quarta-feira, 23 de março de 2011

A crise

O que se espera do blogue de um embaixador de um país que entra numa crise política? Não tive tempo para ver o que os meus colegas britânicos, que têm os seus vários blogues alojados no "site" do "Foreign Office", escreveram no momento em que, no ano passado, o Reino Unido entrou em eleições. Não sei sequer se falaram nisso, nem tal interessa muito. 

Os diplomatas portugueses, tal como os britânicos, representam um país que tem uma política externa que, salvo em alguns pontos de conjuntural pormenor, afirma um largo consenso interno. A nossa cultura profissional é orientada, ao longo dos anos em democracia, por uma linha de grande solidez, na defesa dos interesses nacionais na ordem externa, que nos é fácil representar e em que o mundo nos reconhece, sem dificuldade. Com ou sem crise.

Por essa razão, este blogue, de um embaixador português, será amanhã, muito simplesmente, o que tem sido até hoje. Nem mais, nem menos.

12 comentários:

Margarida disse...

Nem se esperaria outra circunstância.
Até porque, bem vistas as coisas, quando é que não estivemos 'em crise'?

Anónimo disse...

Até porque há problemas?!!!
Resolvem-se... Ora essa
Desvendam-se estrategas(ainda que com mandatos a prazo...)

Não há problemas?
Arranjam-se, claro!

Isabel seixas

Anónimo disse...

Nao esperava outra coisa!
Isto é, nem mais nem menos, do que a República a funcionar. É de louvar o "Duas ou três Coisas".
Cumprimentos
Francisco F. Teixeira

Fábio Paulos disse...

estamos numa crise sem fim...

Anónimo disse...

Continue igual Senhor Embaixador, pois cada vez mais precisamos de gente que tenta representar bem o nosso país no exterior...

Guilherme Sanches disse...

Até parece um "copy/paste" dos comentários anteriores, mas quem segue com assiduidade este blog, esperaria outra coisa? Eu não.

Um abraço

Gonçalo disse...

Obrigado

Helena Sacadura Cabral disse...

O Senhor Embaixador é o representante diplomático de Portugal em França. Com este governo ou com qualquer outro,o país pode ter uma crise política, mas jamais deixará de ser Portugal.
Portanto, para mim, o Senhor é e continuará a ser quem é. Felizmente, porque é disso que o país precisa. De gente comprometida em o servir!

cunha ribeiro disse...

Permitam, caros amigos,dizer-vos que o clímax da crise se atrasou na viagem. Neste momento já deveríamos estar noutra linha, noutro comboio, com outro maquinista. E ainda só estamos no apeadeiro...
Quanto aos "chefes de estação", deixem-nos trabalhar...

EGR disse...

Naturalmente,Senhor Embaixador,que os seus leitores não esperarim postura diversa da assumida.
E a garantia de que poderemos continuar a disfrutar da leitura dos seus textos é,certamente, reconfortante.
EGR

Carlos Cristo disse...

BRAVO !!!!

Helena Oneto disse...

Nem menos!!!