terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Compras


É só uma vez no ano! Sejam generosos!

10 comentários:

Margarida disse...

Não é, não senhor. O ponto reside aí. É sempre que vejo o que se adequa a quem gosto. Até a quem nem gosto assim tanto. E aquela vertigem de oferecer um carinho: escolhi para ti, toma! - porque as coisas falam e têm destinatários, da casa com piscina ao bonbom pequenininho. Tudo tem alma e sentido. E destino.
Como nós.
Por isso ofertar por calendário parece forçado. Doloroso, até.
A mim custa-me.
Amor não embrulha à pressa, num vendaval de nervos.
É devagarinho, entre algodões, que se guardam os cristais.
Ou não tinem ao som do coração.
:)

Helena Sacadura Cabral disse...

Generosos uma vez no ano?
Senhor Embaixador, o endividamento familiar e o cartão de crédito são um bom exemplo da "nossa" generosidade!

Conceição Duarte disse...

Cuidado com os gastos hehehehe
passei aqui para, desejar um feliz natal com saúde, paz e amor e que o ano novo seja maravilhoso em todos os sentidos da vida. bj con

Anónimo disse...

O que encanta é a cor... dos sacos e do contraste dos sacos com o vermelho do casoco da senhora...
MM

José Barros disse...

Compras só uma vez no ano? Neste caso será suportável para todas as pessoas, grandes ou pequenas, que acreditam no Pai Natal mesmo se a criançada acredita cada vez menos e até se riem, muitas vezes, quando lhes falam do tal homem carnal de barbas brancas... Mas fingem. Isso sim, sabem fingir até ao momento de aceitarem as prendas e abrirem o embrulho. Depois deixam logo de fingir e quando de todo as prendas lhes não agradam, sem qualquer fingimento, mostram a outra cara com rompante e revolta e não economizam um polido “vai p’rá fava” ao pai ou à mãe porque sabem bem que o Pai Natal não pode aguentar com todas as culpas e na idade deles estão-se nas tintas para as noções de crise. É verdade que isto não acontece tão frequentemente nas famílias onde as dificuldades financeiras as obrigam a contar muitas vezes no dia o dinheiro que têm para gastar e onde raras vezes fica dinheiro suficiente para muita escolha de prendas. Para as mais “remediadas” as coisas já se complicam de certa maneira e, para as de ainda maior fortuna, então nem quero pensar no “quebra-cabeças” que consiste a escolha das prendas...
Como estamos numa época aprazível deixo aqui uma sincera palavra de compaixão para todos os meninos de pais afortunados e peço-lhes para se conformarem com a prenda que recebam ainda que porventura não lhes seja de grande utilidade. Porque as coisas não estão assim tão fáceis como pode parecer à primeira vista! Pensem na dificuldade de escolha que os vossos pais tiveram...

Julia Macias-Valet disse...

Um post com 30 letrinhas apenas...ou muito me engano ou Senhor Embaixador anda à pressa para acabar de comprar as prendas.

José Martins disse...

Senhor Embaixador,
Claro terá que haver generosidade nas compras...
A ocasião não está para flores.
Aproveito desejar-lhe uma excelente ceia de consoada, com os seus (tenha cuidado com as espinhas do bacalhau)e o 2010 lhe traga tudo de bom e grande prosa neste seu blogue, que visito todos os dias.
Só comento quando tenho "pedalada" para a matéria inserida.
Saudações de Banguecoque
José Martins

Santiago Macias disse...

Uma vez por ano? Nem por isso, senhor embaixador. Qualquer passeio com uma senhora por uma rua de uma cidade rapidamente se converte numa sucessão de entradas e saídas de lojas. Sempre com a mesma frase: "deixa lá só ver ali uma coisa".
Votos de Boas Festas, daqui do Alentejo profundo.

Anónimo disse...

O senhor Embaixador anda mesmo apressado... se anda de férias, né melhor não fazer de contas....

Anónimo disse...

Compras...

Meu Deus
Se eu pudesse
Que é como quem diz
Se tivesse mais dinheiro

Compraria...
Depois...
Oferendaria

O sonho De Cada UM

Mesmo sabendo que deixaria de Ser
Sonho

Só...E

Sem Maldade

Para confirmar

Se mudaria Alguma coisa.

Isabel Seixas