segunda-feira, 10 de maio de 2010

Brasil

Alguns leitores fazem-me notar que há, por vezes, neste blogue uma frequência excessiva de notas sobre o Brasil. É verdade, "old habits die hard" e o Brasil marcou-me muito.

Por isso, sigo ainda com alguma atenção a vida política naquele país, que entra agora num período de grande animação, com as eleições presidenciais daqui a meses.

O mais interessante desta disputa, em que se defrontam duas figuras que tiveram a ditadura militar no seu encalce - Dilma Rousseff e José Serra - , é a sensação de normalidade que tudo isto já tem numa sociedade que, até há uns anos não muito distantes, era palco de uma cíclica conflitualidade, que abria permanentes interrogações quanto ao futuro. Hoje, o Brasil enfrenta a saída de um Presidente com o carisma de Lula da Silva com uma serenidade que não assusta nenhum investidor, que não dá aso a especulações de crise, não obstante permanecerem na sua sociedade focos de tensão social que só os anos e o crescimento económico atenuarão. 

O ambiente político que hoje se vive no Brasil tem dois grandes responsáveis: Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva. Ambos, cada um a seu modo, com erros que são os da vida, souberam dar mostras, no seu tempo próprio, de um elevado sentido de Estado, transportando a vida institucional brasileira para os caminhos da rotina democrática. O Brasil fica a dever a essas duas grandes figuras o salto para a sua modernidade política. É pena que alguns vizinhos não aprendam com o seu exemplo.

4 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Mais um post exemplar.

Helena Sacadura Cabral disse...

De facto dou a mão à palmatória. Lula, com todos os seus destemperos, conseguiu surpreender-me e cativar-me. E continua a fazê-lo.
O meu Embaixador é capaz de ter razão quando me disse que se o conhecesse gostaria dele...
Mas entre D. Dilma e Serra, ai aí votava no Serra. Embora a primeira tenha, julgo, o beneplácito do actual Presidente.
E para onde irá Lula da Silva? Onde aposta, Senhor Embaixador?

Anónimo disse...

Com a nódoa do Mensalão, não?

Anónimo disse...

Infelizmente um homem com pouco preparo, quase nenhuma cultura, com apenas o 3º ano do curso primário, com muita ambição pessoal e sem vontade de resolver os problemas estruturais do Brasil.
Fez um grande mal ao Brasil sua estada de 8 anos no governo, foi instalada uma corrupção sem precedente em todas as atividades.
Hoje ninguém respeita absolutamente nada por aqui, desde sinais de transito até os grandes empreendimentos que o governo manipula. Amargamos 30 anos de ditadura militar agora 8 anos de ditadura civil de um metalurgico semi-analfabeto, vingativo que pouco trabalhou na vida, e para ganhar uma aposentadoria aos 18 cortou o dedo mindinho da mão esquerda, Já viram um matalúrgico destro, sem o mindinho da mão esquerda? Como aconteceu isso, não tem testemunhas, pois ele alega que estava trabalhando sozinho em horário noturno quando aconteceu o "acidente". Tudo que começa errado dá errado, é um postulado da matemática.