segunda-feira, 31 de maio de 2010

Cunhal e o Protocolo (2)

A propósito da história aqui contada, há dias, sobre Álvaro Cunhal, uma amiga relatou-me uma cena passada, nos idos de 70, no Palácio da Ajuda, durante um jantar de gala, na receção de um chefe de Estado estrangeiro.

A esposa de um ministro português, senhora pouco dada ao mundo social e de um conservadorismo primário, pediu para falar com alguém responsável pela organização do jantar. A razão era simples: tinha sido colocada ao lado de Álvaro Cunhal e, sem cerimónias, adiantou que não queria comer "com um comunista ao lado" e "logo com esse homem horroroso!".

Foi explicado à senhora que as regras do protocolo eram o que eram, que o "homem horroroso" era o líder de um dos partidos com assento parlamentar e que não era viável fazer mudanças de lugares, porque isso implicaria ter de trocar outras pessoas, o que iria forçosamente gerar algum escândalo. À palavra "escândalo" - que mais tarde viria a atingir o seu marido, mas isso não faz parte desta história... -, a senhora acalmou e lá se acomodou à ideia de ter de comer "com um comunista ao lado".

No final do jantar, a diplomata cruzou-se com a senhora, ainda nos corredores da Ajuda, e inquiriu como tinha corrido o repasto. A senhora estava radiante: "Sabe? O Dr. Cunhal é simpatiquíssimo. Imagine que até conhecia os nomes das heroínas dos romances de Madame Delly!".

Permanecerá para todo o sempre em mistério a razão pela qual o líder comunista havia lido romances típicos da adolescência feminina dos anos 50 e 60. Já agora, convém dizer que a Madame Delly era o pseudónimo de dois escritores franceses.

Coincidências

Dois dias após Israel ter sido admitido como membro da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), depois de uma longa e muito contestada batalha diplomática, no termo da qual foram derrotados quantos consideraram que esse gesto era um "prémio" indevido ao seu contestado comportamento no plano internacional, o governo de Tel-Aviv levou a cabo em águas internacionais, com um elevado saldo de vítimas mortais, um ataque militar a embarcações civis que transportavam ajuda humanitária para o território da Palestina.

domingo, 30 de maio de 2010

"Há dias assim"

Não ouvi a canção que Portugal levou este ano ao festival da Eurovisão. Mas acho o título deliciosamente português: "Há dias assim". Mais ou menos "assim" são quase sempre os dias das nossas noites na Eurovisão...

Sou de um tempo em que o festival português da canção e, depois, o da Eurovisão, paravam o país, comigo incluído, bem entendido. Lembro-me bem de uma noite de 1967, no Porto, em que só uma réstea de bom-senso me fez optar por ir para o "galinheiro" do Palácio de Cristal, ver um Portugal-Espanha em hóquei, em vez de assistir, na sala de TV do Centro Universitário, à vitoria de "O vento mudou", de Eduardo Nascimento. No ano seguinte, colaborei com o júri que, em Vila Real ("Aqui vão os votos do júri de Vila Real: canção número 1..."), certificou a escolha de "Verão", de Carlos Mendes.  Em 1969, Simone de Oliveira quase que trasladou para a final da Eurovisão, em Madrid, a "alma" do país, com a "Desfolhada". A dimensão popular da sua recepção em Santa Apolónia derrotou a chegada do Porto de Humberto Delgado, em 1958, e estabeleceu uma fasquia a que Mário Soares não conseguiu estar à altura, quando regressou do exílio, em 1974. 

Esse foi também o início do cíclico, angustiado e também muito lusitano tempo das "vitórias morais", da denúncia das sinistras conspirações internacionais contra as nossas inspiradas obras, pela óbvia perfídia dessa Europa a que já havíamos aderido vocalmente "avant la lettre". Tempo que passou a consagrar, com a vitória interna, a saudável presença de José Carlos Ary dos Santos nestas lides musicais. A textos seus se ficaram a dever alguns dos melhores momentos do festival.

A canção vitoriosa em 1974 foi a senha da Revolução de abril, com Paulo de Carvalho a cantar "E depois do adeus". O adeus à ditadura foi, para mim, o início do adeus ao festival. Em 1975, um capitão de Abril (!) representou Portugal na Eurovisão, num escusado pleonasmo político-musical. Seguiram-se dois anos de canções militantes para, finalmente, o nosso país passar a eleger coisas com títulos tão significativos como "Dai-li, dai-li dou", "Sobe, sobe, balão sobe" ou outros com idêntica profundidade. Nuns anos, ainda houve recaídas para o cançonetismo de "mensagem", noutros, há que reconhecer, aconteceram momentos musicais com alguma graça e qualidade. Muito poucos.

A presença da canção portuguesa nos festivais da Eurovisão é, desde o primeiro dia, desde 1964, um dos raros momentos do ano em que a política externa portuguesa é assumida pela generalidade dos cidadãos do nosso país: "vamos a ver se os "nuestros hermanos" votam ou não em nós!"; "ainda estou para saber para que serve a velha Aliança? Os "bifes" deixaram-nos cair"; "espero que os nossos emigrantes ponham a França a nosso favor"; ou "e deixámos nós aqueles tipos entrar para a Europa para agora não nos darem nem um pontinho...". E só registo os comentários publicáveis, claro. João Abel Manta retratou como ninguém, em tempos de ditadura (e, julgo, teve um ridículo processo censório por isso), esse "musicopatriotismo", como a imagem acima atesta.

"Há dias assim..."? Há, são sempre assim os dias "eurovisionários" dos portugueses, os quais, como dizia o Dr. Salazar, que disso manhosamente se aproveitava, "gostam de viver habitualmente".

Douro

O mundo é pequeno: um amigo brasileiro, residente no Sri Lanka, chamou há pouco a minha atenção, aqui em Paris, para um artigo sobre o Douro, hoje publicado no "The New York Times".

É do jornal  que "subtraio" esta fotografia, que acompanha um texto interessante sobre uma das regiões que os portugueses ganhariam em conhecer melhor. As descrições do Porto também valem bem a pena. O articulista coincide comigo no fascínio pela rua das Flores. Quantos visitantes do Porto conhecem a rua das Flores?

Aqui fica o link.

sábado, 29 de maio de 2010

Dennis Hopper (1936-2010)

A maioria lembra o "Easy Ryder", filme que também dirigiu. Eu recordo, em especial, "O Amigo Americano" e o "Blue Velvet". Mas alguém que, em cerca de 150 filmes, esteve no "Johnny Guitar" (não me recordo de o ter visto por lá, mas as biografias assim o dizem), no "Rebeldes sem causa", no "Gigante" e no "Apocalypse Now" ficará, para sempre, na história do grande cinema.

"Blogueurs"

Foi um exercício curioso, aquele em que ontem participei: um debate na Embaixada com "blogueurs" e "blogueuses" franceses, numa iniciativa do Turismo português.

Durante mais de duas horas, cruzámos-se experiências sobre a formação e progressão dos nossos blogues e discutimos o modo como Portugal e a realidade portuguesa é percebida em França, através do olhar de "bloggers" situados em áreas tão diversas como os assuntos europeus, a literatura, a gastronomia ou os comentários de viagens

A "blogosfera" é, cada vez mais, um espaço paralelo de informação da maior importância, com o qual é vital interagir, porque atinge e mobiliza "opinion makers" em relevantes faixas etárias, profissionais e culturais. 

O nosso país, que em França vive ainda muito ligado a uma imagem caricatural de que apenas nos últimos anos se tem vindo a desprender, só tem vantagem em ver-se abordado e discutido neste diferente mundo comunicacional.

O encontro de ontem foi uma oportunidade para nos ajudar a ver Portugal  através de olhares muito diversos daqueles que fazem parte da nossa rotina tradicional de contactos. Um excelente exercício, em suma.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

28 de Maio

Poucos portugueses reconhecerão a figura representada nesta fotografia. Eu diria mesmo que alguns não farão sequer ideia de quem é, mesmo que se lhes diga que o seu nome é António Maria da Silva.

Porém, neste ano em que se comemora o centenário da implantação da República e nesta data de 28 de Maio, na qual, em 1926, começou um regime ditatorial que só terminaria em 25 de Abril de 1974, importa recordar que esta personalidade era então o primeiro-ministro legítimo de Portugal e cujos poderes foram usurpados pelo golpe militar. 

António Maria da Silva (1872-1950) era engenheiro de profissão, membro do Partido Republicano Português, tendo sido uma figura proeminente da 1ª República portuguesa (1910-1926), período durante o qual exerceu diversos cargos de governo.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Cunhal e o Protocolo

Álvaro Cunhal (retratado acima pelo genial olhar fotográfico do meu amigo Alfredo Cunha) foi uma das mais controvertidas personalidades da vida contemporânea portuguesa. Secretário-geral do Partido Comunista Português durante várias décadas, projetou uma forte imagem pessoal que quase se confundia com aquela força política. A História do nosso país, no século XX, não se fará sem ele, embora muitos achem que acabará por se fazer contra ele.

A biografia de Álvaro Cunhal é objeto de uma obra, ainda inacabada, de José Pacheco Pereira - ela própria, também, um estudo com contornos polémicos, no qual Cunhal e o seu partido se recusaram a colaborar, sendo embora, na minha opinião, um documento indispensável (ia a escrever "incontornável", mas temi algumas vozes indignadas contra o vocábulo) para se entender a história política portuguesa do século XX.

Acaba agora de ser publicada uma memória sobre Álvaro Cunhal, escrita por Carlos Brito, uma das figuras marcantes do comunismo português, resistente contra a ditadura e, no período democrático, personalidade proeminente que chegou a ser candidato à presidência da República. Trata-se de um trabalho interessante, feito à luz da proximidade do autor com o líder comunista, que nos revela algumas facetas desconhecidas da sua personalidade, embora mantenha muito da tradicional reserva de quem quer, no essencial, permanecer leal àquela área política.

Vários testemunhos comprovaram, ao longo dos anos, que Cunhal, sendo embora uma figura de rutura em muitos domínios da vida política, era muito cuidadoso com as facetas exteriores da imagem do Estado, que respeitava com grande escrúpulo. Daí que as simples questões protocolares, porque as entendia com um simbolismo significativo, o preocupassem sempre.

Carlos Brito, a certo passo do seu livro, revela que, um dia, um deputado comunista, indicado para acompanhar uma visita oficial ao estrangeiro, anunciou que não ia utilizar gravata, não obstante as regras protocolares recomendarem um traje formal em certas ocasiões da deslocação. A persistente resistência do deputado fez subir o assunto a níveis mais elevados de decisão.

O deputado foi, assim, chamado a uma conversa na sede do partido. A certo passo da reunião, Cunhal entrou inopinadamente na sala e, como forma de reforçar os argumentos de quantos pretendiam demover o deputado da sua irreverente teimosia, foi pedida a opinião do secretário-geral sobre o assunto.

Depois de ouvir as "partes" e refletir sobre as regras que eram exigidas, Álvaro Cunhal fez notar que, tratando-se de um país africano, era comum, como alternativa às roupas protocolares europeias, o uso de trajes tradicionais em cerimónia oficiais. E acrescentou: "Ora nós temos trajes tradicionais muito bonitos, por exemplo, os minhotos". E logo adiantou: "O nosso camarada podia ir vestido de minhoto e evitava-se a gravata. Até podemos telefonar já aos camaradas de Viana a encomendar um fato".

O pânico terá irrompido na cara do relutante deputado, que concedeu de imediato: "Não é preciso, não é preciso, eu vou comprar a gravata".

Debate transatlântico

Voltei hoje a Nanterre, a universidade mítica do Maio 68, para inaugurar um interessante colóquio sobre os olhares cruzados da intelectualidade portuguesa e brasileira, durante o último e republicano século comum. Tive o prazer de constatar, nesta organização que muito deve ao entusiasmo do professor José Manuel Esteves, os frutos da ligação da universidade francesa à UTAD - a universidade portuguesa a cujo Conselho Geral presido.

A palestra que apresentei assentou na análise das perceções mútuas entre Portugal e o Brasil, na sua complexidade e ambiguidade, para além da almofada ritual da retórica, um bosquejo histórico  e cultural que procurei conduzir desde o final do século XVIII até aos tempos da CPLP. Com alguns exemplos, defendi a tese, que há muito alimento, de que é a África - e a relação diferente de Portugal e do Brasil com a África - uma importante chave para entender muito do que tem sido o curso das relações políticas bilaterais ao longo dos últimos dois séculos.

Saiba mais sobre este interessante colóquio aqui.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Coreias

A comunidade internacional habituou-se, de há muito, à permanência da tensão entre as duas Coreias. O profundo trauma da guerra e a ideia de que prevalece um laço afetivo indelével entre ambos os países criaram, entretanto, a perceção de que, não sendo impossível, o conflito se torna improvável. As notícias dos últimos dias não são, contudo, muito animadoras.

O mundo também se acostumou a olhar, com curiosidade, para o registo ciclotímico das reações de Pyongyang, quer em relação aos seus vizinhos do sul, quer, principalmente, face aos Estados Unidos, país com o qual, formalmente, o regime do norte teima em considerar-se em guerra.

Para alguns observadores, a chave para a atenuação das posições da Coreia do Norte reside em Moscovo ou em Pequim. Há alguns anos, dois dias de debate intenso em Seul, a convite da autoridades da Coreia do Sul, num seminário sobre "confidence and security building measures", que envolvia russos e chineses, ao tempo em que os "six parties talks" prometiam resultados, deixaram-me algumas dúvidas sobre se algum desses grandes vizinhos da Coreia do Norte tinha um "leverage" suficiente para contrariar certas da suas derivas potenciais. Há que convir, no entanto, que são os únicos que mantêm um canal de comunicação permanentemente aberto com o regime norte-coreano, descontando, por óbvias razões, alguns outros atores caricaturais da cena internacional.

De modo homólogo, não deixa de ser interessante notar que o conselheiro diplomático do então presidente da Coreia do Sul, um amigo que conhecia de Nova Iorque e que teve então a gentileza de me convidar para um almoço a dois, deixou-me evidente que havia um mundo de ambiguidades e de importantes diferenças entre as percepções de Washington e de Seul, quanto à relação desejável com a Coreia do Norte. Por curiosidade, esse amigo chama-se Ban Ki-moon e é hoje secretário-geral da ONU.

É neste quadro de influências limitadas, que não mudou muito desde então, que a tensão voltou a subir entre os dois lados do paralelo 38. Neste cenário, projetam-se agora o que parece serem novos problemas internos na liderança em Pyongyang e, naturalmente, também novas e preocupantes dimensões militares, agora já com facetas nucleares.

O prosseguimento de uma situação de "acossamento" como o que a Coreia do Norte atualmente vive, se bem que autoprovocada e inevitável pelas regras do Direito Internacional, não deixa, contudo, de constituir um enorme risco para a estabilidade e para a paz internacionais. É das regras da política que, muitas vezes, algumas aventuras externas são a forma de procurar "dar a volta" a crises internas. E, neste caso, o mundo está a lidar com um regime em que o processo decisório passa por caminhos insondáveis.

Por essa razão, porque o que está em causa na região é muito sério, tudo deve ser tentado para baixar o nível de tensão existente, quanto mais não seja para se ganhar algum tempo. Assim, qualquer que seja a sua real capacidade de influência, compete em especial à Rússia e à China esgotarem todas as cartas de que possam dispor. Porquê? Porque têm responsabilidades particulares à escala global, porque são vizinhos e porque a nenhum deles seria conveniente o desencadear de um conflito em grande escala numa área estratégica próxima, o qual se se sabe como pode começar, mas não se tem ideia de como poderá acabar.

Livros

Associo-me com gosto a esta iniciativa e volto a recordar isto.

Missa

A culpa era dela, diziam os próximos da casa. Aquela embaixatriz deixava o marido tantas vezes só, naquele recôndito posto, que lhe dava fortes oportunidades para exercitar o seu consabido tropismo para escapadelas românticas. Nos últimos tempos, a mais persistente amiga do embaixador era a Cláudia. Todo o corpo diplomático conhecia a sua aventura com essa mulher de um empresário local, desde há alguns anos preso por corrupção. Com a embaixatriz ausente, a Cláudia, "viúva de vivo", era presença regular ao lado do embaixador, mesmo em locais públicos. "Uma boa amiga", dizia ele. Ninguém duvidava.

A Cláudia era, assim, como que uma figura quase natural no panorama daquela Embaixada. Mesmo durante as raras aparições da embaixatriz pelo posto, ela sempre surgia por lá, frequentando recepções e outras ocasiões sociais. Por isso, durante a visita que o seu  ministro dos Negócios Estrangeiros efetuou àquele país, ninguém estranhou que o embaixador a incluísse entre os convidados para o jantar em que reuniu alguns amigos mais chegados, juntamente com autoridades locais. A única estranheza residia na aparente inocência da embaixatriz, que, uma vez mais, admitia Cláudia, sem reticências visíveis, nesse círculo restrito de convidados. Coitada, não via nada...

O jantar com o ministro visitante corria normalmente. O embaixador entretinha o repasto com algumas historietas. A certo momento, lembrou, saudoso, o desaparecimento de uma figura tutelar da pequena comunidade que o seu país tinha no local. Sublinhou o quanto a sua falta fora sentida, o modo como as próprias autoridades tinham honrado o seu funeral: "Estava toda a gente na missa. Eu fui com a Cláudia...". Do fundo da mesa, Cláudia anuiu, discreta, com a cabeça.

Nesse instante, a embaixatriz gelou o ambiente: "Com a Cláudia? Eu já tinha ouvido que você fazia muitas coisas com a Cláudia, mas ir à missa nunca!". O jantar, praticamente, acabou por ali.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Artistas portugueses em França

Tenho pena de não sermos nós a organizar esta exposição aqui em Paris, mas quero saudar vivamente a iniciativa da Câmara Municipal da Amadora ao apresentar, na galeria Artur Bual, até 13 de Junho, uma mostra de "Artistas Portugueses em França".

Aí fica a impressionante lista de artistas representados: Alfredo Margarido, Alvess, António Branquinho Pequeno, António Dacosta, Augusto Barros, Baptista Antunes, Benjamin Marques, Bertino, Cargaleiro, Costa Camelo, D’Assumpção, Darocha, Dimas Macedo, Eduardo Luiz, Gonçalo Duarte, Jacinto Luís, João Moniz, João Vieira, José David, Júlio Pomar, Isabel Meyrelles, Luís Rodrigues, Manuel Amorim, Paula Liberato, Pedro Avelar, Rodrigo Ferreira, Sónia Prieto e Vieira da Silva.

Parabéns por esta magnífica iniciativa. Para a ilustrar, deixo a imagem de uma obra de um dos artistas que figuram na exposição, Dimas Macedo, que há meses desapareceu.

Cabo Verde

Há semanas, andou por Portugal um (felizmente curto) debate sobre Cabo Verde, sobre se aquela magnífica república africana não estaria melhor se não se tivesse tornado independente e houvesse optado por se manter unida a Portugal. Uma polémica mais do que escusada, que a História, a seu tempo, já tinha encerrado.

Essa mesma História não se faz de "ses", mas posso perceber que, se acaso as coisas se tivessem encaminhado para a criação duma hipotética "região autónoma" caboverdiana, na noite de ontem não teríamos sofrido a humilhação futebolística de ver uma seleção carregada de estrelas, pagas a peso de muitos milhões de euros, mostrar-se incapaz de derrotar um valoroso mas frágil "onze" daquelas ilhas africanas.

Mas, afinal, a confusão entre os dois países continua a existir noutros locais. Veja-se esta notícia, num jornal suíço, onde se fala dos "portugueses de Cabo Verde"...

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Aristides Sousa Mendes

Foi há dias lançado na nossa Embaixada, mas só estará acessível ao público no dia 3 de  junho este novo livro de Eric Lebreton, da editoria Le Cherche Midi. Trata-se de um relato muito bem escrito e documentado da odisseia do Cônsul português em Bordéus que, durante a Segunda Guerra Mundial e contra a vontade expressa do governo português de então, concedeu dezenas de milhar de vistos, para entrada em Portugal, a outros tantos refugiados, provavelmente salvando-lhes a vida que estava ameaçada pela ocupação nazi da França. Aristides Sousa Mendes foi demitido das suas funções e morreu na miséria. 

Hoje, a sua ação é cada vez mais reconhecida pela comunidade internacional, como o prefácio de Simone Veil a este livro assinala. Em Portugal, depois de anos de esquecimento, o feito de Sousa Mendes tem vindo a ser destacado e a merecer crescente acolhimento no âmbito da nossa diplomacia. 

Desde 1995, a  Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses atribui o "prémio Aristides Sousa Mendes", para trabalhos na área histórico-diplomática.

Trigo duro

Lá está escrito, na placa de identificação, no último canteiro junto ao Rond Point: "trigo duro". Nestes dias, em que o feriado de hoje se soma ao fim-de-semana, os Champs Elysées, recuperando a sua vocação natural de "campos", enchem-se de plantas, transformando-se numa espécie de esplanada agrícola, uma imagem muito curiosa da França rural. E lá está o "trigo duro".

Entre 1997 e 1999, Portugal esteve envolvido numa complexa negociação no seio da União Europeia, para definir os apoios comunitários de que o país poderia beneficiar no período 2000-2006. Entre eles, estavam algumas ajudas agrícolas.

A certa passo da negociação, dei-me conta que o pessoal da Agricultura colocava sempre no seu "pacote", para além de questões na área da pecuária e dos produtos leiteiros, um pedido de extensão da quota para o cultivo do trigo duro. Assim, e durante meses, levámos nas nossas listas "reivindicativas", para os encontros bilaterais e com a Comissão Europeia, um pedido relativo ao trigo duro.

Já na fase final da negociação, tive que ir a Bonn, duas vezes na mesma semana, para ajudar a convencer os alemães, que tinham a presidência rotativa da União Europeia, da bondade e importância dos nossos pedidos. Era um tempo de transição, em que o SPD de Gerhard Schroeder acabara de chegar ao poder, aliado aos Verdes de Joschka Fischer, e a falta de "afinação" da nova aliança refletia-se de forma nem sempre favorável para nós, no tratamente de alguns dossiês. Por isso, tínhamos de ser uns "chatos", repetir as mensagens, dramatizar algumas situações. Na cidade onde então (ainda) funcionava a administração central alemã, passei várias horas a trabalhar no ministério dos Negócios Estrangeiros - o competente Auswartiges Amt, também conhecido por AA, dirigido por Fischer - e na chancelaria federal, com assessores de Schroeder. 

A jornada da segunda deslocação já ia longa, mas o nosso embaixador tinha combinado um encontro com jornalistas portugueses, na sua residência, para fazer o saldo possível desses contactos. Embora eu não estivesse em condições de poder revelar muito, lá expliquei as nossas principais preocupações. A certa altura, a título de exemplo, enfatizei a importância que prestavamos à autorização de uma quota maior para a produção de trigo duro. Foi então que uma jornalista me perguntou: "Mas que diabo é isso do trigo duro? Há trigo mole? Porque pedem quota para o trigo duro e não para outras variedades de trigo?".

Recordo-me que "bloqueei", por completo. A minha cultura tipicamente urbana, ou melhor, a minha falta de cultura rural impedia-me, em absoluto, de dizer fosse o que fosse sobre essa coisa que era o trigo duro. Nesse instante, devo ter-me dado conta de que andara meses a defender a importância para Portugal de um produto que não sabia minimamente o que era.  Eu era um negociador político, não um técnico, nunca me tinha passado pela cabeça aprofundar, nesse como em outros temas, a sua especificidade, até porque os meus interlocutores, também políticos, funcionavam num registo perfeitamente idêntico. Presumo que "meti os pés pelas mãos", dando uma explicação qualquer, que deve ter sido suficientemente habilidosa, porque me não vi ridicularizado na imprensa, do dia seguinte. 

Com certeza que já devo ter visto muitas vezes, pelos campos, muitas plantações de trigo duro. Mas só hoje, na realidade, liguei o nome à planta. E logo nos Champs Elysées...

Artur Agostinho

Há algumas poucas pessoas que atravessam gerações. Artur Agostinho, que acabo de ver na televisão, há minutos, a receber um "Globo de Ouro", é uma dessas figuras. 

Artur Agostinho parece estar conosco desde sempre. Lembro-me dele no "Leão da Estrela" (sempre Leão!) com António Silva, dos clássicos relatos de futebol na Emissora Nacional com Nuno Brás ("Bom dia, boa tarde ou boa noite, conforme a hora e o local onde nos estiverem a escutar" ou "E passo às Antas! Alô Nuno!"), da voz que, do pavilhão de hóquei de Montreux, nos fazia "ver" os golos de Jesus Correia e Correia dos Santos, do relato épico da chegada do "Santa Maria" ao Recife (lembro-me, muito bem, dessa noite de 1961), de como interrogava com graça no "Quem sabe. sabe!", ao lado de Gina Esteves, de representar, também nos primórdios da RTP, o divertido barbeiro sr. Gaspar, com Camilo de Oliveira. Pelo caminho foi um ativo jornalista desportivo e profissional da publicidade, além de outras atividades em que se envolveu. 

A Revolução tratou-o muito mal, caricaturou-o como imagem do regime caído no 25 de Abril, inventou-lhe cumplicidades e obrigou-o a emigrar. Deixou então escrita, em páginas que revelavam uma pessoa ferida, essa sua natural acrimónia com um certo Portugal. Mas soube "dar a volta". Reapareceu na vida portuguesa, andou pelo teatro, fez figuras patriarcais em telenovelas, para além de outras incursões públicas que devo ter perdido, por estar ausente do país. O sorriso de Artur Agostinho, que conhecemos desde os tempos das anedotas da rádio e da televisão, é hoje um valor estimável do nosso património de memória afetiva.

Não somos suficientemente ricos em personalidades públicas para que nos possamos dar ao luxo de não acarinhar figuras como Artur Agostinho.

Em tempo: na cerimónia, foi prestada também uma homenagem especial a Raul Solnado. Com o tempo, nós, os amigos do Raul, sentimos uma crescente tristeza, saudosa da sua alegria.

sábado, 22 de maio de 2010

No Congo

O nosso embaixador dormitava, no avião que o conduzia à cidade onde o presidente daquela república africana o receberia, para a apresentação de credenciais.

Estava-se nos anos 80 do século passado. Pela prática local, os novos embaixadores estrangeiros eram transportados, em avião do Estado, numa viagem de largas centenas de quilómetros, acompanhados do ministro dos Negócios Estrangeiros e de outros titulares elevados na diplomacia local. Isso acontecia porque o chefe de Estado desse país fazia questão de utilizar a sua cidade natal para organizar os atos de entrada formal em funções dos representantes diplomáticos. 

A certa altura, durante a viagem, o embaixador português acordou com uma sonora gargalhada, atrás de si. Era o ministro dos Negócios Estrangeiros, perdido de riso com algo que estava a ler. O nosso diplomata ainda resistiu, por algum tempo, à curiosidade, até porque ainda não tinha confiança com o governante que lhe permitisse, com facilidade, perguntar a razão dessa galhofa. Mas, minutos volvidos, porque a risada continuava, e "como quem não quer a coisa", olhou para trás e identificou o livro que tanto divertia o Ministro: "Tintin au Congo".

Nos tempos de hoje, em que esta obra de banda desenhada de Hergé, já muito antiga (1930/1931), parece votada a entrar no "índex" de algumas instituições culturais, seguindo as sisudas regras do "politicamente correto" que por aí imperam, não deixa de ser irónico que um ministro africano, negro, tenha saudavelmente mostrado como é possível achar divertida uma visão preconceituosa do mundo africano. É que o governante africano - repito, negro - tinha a consciência objetiva de que esse álbum devia, como deve, ser lido no contexto histórico em que foi elaborado.

Às vezes, tenho a sensação de que os zelosos censores contemporâneos parece quererem ser "mais papistas que o Papa". 

Perceber a Europa

Imagino que o discurso confuso e contraditório de alguns especialistas deva estar a causar grande perplexidade em muitas pessoas sobre o que, realmente, se está a passar na Europa, em face da crise do euro e da atitude dos países e das instituições no quadro da presente crise.

Para ajudar a explicar esse novelo de questões, recomendo vivamente o artigo que o antigo ministro português e comissário europeu António Vitorino publicou ontem no "Diário de Notícias". Leia-no (bem) aqui.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Pintura

De um museu de Paris foram roubados cinco quadros de outros tantos pintores: Picasso, Modigliani, Braque, Léger e Matisse (na imagem). O valor estimado (conceito muito discutível) destes quadros é de 100 milhões de euros.

Se tivermos em conta que nenhuma destas obras pode vir a ser vendida no mercado legal, o que reduz imenso o seu valor objetivo, devemos concluir que alguém pagou para poder guardar, num local reservado da sua casa e para um prazer de olhar quase pessoal, estas obras-primas.

Para além do aspeto criminoso do ato, não podemos deixar de considerar que o receptador é uma pessoa de imenso bom gosto. Sem lembrar Arsène Lupin, há que convir, com sinceridade, que há ladrões e ladrões.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Lisboa e o resto

Com o meu habitual pedido de desculpas aos pessimistas de serviço na blogosfera, deixo aqui registado que a cidade de Lisboa acaba de ser considerada o "Melhor Destino Europeu 2010", pela Association des Consommateurs Européens, entre 10 grandes cidades, onde estão "apenas" Londres, Barcelona, Praga, etc.

A capital portuguesa foi selecionada com base em critérios de qualidade de vida, infaestruturas, oferta cultural e turística.

Já agora, a mesma Associação nota que Portugal é o país do sul da Europa com maior oferta balnear com a "bandeira azul" relativa a "qualidade ambiental exemplar", tendo este ano mais 14 praias com tal designação do que em 2009.

Sei que isto custa a alguns, mas às vezes foge-me o pé para esta fraqueza de dizer bem do nosso país...

Pedras Salgadas em ponto!

A Unicer é empresa nacional de grande dimensão, cuja atividade na área dos refrigerantes é bem conhecida. Por essa via, encontra-se ligada aos parques termais de Vidago e das Pedras Salgadas.

Perante alguma polémica suscitada, no ano passado, pelo atraso na implementação das promessas da revitalização desses parques termais, a que se comprometeu contratualmente com o Estado português, que para tal lhe concedeu facilidades de natureza económica, a Unicer entendeu por bem vir a terreiro, numa entrevista de um seu responsável ao "Expresso", em Outubro de 2009, esclarecer algumas dúvidas, em matéria do calendário de execução das obras. E esse responsável disse, nessa entrevista, entre outras coisas, a seguinte e inequívoca frase:

"A abertura oficial está agendada para Maio de 2010, altura em que será anunciado o projecto definitivo para o hotel de Pedras Salgadas, cujas obras irão arrancar em 2011."

É com o conforto da convicção de que uma empresa com a dimensão da Unicer não arriscaria a sua credibilidade se acaso não mantivesse os compromissos que publicamente assumiu que, ao que julgo saber, muitas pessoas nas Pedras Salgadas aguardam com ansiedade conhecer - nos próximos 11 dias, claro! - o "projeto definitivo para o hotel das Pedras Salgadas" que a empresa vai anunciar.

"Apéro"

Está-se sempre a aprender. Até há algumas semanas, a palavra "apéro" era, para mim, uma versão simplificada da palavra "apéritif". Por isso, quanto li, num título de jornal, que alguém tinha morrido num "apéro", tive a curiosidade de tentar perceber se se tinha engasgado com alguma azeitona ou coisa similar.

A surpresa foi saber que os "apéros" são a designação contemporânea, aqui em França, para ajuntamentos de jovens (não me consta que as pessoas de mais idade tenham vocação para isso) que decidem reunir-se, por vezes aos largos milhares, a certa hora e num determinado local público, para conviver e, em especial, para... beber. A convocatória é feita através das redes sociais da internet e, durante horas, passam a ter lugar vastas libações, quiçá como "aperitivo" para outras subsequentes atividades lúdicas. 

Ao que agora se sabe, este tipo de eventos tem vindo a acontecer, com crescente frequência, um pouco por toda a França (e. provavelmente, noutros países), tendo já dado origem a incidentes com alguma gravidade, por descontrolo alcoólico. Por essa razão, as autoridades estão já a proibir alguns "apéros", procurando reconduzi-los à legislação comum sobre reuniões em lugares públicos.

Há cerca de um ano, falou-se aqui de outro estilo de "apéro". Alguém sabe onde será este ano?

Portugal em Shangai

Quem tiver 7 minutos para ver um belo filme sobre Portugal, em exibição no pavilhão português na exposição internacional de Shangai, pode clicar aqui.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Horácio Roque (1944-2010)

Um dos grande problemas com que Portugal se defronta (e de que, curiosamente, poucos falam) é o facto de não ter muitos empresários com vocação e capacidade de ação externa.  Andar constantemente a viajar, falar línguas, ter uma longa agenda de contactos e dar-se ares de cosmopolitismo bem-falante - vestindo bem, comendo melhor e ficando por bons hotéis - está longe de ser uma garantia para se ser um bom empresário no plano internacional.  Ao longo dos já muitos anos que levo de vida diplomática, pude apreciar que, no domínio empresarial, o trabalho mais produtivo e sustentado no tempo é quase sempre conseguido por personalidades mais discretas, que conseguem estabelecer laços de confiança, projetar uma imagem de seriedade e revelar um sentido de compromisso e equilíbrio. Quase sempre, sem grande "frenesim" nem muitas parangonas.

Horácio Roque, que hoje faleceu, provou ser um empresário realista, com uma vocação internacional medida à luz das ambições que foi fixando. Com esforço e determinação, soube construir um interessante grupo económico. O Banif é hoje uma bandeira de que Portugal se orgulha. Tive oportunidade de testemunhar e apoiar a sua afirmação crescente no mercado brasileiro e de aí confirmar o prestígio e capacidade de liderança de Horácio Roque.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Investir em Lisboa

Mostrar a capital portuguesa como destino para o investimento estrangeiro foi a aposta ontem ganha pelo presidente da Câmara Municipal, António Costa, numa iniciativa conjunta com a Associação Comercial de Lisboa, realizada em Paris. Ambas as entidades são parceiras na InvestLisboa, que organizou uma eficaz jornada de promoção na nossa Embaixada.

Ao almoço, juntámos grandes empresários da comunidade portuguesa. À tarde, esclarecedoras apresentações suscitaram um animado diálogo com advogados, jornalistas, empreendedores e diversos outros agentes económicos, franceses e portugueses.

Nesta ação promocional, ficaram muito claras as vantagens comparativas que Lisboa pode oferecer ao investidores externos, projetando a nossa capital para áreas diferentes dos mercados sectoriais onde os seus créditos estão já bem firmados, como sejam o turismo ou os congressos. Ao esforço de renovação por que Lisboa passa é importante associar capitais internacionais que queiram aproveitar a oportunidade para explorar novas zonas de expansão urbana ou as várias intervenções previstas em setores a requalificar.

Como se viu em dois magníficos filmes, muito apreciados pelas cerca de 100 pessoas presentes no evento, Lisboa tem uma imagem contemporânea nova e muito sedutora.

Tal como diz o meu querido amigo Marcos Vilaça, presidente da Academia Brasileira de Letras, Lisboa está cada vez mais... Lisótima!

Irão

O Brasil e a Turquia, dois países que ocupam lugares de membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU, acabam de mediar um acordo com vista a reconduzir o Irão a um diálogo com a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA). Ao longo dos últimos meses, o governo de Teerão tinha-se mostrado muito refratário em aceitar os termos de um entendimento que daria à comunidade internacional garantias de que o respetivo projeto nuclear tem fins pacíficos e não se destina a abrir caminho à sua utilização com finalidades militares.

O Irão tem agora uma oportunidade soberana para demonstrar a sua boa vontade e o seu interesse em atuar em conformidade com as regras impostas pelo Tratado de Não Proliferação Nuclear, de que foi subscritor. Se o não fizer, e se acaso vier a optar por processos que possam ser vistos como dilatórios no cumprimento dessas regras, o Irão confirmará todas as suspeitas que muitos países ainda mantêm quanto à sua vontade efetiva de cumprir as regras da AIEA. 

Porém, mais importante do que isso, Teerão poderá vir a perder a boa vontade de alguns países - como é, manifestamente, o caso do Brasil e da Turquia - que, ao lhe proporcionarem este entendimento, lhe permitiram ganhar tempo e obter uma nova oportunidade. Esses países, para quem o empenhamento neste processo tem algum preço político, não estarão dispostos, com toda a certeza, a pactuar com novas justificações iranianas, destinadas a não darem cumprimento àquilo a que agora se comprometeram. Seria a própria credibilidade de tais países que ficaria inapelavelmente em jogo.

Os três Estados ocidentais (EUA, Reino Unido e França) que, com a Rússia, já se  haviam mostrado abertos à fixação de um regime sancionatório contra o regime iraniano, no âmbito da ONU, por virtude do incumprimento de anteriores compromissos por parte de Teerão na matéria, olham agora este entendimento com alguma suspeição, porque, de certo modo, ele pode colocar em causa o seu anterior calendário de fixação das sanções. Porém, vistas as coisas de outro modo, esses mesmos países podem vir a recolher de uma nova recusa iraniana um argumento, desta vez decisivo, para levarem a cabo a imposição de tais medidas. É que, na hipótese de isso acontecer, vê-se mal como muitos dos Estados que, até agora, se têm mostrado compreensivos ou complacentes para com Teerão poderiam, com um mínimo de legitimidade, vir a opor-se à imposição de sanções. Em especial, esse é o caso da China, que tendo um potencial direito de veto do Conselho de Segurança, tem vindo a condicionar. desde há meses, o desenho de tal regime sancionatório.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

"Histoire du Portugal"

Destaco hoje aqui a recente reedição (a 4ª), pelas Editions Chandeigne, da já clássica obra de Albert-Alain Bourdon, "Histoire du Portugal", desta vez com um complemento do professor Yves Léonard dedicado ao Portugal contemporâneo.

Trata-se de um belo trabalho global de divulgação sobre a História portuguesa (214 páginas, em tamanho "de poche"). O acrescento agora introduzido por Yves Leonard completa e prolonga muito bem o antigo texto.

Bourdon havia sido o autor de uma "Histoire du Portugal" publicada na clássica coleção "Que sais-je?", da Presses Universitaires de France, em 1977.

Com tempo, procurarei dar conta aqui de outras obras sobre Portugal que hajam sido editadas em francês.

domingo, 16 de maio de 2010

Tailândia

Um excelente e inesperado blogue português de Bangkok tem-nos dado conta, bem melhor que muita imprensa, da tensão que se tem vivido na Tailândia e que parece pressagiar dias ainda muito complicados. Só de nome conheço o seu autor, Nuno Caldeira da Silva, mas felicito-o por este verdadeiro serviço público, num país com o qual Portugal tem uma histórica relação.

Ontem, e a propósito desta crise, também ouvi na rádio a voz serena do embaixador português, António Faria e Maya, com uma avaliação inteligente, marcada pela experiência, pela sensatez e pelo bom-senso. É uma sensação reconfortante, para um colega, constatar que, em momentos e locais de crise, a nossa "corporação" está muito bem representada.

Em tempo: foi-me chamada a atenção para mais três blogues portugueses em Bangkok, que se podem consultar aqui, aqui e aqui.

Liga de Paris

Foi uma agradável surpresa ver a Embaixada encher-se com várias dezenas de pessoas, na passada sexta-feira, para assistir ao colóquio que tomei a iniciativa de organizar, dedicado à Liga de Paris - a estrutura de coordenação política que aqui juntou vários republicanos portugueses no exílio, na tentativa de preparar a resistência contra a ditadura militar implantada após o movimento de 28 deMaio de 1926.

Os professores Fernando Rosas, Yves Léonard, Cristina Clímaco e Luis Farinha, numa sessão que durou cerca de 4 horas e que culminou num interessante debate, fizeram uma análise muito aprofundada sobre a organização e clivagens políticas desse grupo de democratas portugueses, que por aqui tentaram criar aquela que seria a primeira estrutura de luta para combater o regime saído do golpe militar. As intervenções, aliás, abordaram alguns outras dimensões dessa longa aventura política expatriada, que se prolongou por meio século, nomeadamente aspetos ligados à Guerra Civil de Espanha, à Segunda Guerra Mundial e à luta anti-colonial.

Julgo que todos os presentes saíram satisfeitos por terem tido oportunidade de participar nesta iniciativa, que foi feita sob a égide das comemorações do Centenário da República.

Deixo no post a imagem de uma das figuras tutelares da Liga de Paris, o último presidente da I República, Bernardino Machado - um homem que se recusou a regressar a Portugal enquanto não tivessem sido autorizados a fazê-lo todos aqueles que a ditadura militar de 1926 tinha forçado ao exílio.

Mourinho

Pois é! Criticam-no, acham-no arrogante, agressivo e "peneirento". Talvez seja. Mas é, sem dúvida, o melhor treinador de futebol que anda por aí. Hoje, ganhou o dificílimo campeonato italiano, depois de ter conquistado a taça. E está ainda na grande final europeia. Habituem-se!

sábado, 15 de maio de 2010

O Papa e a República

Não vi sublinhado como devia o facto do Papa ter simpaticamente referido, aquando do seu primeiro discurso em Portugal, as comemorações do Centenário da República Portuguesa.

Se pensarmos que um seu antecessor, Pio XII, foi padrinho de nascimento do atual pretendente à coroa portuguesa - faz hoje precisamente 65 anos (parabéns!) - sou levado a concluir que alguma água pode ter corrido, desde então, sob as inexistentes pontes do Vaticano.

"Le Monde" ibérico

Em quatro colunas com fotografia, o jornalista Jean-Jacques Bozonnet, relata, no "le Monde" de hoje, as medidas de austeridade decididas pelo governo português. Onde escreveu Bezonnet este texto? Em Madrid, onde é correspondente! Àquela distância, admirem-se que a imagem possa ficar desfocada!

Alguém já se perguntou sobre qual será o valor acrescentado que a redação do jornal encontra num texto escrito pela pena informática de um seu colega que se passeia pela Castellana e que não consiga escrever diretamente em Paris, baseado nos mesmos "takes" de agência? Ou nos mesmos jornais que se podem comprar no quiosque parisiense da avenue Friedland? Ou será que é mais "fino" usar um correspondente à distância, a modos de quem comenta as peripécias políticas de Cabul a partir de Islamabad ou de Cuba a partir da Flórida? 

Este tropismo ibérico, a que nem um jornal com a qualidade do "Monde" escapa, repete a prática que era usada por alguma imprensa internacional nos tempos da ditadura portuguesa e faz-me lembrar quando, nos anos 60, as notícias da "revolução cultural" chinesa eram colhidas pela imprensa da boca de "viajantes chegados a Hong Kong".

Longe parecem ir os tempos em que o relato da realidade portuguesa assentava nas excelentes crónicas que José Rebelo fazia para o "Monde", diretamente de Lisboa, nos anos da Revolução de Abril. Esse foi também um período em que a imprensa francesa mandava a Lisboa os seus melhores repórteres. Pela mão de José Rebelo, recordo-me de ter então recebido em casa Dominique Pouchin, para falar sobre a situação política, e de ter passado horas a ajudar Marcel Niedergang a decifrar, no bar do hotel Mundial, a confusão criada pelas diversas siglas da extrema-esquerda portuguesa.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Honra a Baltasar Garzón!

Saldanha Sanches (1944-2010)

José Luis Saldanha Sanches faleceu hoje, em Lisboa. As novas gerações portuguesas conheceram-no, através de regulares intervenções televisivas, como um fiscalista "sem papas na língua", cheio de e de coragem opinativa, que muito ajudou a decifrar, sem tabus, algumas questões económicas do nosso quotidiano.

Porém, e para quem não saiba, a biografia de Saldanha Sanches foi muito mais do que isso. Antes de 25 de Abril de 1974, foi ferido a tiro pela polícia e, com 21 anos, foi preso político. Passou seis anos na prisão de Peniche. Após a Revolução, foi a primeira figura pública a dar a cara pelo MRPP (Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado), tendo então voltado a ser preso, por um curto período, como diretor do jornal "Luta Popular". Abandonou a política partidária em 1975, mas manteve, com a sua mulher. Maria José Morgado, uma jurista "militante" anti-corrupção, uma constante intervenção cívica. 

Deixo aqui a ligação para uma interessante entrevista onde ambos falam da sua vida. Sobre a sua atividade profissional leia aqui.

Guide Michelin

As classificações dos restaurantes anualmente atribuídas pelo Guide Michelin Rouge (os guias verdes são de lugares turísticos) sempre foram, aqui em França, um tema de alguma controvérsia. Há acusações de favorecimento e de "habituação", por vezes não se entende bem se são os "chefs" que são premiados ou se são os restaurantes a ser destacados, muitos dizem que são seguidas meras "modas" gastronómicas e que prevalecem modelos estereotipados. Não obstante tudo isso, a chegada da edição anual do Michelin é sempre um acontecimento e os restaurantes "estrelados" acabam por sofrer um efeito comercial muito positivo. Perder uma "estrela" no Michelin (são atribuídas uma, duas ou três estrelas, como sinal crescente de qualidade) é considerado uma "tragédia" e já houve um "chef" francês que se suicidou por isso lhe ter acontecido.

No que me toca, como não-especialista mas como leitor regular dos Guides Michelin, de há muito que cheguei a algumas conclusões. A primeira, é a de que os restaurantes a quem são dadas "estrelas" são sempre bons, embora, confesse, não tenha uma sofisticação de gosto suficiente para saber se devem merecer uma ou mais "estrelas". A segunda é a de que os restaurantes que ganham "estrelas" passam, de imediato, a ser muito mais caros - e às vezes já eram bastante. A terceira conclusão é a de que não considero ser totalmente fiável o critério seguido pelo Michelin quanto à lista dos restantes restaurantes que o guia destaca em cada cidade, isto é, todos os que aparecem mencionados, para além daqueles a que são atribuídas estrelas. A seleção é frequentemente muito discutível. Esta observação, que já era válida para o guia sobre Portugal (cujos consultores sempre me pareceram seduzidos por um mercado de restauração turística em que não me revejo), tenho-a confirmado, cada vez mais, aqui em França.

Se o leitor me perguntar: mas usa ou não o Guide Michelin? Claro que uso, mas sempre em conjugação com outros guias. Um critério que considero imbatível para aferir da qualidade de um restaurante que não conheça é vê-lo referido positivamente em três ou mais guias conhecidos e respeitados, um dos quais o Michelin, claro. Este ano, em que saiu a 101ª edição anual do Guide Michelin Rouge, o tradicional "tijolo" tem uma opção bem mais cómoda para transporte e consulta, num "coffret" com seis volumes, com guias agrupando regiões.

Em tempo: um indiscreto mas muito amigo comentarista referiu uma velha observação minha, revelando um critério para obter o nome de um bom restaurante num lugar que desconheçamos: perguntar a uma pessoa local com ar abastado e "rotundo". De facto, esse foi um critério que utilizei e utilizo, por razões que me parecem óbvias. E, tal como o Gustavo, a experiência tem sido boa... 

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Versalhes

Duarte Ivo Cruz, uma personalidade com uma presença multifacetada na vida pública portuguesa, que incluiu uma passagem pelo governo no âmbito do Ministério dos Negócios Estrangeiros, decidiu estudar e reunir em livro, com o apoio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, as atas da participação portuguesa na Conferência de Paz que, em 1918-1919, regulou as consequências da vitória aliada na I Guerra Mundial e celebrou o Tratado de Versalhes. 

É muito curioso e instrutivo, particularmente para quem analisa as relações externas portuguesas, ver o modo como os interesses nacionais foram abordados e protegidos, nessa ocasião, pelos atores políticos e diplomáticos intervenientes, nomeadamente no que toca às dimensões coloniais que estavam em jogo.

Surrealismo

Artur Cruzeiro Seixas fará este ano 90 anos. É a principal personalidade viva do surrealismo português. No passado sábado, fiquei muito satisfeito ao ver trabalhos seus expostos na principal sala da Dorothy's Galery (27 rue Keller, em Paris).

Nesta oportuna mas simples rememoração do movimento surrealista, por lá encontrei a escultora Isabel Meirelles com o pintor Benjamim Marques, outras honrosas presenças portuguesas nesta exposição.

Paris continua a ser um local único, onde, de há muito, se cruzam gerações muito distintas de artistas portugueses.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Protocolo (2)


Posso garantir que o chefe do Protocolo desta história não era o mesmo da outra que há dias contei.

A cerimónia de apresentação de cumprimentos de Ano Novo do corpo diplomático ao presidente da República é, em Portugal, um momento único, em que se reúnem todos os embaixadores estrangeiros residentes em Lisboa e aqueles que, embora estejam acreditados no nosso país, residem no estrangeiro - principalmente em Paris (mas nunca em Madrid, onde, por qualquer razão que me escapa, não há nenhum embaixador que esteja acreditado em Lisboa...). A cerimónia, que conta com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros, inclui uma longa sessão individual de cumprimentos, seguida dos discursos da praxe, do decano do corpo diplomático e do chefe de Estado português.

No nosso país, como acontece em várias partes do mundo, o decano dos embaixadores não é, necessariamente, o embaixador mais antigo: por tradição, é sempre o Núncio Apostólico, o representante diplomático da Santa Sé.

Estava-se numa dessas cerímónias, no Palácio da Ajuda, num qualquer mês de Janeiro. Na sala onde apresentação de cumprimentos ia ter lugar, o nosso presidente e o ministro estavam já a postos, há alguns minutos. Os diplomatas estrangeiros encontravam-se do outro lado do palácio, numa sala bem longe, separada por um longo corredor. Algum inesperado atraso, talvez devido à tarefa de ordenação por antiguidade dos diplomatas estrangeiros, fazia com que o primeiro dos diplomatas que devia saudar o nosso Presidente - o tal representante da Santa Sé - ainda não tivesse surgido, à frente dos restantes colegas.

O chefe do Estado português dava já mostras de alguma impaciência. O ministro fez sinal ao chefe do Protocolo para apressar as coisas. Pressuroso, o nosso homem aproximou-se da porta que dava para o corredor, ao fundo do qual se movimentavam os seus colaboradores. Fez-lhes imensos sinais com os braços, mas, do outro lado, ninguém parecia notar. Para grandes males, soluções à altura. De repente, no ambiente austero que precedia a solenidade, ouvem-se três sonoras palmas do chefe do Protocolo, seguidas de um berro de comando, bem alto e audível ao fundo do corredor: "Saia o Núncio!"

O presidente e o ministro desataram a rir. Entre a Ajuda e o Campo Pequeno a distância encurtou, nesse momento.

Barthes

Roland Barthes, que tenho dificuldade em classificar nas suas várias categorias como intelectual, teve uma parte muito importante da sua vida ligada à região sudoeste de França, onde se encontra sepultado junto da sua mãe. Quem leu o seu triste e póstumo "Journal de Deuil" perceberá melhor este encontro na morte. Ontem passei nesse cemitério, em Urt, perto de Bayonne.

Esta historieta é também a propósito de Roland Barthes.

Estávamos em 1973, na caserna da Escola Prática de Infantaria. Eu tinha por hábito, depois do encerrar formal das luzes, ficar a ler uns minutos mais, com uma lâmpada elétrica, que não incomodava ninguém. Numa noite, tinha comigo o "Mythologies", um dos primeiros livros de Roland Barthes, composto por peças publicadas na imprensa francesa, com leituras de uma surpreende imaginação e profundidade sobre temas simples do quotidiano, denunciando mitos da nova cultura de massas. O texto que estava a ler era o "La nouvelle Citroen", uma análise magistral, escrita ainda nos anos 50, sobre o impacto de uma nova viatura no imaginário francês. Trancrevo apenas esta frase desse texto, para se entender de que se tratava (e, a quem não conhece, recomendo vivamente que leia o livro, claro): "Je crois que l’automobile est aujourd’hui l’équivalent assez exact des grandes cathédrales gothiques: je veux dire, une grande création d’époque, conçue passionnément par des artistes inconnus, consommée dans son image, sinon son usage, par un peuple entier qui s’approprie en elle un objet particulièrement magique."

Subitamente, nessa noite, um tenente entra na caserna, numa visita rara de inspeção. Como eu estava deitado logo à entrada, e surpreendido com a minha solitária leitura, o oficial estende logo a mão para o livro e pergunta: "Ó nosso cadete! Que diabo está você a ler, a esta hora?". Esperava, talvez, literatura política, mais ou menos clandestina. Passei-lhe o livro para as mãos, ainda aberto na página da leitura. "Ah! E em francês!", saiu-lhe, inquiridor, já esperançoso numa descoberta. "Vamos lá ver então o que é que você estava para aqui a ver, às escondidas".

Um segundo depois, tudo mudou. Com um sorriso simpático, sai-lhe: "Citroen?! Você gosta de carros?". Devo ter dito que sim, o que nem sequer era ou é verdade. "Ora, sim senhor, aqui está uma boa leitura: livros sobre carros! Mas olhe uma coisa, homem: isto de carros franceses não é coisa que se veja. Eu gosto é dos italianos, são mais nervosos. Tenho um Alfa, sabe?". E eu que nem carta de condução tinha.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Brasil

Alguns leitores fazem-me notar que há, por vezes, neste blogue uma frequência excessiva de notas sobre o Brasil. É verdade, "old habits die hard" e o Brasil marcou-me muito.

Por isso, sigo ainda com alguma atenção a vida política naquele país, que entra agora num período de grande animação, com as eleições presidenciais daqui a meses.

O mais interessante desta disputa, em que se defrontam duas figuras que tiveram a ditadura militar no seu encalce - Dilma Rousseff e José Serra - , é a sensação de normalidade que tudo isto já tem numa sociedade que, até há uns anos não muito distantes, era palco de uma cíclica conflitualidade, que abria permanentes interrogações quanto ao futuro. Hoje, o Brasil enfrenta a saída de um Presidente com o carisma de Lula da Silva com uma serenidade que não assusta nenhum investidor, que não dá aso a especulações de crise, não obstante permanecerem na sua sociedade focos de tensão social que só os anos e o crescimento económico atenuarão. 

O ambiente político que hoje se vive no Brasil tem dois grandes responsáveis: Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva. Ambos, cada um a seu modo, com erros que são os da vida, souberam dar mostras, no seu tempo próprio, de um elevado sentido de Estado, transportando a vida institucional brasileira para os caminhos da rotina democrática. O Brasil fica a dever a essas duas grandes figuras o salto para a sua modernidade política. É pena que alguns vizinhos não aprendam com o seu exemplo.

Diversidade

Estive ontem, acompanhado do "maire" de Bayonne, Jean Grenet, na inauguração do novo espaço da associação "Divulgação da Cultura Portuguesa", uma corajosa aventura de um grupo de figuras das nossa comunidade, liderado por Óscar Oliveira, que honra imenso a imagem portuguesa na região.

A cinco metros da associação portuguesa constroi-se uma mesquita, com o seu minarete, uma vizinhança que pode não ser totalmente confortável para alguns. Nos nossos discursos, Jean Grenet e eu próprio sublinhámos o respeito que é devido ao culto daquela que é hoje a segunda religião de França. A presença, como convidado, do presidente da associação de muçulmanos da costa basca foi muito significativa.

A imagem impecável que os portugueses criaram neste país, em matéria de integração, tem de conduzi-los a saberem sempre respeitar, em pleno, a cultura de diversidade que é a chave inescapável da França do futuro. 

domingo, 9 de maio de 2010

A feira

Viver no estrangeiro torna-nos ingénuos saudosos do país, atribuindo uma bondade automática às coisas que há por lá. Todos os anos, ao confrontar-me com a notícia da abertura da Feira do Livro, sinto uma insuportável inveja pelos meus amigos que têm a felicidade de passear-se, Parque Eduardo VII acima e abaixo, por aquelas bancadas com livralhada a metro, hoje em parte responsáveis por espaços de parede da minha casa em Lisboa. Confesso: sou um viciado de feiras do livros, paro em qualquer rua ou vilória onde vislumbre alguma, tenho já nelas comprado coisas que me fazem interrogar sobre a minha sanidade mental no momento da aquisição.

Comecei a minha longa vida de Feiras do Livro no Porto, na praça da Liberdade, nos idos de 60. Depois, já de passagem pela cidade, cheguei a vê-la junto à Câmara, creio que uma vez no palácio de Cristal e, depois, já na Boavista. Em Lisboa, não sou do tempo da Feira no Rossio, mas creio que perdi poucas edições na Avenida da Liberdade, como não deixei de a visitar no Terreiro do Paço, quando para lá migrou episodicamente. 

Perpassa-me uma nostalgia das incursões à Feira à hora de jantar, com lugar para estacionar, menos gente e mais tempo para espiolhar as barracas. Tenho uma (há muito) testada técnica de zig-zag, que ilude edições bíblicas, livros infantis e técnicos, com uma jornada noturna para cada ala do parque. Como português incurável, também por lá passei várias últimas noites, antes do fecho definitivo, cheio de sacos, angústia e pressa, nunca soube bem porquê.

A Feira é, além do mais, um fantástico "meeting point", para nos cruzarmos com amigos perdidos há anos, de quem passamos a conhecer os novos cônjuges e com quem combinamos miríficos almoços.

Que falta me faz a Feira do Livro!

Liga de Paris

É na tarde da próxima sexta-feira, dia 14, que terá lugar na Embaixada de Portugal, 5 rue de Noisiel, em Paris, o Colóquio "A Liga de Paris e o exílio político português em França".

Esta foi uma iniciativa que entendi dever empreender, neste ano em que se celebra o Centenário da República", e que conta com a organização a cargo do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

Especialistas credenciados, como os professores Fernando Rosas, Yves Léonard, Luís Farinha e Cristina Clímaco, falarão, respetivamente, sobre meio século de exílio português em França, a política francesa e o regime salazarista, a Liga de Paris e o "reviralhismo", bem como o exílio anti-fascista português durante e após a guerra civil de Espanha. 

O acesso ao Colóquio faz-se por convite, mas qualquer pessoa interessada em assistir pode inscrever-se através do telefone geral da Embaixada (01 53 70 12 99), por fax (01 53 70 98 37) ou por e-mail mailto@embaixada-portugal-fr.org.

Joaquim Vital (1948-2010)

Tínhamos a mesma idade, o que descobrimos num agradável e longo almoço a dois, há algumas semanas, aqui em Paris. Escritor, editor, tradutor, personalidade multifacetada de intelectual livre, Joaquim Vital era uma das grandes figuras da cultura portuguesa em França. Faleceu ontem, subitamente, em Lisboa.

Ouvira falar dele, há muito, através de amigos comuns. Ainda antes da minha vinda para França, a Manuela e o Nuno Júdice recomendaram que o procurasse. Só acabámos por conversar, com calma, muito mais tarde, já depois de eu ter lido o seu curioso "Adieu à quelques personnages", como aqui referi em Agosto do ano passado. Há semanas, enviou-me uma cuidada edição da "Ode Marítima" de Fernando Pessoa, sobre quem o tinha ouvido falar na Casa de Portugal, na Cité Universitaire de Paris.

Exilado desde os 18 anos, Joaquim Vital viveu em Paris desde 1973. Aqui fundou as "Editions la Différence", onde publicou traduções de muitos escritores portugueses, algumas das quais da sua própria autoria. Dos editores, escrevia: "Pode dizer-se, parafraseando Fernando Pessoa, que há três espécies de editores: os que publicam os livros de que gostam, os que gostam dos livros que publicam, os que não gostam de livros - e que não são editores. É a esta terceira categoria que pertencem os industriais e financeiros que decidiram, por razões de estratégia empresarial, atacar o mercado do papel impresso".

Joaquim Vital era uma figura que honrava a cultura portuguesa, que muito fez por ela e pelo prestígio do nosso país em França. Oportunamente, a Embaixada de Portugal em Paris irá homenagear a memória de Joaquim Vital.

Em tempo: sobre Joaquim Vital, leia mais aqui, aqui, aqui e aqui.

sábado, 8 de maio de 2010

Praça Vermelha

Ver tropas americanas a desfilar na Praça Vermelha, em Moscovo, nos 65 anos do final da Segunda Guerra Mundial, é um bom sinal para o mundo. 

O retrato de José Estaline, ao fundo, entre antigas bandeiras soviéticas, espelha bem a complexidade da memória russa.

Aniversário?

Passa hoje  o Dia da Europa. Há precisamente 60 anos, no Salon de l'Horloge, no Quai d'Orsay, aqui em Paris, Robert Schuman proferiu uma declaração, preparada por Jean Monnet, que é considerada o momento fundacional da unidade europeia.

Por que será que, este ano, poucos parecem interessados em celebrar um aniversário tão significativo? Há omissões que falam por si...

Reino Unido (2)

Os britânicos perdem a sua fleuma quando as coisas institucionais entram nos domínios do inesperado.

Tradicionalmente, e para quem não saiba, as eleições legislativas no Reino Unido ocorrem às quintas-feiras. No dia seguinte, de manhã, o líder do partido mais votado vai à rainha, recebe mandato para formar governo e, às 14.30 horas do mesmo dia, apresenta-se com ele completo no parlamento. Isto, porém, no caso de ter obtido maioria absoluta, o que quase sempre acontece. Mas não aconteceu, desta vez.

O sistema político britânico está construído, embora não explicitamente, para que um dos dois maiores partidos - atualmente, o trabalhista ou o conservador - ganhe as eleições com maioria absoluta. Por isso, o terceiro partido, o partido liberal-democrata, acaba por ser sempre o maior sacrificado, porque o sistema de voto o desfavorece fortemente. Nestas eleições, com 23% dos votos, acabou por ter menos de 8% dos deputados. Por essa razão, a reivindicação histórica dos liberal-democratas é a mudança do sistema eleitoral, para um modelo de representação proporcional. E, por outras razões de interesse próprio, conservadores e trabalhistas opõem-se a isto, com muita firmeza. 

Não se sabe, neste momento, como vão terminar as conversações entre os partidos britânicos e que espécie de governo delas poderá resultar. Uma coisa parece certa: mais cedo ou mais tarde, o partido que liderar o novo governo vai convocar (porque, no sistema britânico, pode fazê-lo sem limitações, dentro dos cinco anos do seu mandato) novas eleições, esperando então obter maioria absoluta. E costuma ganhá-las, porque aos britânicos repugnam maiorias relativas. Resta acrescentar que, a partir desse momento, passam a contar mais cinco anos (durante os quais, se acaso lhe der jeito, o governo pode convocar novas eleições, e assim por diante...)

Até lá, com a autoridade nacional que todos temos em matéria de governos com maioria relativa, só podemos dizer aos nossos amigos britânicos: habituem-se!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Protocolo

O serviço do Protocolo do Estado, que fisicamente se situa no Ministério dos Negócios Estrangeiros, é uma estrutura sobre a qual recai, entre uma multiplicidade de outras tarefas (apoio às missões estrangeiras em Portugal, emissão de documentos diplomáticos de viagem, condecorações, etc), toda a responsabilidade na organização dos milhares de pormenores de todas as visitas e viagens de altas figuras do Estado. É um trabalho que exige imenso tacto, posse de uma "massa crítica" de experiência, um grande bom senso e... uma incomensurável paciência. Tenho muitos anos de observação do trabalho do nosso Protocolo, que coincidem com idêntico período de admiração por colegas que, nesse serviço, dão ao serviço público um grande exemplo de dedicação e profissionalismo. Infelizmente, a sua ação, muitas vezes caricaturada por quem conhece mal estas coisas, tende a passar desapercebida, ou melhor, só se destaca se acaso ocorre alguma falha.

Como acontece um pouco por todo o lado, sempre por lá houve colegas mais atentos e empenhados, ao lado de outros que o são um tanto menos. Vai já para muitos anos, havia um chefe do Protocolo um pouco distante, conhecido pela sua escassa dedicação aos detalhes, que repousava o serviço no labor dos seus esforçados colaboradores. Nas visitas ao estrangeiro, a tendência do nosso homem era para se comportar quase como um convidado, dedicando o seu tempo a falar com os ministros ou com os empresários, relegando a "intendência" para os seus funcionários. E estes, coitados, lá iam dando conta do recado. 

Um dia, numa visita presidencial, um assessor do chefe de Estado encontra o nosso homem no hall, entretido numa boa conversata com um famoso empresário, e pergunta-lhe: "Parece que houve uma mudança no horário. Afinal, a que horas é que o senhor presidente sai para o jantar?". E o diplomata, bem embrenhado que estava no diálogo, responde-lhe, leve: "Eh! pá, não sei. Pergunta ao Protocolo..."

Rigor

Foi com alguma surpresa que membros da delegação oficial do primeiro-ministro português, hoje de visita a França, notaram a aberta rejeição, por parte do primeiro-ministro francês, de aceitar o qualificativo de "plan de rigueur", usado por um jornalista para qualificar as medidas de controlo orçamental que havia anunciado no dia anterior.

A surpresa vem do facto de que, em Portugal, falar de "plano de rigor" ser perfeitamente aceitável para descrever políticas de restrição financeira.

Porquê, então, a diferença de conceitos? Porque em França, historicamente, o discurso político consagrou a expressão "plan de rigueur" como significando medidas que combinam corte de despesas com aumento dos impostos. Ora o governo francês diz que não vai haver qualquer aumento de impostos.

Às vezes, traduzir palavras é diferente de traduzir conceitos.