segunda-feira, 31 de maio de 2010

Cunhal e o Protocolo (2)

A propósito da história aqui contada, há dias, sobre Álvaro Cunhal, uma amiga relatou-me uma cena passada, nos idos de 70, no Palácio da Ajuda, durante um jantar de gala, na receção de um chefe de Estado estrangeiro.

A esposa de um ministro português, senhora pouco dada ao mundo social e de um conservadorismo primário, pediu para falar com alguém responsável pela organização do jantar. A razão era simples: tinha sido colocada ao lado de Álvaro Cunhal e, sem cerimónias, adiantou que não queria comer "com um comunista ao lado" e "logo com esse homem horroroso!".

Foi explicado à senhora que as regras do protocolo eram o que eram, que o "homem horroroso" era o líder de um dos partidos com assento parlamentar e que não era viável fazer mudanças de lugares, porque isso implicaria ter de trocar outras pessoas, o que iria forçosamente gerar algum escândalo. À palavra "escândalo" - que mais tarde viria a atingir o seu marido, mas isso não faz parte desta história... -, a senhora acalmou e lá se acomodou à ideia de ter de comer "com um comunista ao lado".

No final do jantar, a diplomata cruzou-se com a senhora, ainda nos corredores da Ajuda, e inquiriu como tinha corrido o repasto. A senhora estava radiante: "Sabe? O Dr. Cunhal é simpatiquíssimo. Imagine que até conhecia os nomes das heroínas dos romances de Madame Delly!".

Permanecerá para todo o sempre em mistério a razão pela qual o líder comunista havia lido romances típicos da adolescência feminina dos anos 50 e 60. Já agora, convém dizer que a Madame Delly era o pseudónimo de dois escritores franceses.

2 comentários:

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

Provavelmente eram os únicos livros a que - «legalmente» - tinha acesso quando esteve preso no Forte de Peniche.

Anónimo disse...

Pois é um Senhor que a Seguir a Pessoa e não só espero Vir a Encontrar...
Isabel Seixas