quinta-feira, 31 de março de 2011

Petróleo, mentiras e árabes

Hoje, dia das mentiras, deixo aqui registada uma que ficou na memória da minha geração.

Em fevereiro de 1971, quando o mundo, e Portugal dentro dele, passava por grandes perpexidades no tocante ao abastecimento oretolífero, um rumor chegou, uma tarde, a setores políticos e jornalísticos de Lisboa: um grupo de importantes "sheiks" árabes iria passar pela capital portuguesa, tendo marcado um jantar no "Tavares", o mais emblemático restaurante da cidade. A notícia surgira, através de alguém da TAP, pelo que um membro do governo ter-se-á deslocado apressadamente de Coimbra para tentar um contacto com os visitantes, os quais talvez pudessem ser a chave para a flexibilização das condições altamente restritivas em que Portugal então vivia, no tocante a fornecimentos de petróleo.

No diário "O Século", que havia conseguido, "de muito boa fonte", a informação sobre o repasto árabe nos dourados do "Tavares", o chefe de redação, José Mensurado, decidiu enviar o repórter Roby Amorim para o local, tendo este testemunhado a chegada do Rolls Royce, com batedores, que transportava os nababescos visitantes. Estes, chefiados pelo "príncipe Iben Seddak", relutantes à intrusão jornalística, revelaram-se pouco prolixos, deixando apenas cair, através de um tradutor, escassas e pouco esclarecedoras declarações, as quais, no entanto, serviram de farto objeto, no dia seguinte, a magníficos título, notícia e fotografia, nessa "caixa" em exclusivo obtida pelo jornal da família Pereira da Rosa (de que conservo um precioso exemplar). A cinco colunas "O Século" garantia: "Negoceia-se em Teerão. Mas encontram-se árabes em Lisboa e o tema também é petróleo", referindo-se às negociações em curso sobre o chamado "Acordo de Teerão" no âmbito da OPEC.

Para o que aqui interessa: era tudo falso! Os tais "árabes", vestidos a rigor no "Paiva", eram figuras da vida social lisboeta (o chefe cozinheiro Michel da Costa, Manecas Mocelek, Nicha Cabral, Jorge Correia de Campos e outros), "O Século" foi objeto de um gozo geral (só minorado pela intervenção da censura) e o contacto credibilizador na TAP terá mesmo sofrido represálias, tal como o próprio José Mensurado. No "República", Artur Portela Filho escreveu então, na sua coluna "A Funda", uma crónica deliciosa, intitulada "Os árabes da rua do Século". Pelos cafés de Lisboa, a história (que conto de memória) deu para rir, por semanas.

O estertor da ditadura já era abalado por estas pequenas mentiras. Meses depois, surgiriam por Lisboa boatos de uma revolta militar. O regime não acreditou. Ainda bem. Era verdade.   

Em tempo: leia aqui toda esta história de forma bem mais completa.

Jornalismo

Há dias, já no auge da crise na Líbia, o jornalista da RTP, Paulo Dentinho, fez uma magnífica entrevista a Mouammar Kadhafi, um "furo" jornalístico da maior qualidade. Equilibrada e inquisitiva q.b., a conversa foi crescendo de ritmo e foi marcada pela inteligência e pertinências das perguntas, que permitiu extrair respostas curiosíssimas. 

Vi a entrevista de Paulo Dentinho ser citada, abundantemente, em toda a comunicação social internacional, com extratos a correrem o mundo das grandes televisões. Curiosamente, ou talvez não, esta excelente peça de jornalismo passou quase despercebida em Portugal, pelo menos a avaliar pelo que me chegou.

Será que se tivesse sido produzida por canais privados, com outros meios coadjuvantes de ressonância mediática, o destino português da peça teria sido outro? Deixo a pergunta.

Coincidências

Há dois dias, veio aqui a Paris, em serviço, uma amiga de Lisboa. Ao final desse dia, alguém comentou que essa pessoa era extremamente parecida com uma determinada jornalista portuguesa. 

Era verdade! Eu próprio tinha feito uma "gaffe", uma vez, confundindo as duas. Mas já não via essa jornalista há uns bons 12 anos.

Ontem, chegado ao escritório, recebo um telefonema. De quem? De Portugal, dessa jornalista, a convidar-me, em nome de uma organização onde trabalha, a fazer uma palestra em Lisboa, no início de Maio. 

Com a maior naturalidade, e para grande surpresa dela, disse-lhe: "Ainda ontem aqui falámos de si". Mas quem estava mais surpreendido era eu.

As coincidências cada vez mais me intrigam. Leiam aqui, aqui, aqui e aqui.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Gorbatchev

Há dias, contei aqui uma historieta de Gorbatchev. Dou-me agora conta que o antigo presidente fez ontem 80 anos, recebendo homenagens um pouco por todo o mundo, que o consagram como alguém responsável por um tempo charneira da história contemporânea. Escrevi "todo mundo"? Na Rússia, apenas 14% das pessoas têm uma memória positiva de Mikhaïl Gorbatchev.

Um dia, em Março de 2000, António Guterres convidou o então ministro da Defesa, Júlio Castro Caldas, e eu para um almoço com Gorbatchev, na residência oficial, em S. Bento. Confesso que entrei para esse almoço (a cinco, porque nele estava também o intérprete que sempre acompanhava Gorbatchev) com uma elevada expectativa. Na realidade, tratando-se de uma figura que atravessara um período riquíssimo da vida internacional, que protagonizara o fim do mundo soviético, que vivera a trágica convulsão interna dessa desagregação, que fora interlocutor estratégico privilegiado dos Estados Unidos e de personagens como Thatcher, Kohl ou Mitterrand - por todas essas e por outras razões mais eu esperava ir ter um almoço memorável. Nunca comparei notas com António Guterres e Júlio Castro Caldas sobre esse repasto, mas devo dizer que saí dele um tanto desiludido com a figura que o justificou.

Mikhaïl Gorbatchev não deixa de ser uma personalidade interessante, mas, quando o aprecio à luz daquelas horas em que o ouvi, está muito longe de ser uma figura fascinante. Falou imenso, mas deu-me a sensação de ter criado e ensaiado um discurso feito à medida daquilo que os seus interlocutores dele esperariam, auto-justificativo, muito óbvio, com ideias que, como dizia o outro, quando eram originais não eram boas e que quando eram boas não eram originais. Mais tarde, ao lê-lo, voltei a não encontrar razões para mudar de opinião.

Dito isto, que fique claro!: tenho consciência de que Mikhaïl Gorbatchev é uma das grandes figuras da história contemporânea, a cujo sentido de compromisso e adesão sincera às ideias da mudança a liberdade e paz internacionais muito devem. Por isso, "nazdrovia" pelos seus 80 anos.

BFM

Fui ontem ao canal de televisão BFM, convidado a comentar a situação político-económica em Portugal. A BFM é uma espécie de SIC-Notícias da área económica, com grande penetração nos meios empresariais e dos mercados, que também lhe advém da sua ligação ao diário "La Tribune".

Dir-se-á que, nos dias que correm, a presença de um embaixador de Portugal num debate televisivo pode constituir um exercício de alto risco. Talvez seja. Mas considero que, independentemente da complexidade dos tempos que atravessamos, me compete dar notas explicativas sobre o funcionamento do nosso sistema institucional, colocando, com serenidade e isenção, as posições que definem o debate político em Portugal. E que também pode ser útil, para o espetador e ouvinte (porque a entrevista passou também na BFM rádio) francês, conhecer melhor as razões por detrás de certas decisões que Portugal titula.

O "som" da entrevista aparece neste "podcast", desde que se tenha a paciência de alguns minutos.

A economia e a democracia*

A imprensa europeia tem estado particularmente atenta, nos últimos dias, à situação política portuguesa, com especial destaque para a reprovação pelo parlamento do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), que desencadeou o pedido de demissão do primeiro-ministro José Sócrates.

Diversos líderes europeus, tal como muitos comentadores internacionais, abordaram a situação criada em Portugal, alguns deles emitindo juízos de valor sobre o sentido da decisão parlamentar portuguesa.

Ninguém terá dúvidas que, mais do que em qualquer outro lugar, esta questão foi e é objeto de uma elevada polémica em Portugal. Governo e oposição têm mantido um forte debate sobre as possíveis consequências do voto que não aprovou o PEC: o executivo diz que o mesmo vai no sentido das recomendações da Comissão e do Banco Central Europeu, que estava autorizado a executar, e a oposição considera que o governo ultrapassou o mandato que tinha para assumir compromissos na ordem externa. Esse debate, que não se encerrou ainda, acaba por ser o pano de fundo em que se projeta a ideia de convocação de eleições antecipadas.

Pelo modo como a opinião pública internacional tem vindo a pronunciar-se sobre este assunto, fica a sensação de que não se terá, porventura, interiorizado devidamente que o sistema europeu assenta, primeiro do que tudo, na afirmação democrática das instituições representativas dos seus Estados.

Poderá dizer-se que, algumas vezes, a racionalidade técnico-económica de algumas decisões poderia, em tese, estar isenta de desacordos de natureza nacional, que acabam por influenciar a eficácia do sistema colectivo.

É um erro pensar assim. No estádio que vivemos da construção europeia, a responsabilidade principal dos governantes continua a ser perante as instituições do seu país, que lhes concede a legitimidade para governar e tomar decisões.

Tal como, no passado, alguns tratados europeus caíram ou tiveram de ser retificados por referendos em alguns Estados, a Europa tem de aprender a viver com a diversidade dos seus modelos institucionais, com a diferente força dos seus governos na sua ordem interna e, por essa via, com os efeitos, paralisantes ou não, que certas posições nacionais possam vir a gerar sobre o processo coletivo. Isto é válido para o voto parlamentar que, em Portugal, estaria na origem da crise política, tal como aceitámos, com naturalidade, a decisão irlandesa de realizar um sufrágio, ou como agora aguardaremos o resultado do voto finlandês, com o seu impacto na aprovação do novo Mecanismo de Estabilidade.

No caso português, aconselho que se olhe menos para a árvore e um pouco mais para a floresta. Assim, devemos notar, em prioridade, que Governo e o principal partido da oposição, tendo estado em lados opostos na questão da aceitação do projeto de PEC, afirmaram, contudo, a sua comum e plena adesão às metas de redução do défice, não apenas para este ano, mas também para os próximos dois anos, sem a mais pequena divergência entre si no tocante àquilo a que Portugal se comprometeu perante as instituições internacionais. 

* Tradução do artigo que hoje publico no diário económico "Les Echos" (30.03.11). Texto original aqui ou link aqui.

Fico muito grato a Vasco Campilho pelo simpático post que publicou, a propósito deste artigo, no Albergue Espanhol.

terça-feira, 29 de março de 2011

José Alencar (1931-2011)

A morte deve ter andado um tanto desorientada, nestes últimos anos, com José Alencar. O vice-presidente de Lula fintava-a com regularidade, sempre com um sorriso nos lábios, num desafio constante, uma espécie de teimosia irónica. Mas tudo tem o seu fim e estava escrito que, um dia, José Alencar ia perder uma das batalhas. Que iria ser a final.

Quando, em 2003, Lula foi aconselhado a ter Alencar na sua "chapa", dificilmente poderia prever que este industrial mineiro, escolhido para lhe dar credibilidade junto do setor privado, se iria transformar num dos seus mais leais apoios, num sustentáculo valioso, que nunca vacilou, mesmo nos piores momentos dos seus dois mandatos.

Praticamente desde a minha chegada ao Brasil, tive o inestimável privilégio de poder manter com José Alencar uma relação marcada por uma forte estima e simpatia, muito influenciada pela grande amizade que se estabeleceu entre os nossos cônjuges. Fizémos parte do grupo dos amigos que o casal escolheu para uma memorável deslocação ao Rio, comemorando o aniversário do seu casamento. Recordo jantaradas divertidas em nossa casa, com José Alencar a contar-nos, com a graça imensa que tinha, as insuperáveis historietas mineiras, daquela gente que "nunca se zanga mas também nunca se reconcilia". Pena tenho de não saber reproduzir as aventuras do "Fernandinho", cuja saga, acabada num posto consular nos Estados Unidos, era um êxito garantido para as audiências. Mário Soares, Jorge Sampaio e Freitas do Amaral, entre outros visitantes portugueses, foram testemunhas do ambiente aberto e franco que a segunda figura da hierarquia brasileira sabia criar à sua volta.

Há uns meses, recebi uma simpática nota manuscrita de José Alencar, em resposta aos votos de restabelecimento que lhe havia formulado, aquando de uma das suas, cada vez mais frequentes, recaídas. Dela transparecia, para além da sua profunda ligação a Portugal, a sua imensa fé religiosa, que talvez tenha sido uma das fontes onde ia beber a sua admirável coragem.

Lamento não ter hoje comigo a garrafa da "melhor cachaça do mundo", que fez questão de me enviar, depois de eu ter elogiado o néctar, num almoço em casa de outro amigo comum, o ministro da Defesa, Nélson Jobim. Nesse dia, ainda abalado por um internamento recente, José Alencar disse-me, em voz baixa: "Temos de arranjar dois copos daquela cachacinha que ali está, com rótulo verde. Mas não diga à Mariza que um deles é para mim..."

Logo que puder, vou beber um copo dessa cachaça pela memória desse amigo, um homem bom e corajoso, que se chamou José Alencar.


Em tempo: em 31.3.11, publiquei um artigo, baseado neste post, no jornal "Correio da Manhã"

Fado

A UNESCO acabou ontem o dia a ouvir excelente fado. No âmbito da campanha para a promoção do fado a "património imaterial da humanidade", a Câmara Municipal de Lisboa, em articulação com a representação diplomática portuguesa junto da UNESCO, inaugurou em Paris uma belíssima exposição documental sobre a história da canção portuguesa, ilustrada por duas fantásticas vozes do novo fado, que nunca tinha ouvido ao vivo: Carminho e Ricardo Ribeiro.

Ouçam a primeira aqui e o segundo aqui.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Asas diplomáticas

Era (e é) um homem bastante mais velho do que eu, com um ar "grave" mas com uma imensa graça, um diplomata de linguagem franca e certeira. Chefiou postos importantes e, em todos eles, soube manter uma postura que tinha o seu quê de snobe, de aristocrático, sempre bastante irreverente, ao jeito algo britânico que cultivava.

Viajar com ele, pelo mundo, era uma delícia, pelas notas de ironia que, a cada passo, o quotidiano lhe sugeria, pelos qualificativos que colava à figura de colegas. Não se sabe bem porquê, um embaixador britânico, com um "stiff upper lip" exagerado, ficou por ele eternamente crismado de "Serafim", um antigo assessor diplomático de Belém era o "Brzezinski da Reboleira" e, a propósito de um ministro que, em meados de um qualquer Dezembro, estava a tomar-se ares de "grandeza", comentou alto, à mesa de uma reunião de trabalho, para ele ouvir: "é por esta altura do Natal que os 'pinheiros' têm o seu momento de glória"...

Um dia, viajávamos em grupo para uma capital europeia, cujo nome não é para aqui chamado. Ainda no avião, disse-me, algo angustiado como sempre foi pelas coisas da gastronomia:

- O nosso colega, que hoje oferece o almoço, é um dos embaixadores mais forretas da nossa carreira. Desde há décadas que, em casas dele, nunca comi outra coisa que não fosse frango. Você vai ver!.

Não fiquei nada preocupado, apenas curioso em saber se o meu colega tinha ou não razão.  Eu não conhecia o nosso anfitrião, que nos aguardava no aeroporto. Pareceu-me um homem simpático. Ainda antes de nos acomodarmos no hotel, fomos diretamente para o almoço que nos oferecia na residência da embaixada.

Como o grupo era grande, o embaixador tinha previsto mesas redondas. Eu ficava numa mesa distante da do meu companheiro, que o dono da casa, por óbvias razões de antiguidade, tinha levado para junto de si.

O almoço começou. Os convidados mais importantes, à volta do embaixador, foram os primeiros a ser servidos. A certo passo, o meu olhar cruzou-se com o do meu companheiro de viagem, sentado nessa mesa principal. Então, sem denotar qualquer particular expressão facial, esse meu amigo voltou-se ostensivamente para mim e, com os braços em ângulo reto, aproximou e afastou, por várias vezes, os cotovelos do corpo. O gesto não era nada elegante e, para alguns, terá parecido apenas um casual e inopinado exercício de descontração muscular. Só eu percebi: o almoço era, de facto, frango!

"Intelligent life"

A "Intelligent life" é uma revista ligada ao "The Economist", a qual, desde há um ano, tem uma edição portuguesa, da responsabilidade da Impresa. 

Segundo os seus criadores, a revista "é criada para um leitor que valoriza a vida, a cultura e a sofisticação. Das viagens à tecnologia, da moda à filantropia, arte, cinema e teatro, além do desporto, comida, bons vinhos e consumo - tudo se conjuga nesta publicação que faz pensar e suscita ideias".

Convidaram-me para publicar, na edição da primavera de 2011, algumas notas breves sobre sete cidades que me tivessem impressionado. Aqui se podem ler esses textos. E deixo imagem do palácio Livadia, de Ialta (uma das cidades retratadas), onde um dia foi desenhado um mundo que ainda não acabou por completo.

Malta

Almocei hoje com dois amigos malteses, aos quais me desculpei pelo facto de ter tido de cancelar uma conferência que, de há muito, tinha combinado que iria fazer a La Valetta, no dia 18 de abril.

Na conversa, falou-se da situação política no Mediterrâneo e das forças aéreas em presença. Um dos meus amigos malteses comentou:

- Em Malta, temos dois caças.

Eu não sabia. Pensei que Malta não tinha força aérea. O meu amigo esclareceu, com um sorriso:

- São os dois aviões líbios que se acolheram em Malta, fugindo ao regime de Kadhafi...

Economia

John Major, ao tempo em que era primeiro ministro britânico, foi um dia a Moscovo, acompanhado do seu ministro das Finanças. 

Na conversa com Mikhail Gorbatchev, num tempo difícil para uma União Soviética em franco declínio, Major perguntou:

- Senhor presidente, como qualificaria a situação económica no seu país?

Gorbatchev pensou um instante e respondeu: "Numa palavra: 'good' ".

O "Chancellor of the Exchequer" britânico não se contentou com o simplismo da resposta dada ao seu primeiro-ministro, que contradizia uma evidente realidade, e pediu ao presidente se podia elaborar um pouco mais.

Aí, Gorbatchev foi mais prolixo: "Se quer que lhe diga em duas palavras: 'Not good' "

Ouvi esta história contada esta manhã por Jean-Claude Trichet, durante um pequeno almoço de trabalho. O presidente do Banco Central Europeu foi muito explícito ao dizer que a anedota nada tinha a ver com a situação atual da economia europeia.

domingo, 27 de março de 2011

Mísia

A França é um país atento a quem, sendo originário de uma outra cultura nacional, contribui positivamente para a diversidade que o país integra.

Há cerca de um ano, numa conversa com o então ministro da Cultura português, Pinto Ribeiro, o seu homólogo francês, Frédéric Mitterrand, informou-nos que era sua intenção condecorar a cantora portuguesa Mísia, que disse muito apreciar.

Esta semana, o meu colega francês em Lisboa, Pascal Teixeira da Silva, vai fazer entrega das insígnias de "officier des Arts et des Lettres" a Mísia.

Esta é uma merecida distinção a uma figura que tem mantido, desde há muitos anos, um percurso musical de exigência e rigor, com uma atenção preferencial a um fado servida por poetas de grande qualidade, estilo que muito ajudou a conhecer em França. Ainda há semanas, aqui em Paris, Mísia encheu, em seis espetáculos consecutivos, a sala "Les Bouffes du Nord", para um público essencialmente francês, mas onde uma fiel presença portuguesa era bem evidente.

Mudar a hora

No final dos anos 90, eu vinha do norte de Portugal para Lisboa quando, num noticiário radiofónico, ouvi um "especialista" em assuntos europeus "catastrofar" sobre as supostas consequências de Portugal ter, nesse ano, decidido adotar um calendário diferente do de outros países europeus, para a mudança da sua hora legal. Para o "sábio" de extração universitária, consultado pelo telefone, a suposta (porque era apenas suposta) violação da diretiva comunitária iria acarretar consequências da maior gravidade para o futuro de Portugal na Europa, podendo mesmo vir a refletir-se no corte de "fundos comunitários". Com esta apelativa menção, estava feito o "sound bite": o jornalista mudou logo a peça nos noticiários seguintes, que passaram a abrir com "Portugal pode vir a ter menos fundos europeus, por erro do governo".

Como eu era o membro do governo responsável pelo setor, parei numa área de serviço e telefonei para a rádio, pedindo para dar a minha versão dos factos, que, aliás, era muito simples. Assim foi feito, pelo que a abertura da peça mudou para: "Governo e especialistas estão em desacordo sobre a aplicação da diretiva sobre a mudança da hora". Nada como uma boa polémica! Os "especialistas" continuavam a ser só um, mas agora já havia em cena uma entidade da qual, à partida, sempre se desconfia: o governo! Até que, farto de ouvir os dislates do "especialista", acabou por ir à antena o Francisco Saarsfield Cabral, com a autoridade jornalística de quem conhece bem estes assuntos, e lá pôs um ponto final no debate. Quando eu estava a chegar a Lisboa, já os noticiários tinham feito desaparecer o "escândalo" da hora europeia e davam relevo às filas da acesso a Lisboa, que começavam na 2ª ponte do Feijó (ainda não tínhamos inaugurado a ponte Vasco da Gama) e que já estavam a fazer perder tempo aos lisboetas. Lá se ia, assim, mais uma hora...

Recordo-me que o tema da hora portuguesa, e do seu alinhamento ou não com a hora do resto da Europa ocidental, tinha sido objeto de uma animada discussão em conselho de Ministros, em 1996, com a expressão de alguma divisão de opiniões. Esta é uma questão que tem diversas vertentes, económicas e sociais, as primeiras ligadas aos consumos de energia e à compatibilidade de funcionamento internacional de serviços, as segundas ligadas ao ciclo diário de luz solar e a respetiva compatibilidade com os ritmos biológicos das populações, com os horários de entrada das crianças nas escolas, com as consequências de tráfego com pouca luz, etc. Este não era, nem é ainda hoje, um tema consensual.

Mas sobre isto e outras curiosidades desse tema fascinante que é o tempo, aconselho que consultem o magnífico (e belo) blogue Estação Cronográfica, de Fernando Correia de Oliveira.

Imprensa

Ignácio Ramonet, que dirigiu o "Le Monde Diplomatique", acaba de publicar uma reflexão sobre o mundo da informação, com especial atenção no futuro dos jornais: o livro "L'explosion du journalisme". É o retrato de um mundo em rápida mutação, que nos ajuda a perceber coisas tão importantes como o estilo imediatista da escrita jornalística contemporânea, as exigências colocadas a quem atua na imprensa, o papel das escutas e dos "leaks". etc.

Anoto esta interessante constatação no trabalho: "Em 2008, a audiência do New York Times na sua versão internet era 10 vezes superior à sua edição impressa. Contudo, as suas receitas publicitárias através da internet eram 10 vezes inferiores às da edição em papel. Assim, para que a publicidade na internet se afirme, o número de leitores pelo écran terá de ser 100 vezes mais importante que o da versão em papel".

Dá que pensar...

sábado, 26 de março de 2011

Geografia política

A deputada "verde" Heloísa Apolónia é uma voz sempre em evidência nos debates televisivos, dado o papel proeminente que desempenha no seu grupo parlamentar na Assembleia da República.

Nem sempre foi assim. Ao tempo em que estive no governo, Isabel Castro era a mais conhecida representante dos "Verdes". 

Um dia, em 1998, num almoço numa cervejaria em Gdansk, numa comitiva que acompanhava o presidente da República à Polónia, um colega meu do executivo, voltou-se para Isabel Castro e exclamou: "Francamente, Isabel, acho que você não devia fazer parte desta delegação".

Ficámos todos siderados. Isabel Castro era uma deputada respeitada, mantinha com todos nós uma relação de grande cordialidade e companheirismo, além de que, da parte do meu colega do governo, homem agradável e delicado, não era de esperar uma atitude tão pouco cavalheiresca.

Antes que alguém reagisse - e eu era um dos que ia fazê-lo, quanto mais não fosse pela grande simpatia que tenho por Isabel Castro - o governante esclareceu: "Então você não acha que devia ter vindo a Heloísa 'à Polónia?!'"

Dois Portugais

Ao olhar para o "Expresso" de hoje, titulado e escrito no tom lúgubre que marca a generalidade da imprensa portuguesa, onde se escreve como tudo é ainda relativamente bom face ao pior que está aí para vir, dou-me conta da existência de um outro Portugal, que já ninguém nota (explicitamente), mas que anda por aí (subliminarmente) na força de uma publicidade (que é muito cara) que só existe porque há, com toda a certeza, um mercado seguro para o que anuncia. Senão vejamos: 

- rodapé na 1ª página: "Procura casa nova? Abra a porta" - Barclays's
- metade da página 7: "Católica Executive Education, Lisbon"
- 1/4 da pag. 9 - "Acredito numa poupança que enche à minha vontade" - Banif
- metade da página 11 - relógios Louis Vouitton
- toda a pag. 13 - Mercedes-Benz
- toda a pag. 15 - Barclays Wealth
- toda a página 17 - moda Sacoor
- toda a pag. 21 - Millenium BCP
- toda a pag. 24 - Banco Espírito Santo. 
- etc, etc.

O que é que isto quer dizer? Sei lá! Isto, bem como nas filas de ontem para o iPad 2, talvez queira apenas significar que há um Portugal bem conhecido que (ainda) espera por nós.

Japão

A propósito da tragédia japonesa, muito se fala, no discurso mediático ocidental, quase como cliché caricatural, da "dignidade" dessa população, uma atitude às vezes erradamente identificada como aceitação do fatalismo. Mas há muito mais do que isso, nessa gente que sofre: há memória, determinação, solidariedade e civismo.

No "Le Monde", Philippe Pons, reproduz frases de um romance antigo, em que uma mãe japonesa informa o professor do seu filho da morte deste: "Mantendo o sorriso no rosto, a mulher chorava com todo o seu corpo..." Isto ajuda a perceber melhor o rictus com que alguns japoneses contam nas televisões as suas perdas humanas e materiais.

sexta-feira, 25 de março de 2011

"Indignez-vous!"

Alguém se surpreendia ontem pelo facto de eu confessar que, até ter vindo viver para França, nunca tinha ouvido falar de Stéphane Hessel. Mais ainda: só cheguei a esta personalidade no ano passado, através da sua participação em alguns programas de televisão e, em especial, da publicação do seu pequeno livro, "Indignez-vous!", de que agora recebi a edição portuguesa. Em França, em seis meses, o livro já vendeu quase milhão e meio de exemplares. Em Portugal, foram 10 mil e está nos "tops" de venda, como me diz o amigo editor que mo enviou.

Hessel é uma figura interessantíssima. Francês nascido na Alemanha, em 1917, foi preso pelos nazis, foi resistente e diplomata, acompanhou o percurso trágico dessa Europa em convulsão e, talvez por essa razão, decantou em si os valores da paz e do entendimento, uma rara sensibilidade face às situações de injustiça. propiciadoras das tensões.

O "Indignez-vous!" é um belo manifesto contra a indiferença, pela mobilização cívica, por uma sociedade de valores. Vale a pena lê-lo.

Património

A diretora-geral da UNESCO, Irina Bukova, teve a excelente ideia de dirigir um apelo à "coligação" que efetua ações militares da Líbia, solicitando cuidados na proteção do importante património histórico da país. O objetivo é evitar incúrias como as que levaram à pilhagem do museu de Bagdade, aquando da invasão do Iraque, em 2003, bem como outras ações que então afetaram alguns monumentos do país. Esperemos que o facto da "coligação" incorporar países com uma forte tradição na preservação dos valores culturais possa contribuir para o êxito desta iniciativa.

As riquezas históricas líbias são pouco conhecidas. Mas recomendo, francamente, uma visita às fabulosas ruínas de Sabratha (na foto) e Leptis Magna, ambas na bela costa mediterrânica. Mas, já agora!, talvez convenha esperar mais algum tempo...

As doenças e as guerras

Com apoio da Fundação Gulbenkian - já repararam que a Gulbenkian está um pouco por todo o lado? - o antigo presidente Jorge Sampaio* esteve ontem em Paris, na sua qualidade de representante do secretário-geral da ONU para a questão da tuberculose, para uma jornada de sensibilização da comunidade internacional. Ontem era o dia mundial daquela que ainda é uma das doenças que mais vítimas fez no mundo, não obstante já não estar na "moda" mediática.

Há uns anos, numa reunião técnica em Nova Iorque, ouvi, de especialistas, o valor em dólares (de que já me não lembro) que seria necessário para erradicar, quase definitivamente, a tuberculose no mundo. O montante era significativo mas, como leigo, interiorizei a pergunta sobre se não seria possível juntar vontades para fazer esse derradeiro esforço financeiro. Dias depois, ao visitar um porta-aviões americano, foi-nos apresentado um modelo ultra-sofisticado de helicóptero. O valor de quatro desses helicópteros seria suficiente para pôr fim à tuberculose à face da terra. Eu sei que é ingénuo pensar as coisas desta forma, mas achei curioso ligá-las.

* No jantar em que reuni, na embaixada, o antigo chefe de Estado português com diplomatas de países envolvidos na luta contra a tuberculose, não resisti a fazer um brinde por "outro" dia 24 de março: o "dia do estudante", cuja tentativa de comemoração, há precisamente 49 anos, levou a uma vaga repressiva da ditadura sobre os estudantes portugueses, liderados então por um jovem chamado Jorge Sampaio...

quinta-feira, 24 de março de 2011

José de Guimarães

Um amigo que tem um "fétiche" pelo nº 3 perguntava ontem ao pintor português José de Guimarães a razão do aparecimento deste algarismo em muitas das suas obras. O pintor não esclareceu, talvez porque as coisas da arte, sendo embora coisas da vida, não têm necessariamente de corresponder a evidências objetivas.

Numa prestigiada galeria de Paris (Galerie Matignon, 18 avenue de Matignon, metro Franklin D. Roosevelt), José de Guimarães expõe um conjunto de novas obras, que vão da suas conhecidas séries com cores fortes até estas incursões a preto-e-branco, onde, contudo, sobrevivem os seus motivos tradicionais.

... e, claro, Elizabeth Taylor

Às vezes, no mundo da cinefilia especializada, sinto haver um preconceito contra as mulheres excecionalmente bonitas. Em certas áreas críticas, há como que a noção de que o "valor acrescentado" que essa beleza constitui pode funcionar como um subliminar fator positivo na avaliação das suas "performances" artísticas. Isso conduz a uma exigência crítica maior, como que a procurar descontar sempre esse "atout". Acho essas reticências bastante perversas e injustas, porque elas podem, algumas vezes, voltar-se contra mulheres que, não tendo "culpa" de serem muito bonitas, nem por isso deixam de ser grandes atrizes.

Lembrei-me disto a propósito de Elizabeth Taylor, agora que a sua morte convoca todas as loas, com os seus olhos de cor azul ("azul até demais", como diz a canção brasileira) no centro dessas evocações. Nunca fui um fã muito fervoroso da atriz, embora reconheça que a sua prestação em "Quem tem medo de Virgínia Woolf?" foi magnífica e que, em outros filmes - recordo "Gata em telhado de zinco quente", "Bruscamente, no verão passado" e "Gigante" - ela teve momentos notáveis. Já a "Cleópatra"... Mas é defeito meu, que detesto filmes históricos.

Elizabeth Taylor teve uma vida que foi muito para além do alimentar do "gossip" hollywoodiano, que a imprensa sempre dela recortava. Soube ligar-se a algumas causas nobres e de cidadania, que lhe grangearam admiração.

Deixo o retrato que Andy Warhol dela fez e que, há um ano, esteve aqui exposto no Grand Palais. Hoje, acho que posso cometer a heresia de o colocar a preto-e-branco.

Dias

Paris é uma cidade privilegiada em matéria de informação.

Ontem, durante um pequeno almoço de trabalho - uma prática que aqui é uma forma regular de encontrar certas personalidades -, tive o ensejo de ouvir Jacques de la Rosière, antigo diretor-geral do FMI, falar da crise financeira e de algumas receitas possíveis para lhe fazer face. Foi muito curiosa, na ocasião, a afirmação de Guéorguy Matiukhine, antigo governador do banco central russo, segundo  qual, a certo passo da implosão da URSS, "a atitude mais realista para superar a crise parecia ser acreditar num milagre"...

Mais tarde, num almoço organizado por um ativo "think tank" francês, participei numa discussão sobre a Líbia e outros temas internacionais, com o general James Jones, até há pouco National Security Advisor do presidente Obama. É nestes momentos, em que as mesmas temáticas convocam a atenção de diferentes atores internacionais, que nos damos melhor conta de como os EUA têm uma leitura estratégica autónoma, que contrasta com a muito mais interdependente visão dos países europeus.

Finalmente, ao final da tarde, numa nota mais leve, mas nem por isso menos atual, estive a ouvir Gilles Lipovetsky, um filósofo francês convidado pela Fundação Gulbenkian e apresentado por Manuel Maria Carrilho. Foi extremamente refrescante ver Lipovetsky explanar sobre os novos paradigmas do individualismo, sobre a sociedade de hiperconsumo e sobre a preeminência absoluta do mercado no nosso quotidiano.

Nestes tempos da crise, os mercados abrem e fecham os nossos dias, com algumas guerras pelo meio.

quarta-feira, 23 de março de 2011

A crise

O que se espera do blogue de um embaixador de um país que entra numa crise política? Não tive tempo para ver o que os meus colegas britânicos, que têm os seus vários blogues alojados no "site" do "Foreign Office", escreveram no momento em que, no ano passado, o Reino Unido entrou em eleições. Não sei sequer se falaram nisso, nem tal interessa muito. 

Os diplomatas portugueses, tal como os britânicos, representam um país que tem uma política externa que, salvo em alguns pontos de conjuntural pormenor, afirma um largo consenso interno. A nossa cultura profissional é orientada, ao longo dos anos em democracia, por uma linha de grande solidez, na defesa dos interesses nacionais na ordem externa, que nos é fácil representar e em que o mundo nos reconhece, sem dificuldade. Com ou sem crise.

Por essa razão, este blogue, de um embaixador português, será amanhã, muito simplesmente, o que tem sido até hoje. Nem mais, nem menos.

terça-feira, 22 de março de 2011

Pintura

Permitam-me que, em todo o dia de hoje, lhes deixe apenas este quadro de Paula Rego.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Lugares vagos

Éramos quatro portugueses, em visita de trabalho a um país daquilo a que, à época, se chamava o "terceiro mundo".

Ao segundo dia de uma missão que devia demorar três, fomos confrontados com atrasos pelos quais não tínhamos a menor culpa, exclusivamente devidos à desorganização das autoridades locais.

Explicámos a dificuldade da nossa situação, tanto mais que as saídas internacionais do país eram muito limitadas, os aviões para Roma, de onde tínhamos vindo, andavam quase sempre a abarrotar e, estando próxima uma época de festas, seria muito difícil encontrar lugar nos voos que saíam dessa capital.

Os nossos interlocutores mostravam-se muito calmos: "partem depois de amanhã, não se preocupem". Mas nós preocupávamo-nos. E se tudo se atrasasse mais? O dinheiro que tínhamos era limitado, à época não se usavam ainda cartões de crédito no país. Pior: nem sequer havia uma embaixada portuguesa no local. Mas que se podia fazer?

Na véspera da nossa nova data de partida, os nossos anfitriões perguntam-nos: "Não se importam de ir pela Suíça? Arranjámos-lhes lugares na nossa linha área."

Olhámos uns para os outros, num instante de coordenação visual, que traduzia uma ânsia de sair dali, cruzada com a desconfiança sobre a fiabilidade dos aviões locais. De Genebra ou de Zurique, lá arranjaríamos maneira de regressar a Lisboa. E, claro, aceitámos. Nem eles estavam à espera de outra coisa.

No dia seguinte, ao chegarmos ao aeroporto, fomos surpreendidos pelo facto da viatura que nos transportava entrar na própria pista, indo-se colocar ao fundo da escada de acesso ao avião. Alguém se havia encarregado já dos nossos passaportes e da troca dos bilhetes. Mas não tínhamos ainda os cartões de embarque. Pela movimentação logística, percebemos que os passageiros do nosso voo já estavam a bordo. Nós continuávamos dentro da carrinha que nos tinha transportado.

De repente, vemos subirem para o avião, em passo apressado, uma meia dúzia de polícias. Passou pouco mais de um minuto, até se ouvirem, no alto da escada, algumas vozes mais exaltadas. Olhámos e vimos os polícias descerem a empurrar quatro cidadãos, em trajes locais, que protestavam contra aquilo que era, manifestamente, a sua retirada forçada do avião. Passaram por nós e foram levados para o edifício do aeroporto.

- Caros amigos, podem embarcar, estão quatro lugares à vossa espera, lá em cima. Têm é de levar as vossas malas na cabine... Desejamos-lhes uma boa viagem! Voltem sempre!

Nem queiram saber a cara com que entrámos no avião, o modo como os restantes passageiros nos olharam, bem como o insuperável embaraço que tudo aquilo representou. Nunca mais me esqueci disto!

* Por razões que julgo óbvias, só agora (Agosto 2011) acho prudente revelar que isto se passou na Líbia

Poesia*

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós...

Alexandre O'Neill (1965)

*no dia internacional da poesia, ainda

Vinha & vinho

A "Organização Internacional da Vinha e do Vinho", com sede em França ("et pour cause"...), vai organizar no Porto, no próximo mês de Junho, o seu congresso anual.

Na passada sexta-feira, aproveitámos a presença em Paris de mais de uma centena de delegados da organização para lhes oferecer, na Embaixada, um modesto "preview" do acolhimento de que irão ser objeto em Portugal, com vinhos e comidas portuguesas. Para além do imparável êxito que hoje constitui o vinho do Porto no mercado francês (que é o primeiro importador mundial de vinho do Porto, para quem o não saiba ou seja do tempo em que "os ingleses é que bebem Porto"), cada vez fica mais evidente que os nossos vinhos de mesa, quando de qualidade, podem e devem aparecer a terreiro comercial neste país, sem temor de comparações. Contrariamente ao que muita gente pensa, não se trata de mandar "bananas para a Madeira". Aliás, dentro de meses, iremos provar isso mesmo na Vinexpo, em Bordéus.

Pelo entusiasmo que detetei nos presentes ao convívio, onde procurámos limitar ao mínimo os discursos, fiquei com a sensação de que iremos ter no Porto uma muito luzida representação do mundo vinícola internacional, por essa época do S. João. Isso não deixará de ter as necessárias consequências na consolidação do prestígio dos nossos vinhos no mercado internacional, com todos os efeitos que daí advêm para a nossa economia.

Jardin d'Hiver

Hoje, dia em que acaba mais um inverno, lembrei-me deste fantástico "Jardin d'Hiver", uma belíssima canção de Henri Salvador.

Ouça aqui.

domingo, 20 de março de 2011

"Off"

Dois jornalistas franceses, ligados à revista "Marianne", decidiram publicar em livro algumas revelações, fruto da sua proximidade pessoal com o presidente Nicolas Sarkozy, ao longo de vários anos.  Chama-se "Off - o que Nicolas Sarkozy nunca nos deveria ter dito".

Interessa aqui pouco o conteúdo do livro, aliás bastante menos importante do que se poderia supor, escrito por profissionais que, manifestamente, nunca estiveram próximos da linha política do presidente francês, como este, aliás, sempre soube. O mais relevante, a meu ver, é a circunstância desses jornalistas se terem sentido agora tentados a revelar factos e opiniões que, no entendimento do presidente e naquele que até agora era o deles próprios, eram considerados "off" - isto é, como fazendo parte daquilo que ambas as partes haviam convencionado, explícita ou implicitamente, não tornar público.

No ano passado, li vários livros, aqui em França, que se baseavam nesse mesmo procedimento, de que o mais sugestivo, a começar pelo título, era o "Si vous répetez, je démentirai...". A diferença é que nenhum desses livros afirmava, de forma clara, a legitimidade de ser quebrado o "off", procedendo apenas a algumas indiscrições, parte das quais desculpabilizadas pelo tempo.

Ora este novo livro coloca em debate, de forma declarada, o problema das relações entre a imprensa e as pessoas que com ela lidam, a preservação no tempo de códigos de honra e de respeito mútuo, que hajam sido estabelecidos no passado. O trabalho fá-lo logo na sua introdução, ao propor-se "quebrar, de uma vez por todas, esta regra de bronze que, desde há tantos anos, desde que os jornalistas modelam parcialmente a opinião pública, governa a relação entre os jornalistas e os responsáveis políticos: a conivência, a cumplicidade, a compreensão mútua".

Todos os que passaram pela vida pública - políticos, diplomatas ou outros - tiveram, seguramente, experiências de relacionamento com profissionais da comunicação social, aos quais, algumas vezes, confidenciaram factos ou ideias, na certeza (ou na convicção) de que esses jornalistas as não utilizariam ou, outras vezes, que utilizariam sem os citar. 

No que me toca, tive e tenho na comunicação social pessoas em cuja discrição confio, embora sempre de forma razoável. E digo "de forma razoável" porque há tentações a que a maioria dos jornalistas não consegue resistir, se a notícia revelada fôr demasiado apelativa, se configurar uma "caixa" irresistível. Noutras funções, consegui sempre fazer uma gestão muito prudente do que pode ou não ser dito; mas também já cometi alguns erros de avaliação. No essencial, essa é apenas uma questão de bom-senso, que depende mais do "informador" do que do próprio jornalista.

Devo confessar que, para além da curiosidade de consumidor da "coisa política", que me fez mergulhar no livro, bastante pelo ineditismo do procedimento dos seus autores, não deixo de ficar preocupado por esta quebra de códigos comportamentais revelar - vamos chamar as coisas pelos seus nomes - um triste abandalhamento das regras de convivência no cenário público.   

Três notas líbias

1. Ontem, ao final da noite, quando a aviação da coligação já bombardeava alvos militares na Líbia, passei pela ponte Bir Hakeim, sobre o Sena, e lembrei-me que o seu nome comemora a batalha onde o exército francês combateu com sucesso, no deserto líbio, as tropas do "eixo" italo-alemão.

2. Por que será que, mesmo aceitando eu como boas e razoáveis as razões de base que justificam a ação militar em curso, não deixo de sentir um certo mal-estar com esta guerra? Será apenas por ser uma guerra? Será, egoisticamente, por ter lugar tão perto da Europa? Será pela ideia de que se sabe sempre como uma guerra começa, mas nunca se sabe como e quando ela acaba? Ou será pela certeza de que os "colateral effects", isto é, as vítimas civis, são particularmente difíceis de medir numa operação militar com as caraterística da que está em curso? Não sei.

3. Um dia, na Líbia, nos anos 70, olhei em volta e dei-me conta que tudo estava escrito em árabe. Com uma exceção: as tampas de ferro do saneamento do centro de Tripoli tinham os seus dizeres em italiano, a língua da colonização, desde 1912 até à independência, em 1951.

Warren Christopher (1925-2011)

Há cerca de 10 anos, por ocasião da saída do seu livro "Chances of a Lifetime", ouvi uma palestra proferida em Nova Iorque por Warren Christopher, que agora desapareceu. Recordo bem a sua imagem, com os longos colarinhos subidos e uma voz rouca muito típica, nessa tarde em que apresentou, no Council on Foreign Relations, a sua leitura da situação internacional, naqueles que eram os primeiros meses da administração George W. Bush, que ele já criticava com muita lucidez.

Não sendo considerado um génio na condução da política externa americana, no período em que serviu como chefe da diplomacia no primeiro mandato de Bill Clinton, Christopher era tido por aquilo a que anglo-saxónicos chamam "a safe pair of hands", de que já tinha dado mostras aquando da condução das negociações para a libertação dos reféns americanos no Irão, no consulado Carter. 

Em 2000, chefiou a equipa de advogados de Al Gore na disputa pelos decisivos votos da Flórida, no que viria a ser derrotado por outro "peso pesado" da política externa americana, James Baker, que defendia as cores republicanas de Bush. Dois anos depois, tive o privilégio de ouvir, da boca do meu amigo Stephan Minikes, embaixador americano junto da OSCE e antigo membro da equipa de advogados chefiada por Baker, algumas histórias curiosas dessa batalha, que todos seguimos pela televisão e que seria ganha por Bush e perdida por Gore - e, na minha opinião pessoal, pelo mundo.

sábado, 19 de março de 2011

BHL

Ainda a Líbia. O filósofo Bernard-Henri Lévy é uma conhecida figura do panorama intelectual francês, onde a sua postura e tomadas de posição não deixam, às vezes, de suscitar alguma polémica.

Na crise recente da Líbia, BHL (com DSK - Dominique Strauss-Kahn -, Lévy está entre as escassas personalidades francesas que podem ser identificadas apenas pela sigla do seu nome) acabou por ter um papel marcante, ao ter sido a pessoa que convenceu o presidente Nicolas Sarkozy a receber e aceitar a legitimidade do "Conselho Nacional de Transição", representativo da oposição ao coronel Mouammar Kadhafi .

Porque este golpe de "diplomacia paralela" tem algumas curiosidades a notar, sugiro que leiam isto.

Brecht

Às vezes, faz muito bem ler os génios. 

Hoje, o "Tim Tim no Tibet" traz-nos um magnífico poema de Bertolt Brecht. Leiam este extrato:

Cheguei às cidades num tempo de desordem
Quando a fome imperava.
Cheguei entre os homens num tempo de levante
E com eles revoltei-me.
E assim passou-se o tempo
Que me foi dado sobre a terra.

... para terem vontade de ler o poema todo.

E, em matéria de poesia, também temos esta boa notícia para Portugal. Alegrem-se! Felizmente há luar!

"Um taxi para Tobruk"

Hoje, ao ver na televisão a coluna de viaturas que procuram sair do cerco de Benghazi para a cidade de Tobruk, a importante cidade líbia próxima da fronteira com o Egito, não pude deixar de lembrar-me de um filme de guerra que vi na minha adolescência: "Um taxi para Tobruk". Charles Aznavour e Lino Ventura eram atores desse filme.

Ainda haverá táxis para Tobruk, em Benghazi?

sexta-feira, 18 de março de 2011

Futurista

As opções para um programa lúdico eram algo escassas, naquela pequena capital europeia. O embaixador português e o seu secretário bem se tinham esforçado por encher a agenda do jovem secretário de Estado, oriundo de um ministério técnico, na tarde que lhe restava na cidade. 

À proposta de visita a uma livraria inglesa, o político comentou que tinha estado em Londres, há poucas semanas, embora, através de outros comentários, não desse mostras de ser pessoa altamente interessada pela leitura. O passeio pelos arredores, a visita ao porto e ao famoso parque da cidade não o entusiasmaram, da mesma maneira que estava a manifestar um visível enfado pela explicações arquitetónicas que o embaixador fazia, à passagem por certas artérias.

A certo ponto, o embaixador teve uma ideia:

- O senhor secretário de Estado não estará interessado em visitar o museu nacional? Tem peças lindíssimas...

O jovem político olhou para o diplomata, com um sorriso indefinível mas "blasé", e comentou:

- Sabe, senhor embaixador, a mim o passado diz-me pouco e os museus só nos mostram o passado.

Aí, o secretário de embaixada não resistiu e lançou, "fininho":

- É verdade que os museus "têm a mania" do passado. Não há muito a fazer...

O nóvel governante fez uns instantes de silêncio, mas não "se ficou":

- Não é bem assim, sempre há os futuristas...

De facto. O secretário ainda pensou falar-lhe em Marinetti, mas recuou, temendo, seriamente, que ele pensasse que era um médio ala da Juventus.

China (e o Mónaco)

Num almoço ontem, no Institut Français des Rélations Internationales, alguém perguntava ao embaixador da China, com uma legítima preocupação, como é que ele avaliava o impacto negativo sobre o mercado internacional de produtos alimentares de fenómenos como as inundações na Austrália, os fogos do ano passado na Rússia ou as secas que assolam muitas zonas de produção no mundo.

A resposta do meu colega chinês foi esclarecedora: dado que a China tem cerca de 1,3 biliões de habitantes, a preocupação central dos seus governos, nos últimos 60 anos, tem sido garantir a segurança e a autonomia alimentar dessa mesma população. Porque a China sabe bem que, em caso de crise alimentar mundial, "ninguém tem capacidade de a ajudar", o país tem, essencialmente, que se preocupar com as suas própria crises.

Uma resposta como esta ajuda-nos a medir, com mais acuidade, a escala quantitativa de um Estado como a China, fundamental para se entenderem algumas das suas opções, seja em matéria de políticas públicas, seja no campo internacional. 

Numa nota mais ligeira, o meu colega chinês deu conta, aos presentes nessa refeição, de uma frase magnífica do príncipe Alberto II do Mónaco, por ocasião de um recente encontro entre autoridades chinesas e monegascas: "a importância da relação sino-monegasca é testemunhada por esta importante realidade: quase um em cada quatro cidadãos do planeta pertencem à soma conjugada das populações do Mónaco e da China"...

Conselho de Segurança

Ontem, no Conselho de Segurança da ONU, a propósito da resolução sobre uma zona de exclusão aérea na Líbia, a França e o Reino Unido (e Portugal) votaram a favor, tendo a Alemanha seguido uma linha diferente, abstendo-se.

Não está em causa a substância da resolução, mas ver países centrais do projeto europeu seguirem linhas diferenciadas sobre um tema de política externa e segurança tão próximo dos interesses do continente, bem como do cerne das suas políticas de vizinhança, leva a perguntar se ainda haverá razões para manter uma ilusão sobre a univocidade futura da vontade europeia no quadro internacional.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Badinter

Fui apresentado a Robert Badinter, há quase dois anos, aqui em Paris. Disse-lhe então do prazer que tinha em conhecê-lo pessoalmente, pelo profundo respeito que a sua figura de retidão ética me inspirava, desde há muito. E, devo confessar, não há muitas pessoas a quem eu me sentisse tentado a dizer o mesmo.

Robert Badinter foi, durante quatro anos, ministro da Justiça de François Mitterrand e proponente da medida legislativa que, em outubro de 1981, proibiu a pena de morte em França. Tinha na minha memória a campanha de vilificação de que então foi alvo, com acusações miseráveis, que o qualificaram como "o advogado dos assassinos".

Num tempo em que, um pouco por todo o lado, a política imediatista tende a esconder os princípios por detrás do populismo, vale a pena relembrar que Badinter soube conduzir a França para a linha da frente da defesa das liberdades - abolição dos tribunais militares, supressão do delito da homosexualidade, sujeição ao Tribunal europeu dos direitos do Homem, etc.

Badinter acaba de publicar uma memória desse tempo de honra para a vida pública francesa, sugestivamente intitulado "Les épines et les roses". Lê-se de um trago, como retrato que é de uma bem sucedida mas complexa experiência política. Nele, Badinter não deixa de notar que a democracia está longe de ser a reprodução mecanicista do sentimento popular: quase 2/3 dos franceses eram favoráveis à manutenção da pena de morte, no momento em que ela foi abolida. Liderar, politicamente, é também ter a coragem de tomar medidas impopulares, quando se entende que o bem público as justifica.

Ainda o Benfica

A eliminatória entre o Benfica e o Paris Saint-Germain, que daqui a pouco se decide, deve estar a criar um sentimento de divisão nos muitos portugueses e luso-descendentes que, em Paris, têm o clube francês no coração. E não vale a pena estar aqui a clamar pela veia patriótica, porque as emoções estão para além de qualquer racionalidade.

Curiosamente, devo dizer que nunca senti a minha vontade pender em favor de um clube estrangeiro, numa qualquer disputa com um clube português. Mas admito perfeitamente que outros tenham uma atitude diferente. Eu faço-o, naturalmente, não por grande empatia com qualquer das restantes equipas nacionais - só tenho uma simpatia, como a maioria de nós -, mas porque sempre achei que uma vitória portuguesa faz muito pelo ego dos nossos compatriotas no estrangeiro, os quais devem ter um grande prazer em entrar no emprego, no dia seguinte, com um sorriso ganhador. Esta será, com certeza, a compensação mínima pelas agruras que a vida lhes possa trazer. Só por isso, que é muito, sempre pensei que vale a pena estar do lado de todos os clubes portugueses que atuam cá fora, embora eles não dependam do meu apoio, para ganhar ou perder.

A historieta que vou contar passou-se em 1988. O Benfica disputava a final da antiga Taça dos Campeões Europeus, em Estugarda, na Alemanha, contra os holandeses do PSV Eindhoven. De Lisboa, tinham partido muitos aviões e eu estava - já nem sei bem porquê! - entre os convidados para ver o jogo, em que se contavam imensos sportinguistas, que iam abertamente apoiar o Benfica. O nosso grupo era divertidíssimo e lembro-me que Miguel Esteves Cardoso escreveu uma crónica imperdível sobre aquela experiência.

O partida foi difícil, com as chuteiras dos jogadores do Benfica a descalçarem-se, por inexplicadas razões. Ao final do tempo regulamentar, o resultado era um nulo. Foi-se para prolongamento e tudo se manteve igual. Restavam os penáltis. E é aí que a cena se passa.

José Vera Jardim, um sportinguista dos sete costados, que estava ao meu lado, voltou-se para outro grande sportinguista, o padre Vitor Melícias, e apelou:

- Ó padre Melícias. Contamos com umas oraçõezinhas suas para os penáltis!

Vitor Melícias quebrou a nervoseira geral, naquele momento algo tenso, com a sua pronta resposta, no tom de voz tão típico que é o seu:

- Orações?! Essa agora! Eu já aguentei isto a "pai-nossos" e "avé-marias" até ao final do prolongamento. Agora, para os penáltis, só o cardeal patriarca!

O cardeal não estava lá e o Benfica perdeu.

A garrafa

Ontem à tarde, vindo com os apoiantes do Benfica, para ver o jogo de hoje com o PSG, bateu-me à porta um velho amigo:

- Será que posso levar uma garrafa de vinho que, há cerca de meio ano, uma pessoa te deixou, na embaixada, para mim?

Nesse instante, lembrei-me, claramente, que alguém me entregou uma garrafa que era destinada àquele meu amigo. Isso aconteceu, creio, no início de um concerto musical e, se bem leio a minha rotina, devo ter passado a garrafa a alguém da casa, que a terá guardado.

O "inferno" que é a minha vida, por estes dias, não me dá hipóteses de ir à procura da garrafa, pelo menos a tempo desse meu amigo a levar para Lisboa. Mas, aqui entre nós (ele não lê blogues, creio), é bem provável que já a tenha bebido, numa qualquer refeição. E o mais "trágico" é que, se assim aconteceu, nem sequer me dei conta de se tratar de um néctar dos deuses, como esse meu amigo diz que era.

Também por essa razão, e para garantir que ele fica contente, só espero que o Benfica ganhe! 

Açores

Pedro Pauleta é uma das "caras" de Portugal em França, onde tem uma imagem de prestígio e grande simpatia na opinião pública. 

Esta manhã, como "embaixador" dos Açores, Pauleta esteve na Embaixada, numa iniciativa para a qual abri as nossas portas, com vista à apresentação de uma parceria entre a SATA e a Aigle Azur, que vai permitir uma ligação mais fácil e articulada entre os voos desta última companhia com destino a Portugal e a importante rede da companhia açoreana. Quase uma centena de jornalistas e promotores turísticos juntaram-se-nos nesta operação de divulgação.

Os Açores são uma região turística portuguesa que necessita de uma mais ampla promoção, pelo produto diferente que representa, num mundo que já procura algo mais para além do "sol e praia". Ao lado de outras regiões portuguesas, o turismo dos Açores está representado na Feira de Turismo, que tem lugar aqui em Paris, em que temos um interessante stand.

Em 2010, a França foi o país emissor de turistas para Portugal que apresentou números mais favoráveis, o que não pode ser desligado do trabalho intenso e qualificado de promoção que tem vindo a ser desenvolvido em França pelas nossas autoridades do setor.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Cultura portuguesa

Em Paris, a cultura portuguesa mostra-se bem, por estes dias.

Anteontem, na Fundação Calouste Gulbenkian, Vasco Graça Moura animou uma interessante apresentação de textos de Mário Cláudio e de Anna Luísa Pignatelli (cuja obra eu desconhecia por completo e cuja qualidade me surpreendeu), na presença e em debate com os autores.

Ontem, estive na abertura de uma nova exposição do pintor madeirense Mateus Camacho (na imagem superior), na Galerie Octobre (24 rue René Boulanger, metro République), em exibição até 16 de abril.

Ao final da tarde, a memória de Joaquim Vital foi objeto de uma bela sessão na Maison de l'Amérique Latine, com testemunhos de amigos e escritores. Uma larga e solidária audiência, onde encontrei Júlio Pomar, homenageou o editor e escritor, que "La Quinzène Littéraire" também lembra assim no seu último número. À emoção de alguns sucedeu-se o humor literário de outros, como Salim Jay, que deixou a sala divertidamente intrigada com o teor do romance do egípcio Mohamed Leftah, "Le dernier combat de Captain Ni'mat", uma das últimas edições de Joaquim Vital.

Hoje à tarde, vou tentar estar na abertura da exposição de fotografia de Helena Almeida (imagem inferior), na Galerie Les Filles du Calvaire (17 rue des Filles-du-Calvaire, metro Oberkampf), em exibição até 7 de maio.
.

Joaquim Vital e as colónias portuguesas

Foi uma mera coincidência.  Mas, às vezes, as coincidências têm o seu significado.

Ontem, foi o dia em que se registou a passagem de meio século sobre o feroz ataque da UPA (União dos Povos de Angola), que, no norte de Angola, vitimou centenas de colonos portugueses e de cidadão angolanos, naquela que foi a primeira grande manifestação de revolta contra a presença colonial portuguesa em Angola - depois dos acontecimentos da Baixa do Cassange e do "4 de Fevereiro", em Luanda, todos ocorridos no início desse ano histórico de 1961. A partir de então, nada iria ser igual nas colónias portuguesas, desde o Estado da Índia (que seria invadido pela então União Indiana, no final do ano), até à independência completa de Timor-Leste, apenas reconhecida pela ONU em 2002, passando pelo reconhecimento português das independências de Cabo Verde, Guiné-Bissau (que a comunidade internacional já consagrara em 1973), S. Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique, ao longo de 1975.

Ontem, também, teve lugar na Embaixada de Portugal em Paris um cerimónia durante a qual o Estado português atribuiu ao intelectual e editor Joaquim Vital a comenda da Ordem do Infante Dom Henrique. Em nome do Presidente da República, que aprovou esta distinção proposta pelo governo, sob minha sugestão, a viúva e os filhos de Joaqum Vital receberam esta distinção. que lhe era dirigida, a título póstumo, numa cerimónia privada. Foi uma condecoração dada a alguém que saíu de Portugal para não participar nessa mesma guerra colonial, como gesto ostensivo de recusa da política errada de um regime ditatorial que abafava o país.

Portugal viverá com esta dualidade eterna: com a dignidade da revolta de quantos o seu regime oprimia, bem como com a dignidade dos militares portugueses que, sob a nossa bandeira, procuraram contrariar essa vontade, sob ordens do regime de então. Esta dualidade pode parecer quase esquizofrénica, mas é a sina de um país que tem muita história e que tem sabido vivê-la no caldeirão das contradições que ela encerra. 

Ontem, ainda, a viúva de Joaquim Vital, nas simpáticas palavras com que respondeu às minhas, lembrou ser quase irónico que Joaquim Vital tivesse preparado, a meu pedido, um "curriculum vitae", para instruir a proposta de condecoração, precisamente poucos dias antes da sua súbita morte, em Maio de 2010, numa visita a Lisboa.

Líbia (2)

O líder líbio, Mouammar Kadhafi, tem vindo a repetir que não pode ser demitido de nenhum cargo, dado que não exerce nenhum poder executivo. Ontem, li que se comparou à raínha Isabel II, do Reino Unido, afirmando que esta também não é responsável pelas ações do seu governo.

Deve-me ter escapado, mas não me recordo, com precisão, da última conferência de imprensa da soberana britânica.

Líbia (1)

Há duas semanas, vinha a sair de uma farmácia, na avenida da Igreja, em Lisboa, quando ouvi um curto diálogo entre dois cidadãos que caminhavam pelo passeio, um dos quais se afastava, para entrar no estabelecimento:

- Depois, vais lá ter ao café?, perguntou o outro.

- Vou, vou. Só dou aqui um saltinho à farmácia, para saber se ainda têm o Kadhafi.

Quem não soubesse o nome da loja - Farmácia Líbia - não percebia a graça.

Todos somos japoneses

terça-feira, 15 de março de 2011

O guerreiro

Aquele ministro dos Negócios Estrangeiros, oriundo de um pequeno país europeu, levava-se muito a sério no exercício da Presidência rotativa que, naquele semestre, cabia ao seu país. O tempo era de crise política nos Balcãs, com o presidente Milosevic sob forte pressão internacional, em face das tensões que potenciava na Jugoslávia. Por virtude das quase ridículas contribuições que o Estado que representava poderia dar, em caso de eventuais ações militares em nome coletivo, o ministro tornava-se algo caricato, ao falar como se tivesse, atrás de si, umas forças armadas fortíssimas e, em especial, como se lhe fosse possível mobilizar  os parceiros à escala da sua retórica.

Os "cornetos" sonoros dos jornalistas, em frente a um político, são afrodisíacos verbais. À porta de um hotel de uma capital europeia, com as câmaras e as luzes da ribalta a daram-lhe a importância de que precisava, o ministro fez uma declaração forte, afirmativa, tentando mostrar que estava "in charge". No termo do "statement", avisou, tonitruante e solene, de dedo espetado, para um distante Milosevic: "Quero daqui dizer ao senhor Milosevic, com toda a firmeza, que a Europa tem um limite para a sua paciência e que, se necessário, lhe dará uma resposta à altura das suas provocações". No ar, ficou um indelével cheiro a pólvora oral.

Visivelmente "aos ombros de si próprio", o político recuou as suas tropas diplomáticas para o "lobby" do hotel, sob um ressoar de comentários aprovadores de assessores, que lhe asseguravam que tinha "saído muito bem". E lá foi, deliciado, de peito feito, com um esgar de satisfação, para um merecido copo no bar, depois do "aviso" a Milosevic, que deve ter ficado a tremer, lá pelo palacete em Dedinje. Cada um tem o seu "Bei de Tunis" (ainda haverá Bei, por lá?), mas o ministro não devia conhecer o nosso Eça.

Foi por essa altura que um funcionário português, ocasionalmente presente na delegação ministerial, de forma um pouco impertinente mas escolhendo as palavras, ousou dizer àquele chefe da diplomacia (e sou testemunha privilegiada disso): "O senhor ministro vai perdoar-me, mas, ao falar como falou, com as tropas que o seu país tem, fez-me irremediavelmente lembrar uma frase, que ficou famosa, do capelão do regimento de infantaria da minha terra, no início da guerra colonial, em África, em 1961. Ao discursar ao primeiro contingente que partia para Angola, terminou desta forma lapidar: 'Rapazes! Preparêmo-nos para a guerra! Ide!...'"

Apeteceu-me lembrar hoje esta historieta, quando se assinalam os 50 anos do início da "guerra do ultramar", para uns, da "guerra em África", para outros, e da guerra colonial, para a História.

segunda-feira, 14 de março de 2011

O abraço de Strauss-Kahn

Há dias, falei aqui de Anne Sinclair, e do seu blogue. Trata-se da mulher do diretor-geral do Fundo Monetário Internacional e putativo candidato socialista às eleições presidenciais francesas de 2012, Dominique Strauss-Kahn.

Hoje vou contar uma pequena história, na qual ele acaba por ser uma involuntária personagem.

Em Junho de 1997, Strauss-Kahn assumiu as funções de ministro da Economia e Finanças do novo governo socialista francês. A liderança da França, que vivia os tempos da muito recente coabitação Chirac-Jospin, tentou rediscutir o então quase finalizado "pacto de estabilidade", o conjunto de regras para regular o acesso e garantir o comportamento dos países no seio da nova moeda única, o euro. A França conseguiu retocar o "pacto", que mudou de nome e passou a chamar-se "pacto de estabilidade e crescimento", vom o objetivo, simultaneamente, de lhe conferir um toque mais "social" e de garantir que a nova liderança francesa deixava a sua marca na decisão final sobre o assunto, nem que fosse por via semântica.

Mas a decisão tomou o seu tempo. O primeiro conselho de ministros das Finanças, o "Ecofin", posterior à subida ao poder dos socialistas franceses ficou, assim, rodeado de uma grande curiosidade, em torno do que nele iria dizer o novo ministro que Paris tinha na pasta, Strauss-Kahn.

Como é de regra nestas reuniões, as câmaras de televisão entram, por uns minutos, na sala, antes do início dos trabalhos, para filmarem os responsáveis políticos, conversando entre si ou já sentados nas respetivas delegações (um dia falarei aqui de alguns "truques" dessa coreografia). A certo passo da cobertura televisiva dessa reunião do Ecofin -  feita, entre outros, pela BBC, Sky e CNN -, as câmaras concentraram-se, com toda a naturalidade, no que era a grande novidade do dia, a entrada na sala de Dominique Strauss-Kahn.

O novo ministro, homem de porte pesado, surgiu, de passo firme, seguido de colaboradores, encaminhando-se para a zona onde se iria sentar a delegação francesa. A meio do percurso, porém, a sua cara espelhou um grande sorriso e viu-se a vedeta política do dia abrir os braços para um abraço de grande intimidade com uma outra figura, de compleição física bastante similar, de cara ornada por uma barba, com  quem trocou palavras de manifesta cordialidade, fruto seguro de amizade. Quem essa pessoa? Ninguém sabia o seu nome e o mistério era tanto maior quanto, à partida, estava excluída a hipótese de se tratar de um outro ministro das Finanças dos "quinze".

Ninguém sabia? Não! Nós, um grupo de portugueses que apreciávamos a cena, numa casa particular, em Bruxelas, sabíamos! Era o Henrique Antunes Ferreira, assessor de imprensa do nosso ministro das Finanças, António Sousa Franco.

Nesse e nos dias seguintes, as televisões universais, à falta de outras imagens sobre o novo homem-forte das Finanças francesas, repetiram à saciedade esse magnífico amplexo, que a todo o mundo pareceu selar o acolhimento europeu ao novo governante francês. E, nessas imagens, lá aparecia sempre o nosso Henrique, para eterna perplexidade do mundo da informação, mas para imenso gáudio dos seus amigos, uma legião heteróclita em cujo seio tenho o gosto de me contar.

O Henrique Antunes Ferreira foi jornalista e é escritor, está reformado das lides políticas mas bem ativo na vida da blogosfera, onde alimenta a irreverente A minha Travessa do Ferreira. Um dia, ele esclareceu-me das razões da sua intimidade com Strauss-Kahn, mas, confesso, já as esqueci. Será que aqui ou na sua Travessa ele poderia recordá-no-las? É que se o percurso de Strauss-Kahn for aquilo que algumas sondagens persistentemente prevêem, o embaixador de Portugal ainda pode, lá para o ano, ter de dar boleia ao Henrique para o Faubourg Saint-Honoré...