terça-feira, 27 de abril de 2010

De Gaulle

Dentro de algumas semanas, comemorar-se-ão 70 anos sobre a data em que o general De Gaulle fez, de Londres, a proclamação em favor da liberdade da França, que representou o momento de criação formal da resistência à ocupação nazi. Em Novembro, 40 anos passarão  também sobre a sua morte.

Ontem, acompanhei uma delegação da Assembleia da República numa deslocação ao Memorial Charles de Gaulle, em Colombey-les-deux-églises, um recente e interessantíssimo museu, construído ao lado da residência e da campa do general, que simboliza o orgulho da França em alguém que, no momento necessário, a encarnou decididamente como nação.

Junto ao Memorial encontra-se esta impressionante Croix de Lorraine, um símbolo histórico francês escolhido para representar a França livre.

3 comentários:

Gil disse...

L'appel...
Nas suas "Mémoires de Guerre", o General refere-se à proclamação da seguinte forma:
"Le lendemain, à 18 heures, je lus au micro le texte qu'on connait."
É a mesma sobriedade que o fez começar a primeira reunião do Governo em 1958, depois de ter o abandonado 12 anos antes, com esta frase gaulliana: "Messieurs, reprenonsles travaux."

Anónimo disse...

Curioso...
Representar a liberdade com uma cruz.

Embora não duvide que cada liberdade tenha a sua cruz...

Bem sei que este blogue também tem...

Ás vezes sou eu...

Mas...sempre no âmbito da liberdade.

Sei... Da minha,e não só, que admitamos a possibilidade de o transformar em Libertador.

Pois de boas intenções...
Por falar em liberdade
Tenho saudades, quer dizer sinto mesmo a falta Do(a) IM
Será que sou a representação da sua cruz!?
Hum... Não sou assim tão importante
Isabel Seixas

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Sem dúvida que além da memória de Sir Winston Churchill devemos recordar a resistência e a força anímica que De Gaulle deu aos movimentos de resistência francesa. Esta evocação da França ocupada fez-me recordar uma maravilhosa comédia do humorista Louis de Funès que em Paris tenta ajudar uns pilotos ingleses caídos no covil dos Nazis em 1942 ("A Grande Paródia" uma comédia clássica a não perder sobre o tema).

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt