sexta-feira, 28 de maio de 2010

28 de Maio

Poucos portugueses reconhecerão a figura representada nesta fotografia. Eu diria mesmo que alguns não farão sequer ideia de quem é, mesmo que se lhes diga que o seu nome é António Maria da Silva.

Porém, neste ano em que se comemora o centenário da implantação da República e nesta data de 28 de Maio, na qual, em 1926, começou um regime ditatorial que só terminaria em 25 de Abril de 1974, importa recordar que esta personalidade era então o primeiro-ministro legítimo de Portugal e cujos poderes foram usurpados pelo golpe militar. 

António Maria da Silva (1872-1950) era engenheiro de profissão, membro do Partido Republicano Português, tendo sido uma figura proeminente da 1ª República portuguesa (1910-1926), período durante o qual exerceu diversos cargos de governo.

2 comentários:

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Caríssimo Embaixador Francisco Seixas da Costa,

Fez bem em lembrar esta tão esquecida figura da 1ª República.

Quanto a mim relembrei, no meu blogue, por meros motivos históricos o discurso de Salazar proferido no centenário deste golpe militar que depôs o poder de António Maria da Silva.

Na verdade, se a memória não engana António Maria da Silva terá sido depois de Afonso Costa o mais importante político da 1ª República, em particular nos anos finais do regime. No entanto, talvez não tenha tido o carisma ou a habilidade para deixar uma marca que o perpetuasse para a posteridade. Também, eventualmente, falte algum investigador que estude e divulgue a sua biografia, pois é certo, e sabido, que Afonso Costa teve a sorte de ter sido estudado de forma aprofundada por A.H. Oliveira Marques...

Por mim, tenho uma predilecção pessoal ( não ideológica ) pela figura de Manuel Brito Camacho que teve uma estatura intelectual, literária e política invulgar. Fundou com alguns companheiros de luta político-ideológica o periódico republicano "A Lucta", que iniciou publicação no dia 1 de Janeiro de 1906 e teve importante papel no desgaste da monarquia em acentuada crise.

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Caríssimo Embaixador Francisco Seixas da Costa,

Por equívoco disse centenário: não são 100, mas 10 anos, que transcorreram de 1926 a 1936, como é óbvio. Talvez seja por Salazar ter tido a mania dos centenários acabei por cometer este lapso...Peço desculpa e fica a correcção.

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão