sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Diplomacia económica

Porque o tema da diplomacia económica está na ordem do dia, reproduzo aqui o texto do artigo "Diplomacia em tempo de crise" que publiquei, na edição de junho de 2011, da revista "Portugal Global", da AICEP:
 
"Não há muito tempo, um colega de um país do norte da Europa, cujo tecido económico foi bastante menos tocado pela crise internacional, perguntava-me de que modo a nossa diplomacia se estava a adaptar ao tempo de exigência acrescida que o país atravessava. A sua curiosidade tinha a ver, não apenas com a possibilidade de estarmos a encarar uma melhor adequação do nosso dispositivo diplomático aos objetivos mais imediatos da ação externa mas, igualmente, quanto ao modo como o nosso próprio trabalho teria, ou não, sofrido uma mutação qualitativa, em função de alguma reversão de hierarquia de prioridades.

A questão era interessante, embora a resposta não fosse óbvia. A diplomacia, como instrumento executivo da política externa, configura-se com a evolução dos tempos, por uma reformulação de prioridades, decorrente de novos objetivos. Embora deva ter-se sempre presente – e sei que isto pode parecer chocante para alguns cultores do imediatismo – que o papel dos diplomatas, na fixação da imagem do país, deve ir sempre um pouco para além das conjunturas. Essa é a razão pela qual a resposta às solicitações prementes do presente deve ser, no seio da nossa ação externa, modulada em permanência com a necessidade de garantir a preservação dos interesses permanentes do país, numa perspetiva de coerência de longo prazo. A nossa história não se improvisa.

Indo por partes, eu diria que, em face da presente crise, a diplomacia portuguesa tem, diante de si, três linhas de adaptação.

Em primeiro lugar, dentro do Ministério dos Negócios Estrangeiros não deixou de se considerar, desde o primeiro momento, a importância de repensar a rede diplomática existente, dando atenção particular a áreas geográficas que, não tendo sido privilegiadas nas opções de distribuição de recursos funcionais no passado, convinha que passassem a dispor de uma maior atenção no futuro. Quero com isto dizer que zonas como o norte de África, os países do Golfo e certos mercados asiáticos passaram a entrar na nossa ordem de prioridades, com vista a tentar conseguir novos pontos de apoio à atividade empresarial. Isso tornou-se particularmente importante face a mercados cuja evolução previsível de crescimento pudesse, simultaneamente, vir absorver produção nacional que tivesse menos atratividade para os nossos parceiros tradicionais (em especial, europeus) e garantir espaços sustentados de progressão futura de novas linhas de exportação. Assim foi feito e, estou certo, a prazo, os efeitos ir-se-ão sentir.

A segunda linha é de natureza formativa. Não vale a pena esconder que ainda não está ainda criada, no conjunto da nossa administração pública que opera na ordem externa, uma cultura de trabalho em comum. As razões são diversas, do corporativismo a alguma incompetência. Com felicidade, faço parte daquele grupo de diplomatas que sempre teve uma muito positiva experiência de trabalho conjunto com as estruturas de promoção económica externa (do FFE à AICEP, passando pelo ICEP/API). Por razões diversas, sei que essa experiência não é idêntica à de muitos colegas da diplomacia portuguesa. Não vale a pena estar a distribuir culpas, até pela certeza de que elas não estarão sempre do mesmo lado. Algo tem de mudar neste âmbito e, para isso, de há muito que só vislumbro uma solução, que sei difícil de pôr em prática, por escassez de recursos humanos: promover estágios profissionais cruzados, tanto nas instituições como nas empresas e nas associações empresariais, com suficiente duração para que tal possa ter reais efeitos, num esforço geral de aculturação.

Uma terceira vertente tem a ver com a mudança no paradigma da intervenção das nossas embaixadas, com impacto na informação que produzem. Imagino que a abordagem pública da questão, numa publicação desta natureza, possa escandalizar alguns. Mas julgo ter um mínimo de autoridade experiência para exprimir o que adiante vou dizer.

A diplomacia portuguesa não se deve esgotar no apoio à projeção económica externa do país – no comércio, na promoção do turismo ou na captação de IDE. A atenção à imagem do país na ordem internacional, o cultivo das redes de interesses políticos e culturais que o bilateralismo histórico justifica, a promoção da língua portuguesa e a proteção da diáspora são outros tantos pontos importantes a salvaguardar, como decisivo é sabermos potenciar o nosso valor acrescentado nacional de natureza política, como país construtor de pontes e entendimentos, à escala global. Como a eleição recente para o Conselho de Segurança da ONU o provou. Porque tudo isso, ao funcionar positivamente em favor da imagem do país, acaba por ajudar à criação de um ambiente favorável à promoção dos nossos interesses económicos – e dispensem-me de dar exemplos, por razões que julgo óbvias.

Porém, e como um dia já disse, com choque em alguns ouvidos mais sensíveis,  entendo que o MNE precisa de “menos Kosovo e mais batatas”, querendo com isto dizer que a diplomacia portuguesa tem de continuar o esforço já iniciado no sentido de infletir a sua focagem de prioridades, passando a perceber que a “política pura”, embora podendo dar-nos uma base interessante para um bilateralismo com vantagens, deve sempre apontar para uma visão objetiva dos interesses económicos que importa privilegiar, muito em especial numa situação de crise como a que vivemos.

Mas que fique clara uma coisa: não defendo que a política externa portuguesa seja refém da promoção económica externa, que se opte por uma “reapolitik” de interesses, como se o MNE devesse passar a ser, unicamente, uma espécie de agência de promoção externa de negócios. Não deve sê-lo exclusivamente, mas deve sê-lo também. E, para isto, não são precisos novos despachos ou decretos. Basta haver vontade.

Uma das razões pela qual não defendo uma dependência excessiva da nossa política externa face aos nossos interesses económicos tem a ver com o facto, que pude constatar ao longo das mais de três décadas que levo de ação diplomática, de que essa mesma atividade económica está longe de ter uma coerência mínima: os mercados flutuam, as prioridades variam, a oferta “tem dias”, os nossos empresários – desculpem lá! – têm estados de alma flutuantes. Se a ação externa do país ficasse vinculada, rigidamente, às opções do nosso comércio externo, Portugal teria a imagem de um catavento!

Por isso, recomendo apenas prudência, bom-senso e troca intensa de informação. À nossa diplomacia pode e deve ser pedido um grande empenhamento na promoção da atividade dos nossos agentes económicos. Os diplomatas portugueses devem ser mobilizados para servirem de eixo às campanhas de estímulo à atividade económica externa, as nossas embaixadas devem ser a “casa” dos empresários. Mas tudo isto tem de ter uma coerência global, uma hierarquia de prioridades bem estabelecida, uma dotação mínima de meios e uma proporção adequada de empenhamento. Uma missão diplomática ou consular não pode ser mobilizada apenas porque um empresário o solicita: essa solicitação tem de corresponder a uma razoável contrapartida previsível das vantagens potenciais decorrentes para o país.

É para essa avaliação que a diplomacia espera poder contar sempre com o insubstituível papel técnico da AICEP, como estrutura com capacidade de aferição daquilo que é, a cada momento, o interesse económico prioritário do país na ordem externa. É nesse diálogo, que não é complicado se dele forem excluídos os egos e os reflexos de casta, que deve assentar a parceria constante entre a atividade económica externa e diplomacia portuguesas."

6 comentários:

Anónimo disse...

É o que se chama prever, quase com precisão, o que o seu futuro Ministro iria dizer na Assembleia. Chapeau!

CSC

Anónimo disse...

Do alto da sua provecta idade, a minha velha senhora, rimalhadeira de ocupação, ousou, entre dois copos e três palavrões, acometer VExa com uma espécie de sonetilho desavergonhadamente irregular:

jovem caro embaixador
bem sei que não perde o norte
serve a pátria com amor
que outra coisa não lhe importe

de talleyrand grã senhor
siga o exemplo e tenha o porte
portugal é superior
às contingências da sorte

passa o governo
muda o sistema
nada de novo
nada é eterno
nada que tema
mantém-se o povo

defenda o povo.

Fada do bosque disse...

Sr. Embaixador, uma visão justa, desassombrada e digna, mostrando acima de tudo o prestígio que lhe é atribuido.
Quanto aos Egos... meu Deus, será a pior parte a combater neste País, especialmente aqueles que se chamam a si próprios, os donos do poder.

Anónimo disse...

resta saber se depois se tem um pais a altura, que esteja disposto a melhorar e a trabalhar para chegar mais longe


no fundo é como o seu sporting...

e oxala tivessemos um pais a altura do seu malfadado sporting e nao do 'clube sportivo parolense'


bem haja

zamotanaiv disse...

Vi uma conversa interessante que passou no jornal da noite da sic notícias há dias entre Paulo Rangel e Rui Tavares que em parte abordava esta temática. Gostei de ouvir o Rui Tavares ao contrário do Paulo Rangel.
Tentei encontrar um link mas não consegui...
Basicamente, Rui Tavares, a propósito desta crise e objectivamente a propósito da crise de identidade europeia, defendia um reforço da diplomacia económica Portuguesa exactamente nas àreas geográficas citadas pelo Sr. Embaixador e também na CPLP. Isto, segundo o próprio sem descurar o trabalho a fazer na UE.
Fez uma exposição interessante sobre o funcionamento do Parlamento Europeu, as diferentes posições em relação ao funcionamento do mesmo e da possibilidade do federalismo.
Foi muito informativo e tenho pena que não haja muita informação legível sobre o que se passa ou o que poderá vir a ser a Europa...

Isabel Seixas disse...

Acho que fugi ao tema, mas...

Também acho interessante, a abordagem, mas honestamente há excertos que tenho que ler duas vezes, com a noção clara de ignorância inteligivel que me faça gerar mecanismos de compreensão/apreensão clara e autónoma.

Agora estive a consultar no portal da embaixada as áreas prevalentes de conteúdo funcional inerentes à informação ao cidadão na mediação da promoção da empregabilidade

1º Gostei da forma clara e elucidativa sugerida para procura da oferta de emprego existente nos diversos setores de actividade;

2º Da forma de facultar orientação especifica para construção do
processo burocrático do candidato Português ;

Tinha a perceção que este processo decorria por inerentes necessidades individuais dos trabalhadores e que se mobilizavam através das suas capacidades de alfabetismo e literacia funcional.
Acho que no periodo que atravessamos é uma mais valia a operacionalidade das embaixadas neste abarcar de todas as funções vitais de interajuda para não deixar os candidatos a trabalhadores menos dotados "ao Deus dará"...

Embora a minha experiência diz-me que o maior determinante na decisão de emigrar para determinado País são as condições de trabalho versus remuneração como condição preponderante.