sábado, 30 de abril de 2011

O recoveiro

"Podias fazer de recoveiro e trazer-me isso de Paris", pediu-me, há pouco, um amigo que sabe que vou hoje a Lisboa.

Só alguém com uma certa idade, e "da província", se lembraria do conceito de "recoveiro", uma figura da minha infância que se deslocava de terra em terra, normalmente de comboio, e que, na sua mala, trazia e levava "coisas", por um módico custo, num tempo em que o transporte de objetos pelo correio não ainda era muito vulgar. 

O meu pai contava-me que era o recoveiro quem trazia, "do Porto", no final dos anos 40, a então muito rara penicilina, que permitiu "safar-me" de uma doença grave, que me ia levando desta para melhor. Desde então, tenho uma gratidão eterna para com os desaparecidos recoveiros.

Por isso, hoje, farei, com gosto, o papel de recoveiro aéreo para esse meu amigo.

Vinho inglês

A propósito do bioetanol ecológico que servia de carburante ao belo Aston Martin que o príncipe britânico ontem conduzia, à saída de Buckingham, o "Libération" esclarece que o mesmo é feito à base de vinho inglês. Para logo acrescentar: "si, ça existe..."

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Os cheiros da Europa

Um amigo português, inteligentemente sensível às coisas da vida, perguntava-me, há dias, numa rua de Paris, "o que era feito" daquela diferença de cheiros que, por muitos anos, nos identificava cada grande cidade europeia e lhe atribuía uma certa especificidade. Nesse momento, dei-me conta que já havia esquecido essa forte e impressiva realidade, que marcou bem quem viajava pelo continente, a partir dos anos 60 do século passado.

Hoje, prevalece por aí uma espécie de "franchising" de odores, feito de um ambiente de "mc'donaldismo" generalizado e do carbono dos motores, apenas compensado pelos aromas "standardizados" da (falsa) desodorização dos lugares públicos e de alguns perfumes sociais mais sofisticados, que ao lado nos passam "ao sol poente" (O'Neill dixit). Até a restauração comum, salvo algumas exceções mais étnicas (o outro lado da imigração), parece exalar para o exterior o mesmo "template" de cheiros, misto de fritos e abafados fumos, numa perspetiva benévola.

Embora presuma que não haja ainda nenhuma "diretiva comunitária sobre aromas públicos" (haverá?), a verdade é que a aproximação dos estilos de vida e de consumo acabou por conduzir a uma quase uniformização neste domínio, a qual, podendo fazer com que possamos ser tentados a nos sentir "em casa", em qualquer parte desta Europa, acaba por diluir, em muito, a graça que sempre terá a nossa inapagável diversidade.

Irei perguntar ao amigo que me suscitou este tema qual era o aroma predominante na Abadia de Westminster, no dia de ontem. Ele que foi o único português com assento por lá.

David Lopes Ramos (1948-2011)

Morreu David Lopes Ramos. 

Fui instrutor militar do David em 1973, na Escola Prática de Administração Militar, em Lisboa. Dei-lhe então aulas de "Acção Psicológica" (isso mesmo!). Vimo-nos fugazmente nos corredores da Revolução. Cruzámos histórias divertidas desses tempos nas poucas vezes que nos voltámos a encontrar - lembro, em particular, uma longa conversa numa esplanada no Funchal, ainda nos anos 70, onde descobrimos que ele era dois dias mais velho que eu, e uma noitada em Lamego, no final dos anos 90, num debate jornalístico-político, sob um pretexto vinófilo. Nunca cheguei a responder a um convite que me formulou para escrever um certo texto para o "Público", durante o tempo em que eu estava no Brasil. 

David Lopes Ramos era, para mim - e para muita gente com uma opinião bem mais qualificada que a minha -, sem a menor sombra de dúvida, o maior crítico gastronómico português.

Tradução automática

Leitor amigo chamou a minha atenção para algumas barbaridades a que a tradução automática dos textos deste blogue pode levar.

As vantagens de poder dar uma perceção do que aqui se escreve em inglês ou francês parecem, de facto, muito inferiores ao risco de ver ocorrer algumas distorções graves do conteúdo dos textos.

A tradução automática fica, assim, suspensa.

Quem dera que tudo na vida se pudesse corrigir de forma assim tão simples.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Marcos de Azambuja

O embaixador Marcos de Azambuja é um diplomata brasileiro de grande mérito e com uma graça pessoal infinita. Representou o Brasil em postos tão importantes para o seu país como a Argentina, a França ou junto das instituições internacionais, em Genebra. Conhecemo-nos, pela primeira vez, aqui em Paris, já há muitos anos e, pela última vez, coincidimos lado a lado, num voo da ponte "Rio-S.Paulo", creio que em 2008. Nunca terminámos uma conversa então iniciada.

Ontem chegaram-me, por mão brasileira amiga, os artigos que publicou em dois números da "Piauí" (uma revista que vivamento recomendo, a quem quer conhecer o melhor do Brasil). Os textos não são curtos (raramente são, na "Piauí"), mas trata-se de um impressivo mosaico de memórias, um olhar irónico sobre a vida diplomática, que muito bem se liga com o espírito deste blogue.

Leiam essas "Memórias pouco diplomáticas", com prometido gozo, aqui e aqui

Cortiça

A vinha de Montmartre é uma conhecida curiosidade agrícola no centro de Paris, de onde anualmente sai um vinho tinto que já faz parte da história da cidade. Nela foi plantado, no mês de Outubro, um sobreiro alentejano, como que a simbolizar o velho "casamento" entre o vinho e a cortiça.

Esta manhã, o "maire" local, o antigo ministro Daniel Vaillant, e eu próprio descerrámos um placa comemorativa desta implantação, ocasião que serviu para lembrar a importância da França como o mais importante destino comercial das rolhas de cortiça portuguesa.

Correndo embora o risco de desencadear algumas reações adversas por parte dos cultores da rolha de plástico, disse, na minha curta intervenção, que, no fundo, estávamos ali a celebrar o longo "casamento" da cortiça com o vinho, uma vida em comum que não prenuncia qualquer separação, não obstante a tentação recente do vinho por produtos mais novos...

Em tempo: devo declarar, para os efeitos patrimoniais devidos, que fui brindado com uma das 1500 garrafas que, no ano passado, a vinha de Montmarte produziu.

Morte

Hoje, mais uma vez, a A10 provou ser a estrada que tanto serve para conduzir os portugueses à alegria do encontro com as suas famílias como pode servir de cenário onde, nas últimas décadas, a vida de muitos terminou abruptamente. Seis cidadãos de origem portuguesa, bem como um francês, morreram esta noite, perto de Bordéus, num terrível acidente rodoviário. Que se pode dizer mais?

Em tempo: sobre o assunto, publiquei, em 29.4.1, no "Correio da Manhã". um artigo.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Marcel Gauchet

Uma "habituée" das sessões do centro cultural Gulbenkian, aqui em Paris, interveio para dizer que se tratara da mais interessante conferência-debate a que por ali assistira. Não sei se estava certa, mas a verdade é que quem ontem, ao final da tarde, ouviu Marcel Gauchet falar das "Metamorfoses da democracia" não perdeu o seu tempo.

O filósofo fez um curioso bosquejo da evolução da prática democrática, concordando com quantos colocam a nossa Revolução de abril na abertura da terceira vaga de libertação, que haveria de descer à América Latina, para retornar à Europa da centro e leste. Repetindo que "os homens fazem a História, mas não sabem a História que fazem", Gauchet singularizou o mítico "homem novo" como a tentativa de criar um ator que sabia a História que protagonizava. Nos debates, falou-se, entre outras coisas, da vitória do individualismo, com a "autodestruição doce" do poder coletivo. E a questão da legitimodade, em torno dos modelos de representação política, com as suas contradições e deceções, foi também abordada.

Saí da conferência "como uma seta": tinha à espera o Real-Barça... A filosofia era outra.

Ideias

A propósito de algumas patetices que, nos tempos que correm, aparecem por aí como soluções miraculosas no plano internacional, Laurent Fabius, antigo primeiro-ministro francês, com quem hoje estive num almoço, relembrava uma frase de François Mitterrand: "Il ne faut pas prendre toutes les mouches qui volent pour des idées" ("não devemos confundir todas as moscas que voam com ideias").

É bem verdade.

Hortaliças

Ontem, surgiu na televisão o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Roland Dumas, a propósito de um livro de memórias que acaba de lançar. 

Nesse instante, veio-me à ideia um episódio que teve lugar nos nossos primeiros tempos nas instituições europeias, numa reunião que decorria sob a sua responsabilidade, durante uma presidência semestral francesa.

O debate prolongara-se já muito pela noite dentro, nessas horas que a Europa guarda para as grandes decisões. A temática eram concessões em matéria de produtos agrícolas, incluídas num acordo com países terceiros, menos desenvolvidos. Tratava-se de matéria de grande sensibilidade, porque o peso do lóbi agrícola em vários Estados condiciona muito a liberdade dos governos para poderem fazer gestos de sentido político. Ao mesmo tempo, porém, esse era, como sempre é, o setor onde a abertura de facilidades por parte da Europa se revela mais interessante para esses países. O que estava em causa, naquele caso particular, era aquilo que em Portugal se designa por "produtos hortícolas".

A Espanha era, do lado europeu, o país com maiores dificuldades para aceitar o acordo, nos termos em que este era proposto pela Comissão Europeia. Com eleições dois dias imediatamente após essa reunião, o governo de Madrid entendia que permitir aberturas no seu mercado com impacto na economia agrícola do país poderia ser aproveitado pela oposição para acusar de fragilidade a sua nóvel política europeia. O representante espanhol na reunião, o embaixador Carlos Westendorp, estava "de mão atadas". Por um lado, toda a então CEE já tinha dado luz verde ao pacote de concessões, o que se traduzia numa grande pressão sobre a sua delegação. Esta, por seu turno, embora revelasse uma vontade para se juntar ao consenso, sentia que fazê-lo naquele momento poderia configurar um suicídio político.

Roland Dumas utilizou toda a sua habilidade de advogado para colocar os espanhóis face à responsabilidade política de serem eles a boicotar a decisão europeia, tanto mais que esta era aguardada com ansiedade pelos países contrapartes. Destacou que esta singularização negativa ia refletir-se, com toda a evidência, no modo como Madrid passaria a ser visto pelos Estados potenciais beneficiários das concessões.

Lembro-me que Portugal acompanhou a Espanha tão longe quanto foi possível. Mas, a certo ponto, o facto da Comissão Europeia ter acedido a colocar de fora da lista de concessões alguns produtos que, para nós, eram os mais sensíveis, bem como a importância política do acordo para o nosso quadro de relações externas, deixou-nos sem argumentos para continuarmos a nos opor ao entendimento.

A Espanha estava, assim, completamente isolada. Roland Dumas apelou a uma derradeira flexibilidade política dos espanhóis, dando a palavra a Westendorp. Este ensaiou um discurso dramático, perante o silêncio pesado e tenso que envolvia toda a sala. As 12 delegações nacionais (viviam-se então os tempos da Europa "a doze"), a Comissão Europeia e o secretariado-geral do Conselho bebiam as palavras do representante de Madrid, esperando uma cedência no último minuto, o que permitiria a todos regressarem ao descanso nos seus hotéis.

Como mandam as regras dos Conselhos de Ministros europeus, Westendorp falou em espanhol, com a delegação portuguesa a não necessitar, naturalmente, de tradução. Não mostrou qualquer flexibilidade. Pelo contrário, fez uma chamada à compreensão de todos pela difícil posição em que se encontrava.

A certo passo desse discurso, disse: "Ustedes deben entender que en España la cuestión de las hortalizas es una cuestión de Estado". A pausa que Westendorp fez suceder a esta frase, aguardando o impacto da interpretação simultânea que ia chegar aos ouvidos das restantes delegações, foi subitamente interrompida por risos surdos, oriundos da nossa delegação, assim como da meia dúzia de técnicos portugueses que faziam parte das delegações da Comissão e do secretariado.  

Para nós, portugueses, ouvir a expressão "hortalizas" (que é palavra espanhola para designar "produtos hortícolas") ligada ao conceito de "questão de Estado" havia desencadeado uma imparável e embaraçante epidemia de risadas, que se ia agravando à medida que olhávamos uns para os outros. Essa atitude, que soou pela sala como uma nota de desprezo pelo problema espanhol, tornava-se tanto mais grave quanto era muito difícil de explicar - desde logo aos espanhóis, que nos miravam com um fácies furioso, mas igualmente às outras nacionalidades, que tinham recebido com naturalidade a tradução de "produtos hortícolas". Ficámos, assim, sob um perplexo olhar coletivo, tentando, de modo esforçado, atenuar o nosso contágio de risadas. 

Já não me lembro como aquilo tudo acabou, apenas sei que nunca mais esqueci aquela madrugada europeia de risota lusa. Porque há leitores regulares deste blogue que estavam nessa nossa delegação, deixo-lhes a tarefa de confirmarem ou infirmarem os pormenores desta minha recordação. Talvez o (então) jovem chefe da delegação portuguesa, que ora circula pelos mais altos corredores de Bruxelas, tenha entretanto sido confrontado por alguém com as razões por que comandou esse pelotão imparável de riso, já lá vai quase um quarto de século.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Politicamente correto

Ao rever o Tim Tim no Tibete (onde está um texto muito interessante sobre o 26 de abril), descobri esta imagem do "Almoço do trolha", um quadro que Júlio Pomar pintou, um ano antes de eu nascer, e onde está quase tudo o que o neo-realismo (eufemismo luso para realismo socialista) quereria significar. Recordo ter visto o quadro na exposição retrospetiva de Pomar, na presença do autor, na Pinacoteca de S. Paulo, em 2008.

A pintura de Júlio Pomar - ele que é, a meu ver, o maior pintor português vivo, e que agora "transita" entre Portugal e a França - segue hoje por outras vias. Imagino, porém, o que seria se ele decidisse dar, nos dias que correm, esse nome a um quadro. Com toda a certeza, logo surgiria um comunicado dizendo que chamar "trolha" a alguém representava uma inaceitável desqualificação profissional. Quando, na realidade, esse é talvez o maior elogio que a arte portuguesa fez àquela profissão.

Enfim, histórias do politicamente correto.

Síria

Portugal é um dos países europeus que tomaram a iniciativa de levar, com urgência, a crise síria ao Conselho de Segurança da ONU. 

O nosso país tem vindo a assumir, nos últimos anos, uma atitude diplomática muito afirmativa no Médio Oriente. Temos deixado as mensagens certas no quadro do nosso cada vez mais denso relacionamento bilateral, quer face aos parceiros árabes, quer perante Israel. Esta iniciativa é, assim, um ato de coerência e responsabilidade.

Impõe-se que uma questão como a que a Síria hoje suscita, que releva de uma inaceitável prática repressiva face aos seus cidadãos, não passe impune.  É essencial que a Europa mostre, também neste caso, que, sem deixar de ter em conta o particularismo de cada situação, é favorável às esperanças democráticas que hoje nascem por todo o mundo árabe. 

A Síria é um Estado central em todo o processo político da região. Com uma relação complexa com o resto da comunidade árabe, com uma ligação particular ao Irão, detendo um poder de influência sobre movimentos relevantes no levantamento palestiniano, é também em Damasco que reside a chave para a estabilidade do Líbano e, nesse sentido, para qualquer processo de paz minimamente eficaz e durável. Por essa razão, o caso sírio tem uma importância, à escala regional, só comparável ao Egito e muito para além da Tunísia ou da Líbia.      

domingo, 24 de abril de 2011

As vésperas de Abril

Com o ar sereno que projectava confiança, a que a calvície precoce também ajudava, o António juntou-se à mesa do Montecarlo onde, sem arranjos prévios, nos íamos encontrando em algumas noites desses últimos meses de 1973. Forte da sua aura de resistente, que sabíamos ligado ao “Partido” ainda antes das lutas de 69 em Coimbra, com contactos cuja solidez nos não passava pela cabeça pôr em causa, lançou em tom algo displicente, seguro de antecipar a nossa ignorância: “Então, já há mais novidades de Castelo Branco?”. 

Porque outra coisa não seria presumível na sua boca, habitualmente dada ao sério reportar de eventos heróicos das “massas”, logo nos cheirou a bernarda política sobre a qual, porém, a nossa troca de olhares rapidamente traiu uma amesquinhante comunhão no desconhecimento. Explorando o embaraço colectivo, o António, sem largar o tom algo sobranceiro de quem “bebe do fino”, mas já aberto a alguma generosidade informativa, lá esclareceu: “Então vocês não sabem do levantamento de rancho e da saída das tropas para a rua?”. 

Ninguém sabia de nada, ninguém tinha ouvido falar de qualquer movimentação de tropas, parte substancial da mesa acordara nesse segundo para a própria existência de um regimento em Castelo Branco.

Registe-se, para a História, que era tudo mentira, que nem uma palha mexera na tropa das Beiras, que o boato surgira, como habitualmente, da magnificação de uma qualquer rixa menor, lida à luz da matriz de esperança que à época pintava qualquer buliço castrense, com que a rapaziada à roda do PCP ia alimentando a perpétua madrugada dos amanhãs que por cá tardavam em cantar.

Era assim o Portugal de então, para quantos dentre nós, na casa dos 20 e dos 30, nos entretínhamos, na cavaqueira após o jantar, a cultivar pequenas historietas com ressonância política, enquadrando-as nessa manta de retalhos informativos que individualmente coleccionávamos e que nos dava a ilusão de estarmos a acompanhar o curso das coisas, de percebermos o fio condutor do que politicamente se passava à nossa volta.

(Previno, desde já, o leitor que não encontrará, no que se vai seguir, veleidades de generalização sociológica e que assumo, sem hesitações, o carácter subjectivo da minha própria experiência pessoal e o datado simplismo da perspectiva que deixo registada. Mas arrisco poder representar, em muita dessa vivência e desse mesmo olhar, um ambiente que combinou o tempo estudantil de alguns, a diversa vida já profissional de uns quantos e o percurso jornalístico-intelectual de outros escassos eleitos que quase todos invejávamos.) 

Juntos construíamos, no cultivo do debate de âmbito quase renascentista e da troca do “gossip” político-cultural, nessa Lisboa de pouco antes de Abril, um terreno de convivialidade dispersa que marcou alguma da nossa geração.

A Lisboa dos cafés, onde muitos de nós atenuávamos a solidão de quem caíra na capital um tanto desamparado, era um espaço de absorção, por vezes um tanto impressionista, de uma imensidão de sinais culturais que, ainda que sem grande critério, pressentíamos essenciais à afirmação de uma certa modernidade de pensamento, que nos dava a cómoda sensação de pertença à tribo. 

As novidades francesas recolhidas (sabe-se lá como...) das mesas da Livrelco ou da cómoda solidão da Universitária, os suplementos literários dos vespertinos, os ciclos de cinema francês e as sessões de cine-clube do Chile, os cursos político-culturais e os colóquios no “novo” Centro Nacional de Cultura iam de par com debates mais pesados que atravessavam as páginas da “Vértice”, da “Seara”, do “Notícias da Amadora” ou, mesmo, do “Jornal do Fundão”. À época, “O Tempo e o Modo” estava já entregue a um radicalismo sem remissão, o róseo “Comércio do Funchal” deixara de ser novidade e até o “& etc” perdera a sua graça meio anarca. 

As raras polémicas na imprensa, quase sempre envolvendo apenas figuras de sensibilidades da esquerda, acabavam por funcionar como mecanismos de substituição do debate democrático que não tínhamos e davam a cada um de nós um gozo proporcional à respectiva capacidade de partilha do código de leitura dos textos que o regime censório deixava passar, pela certeza que tinha da sua inocuidade prática em termos de proselitismo ideológico.

Marcados por uma evolução mais radical, alguns dessa geração assumiam ao tempo uma actividade política mais empenhada, de paralelo ou em substituição da militância associativa universitária. Uma vezes inserindo-se na proliferação esquerdista em crescendo (do maoísmo à LUAR, passando pelo PRP ou por aquilo que viria a ser o MES), as mais das vezes caminhando ao lado de um PCP cujos “revisionismo” e alegada passividade não esmoreciam as convicções de quem continuava a ver no “Partido” o eixo incontornável da vida política da oposição.

Alguns vindos dos áureos tempos do Vává, dos sobressaltos românticos da Suprema ou das noitadas da Alga, muitos de nós empreendêramos entretanto uma transição geográfica em moda, da Grã-fina até ao Montecarlo. Neste coabitavam já mundos muito diversos, da tertúlia neo-realista à marginalidade sexual, do vário jornalismo a um certo “bas-fond”, confinado este à área do dominó protegido pelos bilhares. O Montecarlo era um curioso espaço plural, uma espécie de permanentes “estados gerais” de uma esquerda em definição de projectos que, quando abonada, assomava ao bife nas “toalhas” e, na rotina da crise, se resumia à imperial do fim de tarde ou à bica da noite.

Esse é também o tempo da passagem frequente para “o outro lado da noite”, de que o Bolero e, mais tarde, o Jamaica vão ser exemplos fortes, aliás numa linha de colagem de mundos que várias gerações de Lisboa sempre se entretiveram a cultivar e de que o Maxime e o Ritz Club, e noutras horas o British Bar, serão pilares eternos. 

A política era, porém, um cenário de referência comum, se bem que com graus muito diversos de afirmação, de sensibilidade e, em particular, de intervenção. O choque eleitoral de 1969, complementado com as ressacas tardias do Maio do ano anterior, tinha ajudado a adubar o saudável mal-estar que se sabia atravessar estudantes, sindicatos e, ao que se dizia, também militares. Se a revolução não parecia estar ao virar da esquina, o fumo do fim do regime pressentia-se já no horizonte, embora sem saídas naturais muito evidentes.

Marcelo Caetano revelava-se sem garra para recuperar, através de reforma ousada, as brechas psicológicas provocadas na opinião pública pelo cansaço da guerra colonial, pela dessintonia institucional com um mundo exterior que se infiltrava no país por todos os lados, tendo como pano de fundo a crise económica que a situação petrolífera acentuara no edifício do regime. O marcelismo, fórmula recauchutada do salazarismo por via inábil, havia-se refugiado na revisão semântica (DGS, ANP, Exame Prévio) como elemento de auto-convencimento da vontade da mudança, desmentida pelo abandono com estrondo da “ala liberal”, pela forçada inoperância da solução SEDES e pelo enveredar pela reciclagem do pessoal da “situação”. Marcelo simbolizava a modorra do empate político, entre os “ultras” que pareciam tutelar Tomás e o bando disperso de renovadores sem aparente liderança.

O “Expresso” era a face mais visível do descontentamento do pessoal mais liberal - que, há que confessá-lo, muitos de nós olhávamos à época com algum desdém, por identificarmos com um sector da classe política dominante que apenas vivia na não respeitável ânsia de tentar garantir espaço para uma qualquer via reformista que evitasse a ruptura radical. Ainda assim, o jornal era a porta mais aberta ao nosso “voyeurisme” face ao regime, que apreciávamos com algum deleite exterior, porque era muito mais criativo que o discurso ainda um tanto reviralhista do “República” e só acompanhado pela subtileza persistente do “Lisboa”. 

Mas a guerra continuava a ser, para muitos dentre nós, o verdadeiro elemento de fronteira que distinguia o que era politicamente correcto (o termo tinha então um significado bem diferente do actual) de tudo quanto se colava ao regime. O estatuto dos “movimentos de libertação” impunha-se então como um dogma sem contestação, erigido mesmo num símbolo de pureza ideológica que utilizávamos para absolver as nossas próprias fraquezas. Estar desse lado, sem condições, impunha-se à esquerda de então como uma evidência, um pouco como o que sucedeu mais tarde a todos nós com a causa timorense.

É claro que nem todos tinham a mesma visão táctica. Em crescendo, os maoístas iam ocupando com eficácia o terreno das escolas, sofrendo, ciclicamente, uma repressão selectiva que potenciava novas ondas de contestação, que o regime se via em palpos de aranha para controlar. Das manifestações-relâmpago à proliferação panfletária, os grupos que se reclamavam de Pequim e Tirana iam tecendo um interessante, embora heterogéneo, movimento de destabilização académica que, como sempre, desagradava profundamente ao PCP, que perdia em terreno o que ganhava em diabolização ideológica.

Para os comunistas “oficiais”, que a polícia continuava a manter como alvo preferido, o período eleitoral de 73 consagrara, porém, o passo unitário prenunciado no Congresso de Aveiro, ao terem conseguido um entendimento com a corrente socialista, o que atenuou os dissídios fratricidas de 69. A isso se cumulava o seu crescente ascendente junto de uma parte do movimento católico, cada vez mais radicalizado desde os acontecimentos da Capela do Rato, parte chegando mesmo a ligar-se a uma deriva bombista, que o próprio PCP se vira forçado a acompanhar por via da ARA. 

Algumas faixas do movimento católico democrático mantinham-se, contudo, à distância destas tentações e fixavam o pessoal político que caminhava na órbita declaratória da SEDES, que o 25 de Abril viria a espalhar pelo PS e pelo PPD.

Num registo menos dado a movimentações de massas, os socialistas haviam finalmente concretizado em Bad Münstereifel a sua estruturação em partido, sob um programa político algo avançado para a sua base social tradicional. Esta continuava a não ultrapassar as profissões liberais de província e um conjunto de quadros urbanos da pequena e média burguesia, que em Lisboa se sabia agrupados num sector da “Seara”, em cooperativas e em alguns ritos persistentes, para além de cada vez mais dominantes na linha do “República”. Ideologicamente, continuavam federados pela imagem exilada de Mário Soares, recém-prestigiado pela publicação de um “Portugal baillonné” que nos chegara pelas cumplicidades na “Barata”, na “Moraes” ou na “Opinião”.

Neste quadro, onde seguramente falta muita gente, começavam finalmente a aparecer os militares. De início eram apenas uns rumores de descontentamento de carreiras, através de uns textos que relevavam mais do corporativismo que da revolta com possíveis consequências. Sabia-se de Spínola e da sua corte de apaniguados da Guiné, mas temia-se que a distância que o separava de Kaúlza fosse sempre mais curta do que a que ia até à Esquerda. Entre as operações “Mar Verde” e “Nó Górdio” não se via uma diferença que justificasse um mínimo de crédito. Longe pareciam os tempos dos militares políticos da Sé ou de Beja, e só os mais informados conheciam Melo Antunes, embora duvidassem que tivesse condições para levar à prática o seu rigor.

Reconheça-se que a experiência de convivência militar de muitos de nós, muito em especial desde os penosos tempos de Mafra, não aconselhava ao alimentar da esperança numa regeneração das Forças Armadas, que o passado ensinara penderem facilmente para o partido da ordem, temerosas com os descontrolos da rua. Acresce que, com escassas excepções, originadas pela abertura social do recrutamento, os militares de carreira que íamos frequentando, se bem que sensíveis a um certo desinquietar ideológico esquerdizante, nos pareciam ainda muito presos a reflexos de casta. Daí as reticências, e até alguma distância, com que víamos as suas movimentações e as raras virtualidades que lhes atribuíamos. 

Felizmente, a realidade tem muito mais imaginação que os homens. Nesses idos de 73 e inícios de 74, a força da movimentação democrática na tropa acabou por nos surpreender a todos, pela inesperada conversão de reivindicações corporativas, de raiz algo discriminatória face aos milicianos, numa consciência de poder potencial que levou à definição de um inesperado programa de democratização, com o fim da guerra como cenário, embora então apenas implícito. 

A certa altura, aqueles que, como eu, serviam de militares a prazo, foram obrigados pela força das coisas a ter de levar a sério a “rapaziada do quadro” e a tentar integrar a nova onda política que se começava a formar, quanto mais não fosse para ensaiar participar nalgum controlo do sentido do seu rebentamento. 

As informações que nos iam chegando começaram a prenunciar coisa séria e forçaram-nos mesmo a gizar um entendimento exterior, por sobre as nossas próprias divisões políticas. Recordo duas tumultuosas reuniões de milicianos - uma delas em Campolide, outra perto da Almirante Reis - onde, num granel organizativo e informativo que roçava a irresponsabilidade em termos de segurança, verificámos o muito que estava a mexer no “quadro permanente” e que as coisas tinham já uma dimensão que seria suicídio não procurar explorar.

Verdade seja que, para muitos, não era claro se a ruptura pressentida iria, de facto, desembocar numa linha afirmadamente democrática (e muito socializante, como alguns então pretendíamos) ou se, ao invés, não estaríamos a dar vento e a ser inocentes úteis para uma qualquer “quartelada” da qual nos acabasse por sair um Kaúlza ou figura de idêntico jaez. Mas a parada valia o risco.

Seguem-se a edição do “Portugal e o Futuro”, a cena da “brigada do reumático” e as demissões de Spínola e Costa Gomes. Não havia ilusões de que o Portugal que emanava do livro de Spínola era uma espécie de gaullismo requentado, sem óbvio futuro mas com a simpática virtualidade de dividir as hostes e trazer para o campo contra o regime sectores a que a Esquerda tradicional não chegaria nunca. A aventura das Caldas não nos sossegou quanto ao que resultaria de um golpe militar, mas deixou-nos mais optimistas face ao estado de alma dos que discretamente se mobilizaram então para o apoiar.

Nas noites inquietas que se seguiram, cruzámos boatos e revimos sinais, para tentar perceber em que sentido o que estava prestes a acontecer encaminharia o futuro de todos. Ninguém tinha uma percepção total das coisas, mas a progressiva junção de dados começava a tornar o “puzzle” mais coerente e com perspectivas de resolução.

Estou a ver o sorriso nervoso e o tom de gravidade histórica com que o António Reis nos disse, na biblioteca do quartel da EPAM, ao fim da manhã de 24 de Abril : “É hoje à noite!”. Quando saiu, os três ou quatro que partilharam o segredo entraram num minuto estranho de silêncio, na consciência do peso insuportável da informação recebida. Todos sentimos que o dia seguinte - a que ninguém se lembrou então de chamar “25 de Abril” - seria o princípio de uma história diferente para todos nós, acontecesse o que acontecesse.

O resto é conhecido. Não me consta que o outro António, de que lhes falei no início do texto - e que por aí anda -, haja aparecido nessa noite no Montecarlo a anunciar o arranque do Maia da parada de Santarém ou os golpes de mão à RTP e ao Rádio Clube, para daí a pouco. E ninguém lhe terá dito que, a essa mesma hora, Castelo Branco estava - agora sim!- a sair para a rua, rumo à vitória por que lutara. 

O Montecarlo é hoje uma loja espanhola, mas os espaços de liberdade que se abriram nessa noite valem bem todos os cafés do mundo que perdemos.

(Recupero aqui um texto que publiquei, há 15 anos, na revista "Camões".  Não lhe mudaria uma vírgula)

sábado, 23 de abril de 2011

Otelo

Algumas pessoas espantam-se com afirmações recentes de Otelo Saraiva de Carvalho. 

Vale a pena notar que nada de isto é novo. Todos os anos, pela primavera de abril, alguma imprensa vai desencantar Otelo, que, honra lhe seja!, não se furta a aproveitar esse warholiano nicho de cíclica visibilidade para dizer umas coisas ao lado do "politicamente correto". Já faz parte da "saison". Os "abrilistas" entram em agonia, os seus detratores deliciam-se com o que acham serem os deslizes do ex-militar. Passa abril e Otelo volta a desaparecer. Até para o ano.

Não podemos pedir que Otelo não fale, porque todos nós devemos a Otelo a possibilidade de dizermos aquilo que nos vem à alma, até mesmo dizer que, "assim", o 25 de abril não terá valido a pena, que seria bom se a democracia pudesse contar com alguém com a inteligência de Salazar - como se houvesse figuras de neutral sapiência que, qual Fouché, serviriam todos os regimes.

Conheço mal Otelo Saraiva de Carvalho mas, diga-se desde já, tenho, face a ele, toda a gratidão do mundo. Por tudo o que fez por nós, há 37 anos. Algumas pessoas não perceberão isso. Problema delas, como dizem os brasileiros.

Um dia, em inícios de 1983, em Luanda, cruzei-me com Otelo num hotel. Não nos víamos desde o "verão quente", dos corredores do MFA, de idas ao Alto do Duque. Convidei-o a vir almoçar no dia seguinte a minha casa, com o João Sobral Costa, um amigo comum, um gigante de bondade que, como capitão da Força Aérea, havia feito parte do grupo ocupante do Rádio Clube Português, na noite de 25 de abril, e que trabalhava então em Angola. Sugeri que se nos juntasse o Arlindo Ferreira, outro capitão de abril, que estava em Luanda para outras "guerras" (e que já faleceu). Por aquelas "makas" (uso uma expressão angolana) em que a família militar (e a de abril ainda mais) é useira e vezeira, não se reuniu consenso para o Arlindo se nos juntar.

No dia do almoço, vim à porta de casa buscar Otelo, que ia acompanhado da mulher e de uma figura que não vem para o caso (mas que talvez pudesse explicar muita coisa). A minha residência era no "compound" da Embaixada, onde também funcionavam os serviços e o consulado-geral, na então rua Karl Marx, que antes fora chamada de Vasco da Gama e que, hoje em dia, é avenida de Portugal (evolução toponímica que daria para um mestrado...). 

A grande maioria dos funcionários da nossa missão diplomática em Luanda era constituída por antigos quadros da administração colonial, que tinham visto o percurso da sua vida perturbado pelo 25 de abril e pela independência do país que, em geral, sofriam bem mais do que celebravam. Não era, assim, legítimo pedir-lhes que entoassem loas à chegada do estratega da Pontinha. Um deles, boquiaberto, perguntou-me: "É o...?", sem ousar dizer o nome. Era, confirmei-lhe, e, nesse segundo, devo ter caído uns furos na sua escala de consideração, bem como na de outros a quem terá contado a inconveniente frequentação social do jovem diplomata que eu então era.

Esse almoço com Otelo foi uma ocasião que recordo como bastante simpática. Ele e o João Sobral Costa, que haviam sido vedetas de um filme onde eu só fiz umas "pontas" como figurante, conflituaram versões sobre o "documento do COPCON" (demoraria muito explicar aqui o que isso foi) e outras cenas desses tempos movimentados. Recordo-me de lhes ter lido extratos de um livro que Otelo não conhecia, escrito por um certo militar, onde se criticava o seu "silêncio" durante a célebre "assembleia selvagem" do MFA, em 11 de março de 1975. Rimo-nos todos, porque, como eu era ali o único que podia atestar, Otelo, de facto, não tinha então falado porque... não havia estado presente nessa tão badalada reunião!

Otelo chegara a Luanda vindo de Maputo. Iria partir dali para a Líbia. Alguma coisa importante, da sua vida e da sua história pessoal futura, iria ter a ver com essa viagem.

Otelo Saraiva de Carvalho é uma figura reconhecidamente controversa. Será. Porém, para mim, será sempre muito mais do que isso. Ponto.

Em tempo: Otelo Saraiva de Carvalho acaba de publicar "O dia inicial", um livro que conta, hora a hora, a sua leitura do 25 de abril. Li-o rapidamente mas, com franqueza, não me pareceu muito interessante. Além disso, as pequenas notas pessoais inseridas no final são de um impressionismo demasiado ligeiro. O seu velho "Alvorada em Abril" continua a ser muito mais curioso.  

Cioran

O meu amigo João de Vallera trouxe-me hoje, de passagem por Bruxelas, as "Oeuvres" de Cioran.

Neste sábado de Aleluia, passámos minutos divertidos a ler alguns "Syllogismes de l'amertume", até descobrirmos - nem de propósito! - este excelente naco:

"Pourra-t-on méridionaliser les peuples graves? L'avenir de l'Europe est suspendu à cette question. Si les Allemands se remettent à travailler comme naguère, l'Occident est perdu; de même si les Russes ne retrouvent pas leur vieil amour de la paresse. Il faudrair développer chez les uns et les autres le goût du farniente, de l'apathie et de la sieste, leur faire miroiter les délices de l'avachissement et de la versatilité.
... À moins de nous resigner aux solutions que la Prusse, ou la Sibérie, infligerait à notre dilettantisme."

(Poderemos meridionalizar os povos graves? O futuro da Europa está suspenso desta questão. Se os alemães se põem a trabalhar como outrora, o Ocidente está perdido; o mesmo acontecerá se os russos não reencontrarem o seu velho amor pela preguiça. Dever-se-ia desenvolver nuns e nos outros o gosto do "farniente", da apatia e da sesta, fazer-lhes ver as delícias do relaxamento e da versatilidade.
... A menos que nos resignemos às soluções que a Prússia, ou a Sibéria, infligiria ao nosso diletantismo)

Notas pascais (3)

1. "Mal ou bem, escrever é ainda a melhor maneira de nos sobrevivermos. Sim, feitas as contas, escrever é morrer mais devagar" - diz Marcello Duarte Mathias, em "Um ovo de Páscoa", o merecido "in memoriam" organizado pelos amigos de Paulo Lowndes Marques, que Mário Quartim Graça teve a amabilidade de me enviar.

2. Conflitualidades de agenda obrigaram-me a faltar ao concerto de Marisa na prestigiada sala Pleyel. Terei nova oportunidade para ouvi-la, com outros nomes grandes, no dia 10 de junho, no grande espetáculo sobre o Fado que Emanuel Démarcy-Mota acolherá no Theâtre de la Ville, em colaboração com a Câmara municipal de Lisboa.

3. Fala-se por aqui da possibilidade de suspensão, pela França, de certos aspetos do acordo de Schengen. Nada de novo: aquando da presidência portuguesa desse acordo, em 1997, a França, através do então ministro para os assuntos europeus, Michel Barnier, pôs em prática essa liberdade nacional, dessa vez para evitar tráfico de droga vindo de países mais a norte.

4. E lá se foi João Maria Tudela. A imagem de gentleman de extração tropical, com o "Kanimambo" a lembrar para sempre um Moçambique de outros tempos, fica-lhe colada à pele. 

5. Tinha prometido a mim mesmo que, enquanto estivesse em Paris, não deixaria de participar na marcha que, em Fontenay-sous-Bois, anualmente se faz em torno do 25 de abril, uma ruidosa parada de archotes e bombos, com a alegria com que aqui se sabe comemorar a Revolução, uma ideia lançada pelo meu amigo Baptista de Matos. Mas as boas intenções também podem ser derrotadas por impedimentos insuperáveis.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

... e Steinbroken lá respondeu!

Em belo soneto a preceito, o Conde de Steinbroken respondeu ao desafio de João da Ega (que o "Diário de Notícias" hoje gentilmente reproduz)

Entretanto, e em atenção aos mais ignaros, o Notas Verbais foi obrigado a fazer pedagogia queirosiana.

Para quem quiser saber um pouco mais sobre esse vulto da diplomacia nórdica, aconselho uma visita aqui.

E deixo este daguerreótipo, bem raro, em que o jovem Steinbroken aparece, em férias em Jyväskylä, ao lado da sua irmã Toroteija, que uma tísica haveria de vitimar, poucos anos depois, ainda no alvor da sua juventude.

Notas pascais (2)

1. Gostei da capa da "Visão" ontem: "Como Portugal venceu as suas 10 piores crises: já fomos à bancarrota, já perdemos a independência, já vimos Lisboa destruída. E ainda cá estamos".

2. Serge Moiti é uma figura bem conhecida da televisão francesa. Escreveu um livro - "30 ans après" - no qual recorda a sua experiência na campanha mediática que, em 1981, levou François Mitterrand à presidência francesa. Sem ser uma obra deslumbrante, traz-nos os bastidores de um tempo muito interessante da vida política francesa.

3. Não deixa de ser curioso que muitos portugueses se entretenham a criticar as escolhas dos deputados que integram as listas partidárias em que já sabem que não vão votar.

4. Ontem, o meu colega japonês dizia-me que, depois do acidente de Fukushima, somado à memória eterna da bomba atómica, a ideia do nuclear causa hoje horror à população do seu país.

5. Ficou-se hoje a saber que Arnold Schwarzenegger, o antigo governador da Califórnia, que tem nacionalidade austríaca, gostaria de vir a ser "presidente da Europa". À Europa, de facto, já só falta um Terminator.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Notas pascais (1)

1. Convidámos para almoçar na residência casais de reformados portugueses residentes na região de Paris. É pena que só seja possível dar a conhecer a um número limitado dos nossos compatriotas em França aquela que é, precisamente desde há 75 anos, a nossa casa oficial em Paris.

2. Acabei ontem de ler o "M. le Président - Scènes de la vie politique (2005-2011)", uma espécie de retrato político do presidente Nicolas Sarkozy, assinada por Franz-Olivier Gisbert. Recordo-me de dois outros livros deste estilo, escritos por Gisbert, um a propósito de François Mitterrand, outro sobre Jacques Chirac. Enquanto que do primeiro transparecia uma subliminar sedução, o segundo era de uma grande violência crítica. O atual livro, muito bem escrito, junta as duas coisas. 

3. Bela vitória portuguesa no clássico espanhol, com José Mourinho e Cristiano Ronaldo a dar ao Real a Taça do Rei, que lhe escapava há 18 anos. Diga-se que, em "jogo jogado" (esta expressão saiu já do léxico do elaborado comentarismo desportivo contemporâneo, mas eu uso-a), entendo que o Barcelona merecia ganhar. Mas tudo é possível, num prolongamento. 

4. Faz hoje 9 anos. Jean-Marie Le Pen qualificava-se para a segunda volta das eleições presidenciais francesas, contra o recandidato Jacques Chirac, deixando para trás o socialista Lionel Jospin. A França e o mundo entraram em estado de choque. O candidato da extrema-direita foi esmagado na 2ª volta, mas ninguém mais esqueceu o que aconteceu nesse dia. Há razões para isso: sondagens hoje saídas dão à sucessora de Jean-Marie Le Pen, a sua filha Marine, um lugar "garantido" numa 2ª volta das eleições presidenciais de 2012. Será assim?

5. Longa e interessante conversa com o anterior embaixador francês em Lisboa, Denis Delbourg, e a sua mulher, Thérèse. É muito curioso notar o retrato que de nós - das nossas figuras, dos nossos hábitos, das nossas instituições - fazem pessoas que representaram em Lisboa um grande país europeu. Através de um olhar inteligente, neste caso com uma atenção também muito forte à nossa vida cultural, aprendemos a ver-nos melhor ao espelho.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

"La femme d'à côté"

Íamos a entrar no Flore quando, subitamente, o meu amigo brasileiro me atirou: "De futuro, estou decidido a não ter conversas com 'la femme à côté' ".

Olá!, pensei para comigo... temos "caso"! E, com machista curiosidade, preparei-me para uma revelação, sobre alguma vizinha jeitosa e posta a jeito. Os franceses chamam a isso "la femme d'à côté", os anglosaxónicos "the girl next door". Escuso de dizer que isso faz parte do imaginário de muitos homens, alimentando livros e filmes, neste caso aquele que Truffaut realizou, já há trinta anos!, com esse nome.

Qual quê! Não era nada disso. O que o meu amigo queria dizer é que estava a tentar libertar-se do vício, bem irritante para os outros, de manter a mulher a par das conversas, quando fazia chamadas telefónicas. Disse-me que isso lhe acontecia agora com frequência, depois da "jubilação", quando passava mais tempo com o cônjuge, mas que isso lhe afetava a naturalidade do diálogo com os amigos.

Dei-lhe logo toda a razão. O facto de se estar a ter uma conversa telefónica com uma pessoa e saber, ou pressentir, neste caso quase sempre pelo tom do discurso, que essa mesma pessoa está a partilhar a conversa com alguém que está ao seu lado, às vezes com o telefone em "alta voz", é desagradabilíssimo: impede-nos de fazer um comentário mais pessoal, levando a que condicionemos a nossa própria conversa.

Espero que esse meu amigo consiga libertar-se do vício. É que há outros que já percebi que não conseguem.

Dito isto, a conversa deu-me uma ideia: vou rever o "La femme d'à côté" nesta Páscoa.

* um comentador sublinha - e bem! - a diferença entre "la femme d'à côté" e "la femme à côté". 

Michel Barnier

No âmbito de um excecional conjunto de palestras sobre a Europa que o Centro Cultural Gulbenkian, em Paris, tem vindo a levar a cabo, uma sala cheia ouviu, na segunda-feira, o comissário europeu Michel Barnier falar do projeto europeu, na ótica das suas responsabilidades no quadro da regulação do Mercado Interno.

Barnier é uma figura com um interessante percurso governativo - em França, foi ministro adjunto dos Assuntos Europeus, da Agricultura e dos Negócios Estrangeiros. Tem uma grande experiência europeia, como deputado e comissário com diversas responsabilidades.

Na ocasião, entendi dever prestar o meu testemunho sobre um homem de quem sou amigo há mais de 15 anos, um europeu que acredita na Europa e que sempre teve, para com Portugal, uma atitude de grande simpatia e disponibilidade. Passámos centenas (não é exagero!) de horas a negociar os tratados de Amesterdão e de Nice, cruzámo-nos nas discussões do acordo de Schengen e muita coisa tratámos no âmbito da política regional europeia. Estive em Paris, por mais de uma vez, a seu convite, recebi-o em Portugal, em várias ocasiões, visitei-o em Bruxelas outras tantas. Michel Barnier é um homem de convicções, que joga com as cartas em cima da mesa, o que não é vulgar, nas lides bruxelenses. Por isso, como elogio, qualifiquei-o mesmo como uma "exceção europeia".

terça-feira, 19 de abril de 2011

Paixão castrense

(Este post é dedicado a dois queridos amigos que, há dias, testemunharam o relato ao vivo desta história e que, a partir de hoje, infelizmente, vão deixar Paris)

Era nos tempos, não muito longínquos, em que as grandes embaixadas tinham três adidos militares - do Exército, Marinha e Força Aérea.

Um dia, numa dessas missões, algures no mundo, o adido da Marinha pediu para ser recebido pelo embaixador. Apresentou-se fardado, formalizado, o que prenunciava coisa séria. E era. O militar informou o chefe da missão que "estava apaixonado". Embora perplexo pela razão da partilha da intimidade, o embaixador teve uma reação do género: "pois seja muito feliz!".

A questão, porém, tinha outros contornos. É que a eleita do coração castrense, segundo o próprio logo esclareceu, era, nem mais nem menos, do que a secretária do conjunto dos adidos militares, a portuguesa Belinha, o que, de certa forma, tornava o cenário um tanto confuso. Confusão essa que também se acentuava pelo facto do militar ser casado e da sua legítima esposa permanecer na cidade e figurar na lista diplomática, como lhe competia.

A Belinha era uma morena, já passada dos quarenta anos, generosa nas formas e livre de compromissos. Entre a dactilografia de dois relatórios, o nosso militar terá baixado as suas defesas, sendo assim mobilizado a pôr o casamento em causa.   

Mas a razão principal da audiência chegou depois. O militar pretendia solicitar ao embaixador que a Belinha o pudesse acompanhar na receção do Dia Nacional do país em causa, que, a breve prazo, teria lugar na residência da embaixada. Apanhado de surpresa, o embaixador, homem liberal por natureza, logo retorquiu: "O convite é para si e para quem o meu amigo quiser trazer. Nada tenho a ver com a sua vida privada". Foi o que o homem quis ouvir. Adquirida que estava a ida da Belinha ao cocktail, o militar descansou, agradeceu e saiu, encantado.

Os problemas maiores estavam, contudo, para vir. Logo no dia seguinte, os adidos do Exército e da Força Aérea pediram uma audiência ao embaixador. Entraram graves e comunicaram-lhe que a situação era "escandalosa", que o ambiente no respetivo serviço se tornara impossível e que, se acaso o seu colega da Marinha teimasse em levar a Belinha ao Dia Nacional, eles e as suas mulheres não estariam presentes. E informaram que iriam dar conhecimento do insólito estado de coisas às respetivas hierarquias.

E assim aconteceu, tendo como consequência, a curto prazo, que o adido da Marinha embarcou de volta para o país de origem. Levou consigo a Belinha, pois claro. Rezam as crónicas que a sua carreira terá ficado prejudicada, mas o amor vale bem uma promoção. E, também ao que consta, viveram felizes, desde então. 

Ventos

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Carta a um diplomata finlandês

Caro Steinbroken

Por estes dias, recordo as noitadas em que nos cruzávamos nos salões dos Maias, no Ramalhete, às Janelas Verdes, nas tertúlias que o José Maria retratou no livro a que deu o nome daquela família.

Lembro-me da generosidade com que você, diplomata finlandês, era recebido naquele cenáculo, onde, com carinho lusitano mas cosmopolita, entre mesas de whist ou numa ronda de bilhar, ou ouvindo-o a si como "barítono plenipotenciário", procurávamos atenuar a sua nórdica solidão.

Muita água passou sob as pontes. Você regressou aos gelos da sua Finlândia, eu por aqui fiquei, com a escassa fortuna que Celorico me deixou.

Há uns anos, caro Steinbroken, você escreveu-me para Lisboa, dizendo do agrado com que vira Portugal apoiar, com entusiasmo, a entrada do seu país na União Europeia. Elogiou o facto de, ao contrário de outros, não termos achado que a "finlandização" havia sido um imperdoável pecado histórico de agnosticismo estratégico, um genérico triste da "realpolitik". E recordar-se-á de eu lhe ter respondido, na volta do correio, que, conhecendo-o a si, nunca o tivera por seguidor do "better red than dead".

Noutra ocasião, você veio bater-me epistolarmente à porta, pedindo que deixasse cair uma palavra nas Necessidades, com vista a evitar que Portugal cedesse a um compreensível egoísmo, por mor dos fundos estruturais, a ponto de poder criar obstáculos aos Estados bálticos, “primos” da Escandinávia, que queriam então aceder à NATO e à União Europeia. A resposta da nossa diplomacia foi, reconheça, soberba: embora o alargamento fosse um passo que tinha em Portugal um dos países mais prejudicados, adoptávamos uma visão solidária da Europa, pelo que entendíamos que um mínimo de respeito histórico nos obrigava a acolher aqueles Estados no nosso seio. Da caixa de vodka que você me mandou, com um cartão catita, a agradecer a diligência, ainda me resta uma botelha.

Pensava partilhá-la consigo, Steinbroken, numa sua próxima vinda a Portugal, à cata de sol e de olho nos corpos morenos, Chiado abaixo. Passaríamos pelo Grémio, jantaríamos no Tavares e iríamos degustar o resto dos álcoois no meu terraço, Tejo à vista. Eu contar-lhe-ia a poética aventura eleitoral do Alencar, a carreira como banqueiro da besta do Dâmaso, o folhetim da venda da “Corneta do Diabo” à Prisa, a colaboração do Cruges com os “Deolinda”, a agitação do Gouvarinho e de outros tantos, nas lides que levam às Cortes.

Mas, agora, o que me chega? Que você foi ouvido, num dos últimos dias, passeando sob as árvores onde o verde já brota, ali na Promenade, no centro de Helsínquia, recém-saído do spa do vizinho Kämp, de braço dado com um alemão, com tiradas muito pouco simpáticas sobre Portugal e os portugueses. E que dizia você? Que, afinal, o compromisso político que a Finlândia havia dado à estabilidade do euro, que servira para a Grécia e para a Irlanda, poderia já não valer para Portugal. Ao seu lado, o alemão ecoava coisas parecidas, quiçá esquecido que o meu país, como todos os outros parceiros europeus, andou anos a pagar elevadas taxas de juro, para liquidar a fatura da reunificação da Alemanha, que hoje é, como sempre foi, o grande beneficiário do mercado interno europeu. 

É triste, caro Steinbroken, é muito triste que a frieza do vosso egoísmo lhes faça esquecer que a solidariedade é uma estrada de dois sentidos. Aqui, por Portugal, estamos a atravessar uma conjuntura difícil. Outras já tivemos, todas ultrapassámos. Mais recentemente, cometemos alguns erros, revelámos fragilidades que a crise sublinhou. Pensávamos poder contar com os amigos. Ao longo dos tempos, aprendemos a ser gratos a quem nos ajuda, a ser-lhes leais quando de nós necessitam. Não somos rancorosos, porque alimentar ressentimentos mesquinhos não está na nossa maneira de ser. E sabe porquê? Porque, na vida internacional, mantemos alguns sólidos valores, os mesmos que nos permitiram sobreviver nove séculos como país, um dos mais antigos do mundo, sabia? 

A vossa atitude, a vossa quebra de solidariedade, porque revela o conceito instrumental que têm da Europa, para utilizar uma frase que você repetia, entre outras platitudes árticas, pelas noites do Ramalhete, “c’est très grave, c'est excessivement grave…”.

Receba um abraço, ainda amigo, orgulhosamente (quase) mediterrânico do

João da Ega

Sobressalto

História verdadeira. Foi-me contada ontem.

Um português residente em França combinou com um taxista, também seu patrício, um "frete" para Portugal. Partiram de noite, só os dois. O homem deitou-se no banco de trás e adormeceu. Tempos depois, despertou e quis chamar a atenção do motorista, dando-lhe um pequeno toque no ombro. O taxista sobressaltou-se, guinou o carro e saiu pela valeta. O acidente não foi muito grave, só lata amolgada.

Da conversa que se seguiu, basta reter isto:

- Ó homem, você assustou-se só por eu lhe tocar no ombro?

- Eu sou taxista só há uma semana. Antes, era motorista de uma agência funerária. Especializei-me em levar cadáveres para Portugal. Ser tocado no ombro, da parte de trás do carro, à meio da noite...

domingo, 17 de abril de 2011

La Lys (2)

Todos os anos, por este período, Portugal homenageia os mortos que deixou por terras da Flandres, na campanha do Corpo Expedicionário Português, em 1918.

É uma cerimónia de grande dignidade, em que as autoridades francesas e portuguesas, civil e militares, prestam tributo ao sacrifício de quantos perderam a vida na batalha de La Lys, muitos dos quais jazem no cemitério militar português de Richebourg.

No passado sábado, lá estive nessa evocação sempre muito tocante, tendo-me cabido, como é hábito, tomar a palavra diante do monumento aos soldados portugueses, no centro da localidade de La Couture.

Deixo registo do que disse na cerimónia (em francês e em tradução portuguesa).

La Lys (1)

É uma senhora baixa, sorridente, agora com 84 anos, que sempre encontro nas cerimónias comemorativas da batalha da La Lys, em terras da Flandres. 

Felícia Assunção é filha do soldado português José Manuel Assunção, que, em 1918, conheceu a francesa Mélanie Beugny, com quem teve 15 filhos.

Felícia é a mais popular porta-bandeira destas comemorações, tendo sido distinguida pela Liga dos Combatentes, durante uma recente deslocação a Lisboa.

"Bateau Feu"

Valeu bem a pena ter de chegar a Paris já de madrugada para poder ter tido a oportunidade estar presente no encerramento do festival de cultura portuguesa de Dunkerque, "Temps fort Portugal", organizado pelo "Bateau Feu".

A noite de ontem foi do belo espetáculo de bailado contemporâneo "Vale", de Madalena Victorino. Mas a semana portuguesa, com casas cheias, teve vários outros tempos de dança, de cinema e até de fado, com a presença de Kátia Guerreiro.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

"La révolte des blogueurs"

Ontem, o "Le Monde" trazia um artigo curioso (infelizmente não permitindo reprodução), referindo a reclamação de bloguistas, que alimentam certos "sites" mais populares, no sentido de passarem a receber um pagamento regular pelas contribuições escritas que fornecem e com que alimentam esses mesmos suportes informáticos. O tema está a ser muito discutido nos Estados Unidos, onde os bloguistas que se expressam no famoso "Huffington Post" pretendem receber parte dos lucros da recente venda deste "site".

Deixo-os com a tradução do último parágrafo deste longo artigo:

"Atenção! Ter um blogue é um ato de ascetismo. 'É preciso alimentá-lo todos os dias', insiste William Réjault (um bloguista de sucesso). 'É como lavar os dentes antes de ser deitar'. E, um dia, acontece um fenómeno bem conhecido como 'a fadiga do bloguista'. 'Sentimo-nos vazios. Dizemos para nós mesmos: 'Não tenho mais nada a dizer, já não tenho ideias', conta Caroline Franc, que mantém desde 2006 a crónica da sua vida em "Pensées de ronde". "Escrevemos então un post 'Acabou!'. E, depois, recomeça-se, motivado pela comunidade dos leitores. No final de contas, o blogue é uma droga."

Será?

Referências

A partir de hoje, ao fundo da coluna da direita deste blogue, passa a ser dada nota dos confrades que, simpaticamente, recomendam a nossa leitura. A seleção (pelos vistos, incompleta) e a ordem seguida nessa lista são dadas automaticamente pelo sistema técnico utilizado.

Em tempo: por se ter constatado que a listagem era feita com deficiências, ela foi anulada.

Lugares de Eça de Queirós em Paris (6)

Eça de Queirós era um frequentador regular da livraria Galignani, no nº 224, da rua Rivoli. 

Na que se orgulha de ser "the first English bookshop established on the continent", o escritor era visitante frequente e através dela assinava publicações periódicas britânicas.

"Rating"

É uma pena que a "Standard & Poor's", a "Fitch" e a "Moody's" não tenham suficiente flexibilidade para entender que há níveis de "rating" que devem ser medidos à luz dos critérios da UEFA.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Leitaria

Tem o nome curioso de "Leitaria Estrela de Celavisa" (o que, desde logo, me faz lembrar, imperativamente, a clássica "Leitaria Estrela d'Alva", de Ribeirinho e Vasco Santana, em "O Pátio das Cantigas). Fica na rua Tomás da Anunciação, em Campo de Ourique, em Lisboa.

Há dias, passando à porta, assisti a um sururu, com uma senhora e familares a tentarem retirar do estabelecimento um cavalheiro em elevado grau de etilização. A graça está na frase que a senhora, angustiadamente, repetia: "Nunca mais te vou deixar voltar à leitaria!".

O leite já não é o que era...

"Prove Portugal"

Há dias, pelo telefone, tive uma conversa com a TSF sobre a gastronomia e os vinhos portugueses, a pretexto do prémio "Prove Portugal", que o Turismo de Portugal teve a gentileza de me atribuir.

Essa conversa deu origem a um programa, da responsabilidade de Rita Costa e Herlander Rui, cujos 10 minutos podem ser ouvidos aqui.

Embaixador diminuído?

A pergunta surpreendeu-me: "sente-se um embaixador diminuído?". Tinha a ver com o papel dos diplomatas portugueses pelo mundo, em face da situação de crise que atravessamos. Foi-me colocada pelo jornalista Henrique Garcia, durante uma breve entrevista que dei no noticiário da TVI24, na noite de dia 12.

A minha resposta foi clara: como diplomata português, esperando poder refletir a atitude profissional de muitos dos meus colegas, sinto-me perfeitamente capaz para representar os interesses do país no quadro da presente crise. Naturalmente que tenho consciência de que a imagem que Portugal projeta, nos dias que correm, não é a que seria desejável, mas os profissionais da diplomacia não existem para assumir externamente os interesses do país apenas em momentos de glória. Pelo contrário, é nestes tempos, bem mais difíceis e exigentes, que nos é pedida frieza de espírito e capacidade de explicação sobre os esforços que estamos dispostos a fazer, enquanto país, com vista a reverter a situação que atravessamos. Recordei, aliás, que, nos meus tempos como diplomata, esta é a terceira vez que tenho o FMI "em casa" e, nem por isso, das outras duas, o país "fechou".

Alguns esquecem, mas eu achei por bem lembrá-lo, que há não muitas décadas, alguns daqueles que são hoje ricos países europeus, atravessaram situações de penúria que obrigaram a fortes ajudas internacionais, em virtude de crises muito graves, que envolveram fome, pobreza e grandes carências. Os tempos mudaram, e, se bem que o que nos deve importar seja o presente, acho decisivo que o saibamos sempre relativizar. É que o Portugal de abril de 2011, por muito que a sua imagem possa estar a sofrer, é exatamente o mesmo país que o mundo, há escassos meses, escolheu para membro do Conselho de Segurança da ONU, com uma votação quase histórica. A nossa imagem, de lá para cá, é, basicamente, a mesma. Portugal é um velho país que o mundo se habituou a respeitar, independentemente dos cifrões dos défices. Por isso, façamos o nosso trabalho e não nos deixemos deprimir por alguns artigos de imprensa porque, como dizia François Mitterrand, não há nada mais velho que o jornal de ontem. 

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O "11 de setembro"

O Grémio Literário, em Lisboa, é uma instituição de grandes tradições na vida intelectual e social do país. Nunca tive a tentação de dele ser sócio, mas tenho sempre um grande prazer em passar por lá, como aconteceu na terça-feira, correspondendo a um simpático convite da administração da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, através do Dr. Mário Mesquita.

O pretexto, que me fez dar uma "saltada" de menos de 24 horas a Lisboa, era discutir o modo como o mundo se terá transformado, depois do atentado de 11 de setembro de 2011, acontecimento sobre o qual passa, este ano, um década.

O embaixador americano em Lisboa, Alan Katz, e eu próprio lançámos o debate com duas exposições. Ser americano ou ser europeu, na análise de um acontecimento como este, não é indiferente, como o tom de ambas as exposições o provou.

Confesso que me impressionou que uma das perguntas colocadas pela audiência, maioritariamente composta por estudantes universitários de Coimbra e Lisboa, fosse sobre a "possibilidade" do 11 de setembro não ter passado de uma mera montagem, com os atentados a serem planeados dentro dos Estados Unidos, para justificar muito do que se lhes sucedeu. É chocante verificar como teorias absurdas conseguem criar um mínimo aceitação e sobrevivem no tempo. Quem nelas acredita, e perde tempo a propagá-las, deve preparar-se, nas próximas férias, para ir visitar Elvis Presley na ilha onde alguns dos seus fãs pensam que ainda vive... Mas, nestas coisas ridículas, também temos a nossa quota-parte: quer eu quer o Dr. Macedo e Cunha, presidente da direção do Grémio, lembrámos, em conversa, os nossos cultores das teorias conspirativas, que, em tempos, registei aqui.

Para os mais curiosos, deixo a minha intervenção sobre o 11 de setembro aqui.

Lugares de Eça de Queirós em Paris (5)

Busto de Eça de Queirós, na avenue Charles de Gaulle, em Neuilly-sur-Seine.

Insuspeitos

Há dias, uma jornalista francesa perguntava-nos o nome de personalidades portuguesas que, simultaneamente, tivessem bom conhecimento do nosso setor económico-financeiro e do mundo político, que ela pudesse consultar para um artigo que estava a preparar sobre a situação no nosso país. Disse que não lhe interessavam figuras cujas posições estivessem já polarizadas no âmbito do nosso debate político interno.

Confesso que, depois de muito pensar e de grandes hesitações, lhe indiquei apenas três nomes que, na fogueira da polémica política interna, me pareciam ainda independentes e menos "usados". E, mesmo assim...

A situação que atualmente vivemos também tem como consequência a drástica redução dos "insuspeitos do costume".

terça-feira, 12 de abril de 2011

Abrilada

Há um segredo bem guardado nos governos portugueses: o mais bonito gabinete (aceito apostas!) de todos os membros do governo, de ministros a secretários de Estado, é aquele que o secretário de Estado dos Assuntos Europeus ocupa no palácio da Cova da Moura. Sei do que falo, porque trabalhei nele por mais de cinco anos!

No 25 de abril, quando por lá andei como adjunto da Junta de Salvação Nacional, era o gabinete do general Spínola e, depois, do general Costa Gomes. Antes disso, era aí que se situava o Secretariado-Geral da Defesa Nacional e foi nesse gabinete que teve lugar uma cena importante da história portuguesa, faz hoje, precisamente, 50 anos.

Não vou fazer aqui a história da chamada "abrilada" de 1961, uma tentativa de pronunciamento militar comandada pelo ministro da Defesa Nacional, general Botelho Moniz. A guerra em Angola havia começado semanas antes, a condução da política colonial era contestada em certos setores do regime, a preservação de Salazar à frente do governo era vista por alguns como um fator paralisante de uma evolução desejável do país, que caminhava para um impasse histórico. 

Provavelmente sob algum impulso americano, um grupo de oficiais generais decidiu colocar ao presidente da República, o contra-almirante Américo Tomás, a reivindicação "das Forças Armadas" de que deveria demitir Salazar. O chefe do Estado ouviu os conspiradores, não lhes deu qualquer resposta nem o sentido do que pensava e terá informado Oliveira Salazar. 

Na tarde do dia 13 de abril de 1961, nesse belo gabinete do palácio da Cova da Moura, os militares sediciosos, a que se juntou o marechal Craveiro Lopes (que, diz-se transportava a sua farda numa mala, para assumir a chefia do Estado), que se preparavam para concretizar o seu projeto, são surpreendidos pelo anúncio, feito pela comunicação social, de que Salazar... os havia demitido dos cargos que ocupavam. Numa imperdoável "naïveté", essas figuras cimeiras da estrutura militar, em lugar de terem previamente assegurado o controlo das unidades operacionais, partiram do princípio de que lhes bastava anunciar a sua determinação para fazerem cair o poder vigente. Enganaram-se redondamente: Salazar ficaria por mais sete anos no poder e o regime duraria ainda mais seis anos, depois dele. 

Sobre este interessante acontecimento histórico, leia-se aqui e consulte-se o livro com que abre este post, a "A Abrilada de 1961", Lisboa, 1978, do coronel Fernando Ferreira Valença, e "Duas Crises: 1961 e 1974", Lisboa, 1977, do coronel Viana de Lemos, figura que faleceu no passado dia 11 de Fevereiro.

Lugares de Eça de Queirós em Paris (4)

A chancelaria do Consulado de Portugal, durante todo o tempo em que Eça de Queirós trabalhou na capital francesa (1888-1900), esteve sempre situada na rue de Berri, entre a avenue des Champs Elysées e o boulevard Haussman, em Paris VIIIème.

Inicialmente, esse escritório esteve instalado no nº 16 da rua, neste edifício onde está hoje o Hotel Califórnia.


Terá sido neste primeiro escritório que Eça de Queirós se defrontou com a intransigência da mulher do Cônsul cessante, a Viscondessa de Faria ("odiosa megera"), que se recusava a abandonar o local, o que provocou "cenas extraordinárias" descritas numa carta a Oliveira Martins, datada de 19 de Setembro de 1888.

Posteriormente, o Consulado mudou-se para o nº 35 da mesma rua (imagem em baixo), onde está atualmente o Hotel Champs-Elysées Plaza, escritório que António Nobre, numa carta a Alberto de Oliveira, datada de 25 de Novembro de 1890, dia de aniversário de Eça, descreve como "muito pobrezinho".
 

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ingratidão

Agora que vamos entrar em campanha eleitoral, talvez valha a pena recordar uma historieta clássica, em torno de um conhecido político brasileiro, que fazia promoção política numa qualquer localidade.

Num certo momento, aproximou-se dele uma pessoa que lhe disse:

- O senhor não me conhece, mas eu sou filho de um seu grande apoiante - e disse o nome do progenitor.

O político não tinha a mais leve ideia da pessoa em causa mas, numa atitude de simpatia proselitista, dando-se ares, adiantou logo:

- Claro que me lembro bem de seu pai. Faz tempo que o não vejo...

Aí, o cidadão retorquiu:

- O meu pai morreu...

O político não se deu por achado e, com ar de alguma indignação, respondeu:

- Pode ter morrido para si, que revela ser um filho ingrato. Para nós, amigos de seu pai, ele permanece vivo nos nossos corações!