sexta-feira, 25 de março de 2011

As doenças e as guerras

Com apoio da Fundação Gulbenkian - já repararam que a Gulbenkian está um pouco por todo o lado? - o antigo presidente Jorge Sampaio* esteve ontem em Paris, na sua qualidade de representante do secretário-geral da ONU para a questão da tuberculose, para uma jornada de sensibilização da comunidade internacional. Ontem era o dia mundial daquela que ainda é uma das doenças que mais vítimas fez no mundo, não obstante já não estar na "moda" mediática.

Há uns anos, numa reunião técnica em Nova Iorque, ouvi, de especialistas, o valor em dólares (de que já me não lembro) que seria necessário para erradicar, quase definitivamente, a tuberculose no mundo. O montante era significativo mas, como leigo, interiorizei a pergunta sobre se não seria possível juntar vontades para fazer esse derradeiro esforço financeiro. Dias depois, ao visitar um porta-aviões americano, foi-nos apresentado um modelo ultra-sofisticado de helicóptero. O valor de quatro desses helicópteros seria suficiente para pôr fim à tuberculose à face da terra. Eu sei que é ingénuo pensar as coisas desta forma, mas achei curioso ligá-las.

* No jantar em que reuni, na embaixada, o antigo chefe de Estado português com diplomatas de países envolvidos na luta contra a tuberculose, não resisti a fazer um brinde por "outro" dia 24 de março: o "dia do estudante", cuja tentativa de comemoração, há precisamente 49 anos, levou a uma vaga repressiva da ditadura sobre os estudantes portugueses, liderados então por um jovem chamado Jorge Sampaio...

7 comentários:

Mônica disse...

Quando mamae era jovem falava se muito em tuberculose no Brasil mas hoje não sei. Vou até ver na internet.
com carinho Monica

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai Senhor Embaixador, desculpe, mas há alunos que deviam ficar sempre estudantes...

EGR disse...

Aqui há tempos a Dra Helena Sacadura Cabral teve a amabilidade de se prnunciar sobre um comentário que aqui deixei.
Permita-me que hoje faça uma espécie de retribuição para dizer que felizmente há quem não tenha ficado sempre estudante e contribuido decisivamente para que hoje possamos,sem medo,exprimir a nossa diversidade de opiniões.
Refiro-me,obviamente, ao Dr. Jorge Sampaio.
Por isso,consinta-me;Senhor Embaixador, que modestamente me associe ao brinde.
EGR

Helena Oneto disse...

Também eu me associo ao brinde a Jorge Sampaio!

ARD disse...

O Dr. Jorge Sampaio é uma personalidade ímpar que paira sobre a mediocridade pomposa e espertalhona que hoje vampiriza a cena política portuguesa.

FernandoB disse...

Todo o respeito por Jorge Sampaio ! Um politico e cidadão com consistencia ética e cultural. Infelizmente, a politica actual, chegou aos "jotas", que colavam cartazes, e foram subindo, subindo... Um cursito numa "privada catita", visitas às Distritais e lá vão eles...eis o Portugal de hoje ! Compreendo que não publique este desabafo. Se me permite, um abraço e bom fim de semana!

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Helena Sacadura Cabral: foi (também) graças a homens como Jorge Sampaio que hoje podemos contraditar-nos livremente.

Caro Fernando B: Só não não publicados os comentários que, nos seus termos, passem muito para além das regras da sã confrontação democrática.