terça-feira, 26 de outubro de 2010

Quando?

O anúncio dos cortes orçamentais trouxe-me à memória a reação de uma pessoa conhecida, há já uns bons anos, quando o governo que ele então apoiava (outros, na busca de procurada ambiguidade, diziam então "that I support"...) decidiu impor alguma austeridade:

- Já estou a começar a ficar farto disto! Quando são os "nossos" que estão no poder, vêm-nos dizer que temos de apertar o cinto; quando chegam os "outros", somos logo os primeiros a sofrer. Mas, afinal, será que algum dia "isto" vai correr bem para nós?

Não lhes digo quem estava no poder, ao tempo dessa frase.

6 comentários:

Guilherme Sanches disse...

"Ora ainda bem que me coloca essa pergunta, Senhor Embaixador. Obrigado por esta oportunidade que me é concedida para responder":

- Jamais vai correr bem! "Jamé!"

Votar é como o Euromilhões - marquemos as cruzes que marcarmos, não acertamos nunca. Votemos em quem votarmos, erramos sempre. Os outros é que eram bons. Os outros é que são os bons, quaisquer que sejam "os uns" e "os outros".

Os que elegermos serão sempre os fazedores de asneiras, enquanto os bons, genuinos profetas do passado, verdadeiros arautos da desgraça, invariavelmente nos esclarecem como seria se!

"mal acomparado" são mesmo como o vinho - o que nos faz mal, é o que bebemos...

Um abraço

José Martins disse...

Senhor Embaixador,

Mas só os cortes orçamentais?
E os outros cortes esqueceu-se deles?
Bem será o corte do que aí lhe chega e o, devido, que fica em Portugal.
Paciência porque depois vai ter o privilégio de outro corte o da reforma...
E como a economia de um país não se ajusta em duas dezenas de anos, terá que se confortar, bem ou mal com o “that I support”...
Saudações de Banguecoque
José Martins

Helena Sacadura Cabral disse...

Belo comentário de Guilherme Santos. O pior é quando se bebe sicuta. Nem dá para "os uns", nem para "os outros"...

Anónimo disse...

Vasculhemos na história pregressa, pode ser que se encontre algum Estado de Graça.
Isabel seixas

Cunha Ribeiro disse...

Insisto:

Nunca, desde o primeiro dia de trabalho até agora, me amputaram o meu salário.
E já desfilaram nos corredores do governo imensos primeiros ministros desde esse dia...

Guilherme Sanches disse...

Peço licença para dirigir uma curta mensagem à Dra Helena S Cabral, que anónima, discreta e secretamente estimo, e por cujas gargalhadas tenho há muito uma admiração muito sorridente. E pelo resto, também.

Não tenho o prazer de a conhecer pessoalmente, e é a segunda vez neste espaço que refere com elogio os meus comentários.

Sinceramente agradecido, é uma honra para mim, Doutora Helena, pode acreditar. E pode crer também que até tenho muito de Santo, assim o penso... mas não no nome.

Obrigado