quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Porto

A França continua liderar as compras mundiais de vinho do Porto, de acordo com as estatísticas mais recentes. 

Um dos "mitos" que ainda subsiste, ligado ao consumo de Porto, diz respeito ao Reino Unido, que, por muito tempo, foi o destino preferencial daquele produto. Ainda hoje, se perguntarmos à maioria dos portugueses qual o maior consumidor do vinho do Porto, a maioria indicará, seguramente, o mercado britânico. Ora países como a Holanda, ou o próprio mercado interno português, já hoje ultrapassam, em muito, o Reino Unido.

Em 2011/2012, em articulação com a AICEP e o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto vamos tentar reforçar a promoção do vinho do Porto no mercado francês. Também no próximo ano, a Embaixada portuguesa em Paris vai acolher a atribuição do prémio ao melhor "sommelier" francês especializado em vinho do Porto.

O vinho do Porto, um produto de altíssima qualidade e prestígio, cuja comercialização sofre de alguns problemas, continua a ser uma das grandes imagens de marca de Portugal. E temos muito poucas.

10 comentários:

Anónimo disse...

Tambem se podia fazer a marca portugal.

Anónimo disse...

A imagem é divinal mais uma imagem de marca...

A poesia que emana
dessa serenidade calida
é de facto um convite mudo a bebericar um mosto viciante que trepa...

Outra imagem de marca...
Isabel Seixas

José Sousa e Silva disse...

Esta subida da França no "ranking" data de que Era ?
Provavelmente teremos de fazer uma homenagem ao Senhor Embaixador ...
Mas, depois de Paris, não queira ir parar à China, que em breve estará em 1º lugar no "ranking".

patricio branco disse...

"cuja comercialização sofre de alguns problemas", essa é uma verdade, aque se pode juntar a má promoção, a começar pela dirigida ao consumo interno.
Quase ninguém pede um copo de porto num café, ou num restaurante como aperitivo ou digestivo com a sobremesa e o café.
E em casa, quantos portugueses o bebem regularmente?
Em espanha o jerez ou sherry é uma bebida popular e diaria, centenas de milhares de garrafas se consomem por dia com as tapas, com os amigos.
Só nos 10 dias da feira de sevilha consomem-se em media 1 milhão e 500 mil garrafas de jerez, fino e manzanilha. E há as feiras doutras cidades e o consumo diario ao longo do ano.
Que e como fazer para promover o gosto e o consumo interno de porto, como aperitivo popular?
O porto tambem tem associada uma certa imagem de snobismo, se é bom é muito caro, se é economico não tem qualidade. Verdadeiro, falso? Mas que fazer para popularizar o porto, com qualidade e bom preço?

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro José Sousa e Silva: eu escrevi "continua a liderar", o que significa que esta posição, muito naturalmente, foi adquirida muito antes da minha chegada a França. Quanto à China, quando por lá for possível tornar popular o Porto (e descontada a tendência para a contrafação que logo surgirá), a crise do vinho do Porto terminará...

patricio branco disse...

de facto, há razão para associar os ingleses ao porto, mesmo que não sejam actualmente os que mais importam.
Mas estão na base ou nascença do próprio vinho do porto, perceberam há 300 anos que ali se podia fazer bom vinho para eles beberem. O marquês de pombal foi sem duvida por influencia e pressão deles que delimitou a zona e melhorou a produção; os ingleses bebiam-no, mas tambem o cultivavam, produziam, exportavam e importavam. Muitas das marcas têm velhos nomes ingleses.
No romance e teatro inglês, a cena de oferecer um copo de porto, no clube, pub ou em casa, repete-se milhares de vezes: "I have brought you, as the compliments of the season (Natal) - I have brought you, Mum, a bottle of port wine." (dickens "grandes esperanças").
E havia o habito de, nos jantares de gala oficiais, se brindar ao rei/rainha com um bom vinho do porto.

Helena Sacadura Cabral disse...

Pois Senhor Embaixador em minha casa, com muito orgulho, serve-se Porto, Madeira e Moscatel. Todos da melhor qualidade - o que gasto fica cá - e escolhidos para as ocasiões em que se tornam apropriados.

Anónimo disse...

Oh "Helena" ai meu Deus como gosto desses três...
Isabel Seixas

José Sousa e Silva disse...

Como de costume, o Senhor Embaixador foi de uma gentileza exemplar que muito me apraz registar. Muito obrigado!
Quanto à China, que conheço bem, o Senhor faz-lhe o melhor retrato que já vi. Muitos Parabéns !!!

Julia Macias-Valet disse...

"E temos muito poucas." ???
Ou sera que divulgamos sempre as mesmas : Porto, fado e futebol !?
E o azeite (de Moura DOP) ? E os outros vinhos (os do alentejo, por exemplo ; ) ?...nao estou nada "a puxar a brasa à minha sardinha" : ))

Claro que dá mais trabalho criar novas imagens de marca do que continuar eternamente a vender "clichés"...como "Le pays oú le noir est couleur".

Quando cheguei a França nos anos 90 apercebi-me que os franceses desconheciam totalmente o que era um Pata Negra, onde ficava Jabugo isto ja para nao lhe dizer que a diferença entre um jamón ibérico e um jamón serrano era um mistério maior que o da Santissima Trindade : )

Hoje nao há baiuca nenhuma que nao tenha no menu Pata Negra e os franceses falam de jamón como se tivessem todos sido criados na Sierra Morena ; ) ...

Provavelmente é necessário fazer uns brainstormings para encontrarmos outros "Portos" ; )

PS creio que hoje ja gastei o meu "Tempo de Antena" de estrangeirismos : ))))