quinta-feira, 8 de julho de 2010

Mundial

É muito curioso observar as preferências dos portugueses, à nossa volta, neste tempo do Mundial de futebol, em especial a partir do momento em que o nosso país dele foi afastado.

Ontem, um grupo de espetadores do Alemanha-Espanha dividia-se imenso. Nuns, o sentimento anti-espanhol, ainda identitário em algumas camadas portuguesas mais tradicionais, somava-se a algum fascínio pela (até aí) eficácia simples da equipa alemã. Noutros, ao gosto por ver perder a "grande potência" europeia juntava-se uma manifesta simpatia pelo país vizinho, com quem Portugal tinha perdido (e bem) de forma "honorable". Tudo isto de forma matizada, não excessivamente radicalizada.

O tema dos nossos afetos em relação ao estrangeiro é um domínio muito interessante. Torna-se impressionante notar o modo como os portugueses evoluíram, extraindo-se de algumas antigas posições caricaturais para um mundo de uma grande diversidade de atitudes, mobilizadas por sentimentos com uma génese bastante mais complexa. Em tudo isto, fica claro que o fim do império, a integração europeia e alguma atenuação dos confrontos ideológicos tiveram um papel decisivo.
.

14 comentários:

Anónimo disse...

Eu, por causa da Vivo e do comportamento dos espanhóis, fiquei Deutschland uber alles : mas devo dar azar às equipas que apoio!...

Mas... "o polvo é quem mais ordena" (José Mário Silva)

a) Alcipe

Gil disse...

Sempre, sempre ao lado de Alcipe.
Com outra razão ainda: se a empáfia castelhana já é o que é com o Europeu, como será se ganham o Mundial?
Resta a esperança que os holandeses lhes infrinjam o devido correctivo.

Anónimo disse...

Não posso estar mais de acordo com os dois anteriores comentadores até porque sou furiosamente europeu porque não quero ser espanhol!
João Vieira

Dulcineia disse...

Caros Alcipe, Gil e Joao Vieira penso que se tomarem umas "Rennies" isso é capaz de passar...

Anónimo disse...

Há uma verdade que preconiza toda a equipa precisa de uma Dulcineia...
E eu concordo
Também com D. Quixote
Isabel Seixas

Anónimo disse...

No meu caso, assisti sem tomar posição, ao jogo de ontem, Espanha-Alemanha, sendo-me indiferente quem ganhasse, apenas desejando que quem quer que viesse a ser…perdesse no Domingo contra a “Laranja Mecânica”. Não porque a equipa holandesa me suscite algum particular entusiasmo (aquelas que me suscitavam “foram à vida” entretanto, como Portugal, Argentina, Uruguai, Gana, Japão), mas porque foi, até ao momento, a única equipa a não sofrer derrotas. Isto, do meu ponto de vista é importante. Entendo que equipa que tenha já perdido um jogo que seja, não merece – em circunstância alguma! – ser Campeã Mundial. Ora, quer a Alemanha, quer a Espanha já sofreram uma derrota (contra a Sérvia a primeira, contra a Suíça a segunda). Daí que deixaram, aos meus olhos de ter qualquer mérito para “abarbatarem” o ceptro. Assim, vou esperar que seja a Holanda a dar “arraso” aos espanhóis. Tão só por isso. E se vencer, como desejo, ninguém, “a posteriori”, poderá vir a terreiro clamar – e muito justamente – “nós vencemos os campeões!”. Daí que, em nome da pureza e exigência do espectáculo que é o Mundial da Bola, se deveria de uma vez por todos acabar com esta estupidez da fase de apuramento com vários grupinhos de 4 equipas. Em vez disso, deveria ser, logo de início, o “mata-mata”, A contra B, C contra D, E contra F e por aí, com 16 equipas contra outras 16, individualmente, depois ficavam 8 contra 8, 4 contra 4, 2 contra 2 e a Final. Mas a Fifa nunca iria nisto, pois retiraria espectáculo à coisa. Mas ganhávamos nós espectadores pois sabíamos que só haveria uma táctica: jogar ao ataque, sempre! Nada de “empatezinhos”, perde ali, ganha acoli, etc. Era bem melhor. Assim sendo e pelas razões invocadas vou “puxar” na final pela Holanda, ainda que aprecie, de longe, muito mais a Espanha como país, por variadíssimas razões.
P.Rufino

Julia Macias-Valet disse...

Caro P. Rufino, ora aqui esta um comentario de "grande noblesse"... Bem haja !
Senao fosse o meu coraçao bater também por Espanha e tendo em conta os seus argumentos tao pousadamente expostos até que "torcia" pelos Orange...
Que ganhe o melhor...porque os homens nao se medem em futebois ! ; )

Y OLÉ !

Dulcineia disse...

A todos os que nao gostam de espanhois, mas...que muito provavelmente gostam de ESPANHOLAS ; )

Haja Alegria(s) :
http://www.youtube.com/watch?v=xxfwm9N1L_4&feature=related

E se apesar de tudo continuam a gostar de despique...aqui vos deixo umas Bulerias :
http://www.youtube.com/watch?v=OQ-ie12Eqck&feature=related

Y a disfrutar ...

Moscatelroxo disse...

A paella superou o eisbein...
Agora, a dita paella, vai medir gostos com o sumo da laranja ( mecânica ).
É o futebol espanhol, uma espécie de " máquina de tricotar ", acompanhado da respectiva fúria, contra o realismo holandês, com os seus automatismos e também muita fantasia.
Que seja um grande jogo e que ganhe o futebol.

Anónimo disse...

Sendo um ferrenho ibérico, lince, lobo, jangada, Natália Correia,fico feliz com a presença na final.

Mas a Holanda enfim...
Quantos passos foram dados em questões fraturantes na Europa, e não só, jogando a dita a ponta de lança?...
Ideologias, sexologias...
Este sim, um país simpático e campeão do mundo.

Alcipe disse...

"Você desculpe, Eusebiozinho, mas você não tem nenhuma experiência de hespanholas..."

(Eça de Queiroz, "Os Maias")

Dulcineia disse...

Alcipe...porte-se bem !

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Sem dúvida que as preferências futebolísticas são hoje em dia muito variadas. Por mim, preferia por razões lusófonas a vitória do Brasil, porque me lembro como adorei a equipa de Sócrates, Falcão, Zico e outros que praticavam um futebol de grande arte no passe. Agora, vou torcer pela Holanda. porque adorei a laranja mecânica que foi triturada pelo mágico Maradona no Mundial de 1978. Sempre gostei do futebol inglês e do holandês, pois a velocidade de jogo e a eficácia dos mecanismos de jogo são inebriantes e geram entusiasmo. Acho o futebol espanhol de Vicente del Bosque demasiado matreiro e muito táctico e não gostaria que este tipo de futebol vencesse. O futebol apesar do alto nível competitivo se se torna muito táctico perde em arte e não galvaniza os espectadores. Espero que seja uma grande Final e os espanhóis nos possam mostrar o contrário neste domingo.

Saudações cordiais,
Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

Mundial

Tertúlia...

O meu contributo

España camisa blanca de mi esperanza

Reseca historia que nos abraza

Por acercarse sólo a mirarla.

Paloma buscando cielos más estrellados

Donde entendernos sin destrozarnos

Donde sentarnos y conversar.



España camisa blanca de mi esperanza

La negra pena nos amenaza

La pena deja plomo en las alas.

Quisiera poner el hombro y pongo palabras

Que casi siempre acaban en nada

Cuando se enfrentan al ancho mar.



España camisa blanca de mi esperanza

A veces madre y siempre madastra;

Navaja, barro, clavel, espada.

Nos haces siempre a tu imagen y semejanza

Lo bueno y malo que hay en tu estampa

De peregrina a ningún lugar.



España camisa blanca de mi esperanza

De fuera a adentro, dulce o amarga

De olor a incienso, de cal y caña.

Quién puso el desasociego en nuestras entrañas

Nos hizo libres pero sin alas

Nos dejos el hambre y se llevó el pan.



España camisa blanca de mi esperanza

Aquí me tienes nadie me manda

Quererte tanto me cuesta nada.

Nos haces siempre a tu imagen y semejanza

Lo bueno y malo que hay en tu estampa

De peregrina a ningún lugar.
(canção de Ana Belen)
Isabel Seixas