domingo, 25 de outubro de 2009

Líquidos

Ontem à noite, fui levar casa um amigo que habita na Rue des Eaux, aqui em Paris. A ironia maior é que ao fundo dessa mesma rua fica o Musée du Vin.

Isto fez-me lembrar a frase do José Cardoso Pires, no seu "Lisboa, livro de bordo", quando se referia ao aquífero chafariz que, em Lisboa, existe à porta do bar Procópio: "Um chafariz à porta de um bar é cá uma saudação que enternece o maior malvado".

1 comentário:

Helena Oneto disse...

Uma das razões porque tanto gosto de o ler, Senhor Embaixador, é porque as suas lembranças me recordam pessoas, factos, lugares, cheiros, cores, vozes, situações que me são também familiares. A "sua" Lisboa por vezes é também minha.
Tenho imensas saudades do Zé e do Procópio (adorei o que escreveu sobre o bar da Alice e do Luis -aqui ao lado- no "...ou quatro coisas")e de tantos outros chafarizes...
Boas recordações :).