domingo, 24 de julho de 2011

"Tour de France"

Estou a ver na televisão os ciclistas do "Tour de France" passarem em Champigny, na sua etapa derradeira deste ano, em direção ao centro de Paris. As imagens mostram-nos um panorama muito agradável, de jardins e de habitações, o que é um contraste com a localidade que, a partir dos anos 60, foi o destino primeiro de alojamento de milhares dos nossos compatriotas, à procura de uma sorte que o seu próprio país lhes recusava. 

Dos "bidonvilles" de Champigny, da lama e do frio dos que chegavam "a salto", apenas com a sua roupa e a sua vontade, resta hoje - felizmente! - quase nada. Mas todos temos a obrigação de continuar a manter uma memória de grande respeito pelo esforço magnífico dessa gente, cuja aventura honrará para sempre Portugal em terras de França.

Pode ser uma sugestão minha, mas quando revejo imagens de Joaquim Agostinho, arqueado sobre a sua bicicleta, numa das suas subidas para um sempre dramático "col", não consigo deixar de o ligar à imagem dos portugueses migrantes para terras de França, também no seu esforço trágico, que para muitos teve um merecido sucesso.

2 comentários:

ZéBonéOaparvalhado disse...

Por um lado, havia o desenvolvimento e o consequente crescimento economico...para isso a França e a Alemanha, saíram guerra com falta de mão de obra - o mesmo aconteceu quando houve em Angola/Moçambique o tal progresso - muitos Portugueses viram nisso uma oportunidade.

Acima das nacionalidades... está o interesse dos próprios cidadãos, na procura dos seus interesses.

Eu,própriamente, possuo um "Permit" de permanencia em Inglaterra, e "carta de Chamada" do Consul de Portugal naquela "Ilha" que dá pelo nome - Sergio Alexandre Aires Trindade Sacadura Cabral ...diz-lhe alguma coisa - e com contrato de trabalho em Londres (Tottenham) W1.

Fui burro...fiquei para fazer o Serviço Militar...Amor á Pátria, dizia eu...passados uns tempos deu-se um Golpe Militar ...uma golpada digo eu ...sempre votei à esquerda e continuo a votar,,,intrisecamente sou de esquerda...mas respeito toda a gente..ricos e pobres - gordos e magros

Essa coisa dos emigrantes, dá ideia que, ficamos todos com pena deles...pessoalmente acho interessante a análise dos "emigrantes" da decada de 60.

Em 1500 foi porque? em 70? e nos dias de Hoje? consegue-me dizer?

ZéBonéOaparvalhado disse...

Faltou-me dizer - era o cerne da questão -o jAgostinho para ir pedalar em França, tinha que pedir ao DRM nº 1 - na Avª de Berna - pedir uma licença militar, da praxe. - para as vedetas, que é o caso...era na hora e no caso do Capitão estivesse a "dormitar" assinava com selo branco um soldado que estivesse á mão...para o Agostinho até serviamos uma limonada e tremoços...era um boneicheirão.