sexta-feira, 14 de maio de 2010

Honra a Baltasar Garzón!

8 comentários:

Helena Oneto disse...

"[...]Garzón est mis en cause par un syndicat judiciaire d’extrême droite, Manos Limpias («Mains propres»), pour avoir ouvert une enquête, au printemps, contre le régime franquiste. Le magistrat avait notamment exigé, en vain, que toute la lumière soit faite sur la répression menée par le Caudillo à partir de 1939. Le chef d’accusation ? Le «juge étoile» serait coupable de prévarication dans cette affaire, c’est-à-dire qu’il aurait agi de mauvaise foi. Il est toutefois peu probable que Garzón, fustigé par la presse conservatrice, soit suspendu de ses fonctions, comme le réclame le syndicat Manos Limpias. Celui qui s’est attaqué à des dictatures latino-américaines (Argentine, Chili, Guatemala) pour crimes contre l’humanité paie le prix d’en avoir fait autant dans son propre pays, où aucun responsable franquiste n’a jamais été inquiété par la justice.[...]" in jornal Libération.
O Libé, eu e tantos outros ainda tinhamos esperanças...

Tim Tim no Tibete dedica-lhe un lindo poema e Tin Tin, son confrère à Paris, lui rend hommage aussi!

Honra a Baltasar Garzon!

V disse...

Honra a Baltasar Garzón? De acordo, mas não esqueço que ele fez a muitos nacionalistas bascos exactamente o mesmo que os juizes fascista lhe estão a fazer agora.
V

José Martins disse...

É este o "Mundo Cão" onde estamos inseridos...!!! O homem não consegue julgar e agradar, ao mesmo tempo, a gregos e a troianos.

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Caríssimo Senhor Embaixador Francisco Seixas da Costa,

Junto-me inteiramente à sua posição de indignação contra a suspenção de funções judiciais de Baltazar Garzón! Uma democracia que permita esta impunidade e este desprezo contra um dos mais fortes arautos da luta contra os crimes lesivos da Humanidade como nos manifestou na sua acção no caso de Augusto Pinochet e nos casos agora incómodos dos crimes do Franquismo, coloca em causa, eventualmente, o princípio da separação dos poderes e o elementar princípio de dar livre curso à Justiça de um Estado de Direito.

Dizia que uma democracia destas, capaz destas nefastas e muito estranhas decisões, só pode pertencer definitivamente à categoria das "democracias musculadas" que pretendem o branqueamento da História e da Justiça! É destes Honrados cidadãos e juízes que se fazem as democracias com espinha dorsal, pois sem isso as democracias degradam-se em pestilentos compromissos que não respeitam elementares princípios dos Estados de Direito.

Ainda não consigo compreender bem como pode isto estar a acontecer em Espanha... decerto mais um sinal da crise da valores que "já tem barbas" na História Europeia... O argumento da pacificação da sociedade espanhola, para mim, não colhe para justificar esta decisão puramente arbitrária.

A cidadania global deve seguir o seu curso para denunciar este hediondo ataque ao espírito democrático dos Estados de Direito e ao Direito Internacional!

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

Sempre que rezo...

DEUS RISSE...

Temos um acordo tacito...

Sempre que quer nomear um novo mártir
tenho a lata de o chamar à atenção...

Riam-se também...

Na minha vida...

Honra a Baltazar garZón... claro
Isabel Seixas

Guilherme Sanches disse...

Quem melhor expressaria a força contida na singeleza da expressão?

O futuro far-lhe-á justiça.
... porque o presente é apenas um efémero instante de passagem entre o futuro e o passado.

Um abraço

Anónimo disse...

Ainda sobre Garzon, esse corajoso magistrado, há por aí uns tantos Blogues, por cá, que o atacam...defendendo, por seu lado, posições franquistas. Alguns deles defendem, curiosamente, ideais monárquicos e assumem posturas católicas semelhantes à de um passado que não deixou saudades. Só a eles mesmo.
Voltando a Baltazar Garzon, acredito que a Justiça irá imperar no ataque lhe está a ser movido.
P.Rufino

Ernesto disse...

Permita-me que discorde. Num estado de direito, a Constituição e as leis têm de ser respeitadas a todo o transe Aqui não há direita, nem esquerda, mas sim respeito pela lei. Os juízes em Espanha, hoje são fascistas? Francamente...haja um pouco de senso, por favor. Garzón teve coragem, mas o franquismo já lá vai, para quê desenterrá-lo? Querem reavivar as feridas não saradas da dolorosíssima guerra civil?
Estou de acordo com a decisão dos magistrados. É a única possível. Esta é a minha opinião