segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Europa alegre

Não deve ser por acaso que o hino europeu é a "Ode an die Freude" (ode à alegria), tirada da nona sinfonia de Beethoven. A alegria está no centro do projeto europeu. Leiam-se, a este propósito, as significativas palavras do ministro búlgaro das Finanças, Simeon Djankov, no "Le Monde" de hoje:

"Même si ce n'est pas bien joli, il y a un certain degré de joie mauvaise (à l'égard de la Grèce), parce que la Bulgarie est toujours comparée à la Grèce [...]. On a maintenant l'impression que les Grecs vont plus mal que nous, cela nous aide beaucoup en tant que gouvernement."

4 comentários:

Anónimo disse...

Incrivel!

Anónimo disse...

O anónimo enganou-se: para se manter no espírito do texto, devia ter escrito "incroyable"

Fada do bosque disse...

Que andam a tramar os ministros das finanças lá por Bruxelas? Enquanto vão dizendo barbaridades, enquanto os políticos portugueses andam num circo mediático de provocar a revolta nos mais pacíficos, enquanto os Media tratam de uma campanha de bovinização dos europeus, os 17 ministros das finanças já assinaram às escondidas ou à socapa dos povos um Tratado para os escravizar:O novo ditador europeu o MEE...a foto do "nosso Gaspar" aqui

O novo ditador europeu o MEE.
MEE, um golpe de estado em 17 países
Bruxelas, aparentemente, não quer que os cidadãos tomem conhecimento do conteúdo deste tratado. Até o dia da redacção deste artigo, não pude encontrar senão uma única versão em inglês na Internet (mas 96,5% da população da zona euro fala outras línguas!)
Se por golpe de estado entendermos a tomada do poder real e a limitação do poder do Parlamento nacional democraticamente eleito, então o tratado do MEE é um golpe de estado nos 17 países simultaneamente.

Isto está inteiramente de acordo com a filosofia da Comissão Europeia. Segundo o seu presidente Barroso, deve ser o governo económico da União Europeia, que deve definir as acções que os governos nacionais devem executar . (28/Set/11(...)

Imunidade
Já estamos habituados a que administradores e representantes do povo não gostem de responder pelas suas palavras e seus actos. Mas no MEE, eles realmente empurram muito a rolha. As regras foram estabelecidas de tal modo que todos aqueles que fazem parte ou trabalham ali poderão ou não fazer como quiserem sem que tenham de responder perante nenhum Parlamento, nenhuma administração nem nenhum juiz. Em casos extremos, um ministro das Finanças poderá ser substituído por outro, que se beneficiará imediatamente dos mesmos privilégios exorbitantes. Um criminoso não poderia desejar um melhor refúgio.(...)
Artigo completo aqui.
Mais um tratado criminoso, mais um crime contra a Humanidade. Depois do Tratado de Lisboa parece que é sempre a somar. As gerações futuras não nos irão perdoar.
Alegremente o governo económico mundial vai escravizando os Povos!

Lucia Luz disse...

Não entendo como um ministro vai a público dizer uma barbaridade dessas.