segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Brecht

Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho o meu emprego
Também não me importei

Agora estão a levar-me a mim
Mas já é tarde

Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo


Poema de Bertolt Brecht, por amabilidade de Gil

13 comentários:

Ana Paula Fitas disse...

Obrigado, Senhor Embaixador!... obrigado por manter acesa a chama da nossa humanidade!

Anónimo disse...

Há aqui um cheirinho a Ciganos Europeus a saír de Franca, que até tresanda.
Francisco F. Teixeira

Helena Oneto disse...

Bem haja Brecht, bem haja o(s) Tim Tim (no Tibete), bem haja o(s) Francisco Seixas da Costa, bem haja a(s) Ana Paula Fitas, bem haja o(s) Gil bem haja quem ousa denunciar a infâmia!

Anónimo disse...

O que mais me fascina na poesia é o impacto imediato e profícuo da mensagem breve.

Depois há Poemas...
Autênticas revelações dignos de ser catequese em qualquer religião ou pressuposto de orientação pro vida ...
Como Este de Brechet.

Pois Sr. embaixador que boa escolha
e mote para reflexão.
Isabel Seixas

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Grande ideia: Brecht é... Brecht. Este poema, se dúvidas houvesse, matá-las-ia. «Como eu não me importei com ningém, ninguém se importa comigo». Genial.

PS (Continuo a ser, mas aqui é Post Scriptum) - Qual o melhor imeile/imilio para mandar coisasa a Vossa Insolência.
De V. Ins
Mtt. att. vedor e obg

Anónimo disse...

É conhecido, mas é sempre actual. Sempre! Grato a Gil e grato ao autor deste magnífico Blogue por recordarem estas palavras.
P.Rufino

Anónimo disse...

Ainda o Poema de Brecht

Apesar de quem denuncia

Ser meramente
Porta voz do eco das tragédias
Que prosseguem imunes aos dogmas
Da liberdade...

Que sabemos só de alguns...
Nós, comodamente incluídos
A escrever sentados nas nossas Cadeiras Chipendale...
Nascidos e crescidos da bonomia
Herança da boa família e etnia

Falando à distância
Das fossas céticas
Dos aromas a podre
Em segurança
Sem esconder a beleza
Do medo da suscetibilidade
A predadores
Da delinquência licita do poder...

É tão fácil
O sussurro da indignação
Que ronda a brejeirice do vulgar
Pela inocuidade de resultados

Mas há quem nem isso faça
E tendo o Poder do Poder o use
Para subverter gritos de desespero
Em oportunidades de amordaçar
Para ostentar virilidades
Impotentes de segurança ridicula

É homens contra homens
Diferenças contra diferenças
Sepultemos o amor
Em nome da proliferação
Ervas daninhas identificadas
Que corroem sem ser julgadas...

Isabel Seixas

Anónimo disse...

Monsieur l'ambassadeur,
Pardonnez mon insolence mais comme j'ai trouvé ce poème magnifique j'ai voulu en savoir un peu plus et dans mes recherches j'ai trouvé la source ci-dessous peut-être fausse.
Mais, a la limite, je dirais peu importe l'auteur seule la "terrible beauté" de ce poème compte.
Très respectueusement
M.De Jésus

(21) Poem by Martin Niemöller that was said to have been written in 1946.

First they came for the communists, and I did not speak out - because I was not a communist;

Then they came for the socialists, and I did not speak out - because I was not a socialist;

Then they came for the trade unionists, and I did not speak out - because I was not a trade unionist;

Then they came for the Jews, and I did not speak out - because I was not a Jew;

Then they came for me - and there was no one left to speak out for me.

Gil disse...

Esclarecendo a dúvida levantada por M. De Jésus:

Na verdade, tanto o poema de M. Niemöller como o de B. Brecht são práfrases de um outro, anterior a ambos, da autoria de Maiakovski e que diz

“ Na primeira noite, eles se aproximam
e colhem uma flor de nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem,
pisam as flores, matam nosso cão.
E não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles, entra
sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua,
e, conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.”

Este poema de Maiakovski é, evidentemente, um lamento contra o ambiente repressivo na URSS post-Lenine.

Brecht, que era comunista, parafraseou-o (em “É preciso agir”) e o seu texto é muitas vezes incluído em encenações das suas peças (até da “òpera dos três vinténs” – em francês creio que se chama “L'ópera des Quat’sous”). Como se pode notar, Brecht, comunista, re-adapta a ideia ao nazismo, sem referir a caça aos comunistas, ao contrário de Martin Niemöller, pastor luterano mas igualmente anti-nazi, que refere expressamente os camaradas de B. Brecht.

Houve, ainda, outras paráfrases do texto de Maiakovski.
A título de exemplo, a do jornalista e escritor brasileiro Cláudio Humberto;

“Primeiro eles roubaram nos sinais, mas não fui eu a vítima,
Depois incendiaram os ônibus, mas eu não estava neles;
Depois fecharam ruas, onde não moro;
Fecharam então o portão da favela, que não habito;
Em seguida arrastaram até a morte uma criança, que não era meu filho...”

JPB disse...

Saudável "rappel" - de acrescida importância, tendo em conta a atividade do autor...

A.M. disse...

Ora bem, está esclarecido que o poema em causa não é de Brecht?
Então, posso me ir embora...

Faz-me lembrar o dito célebre de "Só a verdade é revolucionária", sempre atribuído pela nossa querida imprensa a Lenine e que pertence a... Gramsci.

Mas, por falar em Lenine, como esquecer mais uma vez a querida imprensa, nos idos de 1975 (upa, upa), falando a cada passo da táctica leninista de "um passo atrás, dois passos em frente", treslendo o título célebre de "Um
passo em frente, dois passos atrás".

Para fechar, pessoalmente: "embaixador em França", diz a epígrafe do blogue.
Em França? Ou em Paris... (que diabo, se V. fosse um embaixador político!...).

Abc

A.M.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro AM - Quanto ao poema, depois de tudo o que se escreveu, cada um que tire as suas conclusões.

Quanto ao ao embaixador ou à Embaixada, tudo é possível:

1. o embaixador é-o em França, como parece óbvio. É o país perante o qual está acreditado;

2. na velha tradição, costuma dizer-se embaixador em Roma, em Londres, em Paris, por ser a capital, mas é uma expressão apenas costumeira;

3. Embaixada de Portugal em Paris designa a cidade onde a chancelaria está instalada;

4. Embaixada de Portugal em França é mais rigoroso quanto à territorialidade coberta pelo trabalho da representação diplomática.

Assim, "à vous de choisir".

Anónimo disse...

O poema atribuído por Gil a Maiakovski é na verdade do poeta brasileiro Eduardo Alves da Costa, e é um excerto dum poema chamado No caminho com Maiakovski.