segunda-feira, 22 de novembro de 2010

NATO

Não é fácil proceder à transformação de uma organização de defesa e segurança coletiva, com membros mais recentes que para ela carreiam outra cultura estratégica, no quadro de um cenário mundial em rápida mutação de ameaças. Particularmente num tempo em que se procura restaurar a confiança num parceiro exterior originário de uma entidade internacional que, não há muito, era a preocupação maior da própria organização.

Em Lisboa, no passado fim de semana, a NATO deu uma prova de uma maturidade que, há alguns anos, muitos duvidassem que ainda pudesse vir a ter, balcanizada que estava por tensões que a paralisavam e aparentando uma mera reatividade. Com esta cimeira, com a aprovação de um novo e mais concreto "conceito estratégico", a NATO provou que conseguiu ultrapassar o período de alguma indecisão de objetivos que marcou o percurso percorrido desde a "guerra fria".

Tudo isto foi possível - diga-se -, em grande parte, graças aos Estados Unidos e à liderança do presidente Obama, que teve a coragem de pôr termo a fórmulas datadas da administração Bush e conseguiram desenhar com Moscovo um modelo onde a generalidade dos Estados da Aliança se podem sentir confortáveis. Da Rússia espera-se, agora, uma atitude aberta de colaboração, geradora de confiança.

As núvens não desapareceram por completo do horizonte da NATO, até porque a incógnita afegã se prolonga e os meios para suportar a estrutura atual da organização, ainda que redefinida, são escassos para as finalidades e com aspetos importantes ainda por discutir. Mas o que parece ter ficado claro é que, não obstante as reticências de alguns e as suspeições residuais de outros, começa a definir-se um novo terreno de segurança cooperativa que federa as nossas comuns debilidades perante o quadro de ameaças potenciais. É irónico dizê-lo, mas, às vezes, somos levados a concluir que o temor é uma ajuda à congregação de vontades.

Portugal esteve, uma vez mais, à altura do desafio que a si mesmo se impôs, de realizar uma das mais importantes cimeiras da história da organização e, nesse contexto, conseguir preservar o essencial dos interesses que nela tem afirmado, alguns desde a sua fundação. A diplomacia portuguesa provou, uma vez mais, a sua capacidade de levar a bom porto um projeto bem complexo e exigente. A quem não consegue ver isto não vale a pena explicar nada.

7 comentários:

Anónimo disse...

Todas as iniciativas internacionais que Portugal tem levado a efeito têm sido sobejamente elogiadas e, sem dúvida, com total justiça.

É um desperdício o nosso país não tirar partido, no dia-a-dia, destas suas capacidades.

Resido em Lisboa e nem se notou que estavam cá tantos líderes mundiais para uma iniciativa desta envergadura.

De louvar!

IBP

Anónimo disse...

Vale a pena explicar...
Isabel Seixas

Anónimo disse...

Oh!Aposto que nem foram a nenhuma casa de Fado...
Isabel seixas

Armenio Octavio disse...

devo confessar que fiquei pouco confortável com o encerramento das fronteiras, concretamente com o "bloqueio" de alguns cidadãos.

será que constituíam uma ameaça aos trabalhos da cimeira? ou a segurança interna?

Anónimo disse...

Sr. Embaixador

Sintomático do que se tem falado, a dificuldade de identidade dos emigrantes. (Em França falamos português, em Portugal falamos francês e assim não nos entendem), isto desde a mais tenra idade...
ver: http://www.youtube.com/watch?v=lu0XPS3nlNI&feature=fvw

EA

Helena Sacadura Cabral disse...

Com efeito IBP tem razão em elogiar a forma como esta e outra magnas reuniões decorreram no nosso país.
Merecedoras de tanto mais louvor, quanto são conhecidas as carências com que algumas entidades que nela intervieram, sobrevivem.
Na zona de Lisboa onde resido, as coisas foram, por vezes, menos simples. Mas nada que, de facto, alterasse mais do que os pequenos vícios a que estou habituada

Anónimo disse...

Sem qualquer tipo de presunção da minha parte, mas paraliSar com "s" e não com "z"?! Penso que nem o acordo ortográfico deixa escapar esta... :)

João Santos