segunda-feira, 24 de maio de 2010

Trigo duro

Lá está escrito, na placa de identificação, no último canteiro junto ao Rond Point: "trigo duro". Nestes dias, em que o feriado de hoje se soma ao fim-de-semana, os Champs Elysées, recuperando a sua vocação natural de "campos", enchem-se de plantas, transformando-se numa espécie de esplanada agrícola, uma imagem muito curiosa da França rural. E lá está o "trigo duro".

Entre 1997 e 1999, Portugal esteve envolvido numa complexa negociação no seio da União Europeia, para definir os apoios comunitários de que o país poderia beneficiar no período 2000-2006. Entre eles, estavam algumas ajudas agrícolas.

A certa passo da negociação, dei-me conta que o pessoal da Agricultura colocava sempre no seu "pacote", para além de questões na área da pecuária e dos produtos leiteiros, um pedido de extensão da quota para o cultivo do trigo duro. Assim, e durante meses, levámos nas nossas listas "reivindicativas", para os encontros bilaterais e com a Comissão Europeia, um pedido relativo ao trigo duro.

Já na fase final da negociação, tive que ir a Bonn, duas vezes na mesma semana, para ajudar a convencer os alemães, que tinham a presidência rotativa da União Europeia, da bondade e importância dos nossos pedidos. Era um tempo de transição, em que o SPD de Gerhard Schroeder acabara de chegar ao poder, aliado aos Verdes de Joschka Fischer, e a falta de "afinação" da nova aliança refletia-se de forma nem sempre favorável para nós, no tratamente de alguns dossiês. Por isso, tínhamos de ser uns "chatos", repetir as mensagens, dramatizar algumas situações. Na cidade onde então (ainda) funcionava a administração central alemã, passei várias horas a trabalhar no ministério dos Negócios Estrangeiros - o competente Auswartiges Amt, também conhecido por AA, dirigido por Fischer - e na chancelaria federal, com assessores de Schroeder. 

A jornada da segunda deslocação já ia longa, mas o nosso embaixador tinha combinado um encontro com jornalistas portugueses, na sua residência, para fazer o saldo possível desses contactos. Embora eu não estivesse em condições de poder revelar muito, lá expliquei as nossas principais preocupações. A certa altura, a título de exemplo, enfatizei a importância que prestavamos à autorização de uma quota maior para a produção de trigo duro. Foi então que uma jornalista me perguntou: "Mas que diabo é isso do trigo duro? Há trigo mole? Porque pedem quota para o trigo duro e não para outras variedades de trigo?".

Recordo-me que "bloqueei", por completo. A minha cultura tipicamente urbana, ou melhor, a minha falta de cultura rural impedia-me, em absoluto, de dizer fosse o que fosse sobre essa coisa que era o trigo duro. Nesse instante, devo ter-me dado conta de que andara meses a defender a importância para Portugal de um produto que não sabia minimamente o que era.  Eu era um negociador político, não um técnico, nunca me tinha passado pela cabeça aprofundar, nesse como em outros temas, a sua especificidade, até porque os meus interlocutores, também políticos, funcionavam num registo perfeitamente idêntico. Presumo que "meti os pés pelas mãos", dando uma explicação qualquer, que deve ter sido suficientemente habilidosa, porque me não vi ridicularizado na imprensa, do dia seguinte. 

Com certeza que já devo ter visto muitas vezes, pelos campos, muitas plantações de trigo duro. Mas só hoje, na realidade, liguei o nome à planta. E logo nos Champs Elysées...

5 comentários:

Julia Macias-Valet disse...

El triticum durum (trigo duro) es una especie común del cereal triticum (trigo) conocido también como trigo moruno, siciliano, semolero o fanfarrón. Pertenece a los tetraploides debido a su conformación por 28 cromosomas.
Es una de las especies de trigo con más alto valor nutritivo, ya que tiene un alto contenido de gluten y está conformado de un 12 a 14% de proteína. Es una especie muy resistente a la sequía y a las enfermedades, aunque rinde menos en los cultivos que otras especies de trigo.

El trigo duro es utilizado principalmente en la elaboración de macarrones, espagueti y otras pastas.

É preciso também saber que no trigo mole existe o de Inverno e o de Primavera.

TRIGO ??? É assunto p'ra Alentejanos : )

Quanto aos Champs Elysées havia gente a mais e TRIGO a menos...eu prefiro os Campos da margem esquerda do Guadiana. Gostos ! Feitios !

Ontem no meio daquele mar de gente consegui ver trigo (YES !), beterrabas, cevada e phacelie...e os automovéis no stand da Citroën : ))

Margarida disse...

...os jornalistas lembram-se de cada pergunta...
:))))
Agora é tudo mais fácil, o Google informa rapidamente: "Existem duas espécies de trigo, o trigo duro (Tricum durum) e o trigo mole (Tricum aestivum). (...)"
Qualquer dia estuda-se tudo por ali.

Julia Macias-Valet disse...

Margarida,
Tivemos as duas a mesma idéia
: ))

O Google é um sabichao ! Mas como é que nos fizemos no século passado para estudar sem ele !?

Anónimo disse...

Sempre a aprender a aprender...
Para mim trigo era trigo, até mais mole que centeio.
Isabel seixas

Fernando Frazão disse...

Eu que tenho 59 anos e nasci no Ribatejo sei o que é o "trigo duro" e o trigo mole" ou trigo só, sem adjectivos.
No meu tempo não havia Google mas sabia-se que os cereais não nasciam nos pacotes da Kellog's ou do Pingo Doce.
Azar da Julia e da Margarida, não por não terem 59 anos (abrenuncio), mas por terem (aparentemente) uma cultura exclusivamente citadina.