quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Benfica

Num jogo desta sua (excelente) pré-temporada, o Benfica fez alinhar, ao que parece pela primeira vez na sua história, 11 jogadores estrangeiros. Nada a dizer, num domínio em que a nacionalidade já hoje é praticamente irrelevante, salvo no caso das naturalizações oportunistas para integrar selecções nacionais.

Só que o caso do Benfica tem, apesar de tudo, uma característica diferente. Durante muitas décadas, a equipa da Luz orgulhava-se de nunca ter recrutado jogadores estrangeiros e terá sido, em Portugal, a última a abandonar essa prática. É claro que eram outros os tempos, tempos em que o pé-de-obra colonial trazia por aí Eusébios, Colunas ou mesmo Costa Pereiras, quase a preços de saldo. A "exploração colonial" tinha estas dimensões mais benévolas.

Neste contexto, seria agora interessante reflectir sobre o que significa este fenómeno da adesão a um emblema, seja quem for que o esteja a representar. Trata-se de um curioso mas complexo processo de construção de afectividade, que deriva de uma total irracionalidade, embora favorecida por factores de natureza conjuntural (região, família, grupos). Aliás, a prova mais irrefragável dessa mesma irracionalidade, assumida frequentemente com ares de seriedade, é detectável na substância do "argumentário"- esse sim, caricatural e supostamente racional - com que o facciosismo pretende explicar as motivações profundas de uma qualquer opção clubística.

Este é um tema fascinante, com a única garantia de ser, como sabemos, o início de uma discussão sem fim.

7 comentários:

JM Correia Pinto disse...

Racionalidade, racionalidade a sério é o Sporting dar uma grande barraca na Holanda e acabar por ser apurado

Anónimo disse...

Completamente de acordo. Mais vale apoiar o Chelsea, Manchester United ou mesmo o Real Madrid. Pelo menos ainda se apoia alguns jogadores portugueses...

Anónimo disse...

Esta águia - desculpe lá - deve ter pousado em Alvalade.

DR

Anónimo disse...

Viva o Sporting de Tourel!

Anónimo disse...

Viva o Sporting de Tourel!

Margarida Pereira disse...

A águia tem um ar antipático à brava!...
Um dragãozinho é mais fofo...
;)

Anónimo disse...

Só esta águia circunspecta para me convencer da insustentável leveza ternurenta de ser Leão...
Passo a essência do "argumentário"
Isabel Seixas