terça-feira, 18 de outubro de 2011

Olá, Raul!

Um jornal lembra-me que você faria hoje 82 anos. Parabéns! Não teremos velas para assoprar porque, vai para uns tempos, deu-lhe na veneta voltar-nos as costas e partir para outra. Não lhe vou contar o que sem passado por cá, desde a sua saída. Nem eu posso, nem você acreditava. A sério! ("Lá está ele a reinar", diria). No nosso comum Procópio, onde vertemos tantas lágrimas escocesas de riso, a noite do pessoal da "Dois" está cada vez mais curta. O Nuno foi à faca (dizem-me que, no hospital, tinha uma fisioterapeuta que era o máximo!), mas já esta aí para as curvas e vai ganhar "a Guerra", porque, como dizia o Lubitsch, "heaven can wait" (no caso, traduz-se por "a Céu pode esperar"). Há mesmo quem diga que os nossos amigos que ainda param lá pelo bar perderam muito da piada que tinham (há dias, a Diana Andringa, cruel, interrogava-se: "seria porque eu bebia que antes lhes achava mais graça ou eles tinham mais graça porque nessa altura bebiam?"). Até a Alice, armada em Merkel das Amoreiras, tem vindo a alargar os "spreads" (termo que agora se usa cá muito) face aos preços do Papagaio, a tasca que fica ao fundo da escadaria. É que anda por aí uma coisa nova chamada "troika" (lembra-se de uma Teresa Ter-Minassian, que em tempos vinha pelo FMI, cujo nariz arrebitado era muito fotografado a sair do Altis? Pois agora é mais ou menos isso, mas são mais e vêm de calças...). Nem lhe digo que o texto de cabeceira que agora está na moda - não quando temos insónias, mas quando temos sonhos - se chama "MoU", porque imagino que você fazia logo um trocadilho... É assim, Raul, é assim que andam as coisas, ou melhor, não é bem assim mas, como diria o Chico Buarque, "o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta". Bem que tentamos seguir o seu conselho - "façam o favor de ser felizes! - mas não está fácil, sabe? Mas nós somos como o seu Belenenses: andamos ora para cima ora para baixo. Agora? Agora... não estamos em cima! Receba um abraço saudoso do Francisco

12 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu querido Raúl
Partiste na melhor altura e deves estar aí a rir-te com o António Alçada!
Lembramos todos a tua ausência mas eu sei que estás de olho em nós.
Quem disse 82? Nunca passaste dos 28.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Ó Raul - e outro meu. E uns jaquinzinhos com arroz de tomates, digo, de tomate, que eles fazem muita falta por cá.

Espero-te na Fonte dos Passarinhos. O Zambujal também vai. O Jô não pode porque está de dieta e um tanto fora de portas.

A Dona Beatriz, esposa amantíssima
do Senhor Soeiro vai fazer umas iscas com elas, sei que gostas. Ou preferes uma ganda cabeça de pescada? E vou mandar pôr no gira-discos o fado Não sei porque te foste embora... Em 78 rotações, tá claro.

Felizes? Nem fazendo o favor.

Gil disse...

"Ruca", chamava-lhe o Nuno Bred de quando em vez.
Aos que já abandonaram definitivamente (mas mesmo definitivamente) a "Dois", o Zé Cardoso Pires - apesar de tudo, o Aventino - e o Raúl, ergo, abstemio, a minha limonada com uma folha ce hortelã.
Já agora, algumas notícias: o Nuno recupera a uma velocidade estonteante e já emborca coca-colas atrás de coca-colas; o consumo de chá (quente ou frio), de limonadas e águas gasosas está a decair (parece que é a crise).
A Diana devia saber que a graça, tal como as bebidas, não diminuiu, só mudou de natureza.
E, além disso, falta o Raúl...

Anónimo disse...

Celo texto, Xico. O Raul ia gostar. Luis C

Isabel Seixas disse...

Bem interessante a rememoração,o eco da amizade é intemporal se não eterno.
Toda a expressão do texto é invejável no âmbito da ternura da interação e do fazer parte.

patricio branco disse...

e a falta que nos faz alguem que faça rir este pais que só ouve coisas tristes!

Mônica disse...

Francisco
Homenagear é a melhor coisa do mundo!
E dizer que se tem um bom amigo!
com amizade de Monica

Isabel Seixas disse...

A fotografia é muito bem selecionada, expressa um sorriso à vida e uma retribuição do olá.

Maria Climénia Rodrigues disse...

....E lá venho eu dar uma dica....se ele por cá andasse, com aquele sorriso malandro e sabido, decerto que teria estado comigo e com a familia a assistir no Teatro Villaret....ao Shot radiofónico... da Inês Oneto, que transporta um pouco do seu humor....e claro cheio de pena pela falta de apoio que os jovens têem neste País para mostrarem a sua arte....

Margarida disse...

V.Exa. às vezes supera-se...

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Margarida: mas só às vezes, senão não tinha graça!

Margarida disse...

O raro torna-se precioso...