segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

"Langue de Bois"


Sempre considerei magnífica a expressão "langue de bois", para significar a forma de evitar dizer coisas concretas, optando por banalidades e fórmulas "redondas", que não comprometem o locutor, sem contudo este deixar de dar a ideia de que está a dizer qualquer coisa de substancial.

Aos diplomatas é assacada a utilização frequente da "langue de bois". Penso que se trata de uma imputação cuja generalização é algo injusta: muitas vezes, a adopção de um discurso vago releva da incontornável pressão que os diplomatas sentem para se pronunciarem em momentos de tensão ou indecisão, quando ainda não têm instruções políticas para serem mais concretos. Este é o preço da chamada "diplomacia pública". Forçados a falar sobre certo tema, alguns diplomatas tendem a encher o discurso com frases não comprometedoras, recheadas de "eventualmente", "muito possivelmente", "esperamos que venha a ser possível" e coisas assim. Às vezes, ao ouvi-los, apetece-me dar-lhes o conselho que sempre dou aos meus colaboradores que vão a uma reunião: se não têm nada para dizer,  tentem estar calados. Só que, por vezes, isso não é de todo possível, particularmente em face do carácter inquisitivo de certa comunicação social, que quer um título ou um "lead". E, com a vida, aprendi que nesse diálogo com os media, só há uma certeza absoluta: a nossa pior frase será sempre o título do jornal.

Compreendo bem os colegas, portugueses ou estrangeiros, que se defendem dessa maneira, em especial face à imprensa, porque muitas vezes não têm treino para esses embates públicos, e para cujo saldo mediático não se sentem protegidos. Digo isto com toda a franqueza, até porque geralmente não procedo dessa forma. Porém, no meu caso pessoal, talvez tenham sido os anos de exposição fora da diplomacia profissional que me tenham aculturado a outro registo, que agora utilizo, com alguma facilidade mas com os inerentes riscos. Reconheço, contudo e sem dificuldade, que, aqui ou ali, já tenho usado a "langue de bois".

6 comentários:

José Barros disse...

A “Langue de Bois”, às vezes, quando não faz rir, não é muito agradável ao ouvido; Mas engolir sapos, esta uma expressão portuguesa, deve ser bem mais cruel...

Anónimo disse...

Luís Amado recorre muito à "langue de bois", quando fala à imprensa.
Miguel Reis

Julia Macias-Valet disse...

Coincidência, ou o Senhor Embaixador viu a reportagem de apoio ao lançamento do livro "Une histoire de la langue de bois" de Christian Delporte que acaba de sair na Flammarion ?

Caso nao tenha visto, e para todos aqueles que nao viram aqui fica :

videos.tf1.fr/jt-we/le-livre-qui-decrypte-la-langue-de-bois-des-politiques-5600900.html

Eu acho mais piada à expressao "blabla".

Helena Sacadura Cabral disse...

Estou como a Júlia. Entre nós o blabla tem imenso sucesso.Em particular, na área política. Sobretudo, quando se quer esconder as duras verdades...

Mika disse...

"langue de bois",ora aí está uma expressão que me trás de volta os predilectos chavões dessa cidade iluminada de que uma década me deixou saudade. É sempre uma bengala que se usa na ponta dos dedos com se de balsa se tratasse.
Hoje este meu primeiro dia de férias tem sido de links curiosos. Agora com este seu também.
Voltarei com assiduidade...afinal porque tenho um pézinho audiovisual e público, também por aí.
Abraço

Miguel Quaresma

Santiago Macias disse...

Eu já usei e todos os meus amigos da área política também. E há alturas o que é melhor mesmo é "empalhar" (outra boa palavra), antes de dizermos alguma asneira comprometedora...
Mas estou de acordo que o silêncio é, às vezes, preferível.