sábado, 20 de novembro de 2010

Trópicos

Escândalo! Leitor/a atento/a do "Diário da República", um/a  anónima profissional de um jornal "de referência" indignava-se ontem com o facto de Portugal ter acabado de designar um "experiente embaixador de topo" para "a representação diplomática portuguesa em Samoa", um pequeno país do Pacífico. 

O/a jornalista, qual escrutinador zeloso do Tribunal de Contas, mostra a sua indignação e diz que o facto "está a ser visto" (por quem?) como "um degredo ou um ato de despesismo puro e duro", "em tempos de contenção e numa altura em que se fala de fecho de embaixadas e consulados".

Será por falta de tempo ou será por outras razões que o/a jornalista não cuidou em informar-se, junto do MNE ou da Presidência da República, sobre a razão dessa "bizarra" nomeação? Se o tivesse feito, saberia que Portugal não tem, naturalmente, nenhuma "representação diplomática" na Samoa e que o credenciado embaixador é o nosso representante diplomático na Austrália, onde reside. A ele cabe, por inerência de funções, ser acreditado junto de todos os restantes Estados independentes existentes no Pacífico, nos quais, como é óbvio, não existe qualquer representação portuguesa, mas com que o nosso país mantém relações diplomáticas. Relações essas - diga-se - que nos garantiram um significativo voto dos Estados do Pacífico na nossa recente eleição para o Conselho de Segurança na ONU.

Eu e os leitores deste blogue vamos esperar sentados para ver o/a jornalista, com destaque idêntico ao dado a esta escandalosa e "despesista" nomeação, fazer o seu mea culpa e pedir desculpa pelo erro em que induziu os seus leitores.

19 comentários:

Margarida disse...

Quer apostar como "emenda a mão"?

Anónimo disse...

"Vamos esperar sentados"In FSC
Está bem, mas vamos mesmo...
Também quero ver!
Isabel Seixas

Santiago Macias disse...

Sou capaz de jurar que não é a primeira vez que isto acontece. Mas fico, também, à espera do "mea culpa".

Alcipe disse...

A ignorância da juventude é sempre um espanto!

Alcipe disse...

O maior escândalo é um embaixador que eu conheço e foi colocado recentemente ... no Mónaco!

Anónimo disse...

De qualquer forma a imagem...

De um azul transparente e sereno
Qualquer um de Nós pode ser ilha
Até sem roupagem,num corpo ameno
Capturamos luz, a vida espartilha

Feitores de sonhos abrem horizontes
Belos sem qualquer alusão a pobreza
Escombros renascem, cinzas e pontes
De mãos dadas a seriedade safadeza

À vista de todos e não têm género
Matam-se fome e fartura no efémero
Sonhos que se perpetuam já no além

Erigem embriões abortos de Ninguém
Fugas do vazio de desdém mascarado
Dissimulam Claro o escuro embotado

Isabel seixas

Julia Macias-Valet disse...

Nao sei nao Margarida...eu pelo sim pelo nao vou esperar deitada...que hoje é domingo !Zzzzzz

Esta é de se lhe tirar o chapéu !

Anónimo disse...

Jornalista NUNCA emenda a mão. E "quando o faz" é numa nota mínima de roda-pé, ou seja, é como se não fizesse. Vi essa de Samoa, onde vinha também outra, para o Liechenstein. Vamos aguardar pelo humilde "mea culpa"...
P.Rufino

Herculano disse...

sendo "anonimo" ja é um indicio de honestidade intelectual...

António P. disse...

Pois é, caro Embaixador.
Será a jornalista preguiçosa ~? Ou descuidada ? Ou tem uma agenda política própria ?
E os que são câmara de ressonância são o quê ? Eu diria preguiçosos e idiotas.
E todos têm falta de tomates quando são incpazes de corrigirem o erro.
O problema é que para eles e elas ( neste caso ) não houve erro.
Lamentável.

Helena Sacadura Cabral disse...

Adorei a do Mónaco referida por Alcipe!

Anónimo disse...

Ainda não consegui parar de rir com o comentário do Alcipe.

É esta subtileza e sentido de humor que começa a escassear em Portugal.

Senhor(es) Embaixador(es) FSC e "Alcipe", infelizmente, estão em vias de extinção.

IBP

Correia de Araújo disse...

Os jornalistas vivem de folhas, mas não produzem seda como as lagartas.

Helena Oneto disse...

Tropismos jornalísticos...

Anónimo disse...

Já nos estamos a habituar à ignorancia de muitos jornalistas, para quem o que interessa são os fins. Desde que o assunto lhes permita e sirva para a sua agenda...

Francisco disse...

Concordo com a maioria dos comentários. Há, porém, uma questão conexa que é evitada: o MNE nomeia um embaixador não residente e só volta a preocupar-se quando o embaixador muda. Não há uma verdadeira política de gestão de embaixadas "at large". Normalmente, nem há dinheiro para uma visita de trabalho a um país sem embaixada efectiva. Por isso, essas nomeações são quase sempre um puro pró-forma para salvar aparências.

Gil disse...

E os Embaixadores nas Seychelles, nas Maurícias, em Trinidad e Tobago...
Ele há gente com muito boas cunhas!

patricio branco disse...

o jornalista precipitou se e meteu o "pé" na poça ou talvez na argola.
Seria correcto ele ou o jornal fazerem uma rectificação.
Mas se não fizerem, está feita no blogue.

Anónimo disse...

Senhor Embaixador : uma vez mais estamos perante uma demonstração da mediocirdade "venenosa" reinante na comunicação social e,ainda, se arrogam como sendo de referencia.
É caso para perguntar:qual referencia?