quarta-feira, 30 de junho de 2010

Rohmer e Godard

Clermont-Ferrand é uma terra que já me trazia à memória a "nouvelle vague" do cinema francês, porque foi a cidade onde Eric Rohmer filmou o mítico "Ma nuit chez Maud". Agora, ao ter sido recebido pelo "maire" se chama Godard (embora Serge e não Jean-Luc), esta memória adensa-se.

No passado sábado, estive em Clermont-Ferrand para inaugurar a nova sede de uma associação portuguesa, que este ano comemora impressionantes três décadas de existência. Um fantástica festa de S. João, com milhares de visitantes, provou bem a vitalidade e a integração dos muitos portugueses que vivem na terra de Pascal e capital da Michelin.

2 comentários:

Anónimo disse...

Vi o “Ma nuit chez Maud”, mais tarde. Eric Rohmer foi um grande realizador. Assim como Jean Luc Godard. E é melhor nem continuar, pois estaríamos aqui por um bom bocado a falar dos filmes dele (Godard), das suas actrizes e actores que participaram nos filmes por ele realizados, etc e tal. Interessante, essa “coincidência” de nomes, do “maire” e do realizador. E, aí, na “Place de Jaude” está a estátua de Vercingetorix, o líder gaulês que enfrentou Júlio César e por ele veio a ser derrotado, na batalha de Alesia, depois de um cerco genial (e de engenharia de construção por parte das Legiões daquele grande General Romano), que quase correu mal, mas o génio de César acabou por prevalecer. Mas, Vercingetorix teve um desempenho militar excepcional, resistindo, enquanto pode, ás Legiões Romanas, acabando por ter de se render, de forma algo espectacular, no seu cavalo, vindo a ser executado um par de anos após, depois de integrar o triunfo de César, uma vez regressado a Roma. E já que se fala de Roma, Pascal “sofreu”, entre outras, alguma influência das “Meditações” de Marcus Aurelius, esse extraordinário Imperador-filósofo. Pascal admirava Julius Ceasar (ao contrário de Oliver Cromwell, que preferia Alexandre o Grande). Dizia ele: “não é certo que tudo seja incerto” (“Pensées”). Era capaz de ter razão!
P.Rufino
PS: ainda sobre Clermont-Ferrand. Foi “palco”, numa pista ali perto GP de F1, memoráveis, com alguns dos “grandes nomes” de então a serem o chamariz do público e assistência à época, como Jackie Stewart. JP.Beltoise, Jacky Ickx, Jochen Rindt, Emerson Fittipaldi, Jim Clark, Dennis Hulme, Pedro Rodriguez, etc.

Helena Sacadura Cabral disse...

Curios post para quem como eu já estudou em Clermont...
O meu orientador de tese aí chamava-se, imagine-se, François Trufaud!