segunda-feira, 31 de maio de 2010

Coincidências

Dois dias após Israel ter sido admitido como membro da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), depois de uma longa e muito contestada batalha diplomática, no termo da qual foram derrotados quantos consideraram que esse gesto era um "prémio" indevido ao seu contestado comportamento no plano internacional, o governo de Tel-Aviv levou a cabo em águas internacionais, com um elevado saldo de vítimas mortais, um ataque militar a embarcações civis que transportavam ajuda humanitária para o território da Palestina.

6 comentários:

Helena Oneto disse...

Subescrevo na integra este protesto!

Anónimo disse...

Faço minhas as palavras de Helena Oneto, se me é permitido.
O ensaísta alemão de origem judaica (convém sublinhar este aspecto e que veio a perder posteriormente a sua nacionalidade de origem – alemã), Kurt Tucholsky, disse um dia, por outras razões: “ a country is not just what it does, it is also what it tolerates!”
Por mim, estou inteiramente de acordo. Palavras sempre actuais.
A capacidade de tolerância e de compromisso por parte de Israel é, desde há uns anos a esta parte, praticamente inexistente. Resta saber como será a “reacção” da UE e dos EUA, relativamente a este grave incidente.
P.Rufino

Helena Sacadura Cabral disse...

Eu também Helena O. O senhor Obama devia estar mais atento...porque me parece que anda com uma visão muito selectiva!

Anónimo disse...

Interessante foi a posição dos responsáveis da nossa política externa. Destaco aqui a condenação pelo “excesso” de violência utilizada no caso, numa linguagem muito redonda como já nos habituámos a ouvir, o mesmo que dizer nada de relevante. E a titubiante posição da UE, pela voz da tal baronesa, e a pouco clara de Washington são igualmente de registar. Ainda quanto a nós, Portugal, a impressão que fica no ar é que a agressão só merece ser condenada em virtude do tal “excesso”. Por outras palavras, tivesse apenas o dito ataque originado feridos, ou afundado o barco, tudo isto sem recurso a mortos, até era “aceitável”. Esquecendo-se que aquele bloqueio é ilegal. As NU não reconhecem a Israel esse direito. E que os barcos e passageiros eram civis. Fosse outro país que não Israel e teríamos agora um problema e pêras! Daqui a 1 semana já ninguém fala deste assunto.
Albano

Celso R. disse...

Alguns vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=0LulDJh4fWI

http://www.youtube.com/watch?v=6B8_2DBuQRg

http://www.youtube.com/watch?v=b3L7OV414Kk

Não eram tão pacíficos com as primeiras impressões da imprensa nos fazem crer.

http://www.jpost.com/Israel/Article.aspx?id=176970

V disse...

"Ataque militar" é linguagem demasiado diplomática, caro Embaixador. Ataque terrorista!!!
V