sábado, 31 de dezembro de 2011

Conhecimentos

Na carreira diplomática, conhece-se muita gente. Esse é apenas o efeito colateral de uma profissão que, pela sua natureza, implica imensos contactos. Quando colocados no estrangeiro, os diplomatas acabam por ter um conjuntural acesso a pessoas, instituições e círculos sociais que estão vedados, em regra, a muitos outros cidadãos. Nas suas próprias capitais, dependendo das funções exercidas, muitos diplomatas são cortejados pelas embaixadas estrangeiras, sedentas de apoio para a obtenção de facilidades.

A primeira regra que um diplomata deve aprender é que esse seu estatuto pseudo-social é limitado no tempo e deriva apenas, ex officio, das funções que transitoriamente ocupa. E que, em regra, isso acaba com o termo dessas mesmas funções. Quando vivi em Londres, ia todos os anos ao "garden party" oferecido pela raínha, que sempre saudava pessoalmente os diplomatas numa receção de gala em Buckingham. Porquê? Apenas porque eu trabalhava então na nossa embaixada. Agora, quando vou a Londres, se um dia quiser visitar o palácio real, compro um bilhete e sigo o guia turístico. E raínha, nem vê-la!

Perceber a naturalidade disto é sintoma de mero e proverbial bom-senso. Mas, infelizmente, nem todos os diplomatas o têm. Conheci colegas, felizmente poucos!, que ficaram convencidos que, pelo facto de terem tido fortuitos contactos com personalidades públicas, passaram a beneficiar de um imediato "social upgrading".

Recordo uma jovem adida de embaixada que, tendo acompanhado o seu ministro dos Negócios Estrangeiros numa delegação a um determinado país, durante a qual o governante foi simpático e "quebrou" alguma distância, se sentiu autorizada, de regresso a Lisboa, a convidar o ministro para a sua festa de aniversário. E ficou ofendida com a "nega" que recebeu...


Sem comentários: