quinta-feira, 27 de maio de 2010

Debate transatlântico

Voltei hoje a Nanterre, a universidade mítica do Maio 68, para inaugurar um interessante colóquio sobre os olhares cruzados da intelectualidade portuguesa e brasileira, durante o último e republicano século comum. Tive o prazer de constatar, nesta organização que muito deve ao entusiasmo do professor José Manuel Esteves, os frutos da ligação da universidade francesa à UTAD - a universidade portuguesa a cujo Conselho Geral presido.

A palestra que apresentei assentou na análise das perceções mútuas entre Portugal e o Brasil, na sua complexidade e ambiguidade, para além da almofada ritual da retórica, um bosquejo histórico  e cultural que procurei conduzir desde o final do século XVIII até aos tempos da CPLP. Com alguns exemplos, defendi a tese, que há muito alimento, de que é a África - e a relação diferente de Portugal e do Brasil com a África - uma importante chave para entender muito do que tem sido o curso das relações políticas bilaterais ao longo dos últimos dois séculos.

Saiba mais sobre este interessante colóquio aqui.

4 comentários:

Helena Oneto disse...

Passei uma tarde inteira neste maravilhoso jardim que é uma das coisas mais lindas que que o Imperador deu ao (seu) Brasil. E sempre bom (re)lembrar as "perceções mútuas entre Portugal e o Brasil"...

Fenêtre du Portugal disse...

Interessantissimo... esse aspecto sobre a relação diferente de Portugal e do Brasil com a África.

Uma das "chaves" que gostaria de desenvolver a nível da compreensão, mas a menina "falta de tempo" é teimosa e não permite.


- Uma nota :
Fogo, que custa mesmo habituar o olhar às regras do aCtual novo acordo ortográfico.

Assim, a palavra "perceções" induz um autêntico choque visual durante a leitura. Tenho de pedir ao meu cérebro um pouco de tolerância :-)


Mario Pontifice

Helena Sacadura Cabral disse...

Fenêtre du Portugal, subscrevo. Só o "nosso" Embaixador me faz deglutir este acordo com a pequeno!
Admiração, a quanto obrigas!

Anónimo disse...

Sobre os olhares cruzados...

Ontem decorreu o festival da canção Eurovisão...

A Nossa Representante a meu ver reunia todas todas as condições para ganhar...

Postura...
Beleza
Juventude
Voz
Poema Lindo...
Nuances de timbre simplesmente maravilhosas...
Musicalidade invejável
Orquestração... nada a apontar
Originalidade
comparabilidade com as outras canções... A Nossa muito Melhor

Em síntese não se vota em canções nem em interpretações de canções mas sim em "Países" supostamente mais poderosos Musicalmente?!!!

Talvez o Sr. Embaixador perceba estes meandros...

Filipa Azevedo... Parabéns
Mas...
Há Dias Assim
Isabel Seixas