terça-feira, 3 de novembro de 2009

Afeganistão

Espero bem estar enganado, mas a pírrica vitória de Hamid Karzai nas eleições presidenciais afegãs, depois da desistência do seu rival Abdullah Abdullah, afigura-se mais um alerta para a tormenta que aí vem do que um sinal de acalmia ou o prenúncio de uma sedimentação da situação, formalmente democrática, que as urnas recentemente desenharam.

As forças internacionais que, com toda a legitimidade, intervieram no Afeganistão, para tentar repor uma ordem que ameaçava a sua própria segurança, terão sofrido a conjugação de duas debilidades difíceis de superar e encontram-se agora numa situação que, por maior que seja a euforia alardeada pelos seus dirigentes, traduz a extrema dificuldade em que se encontram.

A primeira debilidade teve a ver com o facto da liderança da operação no Afeganistão ter cabido aos Estados Unidos, sob uma administração em Washington que foi incapaz de transformar a indiscutível razão que lhe advinha do 11 de Setembro numa autoridade com valor moral, com real capacidade congregadora de um mundo que, com razão, temia e teme a política desestabilizadora dos talibãs, a começar pelos seus próprios vizinhos do Golfo. Assuma-se ou não isto abertamente, a legitimidade da coligação internacional ficou desde logo fragilizada por este "pecado original", que lhe era alheio.

A segunda debilidade decorre directamente da primeira. Ao terem conseguido o prodígio de conseguir desequilibrar toda a região, pela continuidade da política "neutralidade colaborante" assumida ao lado de Tel-Aviv no conflito israelo-palestiniano, pela imponderada invasão ilegal do Iraque (para a qual arrastaram outros complacentes parceiros) e por uma política errática de alianças regionais, sem uma estratégia devidamente consensualizada, os americanos acabaram por abrir uma imensa "caixa de Pandora". Foi assim no Paquistão, como o foi no modo irresponsável como provocaram o vazio de poder em Bagdad, onde não cuidaram em gizar fórmulas mínimas de transição. Neste cenário subitamente desequilibrado, o Irão passou a ter, pela primeira vez desde há muito, uma formidável capacidade para se afirmar autonomamente na região, situação agravada agora pelo novo "leverage" que lhe é dado pelo seu potencial nuclear.

Agora, tudo isto está a sobrar para o "Ocidente", para uma NATO obrigada a viver, já quase com naturalidade, o seu posicionamento "out of area", isto é, para todos nós, cada um de acordo com as suas possibilidades. Qual é a solução? Verdadeiramente, ninguém sabe. "Deitar" mais tropas sobre a guerra, num terreno como o Afeganistão, lembra inapelavelmente o tempo em que os soviéticos por lá andaram e, do mesmo modo, o período do Vietnam. Só que, neste último caso, não havia petróleo na região, nem ameaça nuclear, nem vizinhanças imponderáveis para gerir. Restará, um dia, negociar. Com quem? Com os talibãs? Esperemos apenas que Karzai não venha a ser condenado a, mais cedo ou mais tarde, vir a fazer o papel de clone de Nguyen Van Thieu.

3 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Uma justíssima análise da situação que se criou no Afeganistão. E para a qual, qualquer potencial/eventual tentativa de solução, está condenada à partida.

Alcipe disse...

O Afeganistão (vizinho do país onde vivo) lembra-me aquele ditado brasileiro: "Se correr o bicho pega, se parar o bicho come"...

Anónimo disse...

Mas que comentário político excelente! Estou para ver como vai acabar, um dia,o "problema" do Afeganistão. Ah, hoje, as notícias eram curiosas: Karsai a apelar aos "rapazes" Talibâns...e depois a resposta dos mesmos, acusando-o de ser uma "marionete" dos EUA. Paz, ali para aqueles lados, parece ser coisa mas difícil de alcançar do que passear em Marte!
Albano