratidão, como português, pelo facto de Eduardo Lourenço, ao longo destes anos, me ter ajudado a "ler" melhor o meu país. Em especial, ensinou-me uma certa forma portuguesa de ser europeu. Na minha intervenção, referi que o que mais me surpreende é o facto de o ter feito com textos que não se refugiam nunca no hermetismo e que são, deliberadamente, "reader's friendly". Para se ser profundo não é necessário ser complexo, como Eduardo Lourenço sempre demonstra.

Deixo aqui um seu magnífico retrato de Bottelho.

O barman

É bom termos a sorte de nos lembrarem cenas em que participámos, mas que já havíamos esquecido! Há dias, um estimado colega (cujo nome não refiro, porque não cuidei em lhe perguntar se o podia fazer) recordou-me uma história passada numa reunião da Conferência Intergovernamental para a negociação daquilo que viria a ser o Tratado de Nice, ao tempo em que eu era o representante do governo português nessa tarefa.

A presidência rotativa semestral da União Europeia pertencia então aos Países Baixos. Discutia-se a eventual alteração do modelo de voto nas decisões comunitárias, que teria de passar por uma "reponderação" da força relativa de cada Estado no processo decisório. O tema era muito atual, mas muito polémico. Mudar a relação de forças entre os países foi sempre uma questão delicada e divisiva no seio da União Europeia.

Um dia, a presidência holandesa decidiu, sob a sua responsabilidade, colocar sobre a mesa uma proposta algo ousada que, em especial, alterava a relação interna de poder entre os três países do Benelux (Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo), que tinha sido mantida intocada desde a criação das Comunidades Europeias. Para os negociadores holandeses, chefiados pelo embaixador Ben Bot, que anos depois haveria de ser chefe da diplomacia do seu país, haveria que retificar essa relação, por forma a dar uma maior consideração ao fator demográfico. Nessa perspetiva, os Países Baixos eram beneficiados, porque tinham uma população substancialmente maior que a dos seus dois outros parceiros do Benelux. Nesta lógica, as coisas tinham uma certa racionalidade, só que a lógica em que as coisas se apoiavam estava muito longe de ser consensual.

Assumir uma presidência implica respeitar uma certa neutralidade naquilo que se propõe. Não se espera que o país que a detem apresente, de uma forma ostensiva e despudorada, ideias que diretamente a possam beneficiar. Foi isso, contudo, que, nesse dia, os holandeses fizeram.

Acabada a intervenção de Ben Bot, o delegado belga, uma grande e experiente figura da diplomacia europeia, o embaixador Philippe de Schoutheete, pediu a palavra e, com a inteligência, franqueza e humor que todos lhe conhecíamos, disse, muito simplesmente: "Senhor presidente. Tomámos boa nota da proposta que acaba de nos apresentar em nome dos Países Baixos. O meu único comentário sobre essa sua proposta é o seguinte: o senhor portou-se como uma barman que se serviu a si próprio antes de servir os clientes".

E a proposta holandesa morreu aí.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Olá, Raul!

Um jornal lembra-me que você faria hoje 82 anos. Parabéns! Não teremos velas para assoprar porque, vai para uns tempos, deu-lhe na veneta voltar-nos as costas e partir para outra. Não lhe vou contar o que sem passado por cá, desde a sua saída. Nem eu posso, nem você acreditava. A sério! ("Lá está ele a reinar", diria). No nosso comum Procópio, onde vertemos tantas lágrimas escocesas de riso, a noite do pessoal da "Dois" está cada vez mais curta. O Nuno foi à faca (dizem-me que, no hospital, tinha uma fisioterapeuta que era o máximo!), mas já esta aí para as curvas e vai ganhar "a Guerra", porque, como dizia o Lubitsch, "heaven can wait" (no caso, traduz-se por "a Céu pode esperar"). Há mesmo quem diga que os nossos amigos que ainda param lá pelo bar perderam muito da piada que tinham (há dias, a Diana Andringa, cruel, interrogava-se: "seria porque eu bebia que antes lhes achava mais graça ou eles tinham mais graça porque nessa altura bebiam?"). Até a Alice, armada em Merkel das Amoreiras, tem vindo a alargar os "spreads" (termo que agora se usa cá muito) face aos preços do Papagaio, a tasca que fica ao fundo da escadaria. É que anda por aí uma coisa nova chamada "troika" (lembra-se de uma Teresa Ter-Minassian, que em tempos vinha pelo FMI, cujo nariz arrebitado era muito fotografado a sair do Altis? Pois agora é mais ou menos isso, mas são mais e vêm de calças...). Nem lhe digo que o texto de cabeceira que agora está na moda - não quando temos insónias, mas quando temos sonhos - se chama "MoU", porque imagino que você fazia logo um trocadilho... É assim, Raul, é assim que andam as coisas, ou melhor, não é bem assim mas, como diria o Chico Buarque, "o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta". Bem que tentamos seguir o seu conselho - "façam o favor de ser felizes! - mas não está fácil, sabe? Mas nós somos como o seu Belenenses: andamos ora para cima ora para baixo. Agora? Agora... não estamos em cima! Receba um abraço saudoso do Francisco

O meu mais longo discurso

Ontem à noite, na inauguração do novo Centro cultural da Fundação Calouste Gulbenkian, encontrei a professora Cleonice Berardinelli, uma distinta académica brasileira a que já me referi aqui e aqui. E recordei, com ela, uma das mais complicadas cenas protocolares que tive de enfrentar, ocorrida no Brasil, em 2006.

Um ano antes, por feliz sugestão do diretor internacional da Gulbenkian, João Pedro Garcia, eu havia proposto que fosse concedida à professora Berardinelli a grã-cruz da ordem de Santiago de Espada, como forma de manifestarmos o nosso reconhecimento por uma vida académica dedicada ao estudo e promoção da literatura e da cultura portuguesas no Brasil. A minha sugestão foi aceite por Lisboa e, aproveitando uma passagem pelo Rio de Janeiro do então primeiro-ministro, engº José Sócrates, foi decidido organizar a cerimónia da entrega da distinção na grande sala do Real Gabinete Português de Leitura. Creio que mais de duas centenas de pessoas enchiam aquele magnífico espaço, testemunhando o elevado apreço que a professora Cleonice Berardinelli - que entretanto foi eleita para a Academia Brasileira de Letras - a tantos merece.

O programa de trabalho do chefe do governo português no Rio de Janeiro, nesse dia 11 de agosto de 2006, estava já bastante atrasado. O trânsito no Rio é muito complicado, a fixação dos tempos para os vários pontos da agenda fora feita de forma um tanto otimista, pelo que a chegada da comitiva ao Real Gabinete se processou quase uma hora depois do previsto, com outros eventos já à espera. Essa é a sina de muitas deslocações oficiais, especialmente quando se pretende atender a diversas solicitações: as conversas prolongam-se, surgem factos inesperados, as visitas demoram mais do que o previsto. Nada que seja muito grave, mas que sempre induz algumas tensões.

À chegada do primeiro-ministro, conduzi-o, de imediato, para uma sala onde estavam a professora Berardinelli e outros convidados importantes. Nesse preciso momento fui alertado para uma questão "trágica": por uma qualquer confusão, as insígnias da condecoração tinham ficado no hotel, bem longe, na Avenida Atlântica. Um estafeta fora entretanto buscá-las mas, uma vez mais atentas as dificuldades do trânsito, era difícil prever os minutos que demoraria a sua chegada.

Esgotados, com alguma rapidez, as amabilidades e os cumprimentos protocolares entre os presentes na sala, ciente do calendário apertado em que se movimentava, que se cumulava ao atraso anterior, o primeiro-ministro deu, a certo passo, instruções para que a cerimónia se iniciasse, sem demora. Eu era a única pessoa que sabia que, se bem que as formalidades e os discursos pudessem arrancar, elas não se poderiam concluir sem a chegada das insígnias. Mas, confesso, em face dos constrangimentos de horários que se viviam, decidi correr o grande risco de deixar iniciar o ato solene. 

Sobre o momento, surgiu-me então, uma única solução: embora só estivessem previstos três discursos - o do presidente do Real Gabinete, Dr. Gomes da Costa, o do primeiro-ministro português e o de agradecimento, da professora Cleonice Berardinelli - eu iria improvisar uma intervenção, imediatamente após a do Dr. Gomes da Costa... que duraria todo o tempo que fosse necessário, até à chegada física das insígnias.

Instalados na tribuna, segredei ao Dr. Gomes da Costa que deveria procurar ser tão longo quanto possível. Ele, porém, disse-me que o seu texto estava escrito e que só dava para cerca de dez minutos. Notei que o primeiro-ministro ficou surpreendido quando lhe passei uma mensagem dizendo que eu também falaria na cerimónia: protocolarmente, estando prevista uma intervenção do chefe do governo, não tinha qualquer sentido o embaixador falar. Ainda perguntei ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Luis Amado, e ao presidente da Fundação Gulbenkian, Emílio Rui Vilar, que tinha a meu lado na mesa, se não queriam dizer "umas palavras". Com naturalidade, nenhum deles se mostrou disponível.

Estava traçado o meu destino para os próximos minutos. Senti-me como aqueles deputados a quem, segundo a história, são pedidas longas intervenções para dar tempo à chegada de "reforços" para constituir uma qualquer maioria de voto. Com rapidez, alinhei num papel meia-dúzia de "tirets" que iriam servir de esqueleto ao meu discurso: desde notas pessoais sobre a professora Berardinelli, algumas referências aos estudos de literatura portuguesa no Brasil, umas palavras sobre a cooperação entre as universidades e sei lá mais o quê, tudo o que na altura me veio à cabeça como "buchas" possíveis. Naquele espaço sem ar condicionado, o meu crescente suor dava-me a impressão que a temperatura estava a subir em flecha. 

Com esperança de ganhar tempo, ouvia em fundo o Dr. Gomes da Costa que, no microfone, prosseguia, de forma que me parecia incomodamente rápida, no seu discurso. Até que, a certo ponto, o ouço dizer: "... e, para terminar, permitam-me que...". Pronto! Era a minha "deixa". E comecei a ajeitar a cadeira para sair da tribuna, para iniciar a arenga que o destino me obrigava a fazer. Logo se veria como saía...

E foi então, nesse instante, que vi surgir ao fundo, caminhando em passo apressado desde a porta de entrada do Real Gabinete em direção a nós, a figura diligente do Luís Ferreira dos Santos, o imprescindível colaborador do nosso serviço do protocolo, trazendo nas mãos a caixa vermelho "bordeaux" com a grã-cruz de Santiago de Espada. Estava consumado o milagre, logo a mim, que nunca tinha ansiado por uma benfazeja aparição de um santo... E estava salva a honra do convento!

Aqui fica a historieta do mais longo discurso que nunca pronunciei.

domingo, 16 de outubro de 2011

Os adoradores do sol

Há muitos anos, quando vivi na Noruega, li um livro de Fernando Namora com o nome de "Os adoradores do sol". Falava desse fascínio que os nórdicos sentem pelos dias luminosos, que aproveitam à saciedade, quando os deuses decidem, não tão raramente quanto se possa pensar, retirar-lhes de cima o "céu cinzento sob o astro mudo", como reza uma canção que deveria, particularmente nos dias que correm, ser de aprendizagem obrigatória nas nossas escolas.

Nesta sedução pelo sol, os parisienses são uma espécie de nórdicos: espojam-se pela esplanadas, à frente de uma bica ou de uma água. Ontem, dia em que Paris foi bafejado pelo verão de S. Martinho, foi um fartote. E (vá lá!) uma chatice: não havia lugar para pôr a cara ao sol (sem conotações franquistas...). 

Deixo-os com esta magnífica e clássica fotografia das cabeleireiras parisienses de Doisneau.

Negar a mentira

Há muitos anos que leio, publicadas em jornais, "cartas ao diretor", destinadas a retificar escritos. Tanto quanto me lembro, só por duas vezes me senti motivado a utilizar essa figura: uma primeira vez em 2002 e outra hoje. O que não deixa de ser curioso. Em ambos os casos, para denunciar coisas flagrantemente falsas, sem o menor apoio em factos. Nada de particularmente grave ou preocupante, atenta a notória falta de credibilidade daquilo que foi publicado. Mas apenas porque achei importante "to set the record straight". Para desmentir. Etimologicamente: para negar a mentira.

Dar música

Nestes tempos de crise, a Embaixada persiste em "dar música", no quadro da série de concertos "Entre Pautas / Entre Partitions". Desta vez, será um concerto de piano e flauta.

Utilizando os belos salões da rue de Noisiel, em Paris, podem ouvir-se, no próximo dia 28 de outubro, pelas 18.30 horas, obras de Fernando Lopes Graça e de Luis Costa, em "diálogo" com alguns autores românticos europeus. Ao piano estará Bruno Belthoise e, na flauta, Yves Charpentier.

Como assistir? Veja aqui

As 24 horas de Vila Real

No aeroporto: relato a um amigo espanhol as palavras certeiras do presidente Cavaco Silva, num discurso em Florença, onde denunciou as derivas institucionais da União Europeia e a "mainmise" intergovernamental. Resposta dele: "Pena é que o teu compatriota Barroso, em lugar de fazer um comício tardio no Parlamento europeu, a tentar absolver-se da clandestinidade da Comissão, não tivesse dito isso mesmo há muito mais tempo". Por mais que tente, não me recordo da expressão exata, em castelhano, com que ele acabou a frase. Mas soou a "É o dizes!".

No jornal: o doentio catastrofismo nacional de António Barreto é objeto de um comentário irónico de Vasco Pulido Valente, a quem, como é sabido, nunca ninguém apanhou uma palavra de dúvida sobre o futuro de Portugal.

Nas ruas: nascem como cogumelos os locais de compra de ouro. E que grande época aguarda as lojas chinesas!

Na universidade: ou foi impressão minha ou o efeito da crise soltou-nos o discurso a todos. Falo por mim. Nunca dirigi um reunião de forma tão caótica. Mas pode ter valido a pena. Toda a gente começa a perceber que já não há tempo para perder tempo.

No quiosque: "Leva quatro jornais e duas revistas?! Caramba! Muito obrigado!"

No restaurante: "O senhor vem lá dos frios de Paris e acha que está calor?! Olhe que por cá tudo sobe: a temperatura, os preços, os impostos... Ah! e também a raiva..."

Um familiar: fez ontem 99 anos! Fui dar-lhe um abraço. Disse-me: "acho que vou chegar aos 100!". Vai, claro! E Portugal está quase a chegar aos 900! Estamos aqui para durar!

Por todo o lado: é impressionante a unanimidade angustiada nas expetativas das pessoas com quem nos cruzamos. Quanto mais não seja por espírito de contradição, vou apostar em como isto ainda vai dar a volta. Não é impunemente que se faz uma vida como sportinguista. 

No avião de regresso: conversa longa e proveitosa, entre o Porto e Paris, com Artur Santos Silva. É bom escutar os que ganharam uma sabedoria serena e tolerante.

Um amigo, triste, a comentar, ao telefone, as manifestações: "Começo a estar menos preocupado com a taxa de desemprego e muito mais com a taxa de desespero".

sábado, 15 de outubro de 2011

Pedro Rosa Mendes

Pedro Rosa Mendes é um dos grandes escritores da nova geração da literatura portuguesa. Esta semana, foi-lhe atribuído o prémio narrativa do Pen Club, pelo seu livro "Peregrinação de Enmanuel Jhesus".

Pedro Rosa Mendes era também o correspondente da agência noticiosa Lusa em Paris. Porque acompanho, de há muito, a atividade dos jornalistas que a Lusa tem (cada vez menos) pelo mundo, posso testemunhar que, do trabalho de Pedro Rosa Mendes em França, resultaram algumas das melhores e mais equilibradas "peças" que alguma vez vi escritas em trabalho de agência.

A Lusa, com certeza, não quis ficar atrás do Pen Club e decidiu também "premiar" Pedro Rosa Mendes, cancelando o seu contrato. Não terá sido a "troika" a sugerir, mas já agora...

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A mão visível

Tem imensa graça ouvir o canto dos reconvertidos próceres do novo federalismo. Depois de nos terem bombardeado, por décadas, com o paraíso da “mão invisível”, de terem entoado loas embevecidas às maravilhas do mercado, ei-los que chegam, novos e já velhos, a uma cada vez mais alargada comunhão na ideia de que se torna imperativo um salto federal europeu para a sustentação do euro. 

Que grande ironia! Quem havia de dizer que seria a Europa financeira a "puxar" pela Europa política! Ora sejam muito bem-vindos ao Estado!

Três dias

Dia 1. É preciso aproveitar melhor as oportunidades na área da construção civil que se abrem às empresas portuguesas neste país. Por isso, a embaixada acolheu, no dia 11, as largas dezenas de convidados que a Câmara de Comércio Franco-Portuguesa juntou, para um exercício de várias horas, entre promotores imobiliários franceses do setor da habitação social e um conjunto muito importante de industriais nacionais da nossa construção civil.

Dia 2. As portas da embaixada voltaram a encher-se, do dia 12, com quase uma centena de pessoas para aplaudir as dezenas de alunos portugueses premiados com bolsas de estudo para a frequência do ensino superior francês no corrente ano letivo. Trata-se de uma iniciativa lançada pela embaixada de Portugal que merece o apoio do Banque BCP, do banco BES, da Caixa Geral de Depósitos, da companhia de seguros Fidelidade, da empresa INAPA e da secretaria de Estado das Comunidades portuguesas.

Dia 3. O conselheiro das Comunidades portuguesas, Carlos Reis, foi o responsável pelo simpático convite que me foi dirigido pela Faculté de Droit, Économie e Gestion, de Orléans, para aí proferir hoje uma conferência subordinada ao tema "Le Portugal en Europe - les nouveaux défis". Seguiu-se um animado e informado debate, dentre a centena e meia de presentes, onde se contavam muitos estudantes e alguns "maires" da região. Portugal continua a ser um tema que interessa muitos franceses. Agora que as coisas não estão fáceis para nós, acho que vale ainda mais a pena praticar uma ativa "diplomacia pública" para explicar, com clareza e com todas as "cartas sobre a mesa", como estamos a trabalhar para vir a sair da crise e, de caminho, o modo como olhamos as estruturas em discussão nesta Europa. Uma jornada que valeu bem a pena.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Tranquilidade

Ontem, gostei de ouvir Paulo Bento dizer, com "toda a tranquilidade", que a Dinamarca mereceu ganhar a Portugal. Porque era verdade. É bom que não sejamos cegos e que tenhamos a coragem de assumir quando falhamos, embora devamos dar provas de que estamos a trabalhar, com rigor, para garantir o nosso lugar no "Euro".

Terá isto alguma coisa a ver com outras realidades europeias, nomeadamente com as notícias, também menos boas, que nos chegam da Eslováquia, no tocante à aprovação do FEEF? Talvez. 

(Como muitas pessoas da minha geração continuo a ter muito boas recordações da capital eslovaca, Bratislava. Foi por lá, num 25 de abril (também) de muito boa memória, mas em 1965, que Portugal, com um golo magnífico de Eusébio, garantiu o seu apuramento para a sua primeira e inesquecível presença numa fase final do campeonato do mundo. Como ponto negativo, foi também por lá, nessa mesma tarde, que o sportinguista Fernando Mendes lesionou definitivamente o seu joelho. E eu, cá por coisas, tenho uma apurada memória seletiva para esse tipo de lesões.)

"Com toda a tranquilidade", quer na seleção, quer no restante país que não foi selecionado, devemos continuar a trabalhar. Se possível, melhor. Citando um clássico cada vez mais representativo do que hoje somos, lembraria que "os portugueses já provaram muitas vezes saber ser uns bons fregueses das grandes ocasiões"*.

*in José, Herman, "Bámos lá cambada!", Lisboa, 1986

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Postos

Viviam-se os tempos do PREC, naquela grande embaixada portuguesa na Europa. O ministro-conselheiro, o nº 2 da casa, alimentava uma legítima expectativa de poder vir a obter uma chefia de missão, na onda de novas representações diplomáticas que Portugal estava a criar pelo mundo. Essa ânsia não passou desapercebida aos colegas. Assim, um certo dia, estes resolveram elaborar um falso "telegrama", como se se tratasse de uma comunicação chegada de Lisboa, através do qual era perguntado se o ministro-conselheiro estaria disponível para assumir funções como chefe da missão em Budapeste.

O método de consulta era um tanto bizarro. Por regra, este tipo de sondagens não se faz por escrito para... que nada fique escrito. Para os postos mais importantes e apetecíveis, é vulgar ser o ministro a convidar os embaixadores, por haver a quase certeza de que eles não recusarão. Para os restantes postos, encarrega-se dessa tarefa, por via telefónica, o secretário-geral do Ministério, muitas vezes condenado a frustrar expectativas e a receber reações menos simpáticas. Mas nesses tempos, de governos mais do que provisórios, tudo era plausível, mesmo um "telegrama" a formalizar uma sondagem.

Ao ler o "telegrama", que tomou por verdadeiro, o ministro-conselheiro ficou muito hesitante. E desapontado. Embora conhecedor do lema clássico de que "uma embaixada é sempre uma embaixada", que seria, no seu caso, a primeira, a Hungria não era o seu mais desejado destino de vida para os próximos três ou quatro anos. Algumas capitais à época bem mais simpáticas e mais a ocidente, na geografia e na qualidade de vida, estariam em vias de ser preenchidas e ele ambicionava poder obter uma dentre elas. Durante algumas horas, cheio de dúvidas, partilhou o seu desencanto com os colegas, que, com alguma perfídia, alimentaram a graça até aos limites da crueldade. Ao fim do dia, porém, revelaram-lhe, para seu grande sossego, que tudo não tinha passado de uma grande "partida".

Decorreram uns dias e um novo "telegrama", muito similar ao anterior, emergiu nos corredores da embaixada e foi, de novo, pousar na secretário do ministro-conselheiro. Agora, em vez de Budapeste, o destino era Bissau. O ministro-conselheiro entendeu que a coisa começava já a não ter graça e, com alguma secura, disse-o aos colegas que já tinham criado a "invenção" de Budapeste. Mas estes juraram, a pés juntos, que nada tinham a ver com a segunda comunicação. Foi então que o nosso homem irrompeu pelo gabinete do embaixador, para tentar perceber o que é que aquilo realmente significava. O embaixador, com serenidade, disse-lhe a verdade: o Ministério queria saber se ele aceitava ser o primeiro embaixador português em Bissau.

O diplomata estava aturdido. Bissau? Era uma cidade que se sabia difícil para viver, as relações de Portugal com uma antiga colónia com a qual tinha disputado uma década de guerra eram ainda tensas, estávamos muito longe do ambiente de fraterno entendimento que hoje se vive entre os países que falam português pelo mundo. Claro que abrir a primeira embaixada portuguesa na Guiné-Bissau era um forte desafio profissional, em especial para um primeiro posto como embaixador, mas o ministro-conselheiro mantinha-se ainda um pouco hesitante.

Saiu do gabinete do embaixador e foi falar com os seus colegas, partilhando com eles a proposta, sublinhando as dúvidas que o assaltavam e, de certo modo, lamentando não ter hipóteses de escolha. Foi então que um deles, irónico, lhe lançou:

- Que queres? A culpa é tua. Não quiseste ir para Budapeste...

O embaixador João de Sá Coutinho, uma das grandes figuras da carreira diplomática portuguesa, foi o primeiro embaixador na Guiné-Bissau, onde veio a fazer um excelente posto. A história foi-me contada por um dos "conspiradores de Budapeste".

África

Pedro Pires, que até há pouco foi presidente de Cabo Verde, acaba de ganhar o prémio Bo Ibrahim para a Boa Governação em África. No passado, também Joaquim Chissano, que foi chefe de Estado de Moçambique, recebeu o mesmo galardão.

Não sei se os franceses, os britânicos ou os belgas sentem um orgulho especial quando é feita uma distinção destas a um dirigente de alguma das suas ex-colónias. Eu, como português, sinto.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quadros

Devo confessar que senti ontem à noite alguma tristeza ao estar presente no lançamento da venda da coleção de pintura (e outros objetos) de Jorge de Brito, aqui em Paris. Fantásticos quadros de Vieira da Silva, de Júlio Pomar e de Amadeu Souza Cardoso foram postos à venda e dispersar-se-ão, a partir de agora, por coleções particulares e públicas, seguramente fora de Portugal. Será inevitável? Talvez seja.

Tentei perceber (mas não lhe perguntei) o que pensava Júlio Pomar ao olhar para alguns dos seus grandes trabalhos, a maioria saídos das suas mãos para as do seu amigo Jorge de Brito, há já algumas dezenas de anos, agora quase a caminho de anónimos destinos. Apenas lhe disse que, por uma vez na vida, lamentava não ter dinheiro suficiente para adquirir o seu "Mai 68 (CRS-SS) II" (na imagem), de onde transpira parte da história da geração em que, com muito orgulho e sem qualquer remorso, me revejo. Depois, pensei melhor: se tivesse dinheiro suficiente para me poder dar ao luxo de comprar aquele quadro (que custa centenas de milhares de euros), seria talvez um mau sinal... 

Espetáculo

Com uma excitante irregularidade, todos (mas todos) os funcionários do Ministério dos Negócios Estrangeiros recebem, de tempos a tempos, num "block-mail" (que não discrimina quem está em Sidney de quem trabalha em Lisboa), notas sobre as mais variadas temáticas, desde o anúncio da (temporária, claro!) falta de água nas Necessidades (utilíssima informação, como se imagina, para funcionários em Harare ou em Tóquio), até à abertura de cursos de francês em Lisboa (bem úteis, especialmente para quem está colocado em Paris, apenas com a dificuldade dos horários dos aviões, para ir e vir no mesmo dia). Aparentemente, alguém cedeu, sem critério, o acesso indiscriminado à lista de e-mail oficiais dos funcionários e, agora, é "um fartar vilanagem". Se pensarmos que cada funcionário que recebe estes mails tem de "abrir" a respetiva pasta, ler o texto e, só depois, constatar a eventual irrelevância da informação, pode imaginar-se a quantidade de minutos tirada ao trabalho do Ministério. Mas, como já constatei há muito, não há nada a fazer! É assim, pronto!

Algumas destas mensagens são verdadeiros ícones recorrentes. E a sua falta ou atraso induz angústias, porque faz presumir que alguma coisa de grave se está a passar. Foi, por isso, que respirei de alívio ao receber há dias a que respeita à disponibilização de bilhetes para o circo de Natal 2011. 

Uhf! Pensava que nunca mais chegava! 

Eça, o Brasil e nós

No âmbito dos chamados "jantares queirosianos", dedicados a aspetos da vida e obra de Eça de Queiroz, a Fundação Eça de Queirós, o Círculo Eça de Queirós e o Grémio Literário promovem, no próximo dia 25 de outubro, em Lisboa, um debate, seguido de jantar, sobre o tema "O Brasil e os brasileiros".

Moderados por Miguel Sousa Tavares, o embaixador brasileiro Mário Vilalva, o advogado Pedro Rebelo de Sousa e eu próprio, juntar-nos-emos no Grémio Literário, numa charla que pretendemos bem animada.

domingo, 9 de outubro de 2011

De ouvido

Aqui fica uma historieta bem antiga da "casa".

Era a segunda ou terceira vez que o secretário-geral do MNE levava, ao despacho com o ministro, a proposta de atribuir a um determinado funcionário a chefia de uma embaixada. Por uma qualquer razão, que nunca ficava evidente, o político fazia-se deliberadamente desentendido, considerando o assunto não prioritário, pelo que transitava para a agenda da reunião seguinte. 

O secretário-geral, cuja qualidade de chefe da carreira o obrigava a ter de respeitar equilíbrios mínimos de justiça entre os funcionários, em função da sua antiguidade, experiência passada e avaliação de qualidade profissional, começava já a mostrar-se um pouco desagradado com a relutância do ministro, tanto mais que ela não era apoiada em qualquer argumento, mas apenas naquela misteriosa e persistente determinação em não tomar qualquer decisão.

Um dia, numa nova ocasião de despacho, o secretário-geral decidiu ser um pouco mais insistente:

- O senhor ministro vai-me desculpar, mas já não sei o que hei-de dizer ao homem. Ele aceita um posto modesto, está já muito atrasado em relação a colegas do seu tempo e, com toda a franqueza, parece-me que conseguiria gerir uma missão com a necessária dignidade. O senhor ministro conhece-o bem?

O político olhou o chefe da carreira e respondeu:

- Tenho uma ideia dele. Não é um que é surdo de um ouvido? 

O secretário-geral anuiu, animado com o reconhecimento feito pelo ministro: era esse mesmo.

- Pois é, só é pena que não entenda nada do outro.

E o homem acabou por nunca ser embaixador.

sábado, 8 de outubro de 2011

Sermão de domingo

As pessoas acreditam naquilo que querem acreditar. Em particular, acreditam no que lhes prolonga as ideias feitas, no que entendem como sendo "lógico" e no que lhes aparece como podendo desenhar-se como "óbvio". E se o que lhes é servido como verdade tem o condão de adubar sentimentos pré-existentes, então o processo de convicção pode dar-se como adquirido. Essa é a glória do criador da crença, para quem o supremo objetivo era construí-la, dá-la como evidência e vê-la partilhada, difundida e aceite como "a verdade". 

Ingenuamente, pode argumentar-se que, para além da crença, há que ter em conta esse pormenor, quiçá marginal, que são os factos. E que, às vezes, os factos apontam, de forma cristalina, no sentido de infirmar, em absoluto, a crença entretanto estabelecida. Neste caso, "tant pis" para os factos. Se acaso eles não acompanham o rumo da crença, esta dispensa-os, por irrelevantes e incómodos. É dos livros. Pirandello dizia que "a cada um a sua verdade". É verdade, cada um fica na sua. Apesar da verdade, na verdade, ser só uma. E, às vezes, a crença nada ter a ver com ela. Mas que importa? As pessoas acreditam naquilo que querem acreditar.    

Sábado comunitário

1. Começámos de manhã cedo. A reunião da CCPF (Coordenação das Comunidades Portuguesas em França) abriu com um interessante debate sobre problemas que interessam à nossa comunidade. O secretário de Estado das Comunidades portuguesas, José Cesário, os deputados Carlos Gonçalves e Paulo Pisco, bem como o autor deste blogue discutiram, durante quase duas horas, com um interessado auditório, temáticas tão variadas como o ensino português no estrangeiro, o trabalho associativo e a forma de o apoiar e promover, a imagem das comunidades migrantes em Portugal e no estrangeiro, as dificuldades dos residentes no estrangeiro com a nossa burocracia, os novos fluxos migratórios portugueses para França, a necessidade da preservação e valorização da memória da emigração, os contributos da "diplomacia autárquica", o papel do empresariado da diáspora, a promoção cultural no exterior, a mobilização cívica e política das nossas comunidades, a situação dos presos de nacionalidade portuguesa em França, o perfil dos mais jovens setores das comunidades.

2. À tarde, a associação de portugueses e luso-descendentes Cap Magellan, dinamizada pelo autarca parisiense Hermano Sanches Ruivo, instituição que agora faz 20 anos, organizou uma gala no "Hotel de Ville" de Paris, antecedida por palavras do "maire" Bertrand Delanoe e do SECP, José Cesário. Nela foram distribuídos prémios e apresentado um espetáculo com figuras como Kátia Guerreiro, Miguel Ângelo, Pedro Abrunhosa, Rui Reininho, lado a lado com artistas oriundos da nossa comunidade. Com pena, deixei a sessão a meio, por que tive de partir para...

3. ...uma noite limiana em Saint-Cyr, perto de Versailles, onde, com a presença de milhares de pessoas, teve lugar uma espécie de reedição das "Feiras Novas" de Ponte de Lima, com muita música e a gastronomia da "Encanada", o excelente restaurante da vila (porque Ponte de Lima é e quer permanecer vila!). Claro que acabámos com uma pratada de rojões e sarrabulho, regado a "vinhão" (sabem o que é?). Já prometi a mim mesmo entrar de dieta. Talvez comece 2ª feira...

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

João Crisóstomo

Conheci-o há cerca de uma década, em Nova Iorque.

João Crisóstomo é uma personalidade que tem dedicado grande parte da sua vida a dar a conhecer a figura de Aristides Sousa Mendes, o cônsul em Bordéus que, durante a segunda guerra mundial, emitiu, contra a vontade do governo salazarista, vistos de entrada em Portugal que permitiram salvar a vida a milhares de judeus e pessoas que fugiam à invasão nazi da França.

Sousa Mendes, por esse ato de desobediência cívica, foi perseguido pelo regime ditatorial, demitido da função pública, tendo acabado a sua vida em muito precárias condições financeiras. Ironicamente, em certos documentos internacionais, o regime salazarista chegou a ser elogiado por ter "permitido" esse acolhimento de refugiados, pelo qual puniu um seu servidor. E, para cúmulo, por esse mesmo motivo, Salazar chegou mesmo a ser proposto para a dignidade de "justo entre os justos"...

Há dias, tive o gosto de receber João Crisóstomo em Paris. Com o entusiasmo de sempre, falou-me dos seus projetos. Perguntei-lhe por que razão a casa de Aristides Sousa Mendes em Cabanas de Viriato, que Jaime Gama tanto se empenhou em colocar à disposição da respetiva Fundação, permanece em ruínas. Muitos estrangeiros que aí rumam, numa peregrinação de homenagem a essa figura ética, vão-me dando conta da sua desagradável surpresa em verem o edifício cada vez mais degradado, fruto de um incompreensível desleixo. E não deixam, de forma muitas vezes inquisitiva, de apontar o dedo às autoridades portuguesas - que não têm, na metéria, a menor responsabilidade.

O modo discreto como João Crisóstomo se referiu ao assunto, procurando não acicatar feridas mas sem resposta concreta para a questão colocada, suscitou-me alguma inquietação. Neste tempo em que as fundações são sujeitas a um escrutínio mais apertado, talvez não viesse mal ao mundo, bem pelo contrário!, se se pudesse "pôr em pratos" limpos o que se passa com a Fundação Aristides Sousa Mendes.

Casa da Música

Convidei hoje 20 jornalistas franceses da área musical para almoçar na Embaixada com responsáveis da Casa da Música, do Porto, com vista a conhecerem melhor aquela instituição e, em particular, o projeto de celebração da música francesa que, durante o ano de 2012, aí vai ser desenvolvido.

Num excelente francês, que pode ter surpreendido os convidados e que testemunha a saudável permanência da relação cultural intensa que Portugal mantém com a França, Nuno Azevedo e António Jorge Pacheco deram conta, a um grupo muito interessado de interlocutores, das iniciativas que vão ser levadas a cabo naquela que o "Le Figaro" qualifica como "a fascinante Casa da Música, (...) uma das salas mais ativas da Europa".

Graças à produção da Casa da Música, vamos, hoje à noite, na Cité de la Musique, aqui em Paris, ter oportunidade, de apreciar uma versão sintética do "Ring" de Wagner.

Meio milhão

Alguns por erro, outros por casualidade, muitos por acaso do "Google", mas a maioria "porque sim" - foram até hoje já mais de 500 mil, segundo o "sitemeter" ao lado, aqueles que, desde o início de fevereiro de 2009 (esse ano longínquo em que Fevereiro se escrevia com maiúscula), apareceram por este blogue. Todos continuam a ser muito bem vindos.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Nobel

Confesso que nunca tinha ouvido falar do novo prémio Nobel da Literatura, hoje anunciado, o poeta sueco Tomas Transtromer. O que, aliás, já me sucedeu, no passado, com outros nomes galardoados com idêntico prémio.

Fiquei a pensar se isso não seria uma imperdoável lacuna cultural da minha parte. E, pelo sim pelo não, durante um almoço de trabalho de que acabo de sair, perguntei ao colega sueco se os nomes de António Ramos Rosa ou de Herberto Hélder lhe diziam alguma coisa. Disse-me que não e sosseguei. Também ele não conhecia dois génios da poesia portuguesa. O meu sossego durou pouco, ao ouvi-lo dizer, logo de seguida, que, como poetas de Portugal, apenas conhecia Fernando Pessoa e Camões. Ora eu não conhecia nenhum poeta sueco (lembrei-me, depois, mas só lá cheguei com ajuda do Google, do nome, mas não da poesia, de Par Lagerkvist)! Mas logo aquietei o espírito com a reconfortante ideia de que, se isso acontece, é seguramente porque a nossa poesia é bem melhor do que a sueca. Deve ser isso! Pena é que ela não conte para o nosso PIB...

Logo à noite, quando for ouvir uma palestra do meu colega português na Unesco, o embaixador Luís Castro Mendes, que "acumula" com o facto de ser um dos grandes poetas contemporâneos de língua portuguesa, vou tirar tudo isto mais a limpo. 

Steve Jobs (1955-2011)

Por pouco que alguns tenham a ver com a "escola" Apple, há que reconhecer que o mundo da informática fica muito a dever a Steve Jobs, o génio que hoje desaparece.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Não enche!

Figura muito conhecida do mundo da banca e da finança do Brasil, desaparecida há uma década, Walter Moreira Salles, que também foi embaixador em Washington, era uma personalidade convivial e conhecida como simpática e de acesso fácil. Por isso, não terá estranhado quando, numa casa de banho de um restaurante, alguém se aproximou e lhe fez um pedido algo bizarro:

- O senhor podia fazer-me um grande favor! Sou empresário e estou ali numa mesa com clientes. Nem imagina quanto me ajudaria se, à passagem, pudesse dar um sinal de que me conhece. Se eles percebessem que sou conhecido de Walter Moreira Salles isso aumentaria, de imediato, o meu prestígio.

Salles terá achado a ideia, se bem que estranha, bastante inóqua. Pelo que anuiu, perguntando o nome do homem. Minutos depois, ao passar pela mesa onde o seu "conhecido" já tinha entretanto regressado, lançou: 

- Olá, João. Como vai você, meu amigo?

A reação é que não foi a esperada. O João olhou para Salles "do alto", como se ele estivesse a importunar a conversa profissional, e respondeu:

- Waltinho, não enche, tá?!

Dois amigos brasileiros, cada um a seu modo, contaram-me esta historieta, há dias. Acho-a um belo exemplar da caridade não reconhecida.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

O 5 de Outubro

Em Portugal, no tempo da ditadura, o 5 de Outubro, dia de implantação da nossa República, era uma data regularmente aproveitada pelos oposicionistas para celebrar a memória da democracia.

O curioso é que, ao tempo, alguém dizer-se "republicano", num regime que não tinha coragem de se afastar terminologicamente do conceito, era quase um ato de coragem, porque afirmava uma explícita rejeição do regime instaurado em 28 de maio de 1926. Ou, muito simplesmente, significava uma implícita colocação no campo da "oposição" ao Estado Novo, cujos defensores eram então designados, até pelos próprios, como a gente da "situação".

Nesses tempos, antes da Revolução de abril, recordo-me de ter participado em algumas iniciativas oposicionistas por ocasião do 5 de outubro. Eram, vulgarmente, romagens a cemitérios lisboetas onde estavam sepultadas figuras republicanas. Um dos momentos altos, nessa data, quase sempre alvo da repressão policial, consistia numa (muitas vezes apenas tentativa de) concentração junto ao monumento a António José de Almeida, ao Arco do Cego. Nunca esquecerei a figura magra, alta e esquálida de um homem que sempre aparecia nessas manifestações em Lisboa, com uma grande bandeira portuguesa, que a polícia, mesmo nos momentos de perseguição aos ajuntamentos, se via obrigada a respeitar. Não sei se a esse homem chegou a ser atribuída a Ordem da Liberdade. Bem a mereceria.

No ano de 1969, passei a data de 5 de outubro em Vila Real. Ao tempo, preparávamos no distrito o movimento da Oposição democrática (a Comissão Democrática Eleitoral, CDE) que haveria de defrontar a lista local da União Nacional. Contrariamente às listas CDE que haviam sido criadas em Lisboa, Porto e Braga, numa base um pouco mais radical, as CDE de província eram movimentos unitários onde se encontrava um pouco de tudo - republicanos "reviralhistas", monárquicos em aberta rutura com o regime, católicos em curso de dissidência com a hierarquia, socialistas de vários matizes, os comunistas "oficiais" do PCP e tantos outros, menos ou mais esquerdistas (como era o meu caso), sem filiação mas com uma imensa vontade de ver o Estado Novo pelas costas.

Organizado por um grupo liderado por essa grande figura de democrata que era o médico Otílio de Figueiredo, teve lugar, na noite de 4 de outubro de 1969, no restaurante Espadeiro, um jantar "oposicionista", que comemorava o "5 de outubro". Nele tomavam parte as figuras mais proeminentes da Oposição do distrito, tendo à frente, além do próprio Otílio de Figueiredo, José Alberto Rodrigues, Júlio Montalvão Machado e Camilo de Sousa Botelho. Eu e um grupo de jovens que fazíamos parte das estruturas organizativas da CDE de Vila Real decidimos dissociar-nos desse ato, por termo-lo considerado uma manifestação "burguesa" e saudosista. Só aparecemos para o café... No meu caso, fui mais longe: publiquei, na véspera, um artigo algo provocatório, no jornal local "A Voz de Trás-os-Montes", onde afirmava (e cito de cor) que "a nós não nos interessa nada o 5 de outubro de 1910, mas apenas o 5 de outubro de 1969". Os respeitáveis democratas vilarealenses devem ter olhado com displicente magnanimidade para essa nossa descabida ousadia. Só assim se compreende que tenham continuado a aceitar a nossa colaboração, nessa bela aventura que foi a campanha para as "eleições" para a Assembleia Nacional de que já falei aqui, aqui e aqui

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Por outro lado...


Ontem, já nem sei porquê, veio à conversa o famoso (e hoje politicamente incorreto) comentário de Margareth Thatcher de que gostaria que todos os seus assessores fossem manetas. Explicava a antiga primeira-ministra britânica: "quando me dão um parecer, acrescentam logo outro, de sentido contrário, antecedido de "on the other hand"...".

Lembrei-me então dos tempos em que as "informações de serviço" no MNE assumiam um estilo formalmente subserviente, marcado por um tom modestamente auto-dubitativo. Normalmente, o autor do texto sugeria várias opções possíveis e, no final, qual Pilatos, "lavava as mãos", com a frase clássica: "V. Exª, no seu alto critério, melhor decidirá".

Como devem imaginar, a apresentação de várias opções, sem coragem para as hierarquizar valorativamente, dava um jeitão, a quem tinha de decidir...

Guimarães

Convidado pelo Dr. Jorge Sampaio, acedi a integrar, a partir da passada semana, a título gracioso, o Conselho Geral da Fundação Cidade de Guimarães, que tem a seu cargo acompanhar a organização de Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura.

Este é um projeto de interesse nacional em cujo êxito todos temos obrigação de nos empenhar e ao qual procurarei dar a melhor colaboração possível.

domingo, 2 de outubro de 2011

Ainda o défice

Passo, às vezes, pelos blogues da política portuguesa, um espaço que se assemelha a uma guerra de trincheiras, onde os índios e os cow-boys se revezaram há pouco. Com louváveis exceções, trata-se de um terreno virtual de guerrilha, às vezes muito pouco urbana, feita de uma imensidão de ressentimentos e de vontade de "explorar o sucesso", de muito mau-perder e de muito mau ganhar. Velam-se espetros e incensam-se aparições, num mundo maniqueu de "bons" e de "maus", com os erros de uns a transformarem-se, patética e patetamente, no gozo dos outros. Esses uns agora esquecendo, como já antes essoutros esqueciam, que, no final da linha, há por aí um país e que, quando as coisas correm mal, correm mal para todos! Também isto faz parte do nosso défice.

Lisboa em 48 horas

1. A Madeira continua nas notícias. E nós com ela.

2. Ainda bem que está calor, dizia-me ontem uma amiga, sempre se evita testar a próxima fatura de aquecimento.

3. Um autarca é preso. O autarca é solto. Foi um erro. O processo pode prescrever. As televisões mostram a nossa Justiça em direto.

4. Colóquio na Gulbenkian. Bela discussão. Disse o que pensava, sem "langue de bois". Houve quem não gostasse, claro.

5. A coleção Berardo e os seus dinheiros suscitam novos problemas. Desde o início, sempre suspeitei que isso ia acontecer e lembro-me de o ter dito ao António Mega Ferreira. Cabe agora ao Francisco José Viegas a nova "batata quente". "Bon courage"!

6. Nesta passagem por Lisboa, fiz uma rara "greve" ao Procópio. Com o Nuno Brederode "de molho", a "mesa dois" perde toda a graça. Um forte abraço para ele e para a Céu. 

7. Muita gente na rua, na manifestação sindical. Jornada com ordem. É muito importante que assim continue a ser. 

8. Com o Porto a descer e o Benfica a subir, veremos onde chega este ano o Sporting. Embora a rua da Esperança só seja famosa por andar ao passo dos seus caracóis.

9. Deu-me para ouvir "Lisboa que amanhece".

10. ... e, sei lá porquê, para ver, em vídeo, uma obra prima com Peter Sellers, o "Goodbye, Mr. Chance".